Conca, Carioca, Libertadores e Nelson Rodrigues

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

. Vamos começar por Conca. As imagens do talentoso argentino treinando com bola são realmente animadoras e, não tenho nenhum tipo de dúvida de que, se ao retornar aos gramados jogando 70% do que jogava, além de acrescentar uma barbaridade ao setor de criação do time, será o responsável direto para que Diego tenha mais liberdade, pois hoje em dia, como talento isolado, Diego é vigiado o tempo todo pelos adversários. Se Conca voltar tinindo, sua simples presença em campo será um alívio para Diego.


. Esta fórmula do Campeonato Carioca, definitivamente, foi um tremendo gol contra. Não há nada pior para uma competição do que jogos que não valem absolutamente nada, como por exemplo o Fla-Flu de domingo agora.

O Fluminense já é finalista por ter conquistado a Taça Guanabara, e o Flamengo pelo somatório de pontos. Impensável, diria mesmo ridículo, um clube conquistar os dois turnos de um campeonato e não ser proclamado campeão, e isto pode acontecer, caso o tricolor conquiste a Taça Rio que, na realidade, é o segundo turno do campeonato. Ao invés de levantar a Taça, se isto acontecer, o Fluminense vai ter que disputar um outro campeonato. Ridículo…

Bom mesmo era quando o campeonato tinha dois turnos. Campeão do turno, contra o campeão do returno, saindo o campeão. Se o mesmo clube fosse o vencedor dos dois turnos, como aconteceu conosco em 96, levava o caneco.

Octávio Pinto Guimarães

Houve um caso interessante, se não estou equivocado, quando Octávio Pinto Guimarães era o presidente da Federação. O regulamento abriu uma brecha para um terceiro participante, desde que, mesmo não tendo vencido a Taça Guanabara e a Taça Rio, um clube somasse no campeonato inteiro, um número de pontos maior do que os dois vencedores de turno. Esta forma abriu uma brecha para o clube mais regular e, como só poderia entrar por mérito, ninguém contestou. O que fica claro é que este regulamento precisa ser mudado de maneira imediata. Definitivamente, não foi uma ideia feliz.


 

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

. Não há como, a partir de agora, separar o Campeonato Carioca da Copa Libertadores. Muito em breve o treinador Zé Ricardo vai ter que definir sua estratégia, pois no sábado, dia 08, ou no domingo, dia 09, haverá um jogo decisivo e eliminatório pela Taça Rio e, já no dia 12, quarta-feira seguinte, a partida contra o Atlético Paranaense, pela Libertadores, em jogo que o Flamengo não pode nem pensar em empatar, pois ficaria em uma situação muito ruim na tabela.

Para o jogo de domingo agora, contra o Fluminense, Zé Ricardo afirma que os titulares que estiverem bem fisicamente irão jogar e, disse ainda não ter se definido no que vem pela frente. Deve Zé Ricardo jogar a semifinal da Taça Rio com um time reserva, preservando os titulares para o jogo pela Libertadores?

Acho que, de cada dez rubro-negros que responderem, onze vão cravar o SIM!!!


. O nosso querido companheiro e amigo Eduardo Bisotto, para nossa tristeza um pouquinho sumido do nosso convívio diário, reaparece e, de forma espetacular!!!

Com vocês, enviado por ele, um verdadeiro poema, escrito em vermelho e preto, pelo genial tricolor Nelson Rodrigues.

 

Vinícius Júnior

(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

O querido companheiro Anderson Santos, preocupado com a situação de Vinícius Jr, cujo contrato com o Flamengo só vai até 2019, me enviou a seguinte mensagem:


“Bom dia Kleber.

Queria tirar uma dúvida:

Depois do sucesso do nosso Vinícius Junior, surgiu a notícia que vários clubes na Europa estariam dispostos a pagar a multa que hoje é de 100,5 milhões de reais( 30 milhões de euros).

