O maior erro dos “professores”

(Foto: Evaristo Sá / AFP)

(Foto: Evaristo Sá / AFP)

Impressionante como a mídia exerce influência na cabeça dos treinadores. O momento é de comoção nacional pelo jogo ofensivo e, isto não vem de hoje.

Lembro que em 1994, como Raí acabou não vingando, Carlos Alberto Parreira sacou Mazinho da cartola, congestionou o meio de campo, e na frente, Romário (principalmente) e Bebeto resolveram o problema. O que quero dizer é que não há esquema perfeito. Há sim, esquemas equivocados. O treinador que tem um mínimo de sensibilidade, embora possa ter a sua predileção por uma determinada forma de jogar, monta o seu time em função do material humano que dispõe. Exemplo: o treinador que adora um 4-3-1-2, só pode aplicar esta estratégia se tiver à disposição um bom “enganche”, como chamam os argentinos. Para nós, o homem de ligação, tipo Zico, tipo Messi. Não havendo no elenco alguém com esta característica, que outra opção seja encontrada, pois é impossível tirar água de pedra…

Agora, o maior erro dos “professores” é o de achar que, quanto mais atacantes colocar, mais o time será ofensivo. Enorme equívoco. Ontem mesmo, o treinador da seleção brasileira cometeu este erro. Aliás, a meu conceito, já começou errado, com três atacantes.

O Barcelona acaba fazendo enorme confusão na cabeça dos treinadores que imaginam jogar o time espanhol com três atacantes. Lá, são dois: Neymar e Luizito. Messi é o enganche, o homem de ligação. Só que, como gênio, acaba sendo tudo. O problema é que só há um Messi…

Aí a nossa seleção entra em campo com três atacantes e a consequência é a fragilização do meio campo, local onde os jogos são decididos.

Por favor, façam um rápido exercício sobre os grandes times do planeta em todos os tempos e, tentem encontrar algum que não tivesse um meio de campo consistente.

Alguns treinadores, injustamente, ficaram marcados como retranqueiros, exatamente por pensar desta forma. Foram chamados de retranqueiros, mas foram vencedores. Há um monte de exemplos…

Enfim, que o nosso “professor” da amarelinha acorde e, entenda que não é pelo fato de ter mais atacantes que o seu time vai ser mais ofensivo. O que o “professor” precisa entender – e rápido – é que quarta-feira ele tem que ganhar da Dinamarca, se não, a vaca vai pro brejo com uma penca de atacantes…

1 Comentário

  1. Kleber, é a arquitetura do absurdo! Colocar um plantel de jogadores de altíssimo nível comandados por um “anônimo”. Conhece algum clube que fez o mesmo?

    Reply
    • No início do ano a diretoria montou um elenco de jogadores fracos (conjunto) e uma comissão técnica forte (teoricamente, no nome, na prática, pífia, ultrapassada e inócua). Ao serem questionados sobre os insucessos do time, diziam: “Confiamos na comissão técnica”, “Confiamos no trabalho do Muricy”, ou seja, “Não temos nada com isso”, “perguntem ao Muricy”. Esse segundo semente inverteram a filosofia da arquitetura, contrataram um elenco forme e uma comissão técnica inexperiente.
      Na seleção Micale caiu de para-quedas, foi técnico do sub20, vice mundial, mas sub-20 é outra história.
      Enfim, para analisar uma tragédia, é necessário analisar os seus fundamentos em primeiro lugar.

      Reply
  2. Quero que o futebol feminino GANHE A MEDALHA DE OURO.

    Quanto ao futebol maculino eu espero que eles caiam do salto e sejam ELIMINADOS já no próximo jogo.

    Infelizmente os JOGADORES brasileiros precisaeão APANHAR MUITAS vezes de 7 a 1 para COMEçAREM e DESCONFIAR que os JOGADORES brasileiros SãO ULTRAPASSADOS.

    A IMPRENSA costuma iludir a população com SEUS SUPER ATAQUES DE X-JOGADORES brasileiros MUTANTES cheios de SUPER PODERES.

    O DRIBLE já ñ decide mais os jogos e a TV nivelou as equipes taticamente, o resto é CORRERRIA E PULMãO.

