Coragem de Zico

Pele-x-MessiNão é qualquer brasileiro que tem peito de dizer que no futebol, alguém suplantou Pelé. Zico tem.

O nosso ídolo eterno, afirmou para quem quisesse ouvir, em entrevista na Espanha, que Messi já está entrando num estágio acima de Pelé, Garrincha e Maradona, para ser considerado o maior do mundo em todos tempos.

Sei que esta é uma discussão complicada, a começar por um tipo de comparação em que os momentos não são os mesmos, e que também não existe um critério para se pontuar cada aspecto positivo até se chegar a uma conclusão.

Com tudo isso, não posso deixar de registrar aqui a minha profunda admiração por quem tenha a coragem de defender a sua tese, mesmo que, em situação delicada, como é o caso em questão.

Respeitando todo e qualquer ponto de vista, quero deixar claro que penso exatamente como Zico. Nunca vi, no mundo do futebol, nada mais genial do que Messi.

Com todo respeito…

 A diferença

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Dizer que o time jogou bem, infinitamente melhor do que nos dois últimos jogos, é chover no molhado.

Até mesmo algumas ótimas atuações individuais, como por exemplo citar as subidas de produção de Rodinei e de Guerrero, decisivos para a vitória, é chover no molhado.

O que mudou mesmo foi a postura do time. Hoje, cada um que entrou em campo teve a noção exata da importância do jogo e, o que o torcedor espera minimamente de quem vista o “Manto Sagrado”.

Dito o principal, dizer que não houve quem destoasse nesta noite de domingo. Até o zagueiro Cesar Martins, responsável por inúmeros calafrios na maior torcida do Brasil, jogou bem. A partir daí, dá para se concluir o quão bem sucedido foi o desempenho de todo o time.

Como confiança é tudo em futebol, talvez a atuação de Rodinei tenha sido, em termos futuros, o que de melhor aconteceu. O cruzamento para o gol de Guerrero, foi de cinema…

E por falar em Guerrero, uma atuação digna de um centroavante de quem tanto se espera.

Mancuello, melhor, mas longe do que se espera de um meio campista criativo.

Cuellar, expulso injustamente, muito bem. Volante que desarma, combate, dá ritmo ao time e, ainda é abusado, como todo jogador do Flamengo deve ser…

Arão, após apresentação ruim contra o Vasco, voltou ao seu normal, ou seja, jogar bem.

Agora, não dá para não registrar a infantilidade do CAPITÃO do time. Como já tinha o cartão amarelo, Wallace foi inconsequente no lance da expulsão. Ridículo…e, quase compromete uma vitória praticamente garantida.

Balanço final, bom!!! Ganhar, é muito bom…

Muito estranho

(Foto: Gilson Borba/Futura Pres)

(Foto: Gilson Borba/Futura Pres)

Ontem fui dormir sem saber o que dizer e, com a pulga atrás da orelha…

Confesso que estou impressionado com o ridículo poder de fogo do time do Flamengo. Não vou aqui utilizar a palavra ataque, até porque, chutar a gol qualquer um pode, inclusive um zagueiro. Por isso prefiro afirmar que me espanta a falta de poder de fogo do time.

Com todo respeito ao Vasco e, juntando-se o jogo de ontem, como é que pode um time de ponta não fazer os goleiros dos times adversários e, dois adversários fracos, em dois jogos seguidos, não realizarem uma única defesa?

Tenho aqui tomado o maior cuidado para não ser precipitado, mas convenhamos que o desenho que começa a ser esboçado não nos leva a crer num final feliz.

No papel, quando se lê Guerrero, Sheik, Cirino, Mancuello, Jorge, Rodinei (que chegou decantado em verso e prosa como um dos destaques do campeonato passado), Juan (bom no jogo aéreo ofensivo), e outros menos votados, não se pode acreditar que em mais de 180 minutos os goleiros adversários foram meros espectadores.

Sem querer ser alarmista, estou preocupado. Que diabos está acontecendo? Será que um único jogador criativo faz muito mais falta do que venho eu pregando? Será que alguns nomes que estão no papel com letra maiúscula, lá não deveriam sequer estar?

Enfim, vamos ao Fla-Flu e, que ao menos neste clássico tradicional, o goleiro adversário saia com a camisa suada e suja.

Conselho da Corneta ou, #Conselhorneta

222Às 20h11 minutos de ontem, foi iniciado no Whatsapp o grupo Conselho da Corneta, ou #CONSELHORNETA.

Por razões alheias à minha vontade, ainda não estou participando, mas estarei lá a partir do próximo Fla x Flu. Ontem, fui representado pelo fiel escudeiro deste blog, Robert Rodrigues, que escreveu a matéria abaixo e selecionou os principais pitacos da noite.


