Vocês querem me matar?

Li e reli, um caminhão de vezes, os comentários sobre o aniversário do blog. Comovido, muito feliz e orgulhoso. Muitas vezes na vida, e como é bom, as lágrimas traduzem felicidade e gratidão. Este é um caso típico.

Hoje, falei novamente com Rodrigo Caetano. Começamos a arquitetar o que muito aqui ontem se comentou sobre uma corrente nacional, via blog, de “olheiros rubro-negros” interessados unicamente em colaborar com o Flamengo. Vamos trabalhar em cima disso e, quando tivermos mais domínio sobre o desenvolvimento do tema, comunico aos amigos.

Mais uma vez, muito obrigado por tanto carinho.

Valeu, amigos…

1ANOQueridos amigos e companheiros deste Blog!!!

Com enorme alegria registro que hoje, 22 de julho de 2015, estamos completando nosso primeiro aniversário.

Muito obrigado, de coração, a todos que aqui interagiram, que concordaram, que discordaram, que fizeram deste espaço algo tão democrático e prazeroso. Muito obrigado ao querido amigo Robert Rodrigues, meu competente e atento parceiro, que hoje me presenteou com um “Red”, para muitas “papinhas” comemorativas.

Como recordar é viver, passo a bola para o Robert, que vai a partir de agora, refrescar a nossa memória. Diz aí, parceiro…


Nesses 365 dias tivemos 440 posts publicados no Blog, esse que você está lendo é o 441º. Uma quantidade de fazer inveja a muitos cronistas esportivos de grandes veículos.

Até hoje, recebemos mais de 593 mil visitas, geradas por 178 mil pessoas diferentes, o que equivale a mais de dois Maracanãs lotados em sua capacidade atual (77.000 pessoas, de acordo com o consórcio que o controla). 

Em média, cada visitante permanece no Blog por volta de três minutos, ou seja, quase um milhão e oitocentos mil minutos – ou 30 mil horas – já foram “gastos” com a leitura deste Blog.

O post mais lido neste ano foi o que versava sobre a possibilidade da vinda de Marcelo Cirino, tendo como fonte o presidente do Atlético/PR, Mario Celso Petraglia. Possibilidade esta que acabou se confirmando. O post, que foi lido por 6.260 amigos até hoje, pode ser visto aqui.

O segundo post mais visualizado foi aquele em que se aventava a possibilidade de termos Robinho no plantel Rubro-Negro, o que, infelizmente, não se confirmou. O post foi lido por 5.677 pessoas até então. O mesmo pode ser lido aqui.

O post que fala da grave questão do Consórcio Plaza também chamou a atenção de nossos amigos, sendo o terceiro mais lido neste nosso primeiro ano. Mais de 5.200 amigos ficaram, em média, oito minutos lendo esse artigo, que pode ser visto aqui.

Além da quantidade de visitas, um bom indicador para medirmos a aceitação de um post é o número de comentários que recebe. Isso significa que o conteúdo gerou “discussão”. Os posts mais comentados nesses primeiros 365 dias foram: Camisa 10 (42 comentários), Papo com o presidente (35), Irritante (29), O homem chegou (28) e Falar, o quê? (28).

Com relação aos comentários, tivemos 1.386 aprovados até agora (e contando), e mais uma boa quantidade que, infelizmente, não pôde ser publicada, já que tudo postado no Blog, mesmo dentro da área de comentários, é, de acordo com nossa legislação, responsabilidade do autor do Blog. Como não podemos nos responsabilizar por tudo que é escrito nos comentários, alguns acabam não sendo aprovados. Desculpem por isso, amigos!

E por falar em amigos, muitas amizades foram feitas nesse primeiro ano de Blog e até sugestão de churrasco já apareceu (quem sabe na final da Copa do Brasil?)! 

Carlos Egon Prates nos deliciou com 227 comentários até hoje, nosso maior “colaborador”! Quem não ficou muito atrás foi Pedro Cesar de Oliveira Filho, com 155 comentários. Outros que adoram deixar seus pitacos (que apreciamos muito ler) foram: Helder (81), Andre Tavares (77), Nino (65), José Carlos, Daniel Made, José Victor, Lucas, Leonardo Soares Sobrinho, Wilson Boneto, Liliano Brandão, Renan, Rock Gomes, Wenceslau Neto, Lucas Dantas, Célio, Edson Morais, Roberto Toledo e outros, que comentaram em menor quantidade, mas com a mesma qualidade, atenção e carinho.