Há quem diga que a diretoria do Flamengo esteja correndo para renovar o contrato do jovem que até onde sei, vai até 2019.

Há quem afirme, que a Traffic, empresa que cuida dos direitos do jogador, esteja irredutível quanto a renovação.

Pergunto:

Vinícius pode ser vendido nessa próxima janela, mesmo sem completar 18 anos?

Queria que se fosse possível o senhor explicasse como funciona a venda de jogadores que são menor de idade e ou que ainda estejam sob o primeiro contrato.

Abç”

Anderson Santos


Anderson e amigos rubro-negros:

O tema é preocupante. Assim que li a mensagem, com as dúvidas e preocupações do Anderson, procurei me informar, ouvindo um conhecido, competente e vitorioso empresário que, pelo seu depoimento pragmático e sincero, precisa ser preservado.

Vamos às dúvidas:

    • Um clube do exterior pode comprar agora Vinícius Jr, que ainda não completou 18 anos?
      – EMPRESÁRIO: “Sim, desde que pague a multa estipulada em contrato (30 milhões de euros), muito embora só possa inscrever o jogador quando este completar 18 anos”.
    • Um clube do exterior pode comprar Vinícius Jr, pagando a multa estipulada em contrato e, emprestar o jogador para o Flamengo até que complete ele 18 anos?
      – EMPRESÁRIO: “Sim, nenhum problema”.
    • Um clube do exterior pode comprar Vinícius Jr, pagando a multa estipulada em contrato e emprestar para qualquer outro clube do Brasil, até que ele complete 18 anos?
      – EMPRESÁRIO: “Sim, pode”.
    • Na sua opinião, qual deve ser a estratégia dos representantes desta empresa?
      – EMPRESÁRIO: “Fazer dinheiro e, quanto antes, melhor. Aliás, de cada dez empresários, nove pensariam desta forma. A exceção é quando há um vínculo muito forte entre o clube e o empresário em questão. Aí, neste caso, visando a manutenção da relação com o clube, o empresário passa a racionar de forma diferente, pois tem a perder se a parceria com o clube for quebrada”.
    • Os representantes desta empresa e os dirigentes do Flamengo já começaram a tratar da renovação de contrato. Como é que este “tabuleiro de xadrez” está sendo mexido?
      – EMPRESÁRIO: “O Flamengo tentando renovar o contrato, pagando ao jogador salário de gente grande e exigindo aumento significativo na multa. A empresa deve topar renovar com significativo aumento salarial para o jogador, porém, mantendo a multa atual”.

O assunto poderia ter parado aí. Porém, como queria me aprofundar mais, voltei no tempo, corri atrás da notícia e novamente, não podendo divulgar a fonte, acabei descobrindo o que realmente preocupa o pessoal do Flamengo.

O problema é que não há apenas uma multa prevista neste contrato. Existem duas multas: uma para o exterior, no valor de 30 milhões de euros; e outra para o mercado brasileiro, esta de 30 milhões de reais.

Isto, em tese, é preocupante, pois o Barcelona, por exemplo, pode arranjar por aqui uma barriga de aluguel. Um clube brasileiro pode pagar a multa de 30 milhões de reais, utilizar o jogador até que este complete 18 anos e, ato contínuo, o repassa ao Barcelona. Claro que, para que isto aconteça o jogador tem que estar de acordo e, pelo que levantei, Vinícius Junior é rubro-negro de corpo e alma, e toda família dele também. Além disso, também já apurei, todos muito corretos com respeito aos valores de vida.

Querem saber – depois de tudo que ouvi – o que acho que vai acontecer?
Vamos lá e, da forma mais pragmática possível. O contrato de Vinícius Junior será renovado por mais cinco anos. O salário que hoje é de dez mil reais, deve, para começar, ganhar mais um zero. A multa para o mercado brasileiro deve ser igualada à multa para o exterior e, esta mantida como está. Se o final do filme não for esse, será muito próximo disso. O importante, é que o final será feliz para todos.