A participação dos amigos do blog no grupo Conselho da Corneta foi bastante intensa, com vários comentários (ou cornetadas) antes, durante e após o jogo Flamengo 1 x 0 América-MG.

Vários até brindaram a chegada do grupo, como mostram as imagens abaixo:

O amigo Egon, e seu pé sujo, Pedro C. de Oliveira Filho e Leandro, pai do nosso mascote, Manu!

Carlos Egon, e seu pé sujo, Pedro C. de Oliveira Filho e Leandro, pai do nosso mascote, Manu!

É importante frisar que, no grupo, não há moderação, logo, nem todo conteúdo gerado pode ser reproduzido no blog e, como em uma sessão de brainstorm, os pensamentos lá publicados não tem um dono propriamente dito, são produzidos por todos, por essa razão os autores não serão identificados.

Seguem alguns dos principais comentários feitos durante a noite.

Comentários Pré-jogo:

– “Cornetar em tempo real, agora ‘guenta nóis’”

– “Acompanhando Fla no basquete…. bem que o futebol poderia se inspirar no basquete. Ainda tenho esperanças que chegaremos no futebol com o mesmo domínio do basquete”

– “Acabei de rever a entrevista do Apolinho, o cara é demais”

– “Egon o Red está aberto? – Resposta: “Ao lado, sem tampa, kkkkk”

– “Vou começar os trabalhos agora também, vou tomar uma loirinha gelada já que a minha morena no jogo do Mengão me abandona…”

– “Também vou tomar uma geladinha, mas a mulher vai ver filme em outro quarto”

-“Um brinde ao grupo!!!”

– “Interessante o nome do grupo!!! De tanto cornetarmos o Conselho Gestor que serviu de inspiração!!!”

– “Sheik está merecendo um banquinho assim como o menino Jorge”

– “Tem que povoar o meio, chega de 3 atacantes!!!”

– “O Ederson ainda não mostrou o pq  de envergar a camisa 10. Espero muito dele, mas por enquanto vejo um novo Carlos Eduardo”

– “Nem o KL colocou a Alce no time dele. Preferiu um sub-20”

– “O Rodrigo Caetano tá sem sorte no Flamengo” Leia mais

Pingadinhas e respostas

Emerson Sheik completará 38 anos em 06/09 (foto: Gilvan de Souza / Flamengo).

Emerson Sheik completará 38 anos em 06/09 (foto: Gilvan de Souza / Flamengo).

. O companheiro deste Blog, LEYMIR, no seu comentário, levanta para mim a bola com relação à experiência que tive quando foi composto o ataque com Edmundo, Romário e Sávio.

Naturalmente, e de forma perspicaz, Leymir tenta trazer o passado não tão distante para o presente, já que, hoje, o Flamengo joga, ou jogou até aqui, com três atacantes.

Leymir, amigo, há alguma semelhança sim, embora não se possa comparar a qualidade técnica, onde indiscutivelmente o passado daria uma surra no presente. Tanto lá atrás como agora, como eram três atacantes, um deles deveria sempre ir para o sacrifício e voltar um pouquinho mais para compor o meio de campo. Tirando fora os centroavantes – no caso Romário e Guerrero – Edmundo e Sávio, naquele time; e Cirino e Emerson, no atual, teriam que voltar para ajudar.

Com toda sinceridade, entre os quatro citados, o único com característica para executar também esta função é Emerson Sheik. O problema é que, pelos seus quase 38 anos, ele até começa bem e, como os vários aniversários aconteceram, termina mal. Cirino, Sávio e Edmundo, nenhum deles tem na marcação um mínimo de vocação. Claro que, tanto lá atrás como agora, não havia, e não há, no setor de meio campo, um jogador super criativo que fizesse, ou faça, o ataque funcionar. Lá atrás, havia também um probleminha que era a pontinha de vaidade, o que hoje, felizmente, não noto.

A missão de consertar, tirando um atacante e colocando no time mais um jogador de meio-campo, hoje, é bem mais fácil. Convenhamos que barrar Cirino ou Emerson seja muitíssimo menos problemático do que colocar Sávio ou Edmundo no banco.  Como diriam os argentinos, “¿me explico?”

. O meu companheiro IVAN BAYARDINO, no seu comentário, faz uma série de perguntas, onde nem todas, pelo que apurei, posso responder. De qualquer forma, há uma boa notícia: a diretoria pretende contratar e anunciar o mais rápido possível a chegada de um zagueiro de área para ser titular absoluto e, quem sabe, capitão do time.