Também recebemos comentários de grandes amigos, como Atílio Garrido, Octavio Drummond e Luiz Guilherme Barbosa. E figuras ilustres na história do Flamengo, como Radamés Lattari, Michel Assef (e seu filho Marco Aurélio), Hélio Ferraz, além de outros menos conhecidos, mas nem por isso menos importantes.

E como é bom saber que o seu trabalho atravessa fronteiras! Nosso Blog já foi lido em 113 países, incluindo aí todos da América do Norte e Europa Ocidental, indo até Oceania, Ásia e África. E um detalhe curioso: depois de Brasil e EUA, a Índia é o país que mais trouxe leitores: neste primeiro ano foram 2.387. Isso demonstra o tamanho da torcida do Flamengo, que não sem razão, é muitas vezes tida como uma nação, a Nação Rubro-Negra.


Valeu!!! Feliz aniversário, queridos amigos!!!!!

Ederson, Rodrigo Caetano e Yago Pikachu

(Foto: divulgação Lazio)

Ederson jogou com Klose na Lazio (Foto: divulgação Lazio)

Ontem, aqui registramos a preocupante mensagem do rubro-negro, e empresário, Cacau Barbosa, que nos enviava a participação na temporada 2014/2015 do novo camisa 10 do Flamengo, Ederson. Realmente, apenas quatro jogos e um só gol são números preocupantes para quem tanto precisa de um jogador criativo que funcione. Terminei o blog de ontem com a seguinte colocação: “com a palavra o diretor executivo do Flamengo, Rodrigo Caetano”. E hoje pela manhã, pude ouvir dele as explicações pertinentes. Segundo Rodrigo, não foi por qualquer problema médico que Ederson jogou tão  pouco e fez apenas um gol na temporada, e sim, por incompatibilidade com o diretor técnico e, principalmente, com o treinador. Embora atuando muito  pouco, só não esteve à disposição em três oportunidades durante toda a temporada, fato que elimina a desconfiança de que o jogador esteja com problemas médicos. Rodrigo Caetano lembra que Ederson subiu uma escada de qualidade no futebol europeu. Começou no Nice, depois foi para o Lyon e, finalmente, Lazio. O último argumento de Rodrigo Caetano é irrefutável. Se Ederson estivesse num bom momento na Lazio, a chance de vir para cá, seria zero.

Aí estão os argumentos. Agora, só nos resta aguardar.


Iago Pikachu (Foto: Antônio Cícero/Fotoarena)

Yago Pikachu (Foto: Antônio Cícero/Fotoarena)

Ontem, o amigo e companheiro deste blog, Carlos Egon Prates, no seu comentário, deu a seguinte dica, solicitando que o tema fosse encaminhado ao diretor de futebol do Flamengo, Rodrigo Caetano:


Amigo Kleber.

Hoje a tarde vendo o Expediente Futebol, fiquei abobalhado com o radar furado dos nossos gestores. Um repórter do Pará (Abner Luiz) contou a história do lateral-direito Yago Pikachu que joga no Paysandu.
Com apenas 23 anos, faz gols em quase todos os jogos = 33 jogos, 14 gols.
IMPORTANTE – Não vai continuar no clube paraense (até final de 2015), e JÁ pode assinar um pré-contrato com clube novo. Salário merreca.
Que tal dar um telefonema para o grande Rodrigo Caetano?
(Dados do jogador podem ser vistos aqui).


Pois bem, encaminhei o assunto. Rodrigo Caetano já havia tentado levar Yago para o Vasco e, sem sucesso. Rodrigo também o considera um belo lateral, a bem da verdade, mais ala do que lateral, e disse que vai agir imediatamente.

Se der certo, golaço do Blog!!!

Ederson, preocupante!!!

(Foto: AFP)

Ederson atuando pela Lazio (Foto: AFP)

Amigos e companheiros deste blog e, em especial, Rodrigo Caetano e turma do futebol do Flamengo: Conheci no clube, assim que assumi a presidência em 1995, ainda garotão, Carlos Henrique Barbosa, popular Cacau, funcionário do departamento de futebol, e que acabou sendo o assessor de Paulo Angione, à época o executivo de departamento de futebol, que ainda era chamado de supervisor.

Cacau, grande rubro-negro, foi sempre um funcionário super dedicado e o seu maior prazer era o trabalho, pois amava o que fazia. O Flamengo e o futebol eram suas paixões. Cacau galgou novos horizontes e, como sempre foi muito jeitoso, angariou a simpatia e a confiança de vários jogadores, sendo hoje, um empresário respeitado no mercado da bola, tendo Philippe Coutinho, da seleção brasileira, como um de seus clientes.

