Pingadinha de segunda…

(Reprodução da internet)

. Não dá para não falar do extraordinário jogo de tênis entre Federer e Nadal, com o suíço papando mais um título. Impressionante, como após uma inatividade de praticamente meio ano, Roger Federer, aos 35 de idade, consegue jogar num ritmo tão alucinante como vimos ontem. Sempre é bom lembrar que do outro lado da quadra estava Rafael Nadal, o “miúra”, jogando também o fino. Que jogo!

No tênis, eu era G.T.C., isto é, Guga Tênis Clube. Quando Guga parou, como já estava apaixonado pelo esporte e, tendo ficado órfão do meu ídolo, fundei o F.T.C., isto é, Federer Tênis Clube. Simplicidade e leveza me encantam neste tenista, a meu conceito, o melhor de todos os tempos.

Há momentos na vida em que o nosso emocional fica muito acentuado e, como atravesso esta boa fase, sonhei que Federer, o vencedor, depois de um jogo espetacular, decidido nos detalhes, fosse capaz de um gesto altruísta, oferecendo ou, dividindo, troféu e prêmio de vencedor, com seu mais célebre adversário, Rafael Nadal. A bem da verdade, Federer no seu discurso chegou a trilhar este caminho, quando disse que o tênis era um esporte perverso, pois não admitia o empate, o que seria neste jogo o mais justo. Foi aí que imaginei: ele vai entregar o troféu ao Nadal… Pena que ficou só no discurso. Seria uma atitude linda, que serviria de exemplo para um montão de jovens que acompanharam pela TV, em todo o mundo, um momento de magia deste esporte maravilhoso.


Jornal “Líbero” estampa os peruanos do Fla com a manchete “FLAcil” (Foto: Reprodução)

. E os “estrangeiros” foram os destaques nesta primeira rodada do Campeonato Carioca. Os peruanos, no sábado, pelo Flamengo, e os colombianos, ontem, pelo Fluminense. Com a chegada do atacante Berrío, o Flamengo será o clube brasileiro com maior número de estrangeiros.

Claro que quantidade nada tem a ver com qualidade, tanto é que, ao longo do tempo, alguns estrangeiros que lá estão – e até agora não emplacaram – vão acabar saindo…  Acho a tentativa mais do que válida, até porque, se o mercado lá fora é mais receptivo, por que não fazer uso dele?


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

. Conclusões positivas, após a nossa estreia no campeonato. Rodnei, que estava esquecido, entrou muito bem. Embora muita gente não goste, Pará vem jogando bem, e faz tempo. Estamos muito bem na lateral direita. Na esquerda, a saída de Jorge, que poderia representar um grande problema, depois da atuação de Trauco, deixou de preocupar.

Algumas dúvidas continuam no ar. Rômulo ou Márcio Araújo? Réver e Raphael Vaz. Esta é a zaga? Berrío, no lugar de Mancuello? Conca, quando estiver pronto, entra no lugar de quem? Enfim, dúvidas boas…


Estrada Rio Petrópolis (Foto Ana Branco / Agência O Globo )

. E o Maracanã, hein? A Federação do Rio, a nossa FERJ, talvez até numa pressão inteligente, já publicou oficialmente que as semifinais e os jogos finais serão realizados no estádio. Aliás, o Maracanã está parecendo a interrompida obra de duplicação de pista da Rio-Petrópolis.

A empresa que explora o pedágio (CONCER), e que por contrato já deveria ter entregue ao povo a nova estrada, simplesmente abandonou tudo. O que já foi feito está sendo deteriorado, a manutenção da estrada está uma vergonha, muito embora o pedágio continue sendo cobrado. A palavra ABANDONO une o Maracanã à estrada Rio-Petrópolis, dois patrimônios do povo carioca, largados ao Deus dará…

FLA-PERU

(Foto: Estadão Conteúdo)

É isso aí! A estreia do Flamengo no Campeonato Carioca, na Arena das Dunas, em Natal, capital do Rio Grande do Norte, foi desenhada com pincéis peruanos.

