Antes tarde do que nunca

Gilvan de Pinho Tavares, presidente do Cruzeiro e da Primeira Liga (Foto: Douglas Magno).

Gilvan de Pinho Tavares, presidente do Cruzeiro e da Primeira Liga (Foto: Douglas Magno).

Muito bom que clubes, Federação do Rio e CBF tenham chegado à conclusão de que briga é arma de quem tem pouca inteligência e sensibilidade.

Os clubes do Nordeste foram os primeiros a entender a importância de qualificar o calendário. Como já disse aqui, mil vezes melhor, técnica e financeiramente, um BAHIA x SANTA CRUZ, pela Copa do Nordeste, do que BAHIA x TRÊS COQUINHOS, pelo Campeonato Baiano. Lá, o diálogo possibilitou o entendimento entre clubes e federações e aí, ficou tranquilo para a CBF assinar em baixo.

O tempo está fazendo com que os presidentes das federações entendam que não há mais espaço para os jogos deficitários que acontecem nos campeonatos estaduais. O mundo mudou. A qualidade gera interesse e, o interesse gera recursos. Da mesma forma, a tradição deve ser respeitada com a manutenção dos estaduais, só que, em outro formato, com redução de datas, que passariam a ser utilizadas nos campeonatos regionais.

Outro ponto que os presidentes das federações não conseguem entender, é que não vão perder prestígio, e tão pouco dinheiro. Os jogos, pelos campeonatos regionais, serão também de responsabilidade das federações, que continuarão a cobrar as suas taxas normalmente. A vantagem é que o público será maior e, consequentemente, o resultado financeiro também.

Aí, alguém pode argumentar que o direito de TV será negociado pela Liga, e não pelas federações. Claro, até porque o campeonato regional será organizado pela Liga, portanto cabe a ela a comercialização.

Enfim, vejo esta evolução como algo inevitável, onde a última federação a capitular será a Paulista. Aí, quando isto acontecer, o Torneio Rio/São Paulo será definitivo no calendário oficial.

Se for através da boa política, do entendimento, tudo vai acontecer bem mais rápido.

Conversar, é preciso…

1 Comentário

  1. Caro Kleber!
    Muito bom, foi ver a derrocada da Ferj e, o chapéu que Bandeirola deu no EU RICO e Rubinhola… numa jogada só!
    Na minha opinião, assim como a do Alan Kardec, o acaso não existe.
    A “visita” do Ministro do Esporte, de braços dados com Bandeira, antes de começar o jogo, foi a pá de cal nas canalhices da Ferj, com aval da CBF.
    Na entrevista pela ESPN, com nosso carequinha ao lado, George Hilton foi radical e irreversível a favor da Liga.
    Não só elogiou, como incentivou.

    http://esportes.terra.com.br/lance/ministro-do-esporte-defende-a-primeira-liga,5e54fbad5757d888d1b235cf1abf7165cwqm7tbk.html

    Reply
    • Na verdade foi isso mesmo que aconteceu. O Rubinho foi obrigado a engolir goela abaixo a primeira liga. Ficou tão irritado que foi parar no hospital, e que por ironia, fica na gávea.

      Reply
  2. Amigo Kleber, Não concordo com seu ponto de vista quando diz … “Muito bom que clubes, Federação do Rio e CBF tenham chegado à conclusão”. Na verdade a CBF recuou e aceitou a Liga para evitar um caos de briga politica no futebol Brasileiro, (Ja que iria ser processada) Após o sucesso inicial da Liga, disparou o ministro do esporte. ” Ou eles se enquadram ou terão de dar o seu lugar a quem entende de gestão no futebol”, ameaçou o ministro dos Esportes, George Hilton ” isso foi um recado direto a CBF, que foi obrigada a recuar e fazer com que a FFerj também recuasse, tanto que, depois dessa o Rubinho passou até mal e precisou ser internado.
    A CBF não tem condições alguma de bater de frente com nenhum, eu disse nenhum clube grande do Brasil, principalmente contra o Flamengo. Isso é o começo de uma revolução no futebol do Brasil, ainda acredito nisso.

