A Liga Número 1

Copa do Nordeste, a verdadeira Liga Nº1.

Copa do Nordeste, a verdadeira Liga nº1.

Tudo errado, a começar pelo título. A Liga número 1, bem-sucedida, que vem colhendo frutos a cada ano, e sem qualquer tipo de embate, é a Liga do Nordeste, responsável pela melhor competição regional do país. Lá, tudo foi construído com inteligência, sensibilidade e competência.

Ao invés de enfrentamento, Alexi Portela e seus companheiros, optaram pela diplomacia, pela conversa ao pé do ouvido… O resultado todos conhecem.

A Liga número 2, esta do tal Rio/Sul/Minas, prefere outro tipo de linguagem, dialogando sempre através da mídia, com a faca entre os dentes. Será que até agora ninguém entendeu que, certo ou errado, não há como caminhar qual não seja pela via da legalidade? Esteja correta ou não a legislação esportiva, não há como fugir dela, e as atitudes Quixotescas beiram o ridículo. Como se dizia antigamente, é dar murro em ponta de faca…

O resumo da ópera é que vai ter início uma série de jogos amistosos, pois não estando a competição incluída no calendário oficial, simplesmente não existe. Os jogos vão começar e a disputa é por um “caneco” de mentirinha… e, como os jogos não são oficiais, e consequentemente nada há em disputa, que os preços dos ingressos sejam compatíveis aos jogos que serão apenas amistosos. Que o torcedor não seja enganado e, que fique claro que não há campeonato nenhum sendo disputado.

1 Comentário

  1. Hoje li a entrevista do Rubens Lopes no Globo.com, e ele foi feliz em dizer que quando há uma guerra todos saem feridos . Claro que este senhor está usando da legalidade pra forçar o poder e os interesses da federação , mas infelizmente ele está respaldado . O que me chama a atenção é o CIRCO que virou está liga , que também nasceu motivada por richas, falta de habilidade e diálogo principalmente do nosso presidente , que nesta empreitada ta sendo goleado pela sua falta de visão , planejamento e vaidade . Lamentável .

    Reply
  2. O problema é que enquanto alguns querem o diálogo esse senhor chamado Rubens Lopes prefere o enfretamento, porque ele é controle remoto do cidadão Eurico Miranda, tudo e qualquer coisa que seja melhor para a dupla Fla x Flu eles são contra, logo esse embate não tem como nao existir.

    Reply
  3. Honestamente, não ligo pra torneio da Liga em si. Hoje, com cada time com 4 jogos e 1 jogo final, não me chama mais a atenção do que um Ramon de Carranza. Apóio a Liga pelo enfrentamento dos clubes às federações e CBF. Pelo posicionamento político. Como o primeiro passo para organizar o futebol brasileiro sem amarras. Hoje, não se pode mudar nada no futebol nacional sem a aprovação das federações. Um mísero torneio de 5 datas está dando o que falar. Imagine se os clubes decidirem, em Agosto, acabar com os estaduais e jogar o Brasileirão de Março a Dezembro, sempre aos fins de semana, Com as copas do Brasil, libertadores e Sul americana nas quartas, e tendo um máximo de 7 jogos por mês? Pois é, pra isso, teria que fazer assembléias e assembléias, acordos políticos e acordos políticos, que não iriam a favor dos clubes grandes. O discurso da legalidade só é bom pra quem é beneficiado por ele ou teme o enfrentamento. O que não é o caso do Flamengo. E vejo a FFERJ e CBF falando tanto em legalidade, respeito às leis, etc, mas não vi ninguém comentando nada sobre estatuto do torcedor e Lei pelé. Criaram um universo próprio e parecem esquecer que mesmo a FIFA tem que abaixar a cabeça para a Constituição Federal. No futuro, vejo as federações e CBF como entidades extritamente administrativas, onde apenas serão publicados regulamentos, transferências e inscrições e etc. Serem hoje parte do meio que decide os rumos do futebol, já se provou ser extremamente nocivo. Compactuar com isso é ver o Brasil tomar de 7 a 1 eternamente.

