Com autoridade

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

O jogo, tecnicamente razoável, foi muito bom na emoção. O nosso time jogou com personalidade, sabedor da superioridade técnica, mas maduro suficiente para saber que, neste tipo de jogo, isto não é o suficiente para vencer.

A zaga, perfeita. Aliás, Réver e Vaz parece que foram feitos um para o outro. Diego, a cabeça do time. Com certeza, foi a mais importante contratação do Flamengo nos últimos anos. Goleiro, firme. Laterais abusados, principalmente Trauco. Arão, muito melhor do que nos últimos jogos. No mais, ninguém destoando, mas nada demais.

Um público ridículo para jogo de tamanha importância.

Em Xerém, o Fluminense passou um sufoco danado, tomando bola na trave no finalzinho do jogo. Domingo que vem têm Fla-Flu. Tomara que seja no Maraca.

Para terminar, vou fazer uma colocação que vai deixar muitos amigos e companheiros irritados: Márcio Araújo merece ser titular.

Um carnaval de muita alegria.

MEENNNNGGOOOOO!!!!

Polêmicas até no carnaval

Em situação normal deveria estar enviando para todos vocês uma gravação que é um verdadeiro poema. Está rolando pela internet e, não há quem não se encante e se emocione com esta coisinha linda, divina, cantando o samba da Mangueira.

Antes disso, importante abordar dois temas para reflexão e análise dos companheiros e amigos deste blog.

O primeiro diz respeito à decisão do Ministro Marco Aurélio Mello, libertando temporariamente o ex-goleiro do Flamengo, Bruno. Em 2013, julgado e condenado por assassinato e ocultação de cadáver, com pena de 22 anos e três meses.

Após cumprir seis anos e sete meses, Bruno terá o direito de se defender em liberdade, até o julgamento final.

Não por covardia, até porque, isto não faz parte da minha vida, mas por motivos óbvios, melhor não emitir qualquer opinião, deixando isto por conta de vocês. Considero-me emocionalmente impedido de emitir qualquer opinião. Espero que vocês entendam, e que cada um comente de acordo com a sua consciência. O que não se pode fazer, é ignorar o fato. Ele existe. Por favor, comentem…

O segundo tema não terá, imagino, apoio do torcedor do Flamengo, mas me reservo o direito de ser voz discordante.

Eurico Miranda, o presidente do Vasco, foi espinafrado e acusado de soprar a violência por ter declarado que Luiz Fabiano será o carrasco do Flamengo. Por favor, vamos separar as coisas com sensibilidade e justiça. O que este depoimento tem a ver com a violência? Nada!

Esta foi sim uma bela sacada provocativa e bem-humorada. Aliás, embora a maioria dos rubro-negros deteste Eurico Miranda, não há como não reconhecer que, polarizando sempre com o Flamengo, ele elevou o status do Vasco. Jogada de marketing, simples e direta. Eurico acertou na mosca, deixando Fluminense e Botafogo para trás.

Na bolsa de apostas, Flamengo na cabeça. Prefiro a filosofia do genial João Saldanha: “o jogo é mole, mas primeiro, tem que jogar”. Quem é boleiro entendeu…

Que o sábado de carnaval, dia 25 de fevereiro, quando meu netinho Marco Antônio – claro que já rubro-negro – completa 1 aninho, seja de muita alegria em vermelho e preto.

Agora, com vocês, um anjinho genial, em ritmo de carnaval, Giovana Galdino cantando o lindo samba enredo da Mangueira…

 

Pacotão

MARACANÃ – Muita gente estranhou o depoimento conflitante em que o presidente do Flamengo afirmava que, em função da desistência de sua empresa parceira para administrar o Maracanã, o Flamengo lá mais não jogaria.

Paralelo a este depoimento, a nota oficial do clube, confirmando, após acordo com a Odebrecht, a estreia na Libertadores, dia 08 de março, no Maracanã.

A verdade é a seguinte: a parceira do Flamengo não desistiu coisa nenhuma de pegar o Maracanã. Amanhã, inclusive, haverá importante reunião entre o grupo rubro-negro e a Odebrecht.

Tão bom quanto isso, é a garantia de estreia na Libertadores no Maraca. O jogo será desenvolvido com a estrutura rubro-negra, aliás, comprovadamente competente.


FLAMENGO x VASCO – A decisão desta semifinal do Campeonato Carioca não será no Engenhão, pelo fato da Polícia Militar ter demonstrado dificuldade em garantir um perfeito policiamento.