Rolando a bola

Hoje, para mim, um dia especial, que teve como consequência uma noite de comemoração. Comemoramos os 40 anos de um grande rubro-negro. Encontro de vida… Ao Clóvis, todo nosso amor, carinho e reconhecimento.

Da serra, por um motivo mais do que justo, rolo a bola para o comentário do nosso doce Carlos Egon, que vai dizer como viu hoje o nosso time.

Como diria Jorge Curi: “Dá-lhe…garoto!!!”


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Quarta sem lei e… sem futebol!

Quem sentou nas arquibancadas frias de Volta Redonda, deve estar desiludido com o que viu. Joguinho morno, sem intenção de convencer!

Mistureba entre cascudos e promissores, em que mais uma vez, a base voltou a decepcionar.

Paquetá é uma verdadeira ilha desabitada, Léo Duarte continua não saindo um metro do chão, Vizeu segue perdendo gols fáceis e, Damião um verdadeiro poste.

Valeu pela preliminar com a estreia do “JOIA JÁ”!!! Na sub 20, só vejo ele e Klebinho como promissores.

Para quem está jogando inúmeras competições, ainda não podemos contar com o futebol dos meninos.

Compreendo perfeitamente a intenção do Zé! Poupar, mesmo para um jogo ainda distante, pode ser bom senso. O que não pode, é variar constantemente a mistureba, a cada jogo com os reservas.

Uma quarta perfeita, até por ser fora do Rio, para uma colossal perna de anão… ou, como queiram, liberdade por bom comportamento…

Carlos Egon Prates

Altitude, PC do B, NJ do B

(Foto: Juan Mabromata/AFP)

ALTITUDE

Um dos maiores absurdos do futebol é esta insensatez de se jogar numa altitude de 3.600 metros, como ocorre em La Paz. Ainda é bom lembrar que na chegada à cidade, no aeroporto, a altitude é de 4.000 metros.

Já vi de tudo em La Paz. Zico, em determinada ocasião, sequer conseguiu sair do hotel. João Paulo, ponta do Santos que depois foi para o Flamengo, caiu duro, no aquecimento, ao executar um polichinelo…

Certa vez, na Rádio Globo, narrei, comentei e fiz as reportagens, pois Jorge Curi, o narrador, e João Saldanha, o comentarista, sucumbiram, não resistiram ao inferno que é conviver na extrema altura.

João Saldanha, em outra viagem, se não o carregássemos para o avião, já pressurizado, certamente não teria sobrevivido.

Enfim, acho covardia submeter alguém, seja quem for, a qualquer atividade física nestas condições. Por isso, me recuso a comentar a derrota da Argentina, sem Messi, por 2 a 0.

No Flamengo tentamos acabar com isso. Quase conseguimos. Os médicos, do mundo inteiro jogaram a favor. A FIFA, que havia concordado, pipocou. Sucumbiu à política e a outros interesses… Jogar nesta altitude é uma agressão ao ser humano.


PC do B

PHILIPPE COUTINHO do BRASIL… Que jogador… Que primeiro tempo espetacular, e que categoria no primeiro gol da Seleção Brasileira.

Hoje, tive a informação de que o Barcelona tem como meta prioritária, para o ano que vem, a contratação de Philippe Coutinho. Quem contrata no Barcelona tem olho clínico…


(Foto: Nelson Antoine / Associated Press)

NJ do B

NEYMAR JR do BRASIL… Que segundo tempo… Que autoridade… Que maturidade… Que jogador…

Hoje, voltou a ser capitão e comandou o espetáculo. Alguém na televisão – acho que foi o Casagrande – afirmou que, neste momento, ninguém no mundo está jogando como Neymar. Sou obrigado a concordar, pois a colocação é pertinente. O momento, a hora, é de Neymar.

No mais, uma atuação de gala da Espanha, metendo 2 a 0 na França, em Paris. Neste jogo, a tecnologia deu show. Sem ela, o jogo seria 1 a 1. A tecnologia carimbou a verdade. Espanha 2 a 0.