    Reply
  3. Selecao brasileira, falta padrao de jogo, motivacao e uniao entre os jogadores. O Neymar nao deveria nunca ser o capitao desta equipe, sem condicoes. Se o ZR fosse o treinador, estes problemas a muito teriam sido resolvidos. Ainda bem que ele esta no Flamengo e nao na selecao da CBF.

    Reply
    • Eliel, ZR e Micale estão na mesma situação, ambos são resultados de ousadias de suas direções. Eu diria que no Flamengo houve mais tempo. ZR é pragmático, já Micale lunático! Esta ai da diferença entre os dois. O engraçado é que no Flamengo foi uma ousadia (se racional ou não, discutam) que elegeu o “pragmatismo”. ZR é um técnico, reticente, contido, medroso, sem ousadia, não arrisca taticamente. Quem ficou satisfeito com o último jogo, parabéns, eu não fiquei! É verdade que o ZR modificou a cabeça dos jogadores no vestiário, mas quando precisou mexer, mudar o panorama da partida, o time achou um gol, salvação! Mas não satisfeito fez duas substituições pífias, tirou um atacante para colocar outro pior, tirou um centro avante para colocar outro! Ou seja, nada mudou! Por fim, tirou um meia atacante para colocar um meia defensivo. Mas como a torcida gosta mesmo é de “memês”….Ave ZR.

      Reply
      • Nino, eu concordo com quase todas as suas críticas ao futebol apresentado pelo Fla. Não tenho compromisso com o erro e nem com técnico. Não há argumentação possível que mantenha Márcio Araújo na vaga do Cuéllar e um time que quer ser campeão não pode ter o mesmo nº de gols que dois times da zona de rebaixamento (Botafogo e Cruzeiro). Além disso, as substituições devem ter o objetivo de melhorar o time. Ou seja, faz-se uma leitura do jogo e explora-se os pontos fracos do time adversário, além de trocar jogadores que estejam num mau dia e dar oportunidade aos que venham se destacando nos treinos.

        O meu único ponto de discordância é a avaliação sobre quem é e quem poderá ser o Zé Ricardo, e uma comparação com outros treinadores. Tendo por base que nosso elenco tem 34 atletas e que os comentários neste blog antes do Zé sempre foram de críticas negativas para Pará, Jorge, Chiquinho, Fernandinho, Sheik, Éderson, Gabriel, Cirino, Márcio Araújo, Guerrero, Vizeu e Paulo Vítor, que se juntarmos a Canteros, Wallace e César Martins e excluirmos os jogadores das divisões de base que estão em processo de transição, como Ronaldo, Trindade, Ennes, Paquetá, Thiago Santos, Igor, Rafael Dumas, e 2 goleiros reservas, são 24 jogadores. Ou seja, o Zé assumiu o time com o Flamengo tendo 70% de seu elenco sofrendo rejeição, em má fase ou ainda verde pra jogar.

        Vamos imaginar que fosse outro técnico no Flamengo. Dorival, Abel, Cuca, Mano, Roger, Levir. Vamos analisar o histórico desses treinadores. Nós nunca reparamos em técnicos de times adversários, mas pergunte a amigos torcedores de outras equipes o que eles acharam do trabalho desses técnicos. Todos tinham jogadores contestados pela torcida como titulares. Aqui no Fla tivemos Márcio Araújo como titular desde Luxemburgo, que ainda pôs Eduardo da Silva como camisa 10, Cirino como centroavante e Gabriel como titularíssimo.

        O time melhorou muito, temos uma das melhores defesas do campeonato, dificilmente tomamos sufoco. Temos sempre mais posse de bola do que nosso adversário, seja jogando dentro ou fora de casa. O time está unido, não há estrelismo ou problemas de relacionamento. Viagens e pouco treino não são mais desculpas para resultados ruins. Mas claro, precisamos urgentemente converter nossa posse bola em gol. Precisamos aprender a jogar com 2 meias. Precisamos tirar Márcio Araújo e Cirino do time titular. Precisamos fazer substituições que realmente mudem o panorama do jogo a nosso favor. Mas isso tudo se resolve com treino, oportunidades, erros e principalmente, tempo.