Apresentação feita, passo agora para vocês a preocupante mensagem que acabo de receber do profissional da bola, e rubro-negro, Cacau Barbosa:


Kleber, em primeiro lugar me desculpe por tomar a liberdade de enviar esta mensagem. Como eu tenho sempre o hábito de ler seu blog, hoje por acaso você fez um mix de seis tópicos: “Pingadinhas de segunda-feira” e na penúltima, você, com muita propriedade, deixa claro o que 30 milhões de rubro-negros estão se perguntando: quem é o Ederson??? Bom vamos lá, ele tem 29 anos, na temporada 2014/15 jogou cinco partidas, sendo quatro pelo Campeonato Italiano e uma pela Copa Itália, atuando um total de 113 minutos. Nas cinco partidas nunca ficou os 90 minutos em campo, e fez um gol em novembro de 2014. Eu tenho que respeitar esse departamento de futebol do Flamengo, eles conseguem desenterrar cada defunto, fala sério…

Um abraço, e mais uma vez me desculpa a liberdade.

Cacau Barbosa


E agora? Com a palavra, Rodrigo Caetano.

 

Política Rubro-Negra

Rodolfo Landim e Wallim Vasconcellos (Fotos:  Fabio Rossi / Agência O Globo e Richard Souza)

Rodolfo Landim e Wallim Vasconcellos (Fotos: Fabio Rossi / Agência O Globo; e Richard Souza)

Hoje, pude me aprofundar, através de contatos dos mais agradáveis, com figuras ilustres, dinâmicas e criativas, sobre o momento político do “Mais Querido”. Na realidade, o clube está dividido em duas frentes, sendo uma composta por Eduardo Bandeira de Mello, com o apoio do grupo “Só Fla” e, do outro lado, quase todas as figuras expressivas que conduziram a chapa azul à vitória na última eleição. Este grupo, que ninguém duvide, virá muito forte, tendo como premissa o trabalho em equipe, fato que, segundo afirmam as pessoas com quem falei, Eduardo Bandeira de Mello deixou de fazer desde novembro do ano passado. Há, por parte deste grupo, a esperança de que o atual presidente desista de concorrer em novembro, até porque, segundo apurei, havia entre eles um acordo no sentido de que, se o grupo resolvesse indicar um dos “fundadores” da chapa azul, Eduardo, que não é fundador, se obrigava a desistir de uma possível reeleição. O primeiro nome, e houve unanimidade, para ser lançado como presidente foi o de Rodolfo Landim. Todas as tentativas foram e continuam sendo feitas para Landim aceitar. Há, como entrave, uma situação impeditiva de ordem profissional. Pelo que ouvi, Landim tem 10% de possibilidades de aceitar a missão. O vice-presidente seria Wallim Vasconcellos. Se porventura, Landim não conseguir contornar o seu problema profissional com os sócios, aí haverá uma inversão na chapa, com Wallim para presidente e Landim como vice geral.

Argumentei ter lido noticiário dando conta de ser intenção de Eduardo Bandeira de Mello não ficar na atual diretoria com ninguém que não venha a apoiá-lo. A opinião geral é de que se o atual presidente vier a agir desta forma, estará decretando o “racha” definitivo, antecipando o processo eleitoral e, deixando claro para os sócios que privilegiará seus interesses pessoais em detrimento dos interesses do Flamengo. Em síntese, estará cavando sua própria sepultura. Portanto, a bola está com Eduardo Bandeira de Mello. No primeiro movimento dele, estará deflagrado o processo eleitoral no Flamengo.

Pingadinhas de segunda-feira

Rodrigo e Fred disputam a bola pelo alto (Foto: Nelson Perez/Fluminense FC)

Rodrigo e Fred disputam a bola pelo alto (Foto: Nelson Perez/Fluminense FC)

Tremenda zebra o resultado de ontem entre Vaco e Fluminense. Tudo, inclusive tudo, conspirava a favor do tricolor: Batalha ganha no judiciário para ocupar no Maracanã, conforme contrato, o espaço escolhido para sua torcida; o Presidente do Vasco, Eurico Miranda, revoltado a ponto de sugerir que os torcedores do Vaco não fossem ao jogo; a apresentação de Ronaldinho Gaúcho; um mar de bandeiras tricolores; Maracanã de quase uma torcida só e, no final do filme, CRÉU!!!


