Mensagem para o genial Bernardinho

(Foto: Severino Silva)

(Foto: Severino Silva)

Bernardinho, querido,

Adoraria terminar esta mensagem parabenizando você pela medalha de ouro e, como brasileiro e apaixonado pelo vôlei, agradecer a Papai do Céu por você existir. Incrível como alguém pode aliar com tanta clareza e simplicidade, competência, determinação, comunicação e carisma. Tudo isto e, não é fácil, aliado a uma alma linda, do bem e vencedora.

Infelizmente, em meio a tantos momentos emocionantes após a conquista do ouro, via você, responsável direto pela conquista, assistindo como qualquer mortal à entrega das medalhas.

Aquele pódio ficou pobre sem a sua presença. Ficou vazio. Ficou injusto…

Não sei de quem surgiu a ideia de não consagrar o treinador nas olimpíadas e, confesso, também não estar interessado. O que importa é corrigir este erro, esta grosseria. Claro que há treinadores que têm importância relativa e, o mesmo se aplica a vários atletas num esporte coletivo. Só que também há treinadores decisivos, geniais. Comandantes na acepção da palavra. E, este é o seu caso.

Como brasileiro, esportista, e principalmente como ser humano, me senti agredido vendo você como espectador de um momento único, que só foi possível graças à sua genialidade e ao seu trabalho.

O seu lugar era no pódio, recebendo a sua medalha de ouro. A consagração popular você já tem e faz tempo.

Que espírito olímpico é esse que não valoriza e reconhece quem mais merece? Isto precisa ser corrigido.

Você é motivo de orgulho para qualquer brasileiro.

Amamos você!!!

Parabéns!!!

Kleber Leite

1 Comentário

  1. Pelo que sei, nenhum técnico recebe medalha nas Olimpíadas, de nenhum esporte. Acho isso injusto, mas qual critério adotar? O técnico da natação dos EUA teria direito a todas as medalhas conquistadas pelo time? E nos esportes individuais, os técnicos mereceriam medalhas? Acho uma grande sacanagem Bernardinho não receber medalha, Micale idem, e até o “Coach K”, técnico do dream team do basquete dos EUA, embora esse time seja tão bom que mal precise de técnico… Já com relação a esportes individuais, e até mesmo de duplas, tenho minhas dúvidas.

    Reply
  2. Lindas e certeiras palavras Kleber.
    Como esportista que sou, até hoje não consigo compreender o motivo da pessoa, diretamente ligada a conquista do título olímpico.
    No mínimo uma indelicadeza!
    Sou fã do Bernardinho, 4 finais olímpicas seguidas, sem contar as outras passadas, com as meninas.
    Esse cara é um gênio…Doug Bill é menino perto dele ( com todo respeito) kkkkkkk.
    Um forte abraço !!!!

    Reply
  3. Caro Kléber! O texto ficou perfeito logicamente, porém, imagino que essas regras de premiaçoes de medalhas são antigas! Creio que se privilegia o atleta e não intencionalmente se menospreza o conjunto da obra. O Bernardinho, como disse no post anterior, é um caso raro de estudo e imagino que uma medalha de ouro não seria unicamente o grande orgulho dele. A sua vencedora história já o credencia a tantas marcas que somente um monumento será capaz de representar todas as conquistas! A medalha seria um prêmio, mas, cada medalha no peito de cada jogador, já terá 50% do seu brilho e talento, o que no caso, se transforma em seu verdadeiro orgulho. Imagina vendo seu filho na fileira dos campeões? Antes de pensar ser justo ou injusto, vou preferir lembrar do quanto o Bernardinho nos enche de orgulho, esperança, fé no futuro e principalmente, a certeza do novas medalhas, que embora sendo no peito dos outros, ficará sempre nas páginas mágicas de sua gloriosa história. Viva o Brasil. Viva o melhor técnico do MUNDO. Seu grande talento é ganhar medalha. Seu grande talento é humildade. Seu grande talento é saber iluminar e ser iluminado! SRN e brasileiras ao Bernardinho.