        Mas são só 2 meses de trabalho. Sempre se fala em calendário, viagens, pouco tempo pra treinar, etc. Acabamos de fazer uma sequência de domingo, quarta e sábado, todos os jogos fora do Rio.

        Eu acredito no Zé. Pelo que ele já fez e pelo que o time ainda pode oferecer. Acredito que se em 2 meses evoluímos ao estágio atual, em mais 2 meses ele conhecerá o elenco tão bem que suas substituições serão muito mais efetivas. Teremos 2 meias no time titular sem comprometer a defesa e sem eles baterem cabeça. Teremos um sistema ofensivo tão eficiente quanto nosso sistema defensivo. Donatti, Cuéllar e Mancuello irão conquistar suas vagas no campo, sem pressão de imprensa e torcida, e manteremos o clima bom dentro do vestiário.

        Rumo ao Hepta e saudações Rubro-Negras.

        Reply
        • Prezado Daniel,
          O maior problema do Zé Ricardo, ao meu ver, é a teimosia.
          Teimosia em escalar jogadores que não rendem e NÃO irão render: Casos de Cirino e Fernandinho; Teimosia em deixar no banco jogadores valorosos: Mancuello (que finalmente ganhou a vaga) e o Cuellar (muito melhor do que o limitado Marcio Araújo, que todos os times dão “liberdade” para passar errado).

          Teimosia em manter um esquema que não dará certo, pois nossos jogadores de lado “pontas modernos” são improdutivos. Quantos gols e assistências têm no ano Evérton, Cirino, Fernandinho, Gabriel Peteleco?

          Veremos que com a entrada do Diego certamente o Mancuello, nosso melhor jogador nos últimos jogos, será barrado…

          Reply
          • Amigo Diego, o problema é que o Zé tem que administrar um grupo com vaidades. Bom seria se os jogadores fossem robôs e não tivessem insegurança, ciúme, etc. Na Europa, devido à mentalidade do jogador europeu, ele teria mais facilidade. Mas ele tem que administrar uma convivência no dia-a-dia. Daí, é difícil ele simplesmente barrar A ou B e fingir que isso não vai afetar em nada o ambiente. Da mesma forma, mudar um esquema leva tempo. Esse time treinou 6 meses com esse esquema com Muricy e só foi dar liga com o Zé. Nas vezes que ele colocou Mancuello e Alan Patrick juntos, eles sempre bateram cabeça.
            Mas pra não ficar encima do Muro, meu time seria Muralha; Rodinei, Réver, Rafael Vaz e Jorge; Cuéllar, Arão, Mancuello e Diego; Guerrero e Adryan.

          • Dieto, é a fixação por um esquema tático europeu, o 4 3 3. Holanda em 74, Barceloa de Cruiff, Barcelona de Guardiolla por final. Mas como entender as virtudes do 4 3 3, os méritos:
            – Dois atacantes como pontas. Abrem o jogo pelas laterais, são secretários de laterias (apoiam, protegem, dispensam), facilitam a recomposição da marcação adversária na saída de bola.
            – Saída de bola mais veloz
            Os deméritos:
            – Perda de números de jogadores no meio campo, na criatividade e na marcação (ainda mais nós com o Arão que marca pouco, jogamos com apenas 1 cabeça de área e meio)
            – No nosso caso, os atacantes de ponta não estão em boa fase
            – E nosso elenco se cacteriza mais por terem bons jogadores meias atacantes em boa fase.
            Então, pelos méritos do 4 3 3 é que vemos Fernandinho, Cirino e futuramente Scheik!
            Penso que um time primeiramente se monta a partir da qualidade de bons jogadores em cada posição, neste caso o esquema ideal seria o 4 4 2, com Diego e Mancu no meio e Guerrero mais recuado e Amião enfiado, esse time eu gostaria de ver.

      • Nino, ai fica dificil. Se ele tira atacante e coloca volante e covarde e medroso. Se tira atacante e coloca outro atacante pra ter opcao de ataque ai e substituicao pifia. O que voce sugere para que o nosso treinador arrisque taticamente? Todos os nossos jogadores elogiam a capacidade do nosso treinador e destacam seu conhecimento e capacidade. Em dois meses o ZR fez muito mais que o Medalhao Murici. Detalhe, sem reclamar de viagens, sem exigencias, sem pedir jogador e sem dar desculpas. Podemos ate nao ser campeao mas o trabalho esta sendo bem feito e com competencia, apesar dos erros. Nao entendo porque querem tirar o merito de nosso treinador. Infelizmente pra parte de nossa torcida a grama e sempre mais verde no quintal do vizinho. SRN!