Ontem, voltei a ficar impressionado com a atuação do zagueiro Rodrigo. Atuação simplesmente perfeita. Sufocou Fred e, há muito tempo não vejo um zagueiro se antecipar com tanta precisão. A antecipação é uma jogada que requer muita intuição, onde o defensor consegue ler o pensamento do atacante, o que convenhamos, não é fácil. Apesar da idade, Rodrigo tem 34 anos, a forma física é invejável para um zagueiro que, além de zagueiro, empurra o seu time para frente, participando das jogadas ofensivas e, além de tudo isto, bate muito bem na bola, tanto é, que é o cobrador de faltas no time do Vasco. Se fosse escalado para dar as notas aos jogadores neste jogo, Rodrigo levaria um 10. Tipo do jogador para se ficar atento para a temporada 2016…


Comovente a reação do mundo do surf, comemorando o fato do surfista tricampeão mundial, Mick Fanning, ter sobrevivido ao ataque de um enorme tubarão. O curioso é que, apesar de todos saberem que nesta praia onde aconteceu o ataque haja sempre um grande número de tubarões, a FIFA do Surf programe competições nestas condições, colocando em risco a vida dos surfistas. Tremenda irresponsabilidade.


Hoje, no “Redação Sportv”, foi mostrado um importante jornal Peruano em que, toda a primeira página era dedicada ao nosso Guerrero. Matéria enorme exaltando o Peruano que conquistou a maior torcida do Brasil, marcando três gols, nos seus três primeiros jogos. Guerrero é Rei em duas nações…


E o meia Ederson, que atuava na Lazio da Itália. Confesso que não o reconheceria se com ele me encontrasse. Alguém já o viu jogar. Que tal?


Curiosa a reação de Wallace que, entrevistado, meio de humor comprometido, disse que “a torcida do Flamengo não veio aqui hoje por nós. Veio pelo Guerrero”. Que mágoa é essa? Aliás, no fundo, ele tem toda razão. A maioria de rubro-negros que foi sábado ao Maracanã, foi realmente para ver Guerrero. E isto é algum pecado?

De gol em gol de Guerrero o time do Galo (Zico) enche o papo

(Foto: Staff Images)

(Foto: Staff Images)

Bom jogo. Flamengo melhor no segundo tempo, embora o gol tenha sido marcado no primeiro. Dentro das limitações conhecidas, houve uma superação coletiva, em que ninguém foi mal, talvez apenas Marcelo Cirino rendendo abaixo do que pode.

No último jogo, César brilhou e, no blog pós jogo afirmei que havíamos recuperado um goleiro. Na mosca! Hoje, César foi decisivo, inclusive com uma defesa de puro reflexo e muita agilidade, pra ser destaque nos programas esportivos da TV.

Como é habilidoso e sutil o nosso jovem lateral esquerdo Jorge. Hoje, além da bela atuação, foi o responsável pela mais linda jogada individual. Um drible desconcertante, como não se via há muito tempo.

Claro que Guerrero é o cara. Três jogos, três gols e, um em cada jogo. Jogador decisivo. Agora, não posso deixar de dizer que, se Guerrero tem sido o homem, Emerson Sheik, tem sido a alma. E, alma com talento…

Enfim, delícia de jogo. Até alguns jogadores que vinham maltratando a bola, como Wallace e Canteros, hoje, estiveram “irreconhecíveis”… ou seja, jogaram muito bem.

O nosso parceiro e amigo, Carlos Egon Prates, pelo que prometeu, vai dar as notas individuais de 0 a 10 para o nosso time. Estou curioso…

Termino, provocando. A minha nota para a atuação do time no jogo de hoje contra Grêmio, é 7. E sua nota, qual é?

Vale a pena ler e, opinar

Companheiros e amigos deste blog: Há no ar, e o momento é oportuno, uma rara oportunidade de se discutir o quão injusto o Estado tem sido com os clubes que, com enorme esforço, seguram a bandeira olímpica do Brasil. Neste tema, sem medo de errar, ao longo de 120 anos, o Flamengo vem sendo o verdadeiro porta bandeira dos esportes olímpicos, gastando incalculável fortuna e, nada recebendo em troca.

Convido vocês para que leiam dois comentários sobre o tema. Os dois muito profundos, oportunos e inteligentes, embora, e nada mais normal, haja em algum momento alguma discordância entre eles.

O primeiro, do companheiro Eduardo Bisotto, e o segundo, desta bandeira rubro-negra, que é Radamés Lattari. Leiam e, opinem. A opinião de cada um pode ser um empurrão para alguém em Brasília acordar.