Trauco e Guerrero, foram os destaques. Guerrero, fez o que se espera de um centroavante competente. Além de participativo, ao contrário de outros jogos, foi cirúrgico nas conclusões das jogadas. Trauco, foi uma agradabilíssima surpresa. Além de demonstrar qualidade no apoio, unindo, força e talento, deu aula de cobertura. Não bastasse, um gol com rara categoria.

O estreante Rômulo, discreto. Com certeza, tem tudo para evoluir. O curioso é que na lateral direita, titular e reserva, mandaram muito bem. Pará e Rodnei, foram iguais na qualidade.

Nesta vitória de 4 a 1, com três gols peruanos, é bom lembrar que a estreia do Flamengo talvez tenha sido contra o melhor dos times pequenos. O time do Boavista, apesar da goleada, deixou a impressão de que vai fazer um bom papel neste campeonato.

Ia esquecendo. Diego, também foi bem. Principalmente no segundo tempo, o que é um bom sinal.

Domingo de paz…

Quinta, com cara de sexta-feira, 13!!!

FLAVIO GODINHO

Embora, como cidadão, tenha a obrigação de respeitar as leis, da mesma forma, como vivemos num processo democrático, me reservo o direito de, neste caso, discordar dela.

Esta tal prisão preventiva, é duro de ser admitida. Como alguém pode ser preso sem ter sido julgado? E, na frente, se absolvido for, como reparar tamanha destruição?

Em síntese, em primeira instância, lanço o meu protesto como cidadão e, até por uma questão de coerência, me recuso a discutir o tema até que julgamento haja.

O que mais uma vez me impressiona é sentir no ar a sordidez do ser humano que, como fuga para frustrações pessoais, vibra com a desgraça alheia.

A cada dia que passa amo mais os meus cachorros…


(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

JORGE

Esta foi, se assim se pode dizer, uma tragédia anunciada. Há no ar duas discussões. A primeira, é se a diretoria agiu corretamente negociando o jogador. A segunda, se esta mesma diretoria tomou providências para “tapar o buraco”.

Pessoalmente, prefiro não me pronunciar com relação ao primeiro item, até porque, quem lá está é que sabe onde o calo aperta…

Apesar de muita gente imaginar que o Flamengo está nadando em dinheiro, tenho a certeza de que a coisa não é bem assim. Jorge foi negociado por absoluta necessidade financeira.

O segundo ponto é altamente favorável à diretoria. Como a possibilidade de negociação era grande, Trauco foi contratado. Agora, se Trauco é bom de bola, aí são outros quinhentos…


MARCELO CIRINO = BERRÍO

O meu consultor e, muito bom, Roger Flores, afirma que Cirino e Berrío tem as mesmas características, onde sobrevivem pela força e pela velocidade.

Não é pelo fato de Marcelo Cirino não ter dado certo que se deva ficar desconfiado do atacante colombiano.

Faltou a Cirino um esquema de jogo adequado às suas características, um bom lançador e, uma personalidade mais firme, mais guerreira, com cara de Flamengo. Cirino sucumbiu, baixou a cabeça, se entregou…

Se este Berrío for firme, se marrento for e personalidade tiver, pode dar certo, sim! Até porque, força e velocidade podem ajudar muito. Vai depender também do esquema de jogo e de um muito bom “garçom”.

Paulo Borges, Búfalo Gil, Paraná e outros, tiveram enorme sucesso com as mesmas características. Também é bom lembrar que Paulo Borges, tinha força e velocidade, mas havia um talento chamado Parada, naquele timaço do Bangu. Da mesma forma, Gerson, consagrou Paraná no São Paulo, e Rivelino era o “MAITRE” de Búfalo Gil…

Velocidade e força são importantes, desde que, haja alguém criativo. Aí, o casamento é perfeito…

Com Conca e Diego juntos, a chance de Berrío não acertar é desprezível.

