Saudade dos velhinhos

(Foto: Marcos Ribolli)

(Foto: Marcos Ribolli)

Estou em frente à televisão e, na telinha, um jogo de futebol. De um lado um time de camisa grená, calção grená e meião grená. Do outro lado um time de camisa amarela, calção azul e meião azul. Se você viu este jogo, sabe do que estou falando ou, sabe quem estava jogando. O exercício que proponho é para quem não viu este jogo. Pergunta: Que times são esses? Um, todo grená, e o outro, parecendo a Seleção Brasileira?

Duvido que alguém que não tenha visto o jogo possa acertar. São Paulo (tricolor na origem) x Ponte Preta (alvinegra e, igual ao Vasco, marcada pela faixa diagonal). O que é isso? Que falta de respeito é essa?

Não sou retrógrado. A minha cabeça é aberta para o novo. Nenhuma novidade me assusta. Em síntese, respeito e admiro as mudanças naturais e saudáveis na vida, mas há limite para tudo, inclusive e, principalmente, para a tradição.

Volto a um passado não tão distante e, na minha memória, surgem as carinhas de Flavio Soares de Moura, Moreira Leite, Ivan Drumond, Hélio Maurício, Radamés Lattari, enfim, à época, meus velhinhos, que davam aula diariamente para nós da importância de se preservar a tradição.

Entendo o mundo comercial. Nasci e fui criado nele. Por isto mesmo estou à vontade para dizer que, a Ponte Preta, de uniforme canarinho, e o São Paulo de grená, representam o retrato vivo da absoluta falta de respeito ao que há de mais importante no mundo do futebol, que é a tradição.

Que os dirigentes de clube não se curvem aos interesses comerciais das fornecedoras de material esportivo. Que repudiem esta ideia absurda. Quando alguém entrar num estádio ou ligar uma televisão para ver um jogo, tem que ser uma coisa natural. Flamengo, é vermelho e preto. Vasco, é preto e branco e, obrigatoriamente, com a faixa diagonal. Ponte Preta, idem. América, é sangue. Inter, também.

Por favor, companheiros dirigentes, acordem!!!! Os interesses outros, e burros, estão avacalhando com o que há de mais puro e sublime no futebol, que é a tradição.

Que saudade dos meus velhinhos…

1 Comentário

  1. Kléber e amigos, sou totalmente contra. Onde está a tradição das cores oficiais?? E a identificação? Vermelho e preto sempre será vermelho e preto…sem cores laranjas..azul..daqui a pouco vamos jogar todos de verde, amarelo e sabe lá mais que cores podem inventar..

    Reply
  2. Pergunto eu, que avanço comercial poderá ter um clube que abandone suas cores originais, para jogar com um uniforme totalmente diferente de suas tradições. Exitem truque de vendas, o uniforme do Flamengo ou de qualquer outro clube, nunca é igualzinho ao do ano anterior, sempre haverá mudanças que irão induzir os torcedores a adquirirem o uniforme novo. Porém, isso não indica que necessariamente o Flamengo por exemplo vá jogar de verde ou azul. Mudanças no uniforme absolutamente normais, principalmente num mundo capitalista. mas não precisam “estuprar” as tradições do clube…

    Reply
    • Querido e amado Anca, seus comentários sempre pertinentes nos induzem a um profundo raciocino sobre o tema. Se posso não enriquecer, mas contribuir com sua visão, ressalto que os clubes hoje em dia fazem quase tudo que seus patrocinadores desejam, um exemplo é a recente desastrada Campanha de Marketing da Adidas “Framengo”! Como isso passou pelo departamento de marketing do clube? Explico de forma geral, a sua e a minha dúvida em uma palavra, “subserviência”! Assim, o estupro é da nossa suscetibilidade visual, da tradição esportiva, pois os clubes adoram! Vai que cola? Exemplo? As camisas grená e verde do Fluminense, são uma das que mais vendem. Certo ou errado, é business, marketing onde o torcedor decide.

      Reply
      • Caro Nino, mandei uma resposta pra você, porém não sei o que aconteceu que não entrou. Mas num todo concordo com o seu ponte de vista. Não gostei da propaganda da ADIDAS da expressão “framengo” usada pelo arco-iris de forma pejorativa. Gosto da tradição, das cores genuínas do nosso clube. Todavia faturar é absolutamente necessário….SRN

        Reply
  3. Kleber concordo totalmente.
    Fui ao Morumbi ano passado secar o Vice.
    O SP jogou de grena, parecia o Juventus da Mooca.
    Imaginem o nosso Rubro-negro jogando de verde, amarelo, igual já jogou com uma camisa azul e amarela.
    Tradicionalidade em futebol é tudo.
    E os Deuses do futebol punem.
    Só levantar quantas derrotas temos sem o nosso tradicional manto.
    É para se pensar.
    Abraços

    Reply
  4. Para jogos amistosos, usar uma 3ª camisa de cores diferentes, acho válido, em ocasiões especiais. E mesmo assim, que tenha algum sentido. O Fla jogar de papagaio-de-vintém ou azul e amarelo, fez sentido por que foram nossos primeiros uniformes. O Fluminense usar Laranja devido o bairro das Laranjeiras, também. Mas inventam cada desculpa esfarrapada pra colocarem as cores que as fornecedoras querem. O Corinthians usou roxo em ‘homenagem’ ao torcedor roxo. Depois usou laranja em homenagem à terra que as divisões de base treinavam. faça-me o favor né? Daqui a pouco vou ver o Santos jogar de verde, vermelho e branco em homenagem à Escola de samba Grande Rio que os colocou como tema do carnaval 2016.

    Reply
  5. “Tradição não é apenas o passado, mas, antes, a “permanência no desenvolvimento”, a “permanência na continuidade'”.
    Dito isto, falamos de algo muito especial, tradição é quase igual a respeito. Aproveito o gancho para me referir aos ex Presidentes do clube que significam uma belíssima tradição, composta de altruísmo, amor ao clube e uma infinita vontade de ajudar. A geração atual, que, hoje, comando o Flamengo, deveria fazer uma reflexão a respeito do vocábulo TRADIÇÃO. SRN

    Reply
  6. Também penso que as necessidades do cruel mundo capitalista exigem inovações, porém a essência de uma instituição não pode ser colocada em 2º plano jamais ! Imagine a Escola de Samba Mangueira cultivando cores que não sejam o verde e rosa ? Deste modo deve ser no futebol, se não respeitam mais as tradições cores do clube, em breve irão trocar os nomes dos clubes….Sem condições ! Falta de respeito com torcedor , sócios e a memória dos fundadores do clube !!Flamengo sempre terá que ser Flamengo e vermelho e preto !!

    Reply
  7. O fato da modernidade ter chegado ao futebol não quer dizer que a falta de criatividade deve andar junto. Tenho certeza que esse uniformes serão um fracasso de vendas. Hoje devemos buscar a linha retrô muito mais do que as cores fortes. O Fato de dar certo na Europa não implica em dar certo no Brasil. Falta estudo e planejamento desses profissionais de mkt esportivo. Ganham bem e perdem a oportunidade de crescer.

    Reply

Comente.