Passando do ponto

Estádio Mané Garrincha, em Brasília.

Estádio Mané Garrincha, em Brasília.

Esta história do Flamengo não poder eleger um estádio fora do Rio de Janeiro, como seu campo oficial para mandar os jogos do Campeonato Brasileiro, realmente passa do ponto.

Não quero nem discutir o mérito, ou seja, se o estádio em Brasília é a melhor opção na impossibilidade de se ter o Maracanã ou Engenhão.

Tenho o ponto de vista de que, fisicamente, seria ruim, pois todos os jogadores moram e treinam no Rio de Janeiro, mas esta é apenas uma opinião pessoal. A decisão do Flamengo tem que ser respeitada, até porque, sem os dois principais estádios da cidade, é de se imaginar que um clube tenha o direito de definir a sua vida sem qualquer tipo de interferência.

Este negócio do Flamengo ter que pedir autorização a cada rodada do Campeonato Brasileiro, indicando o local do jogo quando mandante, vai virar piada de brasileiro contada na terrinha…

Sugiro aqui que os dirigentes da CBF e da Federação reflitam. Esta atitude passa ao largo de qualquer processo democrático.

Pensar melhor, é preciso. Conversar, ajuda. Sempre ajudou..,

1 Comentário

  1. Mas Kleber, de um lado o pleito legítimo do Flamengo. Do outro lado da questão o livro de regras da CBF.
    A mim me parece que o assunto não foi discutido nas esferas apropriadas.
    Lembro-me que essa história do “Flamengo ter casa em Brasília”, amadureceu na última semana, por pressão do Muricy em uma coletiva após o jogo (Tendo um EBM boquiaberto na audiência).
    A mim me pareceu mais uma vez, que além de instâncias erradas, o time de discussão do assunto tbm é muito tardio! Não tardio para os padrões europeus não (o que seria a uns 6 anos atrás), mas mesmo para o padrão brasileiro!
    Penso que a CBF não poderia dar uma “canetada” destas por cima das suas próximas regras (que constituem direito das partes envolvidas: Federações mandante, visitante, hospedeira do jogo, e clube visitante).
    Politicamente a CBF só poderia fazer tal procedimento se fosse instruída por uma instância superior a ela. Não sou jurista, mas ao meu ver o assunto poderia ser levado facilmente ao STJD caso alguma das partes se julgasse prejudicada (Ao meu ver, a Federação e o clube visitante, nunca a Ferj).

    Reply
  2. Tenho para mim que esta questão realmente passou do ponto. Fere o bom senso ter que, a cada jogo, pedir autorizaçào à malfadada Ferj e ao adversário para jogar na casa que você, com a devida antecedência e de acordo com a federação e autoridades locais, elegeu como sua. Isto é uma camisa de força que impede qualquer tipo de planejamento. Se esta é a regra, está na hora de mudá-la, simples assim.
    Por outro lado, fica escancarada, mais uma vez, a necessidade de o Flamengo se organizar para investir na construção de SEU estádio. Tem, no momento, todos os fatos políticos a seu favor para esta empreitada. Nunca é tarde, tem de ser agora, para ontem!

    Reply
  3. Uéeeeeeeeeeeee Ilustríssimo Kleber.

    Não era o senhor o defensor infindável do diálogo com a FERJGulosa???

    Sinto informá-lo, mas o senhor foi o último a saber que não há como ter diálogos com CANALHAS !!!!

    Alooooo motorista……………Vista garagem !!!!

    Reply
  4. Pura retalhação contra o Flamengo, feita por figuras desmoralizadas, que há muito tempo perderam o respeito de quem efetivamente milita no futebol. O que se pode dizer de Rubens Lopes, Eurico, Del Nero senão o que já é público e notório, coveiros do futebol carioca e brasileiro. Está cada vez mais difícil para pessoas honradas se meterem neste lodaçal que se tornou este mundo da bola. Lamentável…!!!!!!

    Reply
  5. Caro Kleber, permita-me descordar de vc nesse imbroglio , faço minha às palavras do Nino. Estamos diante de uma exceção a regra não dá pra ” jogar pra galera” como o nosso presidente fez na ESPN. O Bandeira tem tudo pra fazer um mandato perfeito nesse triênio mas essa richa com a FERJ não ajuda em nada , pelo contrario so está mostrando seu desconhecimento frente às regras do jogo , daqui a pouco vai ter que mudar e moderar o discurso . Ta me parecendo que questões pessoais estão acima de um relacionamento pelo menos profissional com a federação.