    Reply
  4. Sr. Kléber Leite,

    “Posso não concordar com o que dizes, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo”. Voltaire
    O futebol é tema apaixonante e, como tal, faz eclodir nos meios de comunicação uma miríade de entendimentos, para todos os gostos.
    Mas, não nos esqueçamos nunca, futebol é assunto popular. Não é um regulamento de instituição, ou mesmo uma instituição, que legitima um “caneco”. Fosse assim o melhor campeonato brasileiro de todos os tempos, o de 1987, teria um campeão da série b, o Sport, e não uma seleção vestida de Flamengo. Ou ainda, o Corinthians seria, de fato, bicampeão mundial. Vejam só.
    A importância do caneco reside no interesse popular, aquele que não é despertado por campeonatos estaduais caducos. Por que eu, um mineiro, que morou no MT e no AC e atualmente mora em RO, teria interesse em ver o Mengão jogar contra o Macaé?
    Se não há espaço para o diálogo, é necessário mesmo o enfrentamento. A Primeira Liga já nasce histórica. Que a história saiba reconhecer isso. A atual administração do Flamengo tem mostrado o caminho que deve ser trilhado para que vejamos o Flamengo do tamanho que ele merece ser e não do tamanho que os antis querem que ele tenha. Mas isso só será possível se houver profissionalização, que não será mediada por numa federação gerida nos moldes atuais.

    Reply
  5. EBM disse em bom e alto tom que a liga vai ser disputada, como enfretamento a FFERJ que é total ditadura, e no meio dessa fumaça o Flamengo não pode se abaixar para a FFERJ, com a CBF enfraquecida, FIFA enfraquecida, creio não haver nenhum tipo de punição caso essas partidas forem disputada, os times estão amparados pela lei.

    Reply
  6. Poucas vezes se viu neste conturbado mundo do futebol, um dirigente tão diplomático como o presidente Bandeira de Mello, ocorre que do outro lado está a figura execrável do Rubens Lopes. Difícil para uma pessoa de bem negociar com um elemento mal intencionado e com interesses menores como o atual presidente da federação do estado. É notória a decadência do outrora pujante Campeonato Carioca. Décadas de Caixas D’Águas e agora deste tal Rubinho explicam bem isso. Um campeonato com inexplicáveis 16 clubes, não nos deixa mentir…

    Reply
  7. Sempre Li o seu Blog por Respeito ao senhor e por ver que o Sr é um rubro-negro fanático como nós , mas esse seu posicionamento contra o presidente EBM ( e diretoria ) é muito injusto , Vendo como foi o campeonato carioca de 2015 para o Flamengo e de como o favorecimento a alguns clubes foi notório, pensei que o Sr seria mais Rubro-Negro do que ”politico”, estando do lado de um diálogo com essa federação comandada por um cara que de fato escolhe lados descaradamente… enfim, respeito o Sr mas o Flamengo, Fluminense e ETC, participando dessa primeira liga é o primeiro passo para uma TENTATIVA de derrubar esse sistema corrompido que é o nosso Futebol Brasileiro. Saudações Rubro-Negras

    Reply
  8. Como alguém que se perpetua no poder e só pensa em levar dinheiro dos clubes (10% da renda bruta de cada partida) pode querer falar em legalidade e moral?!

    Reply
  9. Kleber e colegas,

    O Rubinho é uma mala. Além disto é mau gestor e mau informado. Lembro que o termo “legalidade” é decorrente da lei.
    Neste caso específico a lei Pelé. O estatuto da CBF não pode contrariar a Lei Pelé. A lei Pelé é clara é diz que os clubes tem autonomia para criar uma liga, sendo vedado a interferência das federações nas ligas que se mantiverem independentes. Neste caso, qualquer torcedor pode acionar o Juduciário para obrigar que a CBF adeque seu estatuto a Lei Pelé ou o ministério público fazer o pedido de ofício. Portanto as s interferências da FERJ e da CBF na 1 liga são ilegais.

    Reply
  10. Apoio a Eduardo Bandeira e jamais aopio a Rubens Lopes. Nunca apoiarei a politicagem, vem com papinho de legalidade mas por traz a face é outra, hipocrisia!

    Reply
  11. Caro Kleber, me permita discordar. Essa CBF não pode gerenciar nosso futebol, ela é incompetente e totalmente corrupta, vide o que está acontecendo com a alta cúpula. E a FERJ, não dá, o Rubens Lopes é uma marionete desse verme babão que comanda os vices. Tem que haver enfrentamento, só assim há a ruptura, é disso que precisamos para o bem do nosso futebol, que os clubes comandem uma liga nacional de futebol. E quanto à liga do Nordeste, não foi assim com diálogo que a mesma se consolidou não, vide o link http://rodrigomattos.blogosfera.uol.com.br/2016/01/27/em-briga-judicial-com-liga-cbf-perdeu-nao-puniu-ninguem-e-teve-de-recuar/

