Interferência indevida

Um juiz, em medida liminar, determinou que os clássicos, a partir de agora, terão apenas uma torcida no estádio, exatamente a torcida do clube mandante.

Suponho eu que a Federação e alguns clubes, como Flamengo e Vasco que já se posicionaram contra a medida, devam recorrer, porém, acho que o nosso judiciário está extrapolando o seu limite de competência.

O que garante que esta medida encerrará o problema, se a selvageria entre torcedores não ocorre dentro dos estádios e sim, fora deles.

Quem acompanha o blog é testemunha de que venho cobrando, e não é de hoje, que as autoridades competentes, FERJ e clubes, se aprofundem na matéria de forma profissional e competente e, transmitam à sociedade as medidas que devem ser tomadas em combate a esta selvageria. E, confesso pelo que tenho acompanhado no noticiário que este seria o caminho a ser adotado.

Agora, vem um juiz e, liminarmente, dá uma canetada, de acordo com o que sua cabeça determina e, sabe-se lá se com um mínimo de conhecimento de causa sobre a matéria. Estimo que as instâncias superiores possam corrigir esta medida que, na realidade, é de força, beirando os melhores dias da ditadura.

Como há no nosso judiciário juízes e desembargadores de altíssimo nível, sensíveis e justos, fica a esperança de que esta aberração que agride a cultura do nosso futebol seja corrigida.

Imaginar um Fla x Flu com só uma torcida, só na cabeça de quem não tem nenhuma relação com o futebol e com o que a vida nos proporciona de emoção e beleza.

JUSTIÇA, JÁ!!!

1 Comentário

  1. Sobre o assunto, pérola publicada hoje na coluna do Fernando Calazans:

    “0 futebol em risco
    Essa história de o Ministério Público pedir que os clássicos cariocas (ou de qualquer lugar) sejam dis­putados com torcida única do mandante é como a morte do esporte de competição. No caso, logo o futebol, que sempre foi paixão dos brasileiros. Será que ele, o futebol, poderá sobreviver a tantas medidas adversas?
    O que o MP está propondo é a punição de todos os torcedores e cidadãos civilizados, educados, apaixonados pelo esporte, pelo seu clube -e pelo futebol -, por causa de bandidos e vândalos que o poder público, os clubes, os policias, as leis não conseguem deter. É o reconhecimento do fracasso
    dessas instituições.
    E, pior ainda, em tempos de intolerância, é mais
    um estímulo a um tipo de sociedade (se podemos
    chamar assim) em que pessoas de convicções e gostos diferentes não podem conviver nos mesmos lugares, nos mesmos estádios, no mesmo pais.”

    Reply
  2. Já sou contra estádio dividido em clássico 90 e 10 como foi ano passado entre Flamengo e Botafogo. Torcida única é ainda pior. É o fim do nosso futebol. Justiça, pra variar, prefere tirar o sofá da sala do que encarar o problema de verdade.

    Reply
    • Grande Henrique!
      Sua alusão ao sofá na sala, com TV ligada, não deixa de ser uma boa ideia…
      Assistir uma partida com torcida única, é livrar a torcida adversária de ser sacaneada ou… livrar a nossa cara. Menor graça!!!!
      Morando em Angra, sou sócio torcedor e assino PPW.
      Estou longe das barbáries e, pela primeira vez, de acordo com Eurico Babão e Bandeira…
      Futbol com torcida única, é treino…

      Reply
  3. Qdo alguem lamentavelmente morrer num assalto a banco so vao permitir a entrada dos correntistas daquele banco. Pra evitar confronto. Tive q copiar do Eric Faria

    Reply
  4. É simplesmente o poder público fugindo de sua responsabilidade. Isso, em nada vai mudar o comportamento dos marginais de “Torcidas organizadas”. No caso mais recente, um jovem torcedor do Fluminense foi espancado, quase chegando ao óbito, e vinha de uma jogo de torcida única! Não adianta fugir do problema, o poder público não pode mais se acovardar! Tem que partir para o enfrentamento, e acabar de vez com esse câncer dos estádios.

    Reply
  5. É simplesmente o poder público fugindo de sua responsabilidade. Isso, em nada vai mudar o comportamento dos marginais de “Torcidas organizadas”. No caso mais recente, um jovem torcedor do Fluminense foi espancado, quase chegando ao óbito, e vinha de uma jogo de torcida única! Não adianta fugir do problema, o poder público não pode mais se acovardar! Tem que partir para o enfrentamento, e acabar de vez com esse câncer dos estádios.