De: Eduardo Bisotto

Kleber, me permita discordar.

1º – Não é em “qualquer lugar civilizado” que o Estado resolve a equação esportiva. Aliás, é justamente o contrário. A maior potência olímpica do Planeta, os Estados Unidos, tem toda a gestão esportiva em mãos privadas. A formação é feita nas Universidades e os atletas se profissionalizam a partir disso.

2º – Que dívida o país teria com o Flamengo pela decisão do Flamengo (e de seus associados) em investir em esportes deficitários? Em tempo: esta equação só poderia ser levantada se a contabilidade histórica fosse realizada nos mínimos detalhes. Ou seja: botar na ponta da caneta quanto custaram ao longo dos tempos os esportes olímpicos e quanto eles deram de retorno para o país, ao mesmo tempo em que se computam os prejuízos havidos com o futebol.

Em tempo: parabéns pelo blog. A despeito da eventual discordância de idéias, é raríssimo um dirigente esportivo e empresário do seu quilate, ainda mais enfrentando uma grave crise em escala global, manter um espaço tão transparente para divulgação daquilo que pensa.

Meus cumprimentos!


De: Radamés Lattari

Caro Kleber,

Este artigo me agrada muito, sou um apaixonado pelo Flamengo e esporte em geral, herança boa deixada por meu pai.
Concordo com vc quando diz que o governo tem uma divida com o Flamengo, e digo o porque.
1 – No Brasil não existe politica esportiva.
2 – Nossas escolas públicas não possuem instalações esportivas e nossos profissionais nem sempre são preparados para a iniciação esportiva.
3 – Nos países civilizados os alunos com problemas é que frequentam escolas particulares , normalmente se estuda nas escolas do governo
4 – A verba destinada aos Comitês Olímpicos é muito superior a que é destinada ao nosso.
5 – No Brasil são os clubes que formam os atletas que representam o nosso país, usando o uniforme com os patrocinadores das confederações nos pódios, os clubes neste momento não tem direito a nada.
6 – Clubes vivem da paixão, paixão não se vende, os patrocinadores é que vivem das vendas dos seus produtos.
7 – Realmente hoje através de leis de incentivo os clubes tem conseguido verbas, mas estas são insuficientes para cobrir todas as despesas.
8 – Mas e o passado… Ao longo dos anos os clubes contraíram dívidas com os seus esportes olímpicos e o governo jamais os ajudou, veja o exemplo no próximo item.
9 – Nos jogos Olímpicos de Los Angeles em 84 quase a metade da delegação brasileira era composta por atletas ou profissionais de diversos setores do Flamengo.
10 – Portanto se o hoje o governo deve menos aos clubes formadores, não podemos esquecer que ao longo dos anos esta dívida é gigantesca.
Kleber, primeiro quero elogiar e defender sua tese que sempre foi a minha também, mas numa próxima oportunidade escreverei a minha preocupação quanto ao futuro do esporte brasileiro, acredito que teremos uma imensa crise após os jogos Rio 2016, poucos esportes vão sobreviver e somente uma elite de atletas vai conseguir prosseguir com seus treinamentos em alto nível devido a uma ajuda do COB que evoluiu muito, mas quem faz este esporte com o apoio do governo vai sofrer muito, vejo o futuro do esporte brasileiro com muita preocupação.
Abraço e Saudações Rubronegras,
Radamés Lattari


A bola está com vocês…

Vitória, duas retomadas e uma dor de cabeça

(Foto: Edson Lopes Jr. / Staff Images)

(Foto: Edson Lopes Jr. / Staff Images)

Vamos começar pela vitória. Importantíssima, numa competição diferente, em que a classificação foi garantida para as oitavas de final. Não é nada, não é nada, são agora oito jogos para se chegar à Libertadores e, em competições na base do mata-mata, o Flamengo, graças à sua incomparável torcida, é “Cachorro grande”, sempre.

As duas outras grandes vitórias no jogo contra o Náutico, foram, o goleiro Cesar e o atacante Marcelo Cirino. Na realidade, duas retomadas, pois o verdadeiro potencial de cada um deles, longe estava das últimas atuações. A bem da verdade, até vaiados e desacreditados foram. Particularmente, uma noite especial para mim, que sempre acreditei no potencial dos dois. Cesar, desde a “Copinha”, onde, com talento, personalidade e arrojo, foi uma autêntica muralha. De lá para cá, poucos jogos no time principal e, sempre bem. Agora, na contusão de Paulo Victor, atuações que deixaram alguns torcedores em dúvida quanto ao seu verdadeiro potencial. Eu, nunca duvidei. Hoje, num jogo encrespado, foi decisivo para a vitória. Como em futebol, confiança é tudo, ganhamos um goleiro.