    Abraços

    Reply
  3. Caro Kleber.

    A decisão de Ferj e CBF em favor da Primeira Liga passa longe de um acerto.

    Tudo foi “costurado” e pelo que andei lendo, até com certa toada de ameaça, pelo MINISTRO DOS ESPORTES GEORGE HILTON.

    Portanto não há acordos. Há, ainda que momentânea, uma vitoria dos Clubes.

    O que era proibido e ilegal na tarde da última segunda feira, passou a ser ” um tesouro” na manha dessa sexta.

    Foi uma decisão política. Vindo do “mais alto” poder.

    Sacou !?!?!?

    ABÇ#SRN

    Reply
    • Saquei e assino!
      Quarta à noite, antes do jogo, estávamos na boca do sapo. Ferj dando as cartas, com o repugnante Rubinho criando normas e regulamentos pra nos atochar.
      Dona CBF isenta, omissa e política, fazendo vistas grossas pra Liga e Federações.
      De 2 jogos passou pra 1 e, estritamente em caráter amistoso.
      Eis que aparece em cena George Hilton, Ministro dos Esportes… e, como num passe de mágica, tudo limpo tudo liberado. Na quinta-feira, antes do primeiro bocejo…
      Cabe apenas uma perguntinha!
      O que estaria fazendo no Mineirão, o Ministro dos Esportes, numa quarta-feira à noite?
      Não sabemos pra que time torce. Mas de antemão, foi tão a favor do evento, que no papel de mascote podemos chamá-lo de Sr. Liga…
      Uma canetada das galáxias.

      Reply
      • Bem comentado caro Egon…Em primeira análise, o Exmo ministro dos esportes seria o 1o. embaixador de uma lei esportiva da democracia brasileira, a Lei Pelé, que dá liberdade e direito aos clube em se organizarem como liga e mandarem seus campeonatos. Acontece que os regimentos internos da FERJ são anteriores a Lei Pelé, pois deveriam ter sido readequados, e não respaldados acima da lei…Em síntese deve ter sido esta a posição do Exmo ministro da justiça. Aliás, brigar com clubes da expressão dos que compõem a liga seria coisa para incauto fazer…Não bastasse a aceitação do público, até torcedores de SP, times que não compõem a liga estão torcendo para o sucesso desta. O Governo não ficaria contra seus próprios eleitores, em favor de cartolas fisiológicos condenados por crítica e público.

        Reply
        • Meu caro Nino!
          De manhã, atualizando minhas pequisas, descobri que o Exmo Ministro torce pelo Cruzeiro!!!
          Ou seja! Enfim, uma Raposinha do bem…
          Como nossa terrinha só caminha na contramão do bom senso, descobri que o cara é baiano, se elegeu por Minas (Deputado Federal), torce pelo Cruzeiro… e, perde uma quarta-feira abraçado com Bandeirola, torcendo contra o Galo…
          O máximo!!!
          O Exmo Sr. Liga, mandou muito bem.

          Reply
  4. Dessa vez , nosso Bandeira usou a política , mesmo q de forma emergencial, a favor , gol de placa do nosso presidente !!! Esse Rubinho , depois de querer ligar pra outras federações querendo impedir nossos jogos passou da “legalidade” pra ridicularidade , Patético como o Atlético

    Reply
    • Graaaaaaaaaaande Pedrão!
      Bandeira não só usou a política, como é a cara dele…
      Nada, é mais come quieto, disciplinado, moita… e outros adjetivos semelhantes, que o nosso presidente.
      Nada de brigar com os Metralhas! Num joguinho “amistoso”, com aquela carinha de Samaritano virgem, sentou ao lado do Ministro e, antes do galo cantar, lá estavam Ferj e CBF de joelhos…
      Romper com Flamengo = perder dinheiro…

      Reply
  5. Anderson, amigo,
    Com todo respeito ao seu argumento de que a pressão do ministro dos esportes fez com que a CBF e Federação recuassem, lembro que não vivemos num regime de força e, que o Brasil, graças a Deus, não é uma republiqueta comandado por um ditador.
    Aqui, há um judiciário sério e independente. Houve entendimento sim. Até porque, se não tivesse havido, quem se sentisse prejudicado já teria recorrido ao judiciário.
    Como disse no post, ” conversar, é preciso”. No futebol e na vida.