Com Conca e Diego juntos, Cirino viveria um outro mundo…

 

SELEFLA

(Foto: Marcelo Theobald / Agência O Globo)

Aqui, o título tem apenas a intenção de dizer que, embora em noite de seleção, o Flamengo, como sempre, é assunto.

SELEÇÃO

O evento foi muito bonito, diria mesmo, emocionante. Independente do jogo, faltou algum tipo de homenagem ao povo colombiano. Sei lá, alguma coisa inusitada. O jogo chegava ao seu final e, imaginei com os meus botões, como seria lindo a materialização de um agradecimento, se faltando trinta segundos para o final do jogo, a nossa seleção, através de um proposital gol contra, fizesse esta homenagem.

Caramba, depois de tudo, de tanta demonstração de amor e solidariedade do povo deste querido país irmão, e de um clube entregar um título continental ao sofrido clube brasileiro, juro que imaginei que no finalzinho do jogo faríamos, não um gol contra, mas um gol a favor do amor, da gratidão, da vida…

Se estou passando do ponto, quem pensa de forma distinta, por favor, me perdoe, pois neste momento só consigo raciocinar com a emoção e, muito comprometido por um enorme sentimento de gratidão ao povo colombiano e ao Atlético Nacional, de Medellín.

Se no finalzinho do jogo, o nosso capitão pegasse a bola e juntasse todo o time, para num grande abraço empurrar a bola contra o próprio gol, teria sido o mais doce, gentil, humano e grato gol na história da humanidade. Teria sido o PELÉ do Fair-play.

FLAMENGO

Quase não acreditei quando li uma matéria que dava ênfase ao fato do Flamengo economizar 400 mil reais mensais com as saídas de Marcelo Cirino e do goleiro Paulo Victor.

A matéria pode ter saído da cabeça de algum repórter, mas o que me intriga é que este tipo de “economia” esteja sendo tratada como algo positivo, quando na realidade é exatamente o contrário. Isto nos leva a começar a acreditar que o modelo de gastar o mínimo possível esteja sendo encarado como algo tão bom como conquistar um campeonato.

Sem querer levantar qualquer bandeira de irresponsabilidade, quero deixar bem claro que esta exaltação econômica é burra e agride todo e qualquer interesse de quem ama o Flamengo, pois nenhum grande clube disputa uma temporada com um só goleiro confiável e, se o atacante não deu certo, que se troque, não que se venda…

Tomara que a matéria tenha sido fruto de um momento infeliz de um profissional de imprensa. Agora, se a matéria foi baseada no pensamento de algum dirigente, aí é preocupante…

Burocracia

Em uma única palavra, a explicação de não ter sido ainda definida a situação do Maracanã. Embora o panorama seja favorável ao Flamengo e seus parceiros, as exigências jurídicas para a definição do tema protelam o reencontro do “maior do mundo” com o seu público.

As documentações exigidas já foram apresentadas, porém, precisam ser conferidas pelo Governo do Estado.

Assim que a burocracia for ultrapassada, havendo o sinal verde, ao que tudo indica, Flamengo e Odebrecht vão se acertar e, o Governo do Estado vai referendar.

A boa notícia para o torcedor rubro-negro está próxima.

Pingadinhas de segunda…feira!!!

(Foto: Gilvan de Souza/CRF)

. Deu na internet que o Inter insiste na contratação de Marcelo Cirino e, já disposto a fazer o negócio, estaria o Flamengo apenas na dependência da aprovação do Atlético Paranaense, detentor de parte dos direitos do jogador. Após o jogo contra o Vila Nova, fica flagrante, e já comentei aqui, que Marcelo Cirino está jogando no Flamengo com um peso de aproximadamente uma tonelada nas costas.

Há no futebol “casamentos” que tinham tudo para dar certo, mas que o dia a dia fez com que fossem para o vinagre. Portanto, ante as circunstancias, tentar a diretoria do Flamengo recuperar o jogador em outro clube e, com isso, minimizar o prejuízo, me parece normal e oportuno. O problema é a reposição. Saindo Cirino, quem entra no lugar dele?