    Reply
  4. Medalha ? Por que medalha ?

    Concordo que o técnico.merece uma PREMIAçÂO, entretanto no meu entender um ANEL de campeão Olimpico ficaria diferenciado e mais praticável em se pensando em não agredir a tradição ou os tradicionalistas.

    Inclusive o Brasileiro já devia ter adotado essa tradiçào de dar aos campeoes um ANEL assim como é tradicional nos E.U.A. Já a alguns anos defendo isso e o CORINTHIANS sabiamente confeccionou um ANEL (joia ) e presenteou seus campeoes com um.

    É ou não um motivo a mais para correr atras do título ?

    Inclusive ao ver as premiaçoes eu pensava .. ” bem que o Brasil podia ter inovado “

    Reply
  5. Meu querido Kleber!
    Na minha história de vida, não conheci nenhum técnico com a competência, responsabilidade e determinação do nosso querido Bernardinho.
    Contra a França virou o jogo quando na verdade estávamos pela bola sete, com a entrada do então esquecido Lipe.
    Mudou radicalmente a cara do jogo e, nos colocou na final.
    Concordo plenamente com tudo que escreveu!
    Sendo ou não uma NORMA do COI, é de uma injustiça irreparável.
    Bernardinho, a cada Olimpíada, muda a cara do time e, o resultado é sempre sucesso. Mesmo chegando em terceiro ou segundo.
    Como não tenho muito compromisso com os jogos, vejo os que me interessam.
    Como vôlei de praia, de quadra e o futebol.
    Não podemos esquecer, a mesma injustiça cometida com Micale. Um ouro inédito que não está pendurado no pescoço do técnico.
    Não sei se este enorme detalhe será reparado em breve. Mas espero que no Japão, o senhor Thomas Bach mergulhe numa piscina de sensibilidade, e entenda a importância abissal da figura do técnico.
    ELES convocam, ELES treinam, ELES são responsáveis… e, no final da festa, apenas assistem…
    Inteira razão, querido Kleber.

    Reply
  6. Dar uma medalha para o treinador de esportes coletivos como basquete, futebol e vôlei geraria uma série de questionamentos.

    Será que a cortesia estender-se-ia a treinadores individuais? Se assim fosse, Bob Bowman, o técnico de Michael Phelps, teria 22 medalhas. Seria justo esse técnico ter 22 medalhas? Assistentes também poderiam obtê-las? E os médicos das equipes e os jogadores lesionados? Roupeiros e pessoal de apoio também não mereceriam? Fazem parte da equipe, ora…

    Nos EUA temos treinadores recebendo anéis comemorativos em esportes profissionais e universitários. Mas isso não é uma comparação de maçãs com maçãs. Os anéis dos campeonatos não são recompensas oficiais. Proprietários das equipes e departamentos esportivos são os que pagam por estes anéis, não a NFL ou a NCAA (ouviu FlaD+?).

    Outro ponto relevante a ser discutido nessa questão de medalhas é a disparidade na premiação de esportes coletivos, quando comparados a individuais.

    Michael Phelps é fera, mas cada medalha dele não demora mais de 10 minutos a ser conquistada (incluindo as fases preliminares), já no futebol são 11 titulares (+ os reservas) jogando inúmeros jogos de 90 minutos (no mínimo), para ganhar uma mísera medalha. Mereciam, no mínimo, onze!

    Independentemente de tudo colocado acima, deve ser muito frustrante para um grande técnico como Bernardinho só ter uma medalha de prata “de fato”, pela sua conquista, em quadra, com a geração de prata de 1984. Precisamos descobrir caminhos para desfazer tal injustiça. Eu abraço a causa!

    Reply
  7. Felphs ao desembarcar no Rio treinou 12horas seguidas. O tempo da competição nao significa menor ESFORçO.Na verdade os esportes que lutam CONTRA O TEMPO são os que exigem maior ESFORçO físico e de treinamento.
    O COI Brasileiro poderia ter a iniciaticva de confeccionar os ANEIS para os tecnicos medalhistas.Também poderia ser uma ESTATUETA com o SIMBOLO da RIO 2016 versão OURO, PRATA, BRONZE semelhante aquela presenteada aos atletas medalhistas, ou mesmo uma MINI PIRAOLIMPICA.