    Reply
    • Caro Kleber…

      Não se trata de regime de força Caro Kleber. Trata-se tão somente de um regime político.

      E de política, quer queira ou não, todos os criadores da chapa que elegeu o Bandeira entendem e bem. Ou o sr Kleber esqueceu que são todos oriundos de cargos políticos/executivos do BNDES. Portanto antes mesmo de assumirem o Flamengo a estrada RIO / BRASILIA sempre existiu por força do trabalho cotidiano.

      Acontece que:

      “TAMANHA” é a fragilidade dentro da CBF que uma “visitinha” do Ministro fez mudar tudo. E porque essa visita mudou?

      1 – Houve um pedido informal do presidente Bandeira ao Ministro.
      2- O ministro consultou a presidente Dilma sobre o tema e teve dela total apoio.
      3 – Esse apoio veio em função do Flamengo ter carregado e ajudado o Governo na bandeira do ProFut.

      Portando amigo Kleber, se o senhor for atras dessas informações no ninho dos passarinhos azuis, vai entender que não teve acerto. Teve foi uma conversinha de pé de ouvido muito bem elaborada desde o mais alto poder (Leia-se Palácio do Planalto)

      Essa conversinha ao pé do ouvido, diga-se de passagem , foi a mesma que os diretores da Globo tiveram com Bandeira. Não teve acerto com o Bandeira. Bandeira não queria recuar….e não vai.

      Não esqueçamos da frase ” 2017 vem ai ”

      Essa frase esta ligada a alguns pontos que o Bandeira vai ajustar.

      1 – Venda dos direitos de TV da Liga
      2 – Volta de Alexandre Kallil como CEO da LIga
      3 – Diminuição do calendário dos estaduais das federações que tiverem envolvids com a Liga
      4 – Jogo ( meramente festivo) entre Liga Nordeste e Liga rio/sul/minas ( seus campeões )

      É tão somente por esses motivos, e todos esses motivos, que não há acordos.

      Forte abraço #SRN

      Ps1- Logo os senhores á vão ver o Presidente do Fluminense, rindo bastante, pois Bandeira tbm ajustou a cota “presa” do Fluminense, como tbm fez valer o mesmo reajuste de pouco mais de 10% QUE COMERAM DO FLUMINENSE.

      Pra quem não sabe, o Fluminense foi o único que recebeu somente 5% de reajuste da FERJ

      Ps2 – Com mais calma e num outro contexto, eu conto e reafirmo ao sr, se assim o quiser, pq a diretoria do Fla entende e respira tanto “politica”

      Reply
  6. …Como o que está ruim ainda pode piorar… a Prefeitura de Mesquita (apesar dos laudos aprovados), acaba de interditar o estádio do América…
    5 clubes sem CND, sem estádio pra jogar…
    Dá-lhe FFERJ do Rubinhola Metralha…
    Quantos campinhos existem no Aterro do Flamengo?
    🔊 🔊 🔊 🔊

    Reply
  7. Boa noite. Também acho que foi uma vitória dos clubes, o que houve foi um “acordo” e não um ACORDO.
    E quanto ao Rio/SP, seria traição do Flamengo largar a primeira liga para juntar-se aos paulistas, vasco e botafogo, que não só desdenharam a Primeira Liga como os últimos queriam seu fracasso.
    Boa noite a todos e SRN

    Reply
    • Rapaz, ví essa notícia e não acreditei. É bom demais para ser verdade. Do Jonas já nos livramos. Faltam Wallace e Marcinho VP, digo, Araújo. hehehe

      Reply
  8. “Lá, o diálogo possibilitou o entendimento entre clubes e federações e aí, ficou tranquilo para a CBF assinar em baixo.”