        Reply
        • Olha Eliel, quem sou eu para achar alguma coisa, nem tenho conhecimento para isso! Mas tenho me baseado no que dizem os experts: Apolinho, Eraldo Leite, Dé o Aranha, Rafael Marques e outros da mídia (rádio, tv, internet). Então, o que eu escrevo aqui no blog é a minha síntese em concordância com estas cabeças pensantes do futebol, e me parece que existe unanimidade a respeito dos pontos que forma citados. Agora aqui no blog é o sentimento de cada um, em geral baseados no último resultado. Acho que vc entende o que seja “variação tática”, “mexer no jogo”, o que obviamente não e´trocar seis por meia dúzia. Forte abraços e divirja sempre, será um prazer!

          Reply
          • Rs, tem muita gente que não gosta do Dé, 1o. ele é um vascaíno descarado, como todo botafoguense é meio vascaíno, então vc já viu! Depois tem o jeito pessoal dele…aparência? Mas eu o acho um excelente comentarista! Tem gente que prefere o Caio Ribeiro por exemplo, é formatadinho, cara de garoto, cheio de clichês, fazer o que?

  4. Quando nossa seleção era formada por gente como a gente, simples, humilde, salários normais, nada astronômicos, tinhamos uma seleção. Depois que nossos jogadores passaram a ser esses mimados riquinhos que esnobam dinheiro a rodo, que não se importam nem aí com seleção, nunca mais fomos alguma coisa no futebol.

    Hoje um Jean Chera, estigmatizado como um novo Neymar, acha que é muito mais que um Zico e quase um Messi. Por quê? A imprensa dá corda demais para esses moleques. Temos também esses empresários que destruíram os clubes e vivem de anunciar Fusca por BMW. Os caras ainda nem sabem calçar as chuteiras e já anunciam como novo Messi no mercado. Os moleques se acham.

    Quando nossa seleção era formada por jogadores que nunca viram nem 1/100 da grana que esses moleques ganham hoje, formavamos grandes seleções. Chegamos ao absurdo de dar para formar até treis seleções invejáveis. Hoje não conseguimos formar nem uma seleção.

    Triste futebol brasileiro. Tenho a impressão que o Tite vai lamentar muito ter saído do Corinthians. É a maior fria hoje comandar nossa seleção.

    Reply
    • Nossos moleques Jogam muito bem, mas basta colocar pressão, expectativa, cobrança, que se entrega a rapadura. São, de longe, os mais assediados e mais mimados por clubes, empresários, imprensa e torcida. Sempre uma mãozinha na cabeça falando que a culpa não é dele, é do outro. Que quem critica é inimigo. Que torcedor é um ser insano que só quer ganhar. O problema é criação. Os nossos destaques são criados assim desde os 13 anos, desde quando começam a se destacar. Mal comparando, eu lembro de meus pais que sempre me diziam “Você só tem uma obrigação na vida, que é estudar, então não aceitamos que você tire notas baixas!”. Hoje o garoto chega em casa com 3 notas vermelhas no boletim e se faz reclamação dos professores que não explicaram direito.
      Patético ninguém dando entrevista ao fim do jogo, nem o Capitão (?) Neymar. Eu sempre achei que sentiria falta da Geração de Zinho, Viola, Romário, Edmundo, Renato Gaúcho, Paulo Nunes, Dunga e etc, pelo que eles faziam em campo. Nunca imaginei que sentiria falta não apenas da qualidade deles, mas também da postura que eles sempre demonstraram.

      Reply
  5. Excelente reflexão e comentário!
    Em todas as olimpíadas o brasileiro era bombardeado pela imprensa com nomes de craques pra escolher os três acima da idade pra Seleção Olímpica, desta vez não vi nada disso, tão pouco, o torcedor sabe o nome do treinador, falta de completo planejamento, descaso com a Seleção, seja Olímpica ou não, é SELEÇÃO BRASILEIRA.