A outra retomada foi Marcelo Cirino. Hoje, foi o Marcelo Cirino que brilhou no Atlético Paranaense. Jogador rápido, agudo, decisivo. No gol de Guerrero, a sua jogada mortal. Tapa na bola e, na velocidade, marcador para trás e o companheiro na cara do gol. Como em futebol, confiança é tudo, ganhamos um atacante.

E que dor de cabeça adorável… O Flamengo vai atrás de Armero e, quem apresenta as armas é um garoto de 19 aninhos, chamado Jorge que, pelo tamanho do seu futebol, deveria se chamar “Seu Jorge”!

Ia esquecendo. Emerson Sheik, parecendo um garoto.

Guerrero, dois jogos, dois gols e uma assistência maravilhosa.

Sábado, de Maraca lotado…

Papo com o presidente

(Foto: Erbs Jr. / Frame / Folhapress)

Eduardo Bandeira de Mello (Foto: Erbs Jr. / Frame / Folhapress)

Primeiro, em função de um número expressivo de solicitações de torcedores apaixonados pelo Flamengo, preocupados com o momento ruim do futebol, peguei o telefone e liguei para o Presidente Eduardo Bandeira de Mello que, em Brasília, me atendeu com a fidalguia de sempre. Disse tudo que pensava a respeito da situação atual e, como imaginava o futuro imediato. Com relação ao treinador, embora sem culpa na quantidade de contratações equivocadas, mas visivelmente desnorteado e consequentemente sem rumo, passa insegurança. Tanto é que, com o time perdendo por 2×0, nenhuma alteração foi feita no intervalo, numa situação em que vários jogadores estavam atuando abaixo da média e, um em especial, responsável pela “criação”, errando tudo durante os primeiros 45 minutos de jogo.  Deixei claro que a culpa não foi de Canteros, e sim, de quem ali o escalou. Esperar de alguém alguma coisa que este alguém não está capacitado a lhe dar, é um erro grosseiro, é loucura. Enfim, disse que a hora para mudar o rumo do barco era essa, pois agora no meio do ano, já poderia ir se montando o elenco para o ano que vem, naturalmente, primeiro definindo o comando. Nosso presidente ouviu e me respondeu, dando conta de que, na opinião dele, Cristóvão Borges não havia perdido a solidariedade do grupo, isto é, dos jogadores. Retruquei, dizendo que ele pode até ter o apoio dos jogadores, mas que os fatos demonstravam que ele havia perdido o rumo. Para finalizar sobre este tema, não pude deixar de dizer que considerava o caminhão de Cristóvão muito modesto para suportar o peso da areia rubro-negra. Ainda houve tempo para dizer ao nosso presidente que, em futebol, quanto menos gente metendo a colher, melhor. Que quando muitos interferem, como acontece com este Conselho Gestor, o resultado é o que estamos vendo.

Minha missão foi cumprida, pois pude colocar o pensamento da maioria esmagadora dos companheiros e amigos que fazem parte deste blog, para quem tem o poder estatutário de decidir.

Quase uma hora após ter conversado com Eduardo Bandeira de Mello, bati um longo papo com ilustre e brilhante figura rubro-negra, que demonstrou seu pessimismo quando falei sobre a minha conversa com o presidente. Na opinião dele, Eduardo foi mordido pela mosca azul da cadeira de presidente, e que está mais preocupado em ser solicitado para fotografias, e ir permanentemente a Brasília, do que com o destino do futebol, onde não tem nenhuma intimidade. Disse ainda que, a única solução, é se encontrar um nome entre a turma boa da chapa azul, que tenha cara e atitudes de presidente e que, principalmente, entenda que no Flamengo o futebol é prioritário.

Particularmente, como não sou masoquista, preferiria que o nosso presidente tomasse as atitudes pertinentes ao momento, que mudasse o rumo do barco e, com ações rápidas e competentes, alimentasse a alma de cada rubro-negro com a certeza de que deixaremos de ser saco de pancada, e que 2016 será completamente diferente.

A bola está com o presidente. As atitudes de agora vão definir se a bola vermelha e preta continuará com ele ou, mudará de mãos no final do ano.