    Em 2003, a Liga do Nordeste entrou na Justiça contra a CBF, em uma causa de R$ 15 milhões. A Liga ganhou em primeira e segunda instância na Justiça do RJ, e em 2008 a CBF teve um recurso rejeitado no STJ (última instância), que chegou a colocar a questão em votação. Já estava 2 a 1 para a Liga, quando a CBF propôs um acordo para não ter que pagar a indenização que em valores atualizados ultrapassava os 70 milhões.

    Portanto, mais correto seria dizer que “cinco anos de derrotas judiciais deixaram a Confederação na iminência de ter que pagar à Liga uma indenização milionária, e aí ficou tranquilo para a CBF assinar embaixo.”

    SRN

    Reply
  9. Amigos, a CBF pulou fora do barco e deixou a FERJJ sozinha. Lógico que teve interferência do Ministro do Esporte. A força desses clubes é muito grande, o EBM esta fazendo um grande papel de líder nesse momento. Um caminho que não tem mais volta.
    Agora a primeira liga deve contratar pessoas para gerenciar a Liga, ter uma empresa de mkt esportivo (a experiente KLEFER, para mim a melhor, já faz parte do sucesso da Copa Nordeste) para ficar a frente dos parceiros, criar uma comissão disciplinar forte, enfim tirar da linha de frente nesse momento os presidentes dos clubes. Eles querendo tomar decisões, não vai dar certo, cada um quer o melhor para o seu time. A Liga tem receita para contratar um excelente time de profissionais.
    Estou as ordens… kkkk
    Curtam o sábado, hoje tem o bloco FLA Master, posto 5 da Barra. Já é carnaval.

    Reply
  10. A CBF percebeu que não faria diferença pra liga o status da competição. Ou seja, pouco importa pra liga se a CBF diz que é oficial ou amistoso. A liga preferiria até mesmo que a CBF não reconhecesse sequer como amistoso, pois a liga quer acontecer independentemente da CBF. A CBF percebeu que a liga aconteceria independentemente do reconhecimento dela e, por isso, agiu reconhecendo a competição.

    Reply
  11. Nenhum acordo aconteceu, a federação do Rio através da execrável figura do seu presidente blefou o tempo todo, ameaçou sem nenhuma base, inverteu os valores quando chamou os mentores da liga de milicianos .
    Não existe acordo com figuras menores como este tal Rubinho, na realidade a liga está estribada na lei. Devido a isso, o recuo de CBF E FERJ….Muito claro….

    Reply
  12. O que houve de verdade é que os clubes foram unidos e fortes o suficiente para que a cbf e ferj vissem que estavam diante de uma derrota fragorosa tanto nas ruas, na midia e no judiciário. Qualquer iniciante no direito sabe que os clubes poderiam estar na liga, e a liga poderia fazer as disputas e no momento, a CBF era frágil demais para uma demanda judicial. Outra coisa: voces acham que o Rubinho se denunciasse o Flamengo, e a Cbf fizesse o que ele queria e prejudicasse ao Flamengo e o clube fosse punido seriamente, ele poderia morar no Rio? Acreditam mesmo que se isso viesse acontecer, a Globo iria ficar calada diante do prejuizo que viria a ter? E o Maracanã que investiu milhões esperando arrecadar para receber, ficaria inerte? O poder judiciario ia colocar tudo em pratos limpos e talvez não sobrassem ninguem na Ferj ou na CBF para contar a verdade.

    Reply
  13. Caro Kleber, não houve acordo, houve sim recuo da dona CBF e por tabela e por obrigação a FERJ teve que colocar o “rabinho entre as pernas”! Afinal, me responda pra que FERJ? Clube nenhum precisa de federação para sobreviver, são apenas sangue-sugas do dinheiro dos clubes e principalmente dos que atraem mais R$, leia-se Flamengo! Então me responda, pra que a existência da FERJ?

    Reply

Comente.