O futebol está ficando muito chato

(Foto: AFP)

(Foto: AFP)

Acredito que a maioria dos amigos do blog tenha tomado conhecimento do desabafo da goleira americana, Hope Solo, após o jogo pelas quartas de final dos jogos olímpicos, contra a seleção da Suécia. Hope, entrevistada após a partida, afirmou que as suecas foram covardes, jogando o tempo todo na defesa, pedindo a Deus por uma decisão por pênaltis. Pois bem, a Federação de Futebol da terra do Tio Sam acaba de anunciar que a goleira da seleção e do Seattle Reign, está suspensa por seis meses pela “infeliz” declaração.

Caramba, eu como repórter ouvi mais de uma centena de vezes desabafos absolutamente iguais. Como dirigente, outra centena de vezes. A única diferença é que ninguém foi punido por isso. Este tema vem em boa hora, na medida em que há para tudo na vida um limite, inclusive para o tal fair-play, inventado pela Dona FIFA. Meus Deus, será pecado alguém afirmar que a tática utilizada pelo adversário foi uma tática covarde, isto é, que o time que estava do outro lado entrou em campo para não perder? E nisto tudo, onde fica o direito sagrado de expressão?

Hope não fez nenhuma acusação que agredisse a dignidade de qualquer jogadora sueca. Hope, apenas disse que o time adversário entrou em campo pensando única e exclusivamente em se defender. Inconformada e de cabeça quente pelo fato do volume de jogo apresentado pelas americanas não ter sido suficiente para garantir a vitória, encontrou a sua explicação para a eliminação precoce nas olimpíadas do Rio. Aliás, é bom registrar que não está em julgamento se Hope teve ou não razão no conteúdo, isto é, se o que disse fazia sentido. Isto é outro problema. O que estamos debatendo é que a forma, ou seja, o modo como ela se expressou, para quem conhece minimamente o mundo do futebol, não foi ofensivo e não agrediu ninguém.

O resumo da ópera é que o futebol está ficando muito chato. E, chato está, pelos chatos que, com ar professoral, querem fazer do esporte mais popular do mundo um chá das cinco no colégio Sion. O que querem estas malas? Acabar com a espontaneidade tão pertinente a um esporte popular? Quantas vezes tive que ouvir Manga, goleiro do Botafogo, dizer que adorava jogar contra o Flamengo, pois desta forma, poderia fazer a feira de maneira antecipada, já que o bicho era certo… Claro que, como torcedor, ia à loucura em função da paixão, mas jamais me senti ofendido, pois a gozação fazia parte…

Aqui, apenas um comentário. Lá, a estúpida, grosseira, descabida e desproporcional decisão, representou o final de carreira da mais importante goleira do futebol feminino. Inacreditável!!! Que americanos chatos…

 

 

1 Comentário

  1. Na verdade eles puniram a DERROTA.

    É bom lembrar que os EUA são o campeão MUNDIAL quando se fala em PROCAR. O UFC combate ilustra bem como eles sabem EXPLORAR e midializar essas declaraçoes, sabem como ninguém transformar provocaçâo em IBOPE e VERDINHAS.
    Vou sugerir a FIFA o ” FAIR LOOSER” . Funciona assim: quando um adversário perder um gol digno do INACREDITAVEL FUT CLUBE, o time DEIXARá o adversário “chutar” contra seu próprio gol sem GOLEIRO.

    Reply
  2. Já imaginaram se o futebol fizesse uma coletiva PRé-jogo com os ADVERSáRIOS ?

    Imaginem a coletiva pre-jogo

    CAPITAO do FLA X CAPITAO do VASCO

    Já pensou ?

    e uma coletiva PóS-JOGO ?

    VIIIIXXXEEEEEEEE

    Reply
  3. Presidente, acho que deveríamos, nos ater sempre ao Flamengo! Esse não é o motivo da existência do blog ? Hoje deveríamos ter polêmicas! Onde estão elas? Estamos na vice liderança do brasileiro, as vésperas de um jogo, de caráter internacional. Hoje eu esperava ler e discutir opiniões, mas sobre o Flamengo! Estamos precisando, estamos sedentos, de comentários do mais querido. Quanto a seleção feminina americana, e sua goleira Looser, eu só lamento! Vamos viver Flamengo!

    Reply
  4. Todos tomamos conhecimento hoje de que o Flamengo fará a pré-temporada de 2017 na Flórida-EUA.
    Sou de opinião de que o Flamengo deveria homenagear o Kléber Leite e indicá-lo para chefe da delegação rubro-negra .

    Reply
  5. As declarações da goleira americana foi apenas uma desculpa esfarrapada para poder puni_la, já que antes dos jogos olímpicos ela liderou movimento reivindicando melhores condições financeiras para as atletas americanas. SRN

    Reply
  6. Romário não duraria 1 mês na seleção americana… pros mais jovens, basta buscar no youtube as entrevistas memoráveis do baixinho, atirando para todos os lados.

    Reply
    • Ano passado, em meio a crise técnica sob o comando do Celso Roth, foi o Romário, o Romário que interveio diretamente com Eurico Miranda para a contratação do Jorginho para técnico do clube. Não adiantou nada, a campanha para o tri-rebaixamento do Vasco estava muito adiantada. Romário é e sempre foi vascaíno.

      Reply
      • Deixem os vascainos citarem o nome dele na Coluna do Eurico Miranda, do Antônio Soares Calçada….Há eles não tem coluna? Então deixei o nome do baixinho quieto, aqui é Flamengo.

        Reply
  7. O que a admirada e lindíssima goleirona falou faz total sentido. Seleções fortes fisicamente, disciplinadas taticamente e com pouco futebol ofensivo, essa é a fórmula vencedora do futebol feminino, que o diga o Brasil que sempre bate nessa parede!

    Reply
  8. Fair-Play é das invenções mais bizarras da história do futebol. Não está previsto na regra, é puro politicamente correto e o politicamente correto tem ignorado sistematicamente a realidade.

    Então jogador não pode mais ter opinião sobre o jogo? Não pode criticar a tática adversária? Tem que ser bonzinho o tempo inteiro? Por favor!

    Tá faltando Edmundo na Copa de 1998. Romário sempre. E tá sobrando, em excesso, Kaká. Que não a toa, foi escolhido como craque-símbolo da liga americana.

    Reply

Comente.