Sobre a estratégia cigana, de jogar uma partida fora e outra também, esta semana já é uma amostra grátis. Amanhã, o nosso mando de campo é em Vitória e, no final de semana, o Fla-Flu será em Brasília.

Hoje, almocei com meu afilhado Roger Flores, que pensa exatamente como eu. Aliás, Roger é até mais contundente ao afirmar que, mesmo se o Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, viesse a se tornar “o campo oficial” do Flamengo, ainda assim as permanentes viagens até a Cidade do Aço acabariam influenciando negativamente no rendimento do time. Roger, como eu, não entende como os dirigentes tiveram tanto tempo para encontrar uma solução, sabedores do problema criado pelas olimpíadas, e não tomaram nenhuma providência. Pelo jeito, infelizmente, tragédia anunciada…

. Para quem não sabe: O jogador que Muricy Ramalho queria muito era Diego Souza. A diretoria do futebol não gostou da ideia e, por isso, Diego Souza não foi contratado. Esta lacuna foi preenchida pelo argentino Mancuello que, pelo que fui informado, teve o dedo de Muricy Ramalho.

. E os dois russos que denunciaram o esquema do doping e morreram um atrás do outro, acometidos por infartos fulminantes… Estranho, não? Os parentes afirmaram que os dois gozavam de saúde de ferro… Estranho, não?

Respondendo e comentando

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Tem sido algo diferente e, confesso, pra lá de prazeroso estar aqui quase que diariamente com vocês. A alegria maior é constatar que, apesar da paixão que nos envolve e nos une, a educação no momento de discordar nos faz crescer, aprender, e é a grande responsável pela preservação desta corrente adorável.

Com pontos de vista discordantes, os companheiros ANDERSON SANTOS e YVAN BAYARDINO deram um verdadeiro show de bom humor e inteligência, ante um momento pessimamente humorado em função da derrota de ontem. Cada um deu o seu recado, cada um defendeu o seu ponto de vista com veemência, porém, com sutileza e inteligência, passando ao largo de magoar um ao outro através das palavras. Ao ler, tive enorme vontade abraçar os dois, o que faço neste momento de forma simbólica.

No fundo, os dois têm um pouco de razão. Anderson se reporta a um passado recente, enumerando as virtudes nos jogos realizados este ano, e Yvan concentrou sua análise exclusivamente no que viu ontem. O resumo da ópera é que Yvan tem razão em tudo que colocou com relação ao jogo contra o Vasco, e Anderson, fundamentado em jogos anteriores, tenta afirmar que o julgamento definitivo não pode se basear na derrota para o Vasco. Concordo com os dois. Ontem, um horror. No penúltimo jogo, apesar da fragilidade do adversário, panorama animador. Em síntese, ter um pouco mais de paciência, é preciso e, é justo.

Aliás, agora respondendo ao companheiro VILI RIBEIRO, devo dizer que não fui contraditório nos posts – ARÃOCUELLO e BARBAS DE MOLHO. Repito agora o que escrevi sobre Mancuello no post ARÃOCUELLO: “Gostei da movimentação do argentino. O seu toque de bola é de quem sabe das coisas e, em determinados lances a visão de jogo foi flagrante. Enfim, animador. Mancuello é o talento que o time tanto precisa? Pode ser, embora ainda cedo para cravar.

Amigo Villi, retratei o que vi naquele jogo e, não deixei de colocar no final que ainda era muito cedo para um julgamento final sobre o poder de criatividade de Mancuello. Ontem, escrevi novamente o que vi. Faltou um mínimo de criatividade ao setor de meio campo e, sem este homem, não há ataque que funcione.

Ontem, Mancuello flutuou no jogo, ou seja, não jogou. Continuo achando que ainda é cedo para qualquer tipo de conclusão, seja positiva ou negativa. E, tomara que Muricy conclua com rapidez, pois, como tenho aqui comentado, manter três atacantes sem que se tenha alguém criativo no meio é querer tirar água de pedra. Melhor, sem este iluminado, sacrificar um dos atacantes e reforçar o meio de campo com mais um jogador. Ontem, a superioridade do Vasco foi muito mais numérica do que técnica no setor de meio campo.

Terminando pelo tema inicial, dizer que além do prazer, é uma honra conviver aqui com pessoas tão sensíveis, inteligentes e educadas. Dá gosto…

Em tempo: CARLOS EGON PRATES, meu querido amigo, cadê você?

 

Barbas de molho

(Foto: André Durão)

(Foto: André Durão)

Tudo bem que estamos em início de temporada, mas convenhamos que a atuação do time do Flamengo foi muitíssimo aquém do que se poderia esperar. A vitória do Vasco foi merecida, pois além de ter jogado melhor, ter tido muito mais a posse de bola, de ter ainda colocado uma bola na trave, teve muito mais disposição.