Como houve, conforme informamos ontem, o acordo com poder judiciário, as duas torcidas poderão estar presentes em Volta Redonda. O jogo começará às 17h, no sábado.

Depois da desnecessária confusão, com a interferência indevida do poder judiciário, a bola vai rolar com as duas torcidas presentes.

Antes assim…


FLAMENGO x CEARÁ – Este jogo serviu para demonstrar que o Flamengo tem um bom elenco. Apesar de jogar com apenas um jogador titular, e com um time que nunca jogou junto, deu para o gasto.

Quem pede uma zaga titular com Rever e Donatti, deve pensar pouquinho melhor. Donatti e Rever tem características semelhantes. São bons zagueiros, mas jamais jogariam no Barcelona, que exige habilidade, também dos seus zagueiros de área. Dois, com chutões e sem saída de jogo, convenhamos, é demais…. Qualquer um dos dois, com Rafael Vaz ou Juan, deixa a zaga mais equilibrada.

E o Márcio Araújo, hein? Outra boa atuação. Uma jogada espetacular no primeiro tempo, e só não fez um gol no segundo tempo pelo fato do nosso lateral Renê, aliás, muito tímido, não ter levantado a cabeça na hora do cruzamento. Márcio Araújo estava livre…

Apesar da boa atuação de Muralha, não entendi, num jogo que nada valia, não dar ritmo ao goleiro reserva.

Entre os garotos, nenhum destaque. Embora ninguém tenha pisado na bola, todos num plano apenas mediano.

No jogo, que foi até animado, faltou o que há de mais importante no futebol. Gol…

 

Engenhão na cabeça

Se para o bom entendedor meia palavra é mais do que suficiente, imagine após a entrevista coletiva, quando se pronunciaram os presidentes da FERJ, Flamengo, Vasco e Fluminense.

Está mais do que na cara que já houve um contato por parte da Federação e dos clubes com o magistrado que determinou a realização dos clássicos com apenas uma torcida. E também ficou claro que, de alguma forma, os clubes estão assumindo certa responsabilidade, tanto é que, na coletiva, cada um dos presidentes apelou aos seus torcedores no sentido de que colaborem e tenham em mente que o futuro das arquibancadas nos estádios do Rio de Janeiro, vai depender do comportamento deles, dentro dos estádios e, principalmente, nas proximidades dos mesmos.

No seu depoimento, Eurico Miranda, presidente do Vasco, chegou a exaltar as coisas boas proporcionadas pelas torcidas organizadas, porém, com a mesma veemência destacou que os bandidos infiltrados devem ser expurgados pelas próprias torcidas organizadas. Espero que esta coletiva tenha a repercussão que merece e, em consequência, possa atingir o maior número possível de torcedores.

Pelo sim, pelo não, bom também a Polícia Militar estar atenta no sábado, ao contrário do que aconteceu no jogo entre Flamengo e Botafogo, quando a quantidade de policiais se mostrou insuficiente. Que o policiamento seja numeroso e, que chegue bem cedo ao Engenhão, pois é muito melhor prevenir, do que remediar. Faço questão, eu que critiquei a atitude do magistrado por interferência indevida, de dizer que esta atitude equivocada, ao menos serviu para se debater o tema e, principalmente, ter se chegado a conclusão de que todos são um pouco responsáveis pelo nível de violência a que chegamos, e que a hora da virada tem que ser agora, até porque, se continuar como estava, vamos assistir ao princípio do fim do romantismo no esporte mais popular do país.

Não é possível que qualquer torcedor não consiga raciocinar que a grandeza do seu clube muito se deve aos seus principais rivais. Com certeza, o tamanho do Flamengo, se não existissem Vasco, Botafogo e Fluminense, seria bem menor. E este exemplo vale para todos. Encarar com ódio um ser humano pelo fato de não torcer também pelo seu clube é o maior exemplo de intolerância que se possa imaginar. Aliás, intolerância e burrice, pois se não houvesse o adversário, jogo não haveria…

Que o magistrado torne oficial tudo isso. Que o sábado seja de paz, de bom futebol no campo e de muita alegria nas cadeiras do Engenhão.

 

Novidades ao luar

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

FLAMENGO x VASCO: A notícia de última hora é que o juiz que determinou uma só torcida nos clássicos no Rio de Janeiro, estaria disposto a rever sua decisão. Se isto acontecer, o jogo será no Rio, caso contrário, duas opções: Juiz de Fora ou Cariacica, em Vitória. Pelo desgaste da viagem, Manaus, descartada.

