A hora da melancia

(Foto: André Durão / GloboEsporte.com)

(Foto: André Durão / GloboEsporte.com)

Ontem, não tivemos, a bem da verdade, um lance polêmico. O lance, se polêmico foi durante algum segundo, cristalino é, pois, o impedimento EM PENCA dos jogadores do Fluminense e, em especial, do autor do gol, ficou mais do que provado através das mil e uma repetições, em todos os canais de TV.

A polêmica na realidade, levantada pela bancada tricolor, é se houve interferência externa para que o árbitro tomasse a decisão final de anular o gol.

Até o presidente do STJD foi entrevistado e, pelo que disse ele, está a caminho do tribunal um recurso tricolor solicitando a anulação do jogo, com a alegação de que houve erro de direito.

Duvido que na súmula o árbitro vá confessar que a sua decisão foi baseada na informação do delegado do jogo, do árbitro auxiliar que fica fora das quatro linhas ou, de um repórter de televisão.

O excelente apresentador Marcelo Barreto matou o assunto, perguntando secamente ao presidente do STJD se tinha ele conhecimento de, NO MUNDO, algum jogo ter sido anulado por interferência externa. Silêncio total…

Enfim, esta é a hora de muita gente aparecer. É a hora de pendurar a melancia…

O curioso é que o fato em si não fica nem em segundo plano. A pergunta é simples e direta: foi feito justiça com a anulação do gol?

Para mim este é o ponto final. Quem quiser seguir no tema, tem outros interesses em mente. Enfim, é a hora da melancia que, bem pendurada no pescoço, não dá para não notar…

paulo-cesar-de-oliveiraFalta de personalidade

O ex-árbitro, aliás, o melhor de todos desta última geração, Paulo César de Oliveira, hoje comentarista da Rede Globo, foi muito feliz ao afirmar que a falta de personalidade do bandeira, que se acovardou com o massacre verbal dos jogadores do Fluminense foi o estopim para toda confusão.

O bandeira, que segundo dizem, tecnicamente é muito bom e, deve ser mesmo, até porque acabou acertando, peca na firmeza. Lugar de “Mufino”, como os nordestinos chamam os homens que não são firmes, não é dentro de um campo de futebol.

1 Comentário

  1. Ontem, o Ze Ricardo disse que o Flamengo precisava de uma vitória como ontem para crescer no campeonato. Foi uma vitória no grito de um grupo experiente e que quer a todo custo a vitória.

    No vôlei, tênis, judô, natação, basquete têm o tira-teima, mas no futebol fica essa lenga lenga. Ontem foram 13 minutos parados naquela confusão.

    Reply
  2. Kléber, boa tarde!
    Perfeita sua explanação, concordo plenamente!
    O que me preocupa, a partir da falácia de o flamengo ter sido beneficiado nesse lance, é o risco de sermos prejudicados nas rodadas seguintes (que naturalmente serão decisivas pra nós). É necessário que a diretoria esteja em alerta ( e se mostre como tal) para minorar esse risco.
    Força política será essencial nesse momento!!!

    Reply
  3. Querido Kleber!
    Após levantar e tirar o tênis!!! me entreguei profundamente ao tema.
    Já li TODOS os chororos possíveis em todos os sites. Mas, choro por querer o que não aconteceu, nunca vi!!!
    Na verdade, o que foi anulado, não existiu…
    A reivindicação dos alegres, tem chance zero! Seja no STJD, FERJ, FPF, FMF, BANGU I,II ou III.
    Com toda bancada de Advogados Associados do Dr. Peter Siemsen, mais fácil eu sair de biquíni na Rua do Comércio de Angra, que anular este jogo.
    Depois que Egídio foi expulso num jogo do Palmeiras e, o juiz mandou o jogador voltar quando já estava no vestiário, o que aconteceu ontem, é café pequeno.
    Até mesmo a corporação da Polícia Militar sabia que foi impedimento e ficou na orelha do cara…
    Sandro fez o mais difícil (pra variar) numa situação facílima.
    Sabemos da força do Florminense no submundo. Acontece que o DEUS do STJD já se pronunciou.

    Procurador-geral do STJD, Felipe Bevilacqua
    “Ainda é muito cedo para falar sobre o assunto, o jogo foi ontem à noite. Mas o que posso dizer é que o resultado do campo será mantido. É muito improvável que ocorra alguma mudança, mesmo que o árbitro seja indiciado.”