Tudo bem que o fator campo tem sempre influência, afinal, a força do hábito em jogar ali, e com 90% da torcida a favor, sempre ajuda, mas o Flamengo perdeu o jogo pela sua total inoperância, falta de determinação, desarrumação e pela falta de pelo menos um jogador talentoso na área de criação.

Como gosto de olhar para frente, mais preocupado estou com o futuro imediato, do que com a derrota de hoje.

Ter um ataque com Cirino, Guerrero e Emerson Sheik, até pode, desde que haja quem municie este ataque, crie situações de gol para este ataque. Como hoje não houve este jogador, o setor ofensivo foi inoperante, e o meio de campo, com três jogadores, completamente dominado pelo Vasco.

Talvez seja ainda cedo para dizer que Mancuello não é o jogador que o Flamengo precisa, mas já faz bastante tempo que digo aqui que, sem ao menos um jogador criativo, um time não anda. Imagine o time do Vasco sem Nenê. Aliás, este encaixaria como uma luva no time do Flamengo.

O tempo está passando. Já é hora de se definir o time ideal em função da perfeita avaliação do material humano disponível. Se Mancuello não for o criativo como foi anunciado, que se tire imediatamente Emerson ou Cirino, e que se escale mais um jogador no meio de campo. Aí, o time não ficará tão fragilizado. O sofrimento será menor…

Como diziam os antigos, depois deste jogo, é bom colocar as barbas de molho…

Se todos fossem iguais a você…

(Foto: Rafael Moraes / Agência O Globo)

(Foto: Rafael Moraes / Agência O Globo)

…Muricy, o futebol seria melhor em todos os sentidos, até porque, há para os franceses algo definitivo na vida que, claro, também vale para o futebol, que é o “savoir faire” (saber fazer). A visão de quem sabe das coisas, de quem tem intimidade com o tema, é completamente diferente.

Quem acompanha este blog é testemunha de que venho aqui, há bastante tempo, alertando para o perigo técnico desta estratégia cigana que a diretoria do Flamengo adotou em função do fechamento do Maracanã e do Engenhão, jogando a maioria dos jogos, inclusive os com mando de campo, longe do Rio de Janeiro.

O vice de futebol, Flavio Godinho, afirma que jogar fora é preciso em função do aspecto financeiro. Grave engano. No início da temporada pode até dar certo, mas com o passar do tempo, inevitavelmente a performance do time vai cair, pois resultados ruins começarão a aparecer e, o interesse do público diminuindo em função dos resultados comprometerá a previsão financeira traçada.

Ou seja, tudo funciona com o time ganhando e, jogar todo dia fora de casa, fora da cidade base, mata fisicamente qualquer time. O alerta de Muricy é o grito do óbvio, embora para muita gente o óbvio seja algo muito difícil de enxergar.

A cada dia me fica bem claro que Muricy Ramalho foi, longe, a melhor contratação do Flamengo.

VIVA MURICY!!!

Flamengo continua agindo

Apurei que, no acordo do Ministério Público do Rio de Janeiro com o Vasco da Gama, a “prestação de contas“ do Vasco não é com o Ministério Público, e sim, com a Federação.

Claro que esta artimanha jurídica, que demonstra na elaboração do documento assinado pelo presidente do Vasco e pelo MPRJ competência do advogado vascaíno, favorece, e muito, ao clube da colina, em função da estreita relação com a Federação.

Mesmo assim, pelo que acabo de apurar, o jurídico do Flamengo continua em cima do Ministério Público, alertando para as consequências danosas e irreparáveis que poderão ocorrer, caso todas as providências relativas à segurança não tenham sido tomadas.

Até o final do dia haverá uma solução. Estamos de olho.

 

Flamengo agindo. Sexta-feira promete…

Estádio de São Januário (Foto: Divulgação).

Estádio de São Januário (Foto: Divulgação).

Pra começar, seria bom, você que está chegando agora, dar uma olhadela no post anterior, cujo título é “BOMBA!!!

Dando seguimento ao tema, apurei que o departamento jurídico do Flamengo estudou à exaustão o acordo do Vasco da Gama com o Ministério Público do Rio de Janeiro e, amanhã irá procurar quem de direito no MPRJ, para saber se todas as exigências feitas para que qualquer clássico carioca seja realizado em São Januário foram cumpridas pelo Vasco.

Caso se verifique que isto não ocorreu, é possível a não realização do jogo, através de ação do próprio Ministério Público ou, a realização do clássico dos milhões com portões fechados ao público.

A sexta- feira promete…