Montillo e Conca

. Hoje, em mesa de almoço em que só estavam rubro-negros, houve uma unanimidade com relação a estratégia adotada pela diretoria do Flamengo, deixando de contratar Montillo, para apostar em Conca. Aliás, a colocação é perfeita. Montillo é uma contratação, pois pode ser utilizado de maneira imediata. Conca, pelos problemas médicos que começam na operação dos ligamentos e terminam em possível problema nos meniscos, na verdade, é uma aposta.

Ao final da temporada, quando se tem um balanço do ano, é possível que tenha sido Conca uma belíssima aposta? Como todo jogo, tudo é possível. O problema é a matemática, ciência exata que trabalha dentro das possibilidades reais. Mais ou menos como jogar na roleta, onde a chance de ganhar aumenta na medida em que se aposta em uma quantidade maior de números. Pode ser que alguém argumente que jogando em um só número é possível ganhar. E, é verdade. Mas só para lembrar, neste caso, seria jogar com um número, contra 36. Pra dar certo, haja sorte…


Matheus Brendon, zagueiro do Paulista (Foto: Reprodução / SporTV)

. Sobre a Copinha, dois comentários. Primeiro, o lance do “gato” no time do Paulista, que acabou desclassificado em benefício do Batatais. Como é que, só agora, no finalzinho da competição, este assunto apareceu, quando todo mundo que via os jogos do Paulista miava quando o “gato” tocava na bola?

E, apenas para lembrar, a final da Copinha já aconteceu e, o Corinthians, com muita sorte, já colocou a mão na taça.


. A iniciativa da CBF na realização deste jogo entre Brasil e Colômbia, com toda a arrecadação revertida para os familiares das vítimas do desastre aéreo, merece todos os elogios. A causa é mais do que justa e, a ideia muito boa. Aliás, propiciar a quem está fora do Rio de Janeiro a possibilidade de comprar um ingresso simbólico, pagando 50 reais, foi uma bela sacada. Vamos torcer para que o Engenhão esteja lotado. Com certeza, na esteira desta tragédia, será uma noite de muitas emoções, onde pela primeira vez o objetivo único é ajudar quem realmente precisa. Para quem tem sentimento e ama o futebol, fica meio que uma obrigação ir lá. Mais do que justo…


. O Corinthians, alucinado está atrás de Drogba. O Coritiba, doido para contratar Ronaldinho Gaúcho. Já vi estes filmes.

Parece que os dirigentes de Corinthians e Coritiba não têm ido ao cinema…


. A matéria completa do Globo.com, com Alexandre Pato, será publicada amanhã. Hoje, ficou clara a vontade de Pato em jogar no Flamengo, fato que já sabia, pois, a família Mattheis, representada por Sandra e Fiorella, tem coração rubro-negro.

Para Fiorella, Pato no Flamengo seria unir o útil ao agradável. Ter o marido jogando no clube do seu coração e, consequentemente, poder viver na cidade dela. Se Pato vier, o Condomínio Mata Porcos, em Correas, reduto rubro-negro, vai ter que reforçar a segurança…

Início nada animador

(Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo)

Não pelo resultado em si, embora perder não seja agradável nem em pelada, mas o primeiro jogo do ano não foi uma mensagem de esperança.

Tudo bem que a falta de ritmo foi flagrante, especialmente do nosso melhor jogador. Diego, além da falta de ritmo, me pareceu meio gordinho.

A experiência feita por Zé Ricardo, com Mancuello no time, ficou prejudicada, muito embora, a meu conceito, não seja a melhor alternativa.

Acho que a diretoria tem que correr atrás de um atacante que faça a diferença. Marcelo Cirino, que entrou no segundo tempo, me pareceu acabrunhado, tímido e sem confiança.

No jogo todo, duas jogadas criativas. Uma de Adryan, que redundou no gol de Damião. A outra de Trauco, que Damião furou e perdeu o gol. E, mais nada.

Em compensação, o tal do Wallyson… Dois golaços e, que golaços!!!

