Banco Central

Injusta a publicação no Lance, na coluna De Prima, dando conta de que a dívida do Flamengo junto ao Banco Central ocorreu na década de 90 e, principalmente na minha gestão. Ontem, aqui já expliquei que a operação realizada em 98, quando Real Madrid e Flamengo concluíram uma operação de troca de jogadores, com Sávio indo para o Real Madrid e o clube espanhol colocando no Flamengo, seus jogadores Zé Roberto e Rodrigo Fabri e garantindo junto ao Valencia e Palma de Mallorca, respectivamente, Romário e Palhinha, para o Flamengo, tudo isto sem que houvesse qualquer remessa de dinheiro para o exterior ou entrada de dinheiro no Brasil. Acho que já  é hora de todos entenderem que o presidente do clube não bate o córner e corre para fazer o gol de cabeça. Embora o regime seja presidencialista, há toda uma estrutura em que, cada vice-presidente responde por sua respectiva área. Esta operação teve os carimbos das vice-presidências, Jurídica e Financeira. Independente disto, quando deixamos a presidência em 98 nada havia com relação a este fato. A ação do Banco Central ocorreu muito depois e, em nenhum momento, eu ou qualquer outro membro da nossa diretoria, recebemos qualquer chamado do clube para que pudéssemos ajudar a esclarecer o tema ou ajudar na defesa do clube. E mais: Não tenho a menor ideia de como, ao longo do tempo, o Flamengo vem fazendo a sua defesa. Se por acaso for parecido com a do assunto Shopping Center, já dá para se entender como esta dívida cresceu tanto.

Comente.