ACABOU A FARRA – A partir deste Campeonato Brasileiro, qualquer mudança de local de jogo, só poderá ser feito, desde que, seja para o mesmo estado. No aspecto de equilíbrio do campeonato, perfeito, pois um clube com maior poder financeiro poderia perfeitamente “comprar” seus jogos fora de casa, passando para campo neutro. Exemplo: Sport x Palmeiras, jogo marcado para Recife. O Palmeiras, por iniciativa própria, ou utilizando empresa “laranja”, compra o jogo ao Sport e o leva para Brasília. Convenhamos que a vantagem do Palmeiras seria enorme, deixando de jogar em Recife para disputar os três pontos em um campo neutro. Ruim será para as praças com estádios de Copa do Mundo e sem tradição de futebol local, como por exemplo, Brasília e Manaus. Prejuízo à vista…

ERRO NA TABELA – Há uma regra que vem sendo observada ao longo dos Campeonatos Brasileiros. Clube que começa jogando em casa, termina jogando fora e, isto é intercalado ano a ano. Desta feita, passaram o Flamengo pra trás e, sem a menor cerimônia. No último Campeonato Brasileiro, o Flamengo fez seu último jogo fora de casa, contra o Atlético Paranaense. Este ano, consequentemente, deveria fazer o último jogo em casa. Ao contrário, o Flamengo fará, de novo, o último jogo fora de casa, contra o Vitória, em Salvador. Não entendi o fato de ninguém do Flamengo ter colocado a boca no trombone…

Particularmente, sempre preferiria jogar o último jogo do campeonato em casa. Começamos perdendo e, com um gol de mão…

Com autoridade e com golaço

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Claro que o fato do Madureira ter jogado todo o segundo tempo com dez jogadores acabou facilitando para o Flamengo, mas independente da expulsão do jogador do Madureira, a superioridade rubro-negra foi marcante.

As estratégias foram distintas, inclusive na escalação. Enquanto o Flamengo colocou em campo o seu time titular, PC Gusmão preferiu não arriscar, deixando de fora os jogadores pendurados com dois cartões amarelos.

A atuação rubro-negra, hoje, foi consistente e convincente. Não houve setor ou qualquer jogador que tivesse, mesmo por momentos, comprometido.

Diego, novamente, criativo demais. Guerrero, jogando leve, livre e solto… Mancuello e Éverton, dois motores criativos.

Para o torcedor, que vibra quando alguém da base vinga, uma tarde mágica. Vizeu, que entrou no lugar de Guerrero, na primeira jogada, deu um gol de presente para Mancuello e, Lucas Paquetá fez um gol por cobertura de deixar qualquer torcedor babando…

De negativo, a contusão de Guerrero. Mesmo com uma semana para a recuperação, em se tratando de problema muscular, preocupa.

Agora, vamos atrás da cassação desta ridícula liminar. Amanhã a Federação deve se pronunciar a respeito. Caso a liminar não seja cassada a tempo, este Flamengo x Vasco, com as duas torcidas presentes, bem que poderia ser realizado em Juiz de Fora, cidade – futebolisticamente falando – mais carioca do que mineira e, bem aqui do lado…

Enfim, aguardemos os acontecimentos. Hoje, o time convenceu. Domingo de muito calor e, de muita alegria.

Interferência indevida

Um juiz, em medida liminar, determinou que os clássicos, a partir de agora, terão apenas uma torcida no estádio, exatamente a torcida do clube mandante.

Suponho eu que a Federação e alguns clubes, como Flamengo e Vasco que já se posicionaram contra a medida, devam recorrer, porém, acho que o nosso judiciário está extrapolando o seu limite de competência.

O que garante que esta medida encerrará o problema, se a selvageria entre torcedores não ocorre dentro dos estádios e sim, fora deles.

Quem acompanha o blog é testemunha de que venho cobrando, e não é de hoje, que as autoridades competentes, FERJ e clubes, se aprofundem na matéria de forma profissional e competente e, transmitam à sociedade as medidas que devem ser tomadas em combate a esta selvageria. E, confesso pelo que tenho acompanhado no noticiário que este seria o caminho a ser adotado.

Agora, vem um juiz e, liminarmente, dá uma canetada, de acordo com o que sua cabeça determina e, sabe-se lá se com um mínimo de conhecimento de causa sobre a matéria. Estimo que as instâncias superiores possam corrigir esta medida que, na realidade, é de força, beirando os melhores dias da ditadura.