    Reply
    • Amigo Rubro Negro Leonardo.
      já estava para postar a mesma noticia. Sou leitor assíduo do blog, mas nunca tinha me manifestado. Sou Flamengo desde criança e socio torcedor desde o inicio do programa. Detalhe moro em Brasilia e nao no RJ. Com isso posso afirmar que o Campeonato Carioca nao suporta mais a grandeza do Flamengo, sei que para voces do Rio ainda tem um certo charme. Mas nao podemos mais admitir o Mengão ser tratado como está sendo por essa FERJ, pensava eu, com a partida do Caixa D’agua, o futebol carioca iria melhorar, unica coisa que aconteceu foi o sumiço do Americano. Entao, temos que apoiar o movimento e partir para ruptura. E nao é beijando a mão do Rubinho que isso vai acontecer, que vá mudar algo no futebol do RJ.

      Reply
      • Caro amigo Magnus, também não sou do RJ, sou de Rio Verde/GO, já fui ST, atualmente não sou mais, mas quero voltar a ser, também sou rubro-negro desde criança e frequentador assíduo do blog, com algumas postagens. Com certeza não podemos continuar reféns desse senhor que é a marionete do babão vice, a ruptura é o caminho, não há como ter diálogo com os corruptos da confederação que se preocupa tão somente com a seleção (ou com o R$ que ela dá de retorno), porque com futebol brasileiros não estão nem ai. E os clubes de SP pensam iguais aos pequenos do RJ, ainda pior, apoiam o tal “coronel” Nunes, então a meu ver não há como haver outra liga senão essa, que é mais nacional do que regional, pois é onde estão os maiores do futebol brasileiro fora os times de SP.

        Reply
  12. Em 2016 a Ferj não terá nenhum prejuízo na realização do seu campeonato, o Cariocão de 2016! As verbas continuaram as mesmas e os clubes grandes com seus times titulares. A liga é importante para o que vai se discutir em 2017 sobre o Cariocão!

    Reply
  13. Meu ídolo Kleber Leite (como repórter)…..

    Se não tivesse lido uma entrevista sua, qdo presidente, onde dizia: “Pode ter flamenguista igual, mas, mais do que eu, não existe”, eu pensaria que não tem a pele e o coração rubro-negro, diante do seu posicionamento contra a Liga Sul/Minas/Rio (e não Rio/Sul/Minas, como escreves) e contra a a decisão da diretoria em participar da mesma.

    Outro detalhe, que já foi citado em algumas postagens anteriores, a Liga do Nordeste não iniciou como vc postou. Para complementar esta informação, copiei e colei, abaixo, o que cita no WILKIPÉDIA sobre a Copa do Nordeste de Futebol:

    O início
    Torneio José Américo de Almeida Filho
    A origem do que é o atual Campeonato do Nordeste remete a segunda edição do Torneio José Américo de Almeida Filho, que contou com a participação de campeões e vices de seis estados nordestinos: Alagoas, Bahia, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe, além do Volta Redonda, clube convidado do Rio de Janeiro.
    Após a edição de 1976, somente no ano de 1994 o Nordestão voltou a ser realizado, agora com um novo formato e o nome de Copa do Nordeste. Tendo como sede o estado de Alagoas, a final foi disputada na capital, Maceió, no Estádio Rei Pelé, entre Sport e CRB. Após um empate em 0 a 0 no tempo normal, o time pernambucano foi campeão pelo placar de 3 a 2 na disputa de pênaltis.

    Organização da CBF
    Em 1997, o torneio passou então a ser organizado pela CBF, com os clubes entrando pelo critério de merecimento: participavam apenas os melhores classificados nas respectivas competições estaduais. Nos dois primeiros anos, assegurava ao campeão uma vaga na Copa Conmebol do mesmo ano. O sistema de grupos foi deixado para trás e a primeira Copa dessa nova “era” foi disputada apenas em mata-mata. O Vitória chegou à final invicto, assim como seu arquirrival, Bahia, fazendo a primeira de três finais que a dupla BaVi decidiu o campeonato. O resultado foi 4 a 2 no agregado para o rubro-negro, se sagrando campeão pela segunda vez e primeira no novo formato.
    Como citado, o início da Copa do Nordeste não teve esse tal entendimento entre as partes.

    Algumas perguntas, por que somente o presidente da Federação do Rio se manisfesta contra, pressionando a CBF?
    Ele tem tanto poder assim, para exigir da CBF esse posicionamento?
    Se o Vasco estivesse na Liga, ele teria o mesmo posicionamento?

    Ops… Saudade dos comentários do Carlos Egon.. Kd vc meu amigo?
    SRN!!!

    Reply

Comente.