    Reply
  6. O juíz fundamentou dizendo que por limitação do poder público teve que tomar essa ação, que não a considera definitiva, mas que é um tijolo para começar o alicerce.

    Pois, bem, considero que temos que começar o debate, apesar de entender a iniciativa como não acertada, já que por inércia do poder público também ousaram impedir que motociclistas andassem com carona na garupa para acabar com os assaltos.

    Por outro lado, vejo as coisas muito pacíficas quando a Ferj assume as responsabilidades, vide o caso do Vasco não perder pontos por escalação irregular é a federação caridosamente disse ser erro interno de seus controles. Quando a fatalidade no clássico “o Botafogo alegou DUAS horas antes que o número de policiais militares na área externa para o evento não seria o suficiente e que seria contra a realização da partida. A Ferj respondeu que a segurança seria adequada, e teria jogo”.

    Pergunto caso o problema fosse com o Flamengo, além da punição de torcida única, com certeza estaríamos sendo punidos também pela federação e pelo TJD, sendo aquele o responsável por tantas decisões.

    Reply
  7. A situação do judiciário carioca e calamitosa, sentenças duvidosas, despreparo da grande maioria dos magistrados que passam em concursos onde as provas não primam pela excelência em conhecimentos do cotidiano, da regulação de conflitos habituais, os juízes são preparados para enfrentar uma maratona de provas teóricas as quais, por serem altamente sobrenaturais, raramente se aplicam a realidade fatídica do caos urbano e moral que vivemos no Rio de Janeiro.
    Os pretendentes a juízes são obrigados a abrir mãos de sua vida social por anos para viverem enclausurados estudando teses que os alienam da realidade.
    O resultado é este, uma decisão liminar absurda, sem a menor sensibilidade de seu prolator, o qual certamente jamais foi a um estádio de futebol para entender o que realmente ocorre de fato.
    LAMENTÁVEL, esperamos que a corte revisora desta odiosa decisão tenha maior sensibilidade e a revogue de plano.
    SRN

    Reply
  8. Saindo um pouco do foco, gostaria de levantar a bola pra duas situações:

    – O GE em reportagem lança Corinthians como possível próximo clube a ser patrocinado pela Carabao. Pergunta que não quer calar, se o Flamengo ganhará percentual por venda de latinhas podendo ter seu contrato rescindido caso não atinja a meta, como ficaria essa questão, o torcedor do Flamengo e Corinthians teriam que mandar sua nota fiscal de consumo para a empresa se identificando?
    Alguma coisa não orna nessa reportagem do GE dizendo que o Flamengo não tem exclusividade.

    – Outra situação e que anos atrás a diretoria estava empenhada indo constantemente a Capital Federal pedir a aprovação de leis e normas. Gostaria de ver o EBM e o deputado Otávio Leite na busca da aprovação de novas regras de votação nas federações. De forma pessoal, sugiro até copiar a forma de votação da ONU, e seu conselho de segurança, rs.

    Reply
  9. “Os clássicos entre clubes do Rio de Janeiro passarão a ter torcida única. O juiz Guilherme Schiling, do Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos do Rio, tomou a decisão nesta sexta-feira, em caráter liminar.”

    Como Sua Excelência taxou multa de R$30.000,00 por dia, molinho pro borderô do Metralha Rubinho…
    Como é POR DIA e, só se joga NUM DIA, um rachuncho entre os “interessados” resolve o problema…
    Na beirola do carnaval, neste Brazil (com Z)… passa qualquer Trio Elétrico…

    Reply
    • Belíssima ideia Egon, neste caso de “desobediência de uma ordem judicial” os clubes em questão poderão ser acionados judicialmente em caso de dados pessoais e materiais a terceiros.
      Em que pese os graus de insatisfações, a violência no futebol apenas reflete o caos de governos de criminosos que compõe a nossa democracia de coalizão. É importante ressaltar que no ano de 2016, em que pese a lamentável situação do legislativo e do executivo, o Judiciário foi efetivamente o único poder da República que efetivamente funcionava neste pais, responsável por “emular uma formulação” de uma nova casta de políticos neste pais, portanto o Judiciário é merecedor de respeito do cidadão!

      Reply
  10. O futebol tem enorme visibilidade, mídia a todo tempo, é só mais um querendo aparecer as custas do famigerado futebol. Vindo do judiciário, não me causa nenhuma estranheza. Haja vista as decisões do STF.
    O judiciário brasileiro sob uma lona é um grande circo.

    Reply

Comente.