    Reply
  6. Prezado,
    O erro do treinador da Seleção Olímpica (me escapou o nome agora) é incorrigível, pois ocorreu na origem, na convocação.

    Não há no elenco olímpico masculino qualquer jogador com esta característica de meia armador de ligação. Imperdoável não ter convocado o Scarpa do Fluminense, na minha opinião o MELHOR jogador brasileiro com menos de 23 anos de idade, este sim faria o papel ao qual o Presidente Kleber destaca.

    Falhou o treinador, que “jovem” na carreira, caiu na armadilha da mídia paulista e escalou o time com os três atacantes “badalados”, Neymar, Gabriel e Gabriel Jesus

    Dos três atacantes, pergunto: O que já fez na carreira o Gabriel Jesus para ter tanta fama e custar mais de 100 milhões??? Meia dúzia de gols no fraco campeonato paulista e brasileiro??? Isso eu vi Reinaldo e Jean (este último com três gols na final contra o Vasco) fazer no início dos anos 2000, e nem por isso eram badalados. O Gabriel Jesus pode até vir a ser um bom jogador, mas por enquanto está MUITO atrás do Scarpa…

    Gabriel do Santos, já na segundo ou terceiro temporada pelo Peixe, para mim não passa de um jogador comum. Nunca vi um campeonato ou sequência de jogos que ele tenha destruído ou desequilibrado.

    Neymar, embora seja o melhor do país, não têm qualquer perfil de líder. Não soube acalmar e dar bronca na meninada mimada da seleção, muito pelo contrário, se mostra muito sensível às críticas e jogar sob pressão… Considerando o fraco 2015/2016 dele, que não ficou nem entre os 30 melhores jogadores que atuam no futebol Europeu, passo a temer pela “Robinhozação” do Neymar. Se for para o PSG, estarei certo disso.

    E o supervalorizado zagueiro Rodrigo Caio? Horroroso!

    Reply
  7. E após 27 dias e 6 jogos, Falcão foi pra panela, no Inter…

    Sabiam que Carpegiani perdeu os seus 5 primeiros jogos à frente do Flamengo que se tornaria campeão mundial e chegou a se cogitar sua demissão?

    Reply
    • Nossa mentalidade não muda mesmo, caro Daniel.
      Falcão é um baita profissional, mas não deixam o cara ter tempo para fazer um planejamento mínimo. Se fosse ele, Falcão, voltaria a ser comentarista na Rede Globo. Veja o exemplo do nosso maestro, se profissionalizou na profissão e hoje é destaque entre os comentaristas. Pergunta se ele quer voltar a ser dirigente no Flamengo.

      Reply
  8. FONE DE OUVIDO na cabeça e uma tremenda ESNOBADA para TODA torcida brasileira.

    No próximo jogo fazem dois 2 e viram GENIOS CARISMáTICOS novamente e lá estarão 300 mil microfones IMPLORANDO para ouvi-los CINTAR VANTEGEM.

    Quem está errado ?

    Reply
  9. TMINHO e sua permissão para QUEBRAR.

    E NOVAMENTE um jogador adversário (cruzeiro ) quase teve a perna arrancada dentro da área do TIMINHO e o juiz ñ viu nada ?

    Lance semelhante ao que TIROU EDERSON do campeonato.

    A CBF quer adotar o replay, porém GUERREIRO tinha razão a arbitragem precisa é de um BINOCULOS.

    Assim fica difícil o TIMINHO ñ disputar o título.

    É o fato ARBITRAGEM CASEIRA, o mais DECISIVO de todos.

    Reply
  10. Caros amigos do blog KL, o problema da seleção brasileira é semelhante ao do nosso Flamengo : o risco de não ganharmos tanto amedalha olímpica quanto o título brasileiro ( aliás muito mais importante para mim ), é a inexperiência dos senhores treinadores. Me espanta o fato de termos um Donati, um Cuellar no banco e assistir Márcio Araújo, Fernandinhos da vida. Esse é o grande risco amigos, professores sem um mínimo de experiência para lidar com uma fartura de boas opções e que fazem sempre as escolhas erradas.
    Saudações

    Reply

Comente.