    Reply
  8. Vendo o vídeo da final do futebol masculino, mais uma vez dou razão ao René Simões.
    Neymar não possui equilíbrio necessário para ser capitão, muito menos ídolo.
    A crise de pelanca do menino mimado, após o jogo, não deixa menor dúvida que sobra futebol e falta educação.
    👎 👎 👎 👎 👎

    Reply
  9. Muito bom o texto Kleber Leite, somente você para observar algo tão importante e esquecido por muitos. É incrível como Bernardinho consegue “fabricar” tantos campeões, passa gerações e gerações e sempre vencedor, até chegar, agora, no seu filho Bruninho. Parabéns, gênio Bernardinho!

    Reply
  10. Vou ser bem sincero: Esporte para mim sempre foi futebol e na infancia e ja se vão decadas acompanhava o basquete do Flamengo pela radio Globo, cometarios de Raul Brunini e narração do saudoso Sergio Moraes. O Voley é um esporte que desde que Antonio Carlos de Almeida Braga da Atlantica Boa Vista investiu pesado deslanchou sob o comando do Nuzman, mas eu nunca fui um fanatico, um sujeito que ficasse dois ou tres jogos na frente de uma tv para assistir. No entanto, de algum tempo para cá descobri que o Bernardinho é um idolo meu por ser esse tecnico fenomenal. A pressão sob ele é enorme, mas ele é de uma capacidade que impressiona e por ele, por tudo que ele fez e faz, confesso que ja me sinto um brasileiro que o coloca como segundo esporte, embora reafirme que o basquete é muito especial.

    Reply
  11. Kleber,

    Sou suspeito, mas já espalhei pelas mídias sociais este teu texto, onde eu assino e concordo com todas as suas palavras.
    ao passar o texto para o Bernardinho ele ficou muito feliz com o teu carinho de sempre.
    abraço

    Reply
  12. O Voley é um exemplo de como modificaçoes nas regras podem fazer um esporte EVOLUIR em atratividafe. Na decada de 90 foram alteradas algumas regras para fazer o Voley passar de um esporte MONOTONO ao atual DINAMISMO. Lembram da REGRA DA VANTAGEM ? Travava o esporte e fazia o espectador dormir.
    O futebol vem apresentando DESCRESCIMO de publico nos estádio. Já passou da hora de modernizar algunas regras do futebol inclusive DIMINUIR o poder do árbitro.
    O fut FEMININO deveria ter 60 minutos com 2 tempos de 30. Isso faria o jogo DINAMUCO e atrativo para TV.

    Reply
  13. Por falar em ENTERRO.

    As novas arenas podem ser a ultima par de cal no futebol brasileiro.
    Os clubes estão CEGAMENTE ELITIZANDO o futebol, estão criando um muro de Berlin FINANCEIRO que afasta o “povo” que VIVIA e SUSTENTAVA o futebol dos estádios.

    Vejam que brilhante e reflexivo testo sobre:

    http://colunadoflamengo.com/2016/08/mauro-cezar-brasil-e-seus-estadios-que-nao-lotam-falta-uma-visao-mais-casas-bahia-aos-cartolas/

    Os ST’s se não forem INTELIGENTEmente pensados e aquitetados podem se tornar um cancer para o futebol.

    A massa tem que ir. Tem que ser PUCHADA para o estádio pela PROMOçãO do ingresso.

    Reply
  14. O que vai para as MANCHETES é que Diego a maior contratação do ano no FLAMENGO estreiou com APENAS ” X ” FLAMENGUISTAS no estádio, MARKETING é estádio cheio, ainda que com portoes ABERTOS.

    Reply
  15. Prezados,
    Bernardinho é fantástico, talvez o melhor treinador do planeta, de todos os esportes.
    Falando em treinador, que papelão do nosso estagiário… Eliminados de uma competição importante para a moral e marketing…

    Reply

Comente.