    Intonce, querido Kleber. A onça tá morta o mato é nosso…
    Quanto ao excelente Paulo César de Oliveira, inteira razão! O bandeirinha amarelou com a quantidade de flores no seu cangote.
    Se bem, que marcou acertadamente o impedimento. Sandro é que complicou.
    Como opinião, nesta fase, só os juízes top deveriam apitar jogos do Palmeiras, Flamengo, Galo e Santos. Nada de sorteio…
    Anderson Daronco, Pedro Vuaden, Luiz Flavio de Oliveira, Ricardo Marques Ribeiro, Thiago Duarte e Rodrigo Raposo.
    O quadro seria mais ou menos esse, revezando entre eles.
    Segue o enterro! Agora na terra do churrasco…

    Robert! Ô Robert!!! Até domingo lima nosso queridíssimo Bisotto… kkkkk

    Reply
    • “Com toda bancada de Advogados Associados do Dr. Peter Siemsen, mais fácil eu sair de biquíni na Rua do Comércio de Angra, que anular este jogo.”

      Seria divertidíssimo, caro Egon. Mas sabemos que não vais pagar esse mico. kkkkkkkkk

      Reply
      • Helder, meu amigo!
        Tem que ver a entrevista do PAULO NOBRE chorando pelo Fluminense…
        Acabei de ver no Tá na Área.
        A impressão que tive, é que se tratava do Executivo de Futebol dos Flores.
        Deixou no chinelo, até mesmo, a entrevista ridícula do presidente gravatinha das Laranjeiras…
        Isso, dias após a venda do mando de campo do América MG, beneficiando os Porquinhos chorões…

        Reply
  4. UM GALO DESAFINADO…

    RAFAEL CARIOCA
    “Com o gol anulado, o Flamengo manteve os quatro pontos de vantagem sobre o Atlético. Algo que para o volante atleticano interfere bastante na sequência do Campeonato Brasileiro. E o jogador da seleção brasileira foi além. Rafael Carioca deixou claro a insatisfação com as decisões de arbitragem DE ACORDO COM DETERMINADOS CLUBES.
    Influencia muito, porque o empate ontem diminuiria muito a nossa distancia para o Flamengo. A gente sabe como funciona o futebol brasileiro.”

    Reply
  5. No jogo contra os gambás, os tricoletes choraram por três gols em visíveis impedimentos. Em tempos de comunicação imediata, ninguém da turma de laranjópolis, deu um toque na cartolada tricolete para eles estancarem a pagação de mico. Ontem foi o que se viu, queriam validar um gol impedido também na “mão grande”. Foram anos, décadas de gols ilegais, títulos roubados, armações no tapetão, fugas de séries subalternas do futebol tupiniquim . O “USO DO CACHIMBO FEZ A BOCARRA DOS TRICOLETES ENTORTAR” Simples assim…

    Reply
  6. Concordo com o Romeu a nossa preocupação é da diretoria será nas rodadas seguintes ,pois jogaram a pressão inteira contra o Fla até o brincalhão do Paulo Nobre convocou uma coletiva pra jogar pressão e reclamar de não ter conseguido roubar .

    Reply
    • Bom, depois do que ele fez com a nossa diretoria no Allianz, ele não tem nada de nobre. Outra correção, ele não é um pobre torcedor, é um rico torcedor, milionário que colocou quase 100mi no elenco do Palmeiras, dai o desespero da possibilidade de insucesso.

      Reply
  7. Caro Kléber e amigos! O Flamengo será sempre o assunto do dia e esse então pode render mais de um semana. Certíssimo o Paulo Cezar, pois, claramente se ver o bandeirinha se acovardar com a simples posição do Henrique. A partir dali, entendo que o árbitro apenas reparou o erro maior que seria validar o gol. Agora, olhemos para frente e foco no Inter. Vamos viver oito decisões. Não podemos repetir como foi com o São Paulo. A pressão está toda do lado de lá e precisamos fazer gols nas oportunidades que surgirem. Precisamos ganhar e muito bem. No choro do Fluminense, devia se debater os seus favorecimentos no tapetão. Esse não será mais um. SRN

    Reply
  8. Kleber vc se esqueceu de comentar uma coisa p essa geração mais nova: vc era presidente em 1995 e o Flu ganhou a final do Carioca com um Gol Impedido de Barriga do Renato e NUNCA vc foi a imprensa reclamar. Aceitamos a derrota como HOMENS ao invés de passar esse papelao q os presidentes do Flu e Palmeiras estao fazendo.

    Craque, Tecnico e Presidente o FLAMENGO FAZ EM CASA.

    Saudações Rubro-Negras

    Reply

Comente.