Como há no nosso judiciário juízes e desembargadores de altíssimo nível, sensíveis e justos, fica a esperança de que esta aberração que agride a cultura do nosso futebol seja corrigida.

Imaginar um Fla x Flu com só uma torcida, só na cabeça de quem não tem nenhuma relação com o futebol e com o que a vida nos proporciona de emoção e beleza.

JUSTIÇA, JÁ!!!

DESLIGA

(Foto: Staff Images/Flamengo)

Esta Primeira Liga – que em determinado momento foi para alguns dirigentes a possibilidade de
um sopro de esperança na bandeira da independência – acabou se revelando um verdadeiro tiro n’água, até porque, as sucessivas desavenças entre os dirigentes dos clubes fundadores mataram o que poderia ser um bom projeto.

Hoje, quem viu o jogo entre Flamengo e América Mineiro deve ter a noção exata do quão sem sentido é esta competição que sequer é oficial, e que obriga, neste calendário sul-americano, mais do que nunca, inchado, a jogar para se desgastar, pois não há objetivo, não há meta, não há o que conquistar.

O Flamengo venceu o América Mineiro pelo placar de 1 a 0, em jogo realizado em Brasília. Do jogo, muito fraco, pouco a comentar.

Muralha, em grande fase, garantiu a vitória. O estreante Renê, muito tímido. E, o pior ficou por conta do problema muscular de Berrío, num jogo que não valia nada…

Para quem pensa que acabou, no meio da semana que vem tem mais. O jogo será no Nordeste em mais uma longa viagem, onde o desgaste apresentará no futuro uma conta a ser paga.

E, a Libertadores está chegando…

Torcida única?

(Reprodução da internet)

O Ministério Público Estadual deu ontem o primeiro passo no sentido de que os jogos no Rio de Janeiro, independente de que competição seja, tenham apenas a torcida do clube mandante.

A bem da verdade, esta iniciativa não representa nenhuma novidade nacional. Em Minas Gerais e em São Paulo esta medida já foi adotada, muito embora, em Belo Horizonte, sem que nenhum problema fosse registrado, o último clássico – Cruzeiro x Atlético – foi realizado com as duas torcidas presentes no Mineirão.

As reações dos clubes aqui no Rio foram distintas. O Flamengo, através de nota oficial, assinada pelo presidente Eduardo Bandeira de Mello, demonstra inconformismo com a ação do Ministério Público Estadual, enquanto que o Fluminense, por meio de depoimento de seu presidente, se rendeu à iniciativa.

Querem saber o que acho da ideia? Coisa de quem quer se livrar do problema sem ter trabalho. Simples, assim.

Antes de se chegar a esta medida extrema, que compromete uma das mais lindas manifestações populares do país, tudo deve ser tentado e, o início, deve ser um amplo debate na tentativa de se encontrar soluções. O segundo passo, colocar em prática o que for decidido.

Não é possível que, Governo do Estado, Ministério Público, CBF, FERJ e clubes, não se reúnam e, trabalhando duro, não caminhem para uma solução.

Seria de pedir o boné, comprando passagem só de ida para qualquer lugar civilizado, capitular por falta de um mínimo de esforço, de trabalho, de falta de vergonha na cara. De ser conivente com esta iniciativa, que liquida um dos mais lindos espetáculos populares do país.

Imaginar um FLA x FLU com uma só torcida é de cortar a alma…

Vamos tentar? Vamos trabalhar?

Quem começa? Quem rola esta bola tão importante?

Decisão quase perfeita

Treino do Flamengo em 15/02 (Foto: Gilvan de Souza)

Conforme imaginamos, o pessoal do futebol do Flamengo, usando bem a cabeça, definiu um time quase B para o jogo de hoje, contra o América Mineiro, em Brasília, pela Copa da Primeira Liga, competição que sequer está incluída no calendário oficial, portanto, nenhuma importância tem.

De qualquer forma, será muito bom ver como anda o zagueiro argentino Donatti, assistir à estreia do lateral esquerdo Renê e poder ver melhor o colombiano Berrío. Do time titular, só dois vão jogar.

Aliás, a meu conceito, sem nenhuma necessidade, pois no momento, Muralha e Éverton, não têm substitutos a altura. Se é assim, por que escalá-los em jogo que não vale nada?

Continuo indagando: Se Muralha tiver algum problema, quem será o goleiro na Libertadores?