    Reply
    • A jogada do EBM foi válida, visto que o clube tinha muito pouco a perder…
      Tenho a impressão até que passaria pela CBF, pois imaginar uma contrariedade explicita das federações, ou até mesmo uma qualquer, seria politicamente improvável. Estou certo que haveria compreensão da federação Mineira, Paulista, etc…
      A Ferj deve ter tentado este ato de bloqueio de forma indireta, através de outra federação, imagino que nenhuma quis se antipatizar perante ao Flamengo, por isso acho que passaria pela CBF. A gerencia da Ferj diretamente no assunto criou um animosidade de proporções históricas e irrevogáveis.
      O Sr. Eurico Miranda, carrapato político da Ferj, criou uma vice presidência de combate ao Flamengo, a fim de criar factóides comparativos ao nosso grande clube: “Olha, estamos brigando com o Flamengo, logo somos iguais a ele”.

      Reply
  6. Anderson, amigo,

    Sou defensor do diálogo, em qualquer circunstância, inclusive, neste caso envolvendo Flamengo e Federação. O espírito bélico nunca foi o melhor caminho.

    Desculpe discordar, mas há possibilidade sim, de diálogo com as pessoas da Federação. Com estas mesmas pessoas no comando da FERJ, disputamos três campeonatos estaduais e, ganhamos os três (Penta-tri, 2007-2008 e 2009).

    Nada há de errado em discordar, desde que, com educação e, se possível, com elegância e humor. Convenhamos que, educação, elegância e humor, passaram ao largo neste diálogo entre Flamengo e Federação. E, o tom bélico tem sido de ambas as partes.

    Desculpe querido Anderson, mas o diálogo continua sendo o melhor caminho para o entendimento.

    Forte abraço.

    Reply
    • Concordo com o Presidente!

      Essa briga ja deu, temos que partir para o dialogo e tentar em outras esferas as mudanças necessárias para maior democratização do poder em federações e CBF, mas nunca de forma bruta como tem sido ate o momento, pois o flamengo so esta saindo prejudicado disso tudo!

      Reply
    • Kleber amigo, mil desculpas pela demora em responder, o tempo anda corrido demais aqui em Araraquara.

      Mantenho a minha posição em discordar. Eu e muitos Rubro Negros, que votaram no Bandeira, esperamos dele somente duas coisas:

      1 – Que ele “faça” Flamengo.

      2 – Que ele “faça” Futebol.

      A minha maior decepção em relação a isso é se Bandeira começar a fazer política com CANALHAS.

      SENTAR À MESA COM CANALHAS NÃO ME REPRESENTA!

      Fosse eu presidente do Flamengo, a FerjGulosa já estaria curvada à minha frente e a do Flamengo, com um simples ato.

      Não disputaria o estadual. Não disputaria o Brasileiro.

      Aí vejamos quem tem mais garrafas velhas para vender.

      A Globo depende do Flamengo. A CBF depende do Flamengo. Os patrocinadores depende do Flamengo. Os clubes dependem do Flamengo. Até a bancada da bola, depende do Flamengo.

      Agora… para ser radical a esse ponto tem que ter peito para encarar as possíveis represálias. Isso eu não sei se Bandeira tem !

      Eu votei no Bandeira por uma questão muito mais ampla do que propriamente o time de futebol.

      EU QUERO DIGNIDADE!

      Eu votei no Bandeira com a certeza que ele não terá a cara de pau de deixar o Flamengo com um único centavo de dívida.

      EU QUERO TRANSPARÊNCIA !

      Eu votei no Bandeira, porque eu tenho certeza de que mesmo quando a água estiver batendo no pescoço, ele não vai contratar por contratar.

      EU QUERO HOMBRIDADE !

      E se de fato Bandeira fizer todo esse roteiro, eu, o senhor, e todos os rubro negros teremos PAZ !

      Paz de Espírito em saber que temos um representante que nos REPRESENTA !!!

      Talvez….digo Talvez….Bandeira seja o presidente certo no momento certo do Flamengo e do momento político do futebol.

      Resta saber se ele terá “aquilo” ROXO, VERMELHO E PRETO !

      ESPEREMOS CLARO KLEBER.

      SRN#ABÇ

      Reply
  7. Prezado Kleber,
    O FLAMENGO pode, se quiser, se desfiliar da FERJ e filiar-se diretamente a CBF, como diz o Art 21 da Lei Pelé.

    “Art. 21. As entidades de prática desportiva poderão filiar-se, em cada modalidade, à entidade de administração do desporto do Sistema Nacional do Desporto, bem como à correspondente entidade de administração do desporto de um dos sistemas regionais”.

    Reply
  8. Tudo isso esta acontecendo por falta de planejamento da diretoria e por falta de diálogo e uma boa dose de política no meio. Falta ao clube hoje em dia, um Michel Assef pai, homem inteligente e de muita educação. Os azuis tem muito que aprender ainda.

    Reply

Comente.