Deu na TV que o Flamengo vai negociar Paulo Vitor. Se for verdade, contratar outro goleiro, e rápido, é necessário.

Enfim, início nada animador. Precisamos melhorar muito.

Garotada boa de bola. A sorte é que não deu bola

(Foto: Staff Images / Flamengo)

Nesta longa jornada no mundo da bola está mais do que claro para mim que, quando existe um equilíbrio entre dois times, o fator sorte é decisivo. Ontem, no jogo entre Flamengo e Corinthians, aliás, um jogaço, a dona sorte namorou o adversário e, simplesmente, nos ignorou.

Os dois gols perdidos pelo jovem e talentoso Vinícius Junior – principalmente o primeiro, de cabeça – além da bola na trave do lateral Kleber, que voltou na mão do goleiro, foram os lances que definiram a vitória do time paulista. Isto, sem falar no segundo gol, feito meio sem querer…

Enfim, futebol é assim mesmo. No ano passado, a sorte esteve do nosso lado. Este ano, nos abandonou…

Parabéns aos dois times. O jogo foi excepcional e emocionante, mesmo com o gramado castigado pela chuva forte. O primeiro tempo chegou às raias da perfeição.

Ia esquecendo. Não dá para não fazer um registro com relação ao trio de arbitragem. Nota 10.

Ontem, tivemos a final antecipada da Copinha. Quem viver, verá que tenho razão…

SELEFLA

(Reprodução da internet)

A convocação da Seleção Brasileira para o jogo contra a Colômbia, quando Tite chamou apenas os jogadores que atuam no Brasil, é uma demonstração inequívoca de que o Flamengo, com quatro jogadores convocados, tem uma ótima base e, dependendo de uma série de fatores, pode ter um ano espetacular.

Muralha, Jorge, Arão e Diego são os rubro-negros na Seleção. Acho até que, com um pouquinho de boa vontade, todos possam começar jogando, ou seja, a titularidade na Seleção torna flagrante a qualidade dos quatro jogadores e, por tabela, a do elenco rubro-negro.

Tomara que os responsáveis pelo nosso futebol tenham entendido as mais importantes mensagens desta convocação. A de que, até aqui, o trabalho foi bem feito e, de que falta muito pouco para o sonho de todo torcedor do Flamengo virar realidade.
Como fosse um jogo decisivo, chegamos aos 30 do segundo tempo, ganhando de 1 a 0 e, com domínio total. Falta fechar a tampa do caixão e começar a volta olímpica…

Resumo da ópera: nunca foi tão fácil concluir com êxito um bom trabalho. O perigo é alguém achar que o jogo está ganho ou, que com o que já temos dá para ganhar tudo. Não dá, não!!! Falta pouco. Concluir a obra, é preciso. E, rápido!!!

E, boa sorte para a nossa meninada na Copinha. Já estou concentrado e, só pensando nisso…

Educação de base

Patrick comemora no alambrado o gol marcado contra o Central-PE (Foto: Estadão Conteúdo)

Outro dia, escrevi aqui que esperava que os responsáveis pela base do Flamengo tivessem dado “uma dura” no camisa 10, Patrick, do nosso time da Copinha. Hoje, soube que a reprimenda necessária, efetivamente, aconteceu.

A hora de educar é essa, onde o jogador começa a dar os primeiros passos importantes na carreira. Se o barco correr frouxo, o hábito ruim vai sendo criado e, depois para consertar fica difícil. Para quem não sabe, Patrick após fazer um gol, de pênalti, em atitude desproporcional, foi comemorar o gol como se tivesse sido o decisivo em uma Copa do Mundo, subindo até o último estágio do alambrado e quase se jogando nos braços da galera.

Resultado? Um catão amarelo, sem a menor necessidade. Atitude incompatível com quem pretende ser um profissional de futebol.

Se lá atrás, quando ainda menino, Felipe Melo tivesse encontrado quem lhe desse bons puxões de orelha, provavelmente teria tido um outro comportamento ao longo da carreira, com resultados bem mais favoráveis.

Educar, enquanto é tempo, é preciso.