Como no tênis ou no vôlei, com inteligência, disciplina e bom senso, a tecnologia também fará parte do mundo do futebol. Está chegando a hora…

 

MA e ME

MARACANÃ

A tal reunião entre os representantes do governo do Estado e da Odebrecht aconteceu, porém, a informação que tenho é a de que, não se sabe com que propósito, a empresa baiana está enrolando…

Desta forma, vai por água abaixo aquela informação dando conta de que a Lagardère, empresa francesa, já estava com tudo resolvido. No fundo, a intenção real do Governo do Estado, ante a posição de nenhuma colaboração por parte da Odebrecht, é realizar uma nova licitação.

O problema é que para fazer isso, tem o Governo do Estado, obrigatoriamente, que se submeter à Lei de Concessão, que torna o processo naturalmente lento, e de definição, com boa vontade, a médio prazo.

Na situação atual, caberá ao Flamengo tomar a iniciativa de negociar jogo a jogo com os representantes da Odebrecht. Infelizmente, o panorama é esse.


Messi discute com árbitro brasileiro durante eliminatórias (Foto: AFP PHOTO / Juan Mabromata).

MESSI

A suspensão de Messi por 4 jogos, imposta pela FIFA, pegou o mundo do futebol de surpresa. Primeiro, pelo fato de ser desproporcional.

A indisciplina cometida por Messi teve tamanho inferior à pena aplicada. Quatro jogos de suspensão é um exagero. Se Messi tomou quatro jogos, Luiz Fabiano, se julgado fosse pelo mesmo Comitê Disciplinar da Fifa, levaria quarenta.

O ponto mais importante é o que este fato gera de consequência, já que a situação da seleção argentina nas eliminatórias é delicada e, o retrospecto dos resultados quando Messi não joga é assustador.

Tudo pode estar acontecendo. A FIFA, depois dos sucessivos escândalos, querendo demonstrar firmeza e austeridade e, sem dúvida alguma, fica flagrante que a AFA, antes poderosa e respeitada quando Júlio Grondona era seu presidente, virou para a FIFA um gatinho angorá…

Acho que a FIFA está dando um tiro no próprio pé, pois esta condenação pra lá de exagerada, pode representar a ausência da Argentina na Copa do Mundo da Rússia e, em consequência, o melhor jogador do mundo, ao invés de jogar, assistir pela TV…

Dúvida, impaciência, incerteza e esperança

(Reprodução da TV)

DÚVIDA

Passado o momento da emoção, com os nervos e coração na mais absoluta ordem, fiquei matutando… O pênalti, ou a penalidade máxima – e o nome já diz tudo – é tão letal que, para marcar, o árbitro tem que ter convicção absoluta. Na dúvida, qualquer soprador de apito deixa o jogo rolar, pois um erro deste tamanho poderá ter uma influência decisiva no resultado do jogo. Partindo desta premissa, é difícil entender a marcação do pênalti de ontem.

Como é que alguém pode ter certeza de alguma coisa que não viu? Sim, porque se a bola foi de encontro à barriga de Renê, e lance mais claro é impossível, como o nosso folclórico “Índio” pode ter certeza de algo que não existiu?

Outro detalhe que causa espanto é o fato de o árbitro ter o recurso eletrônico para se comunicar com seus inúmeros auxiliares e, ainda assim, tenha cometido erro tão bisonho. Caramba, são dois bandeirinhas, mais dois espiões de linha de fundo, além do auxiliar que levanta a placa de substituição. E, ninguém viu o que realmente aconteceu? Muito estranho…


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

IMPACIÊNCIA

Paulo César Ferreira, conselheiro e polêmico rubro-negro, um belo dia teve uma tirada simplesmente genial: “uma coisa, é uma coisa. Outra coisa, é outra coisa.” A colocação de uma simplicidade Maracaneana, é pragmática, ao extremo. Vamos ao nosso tema que tem tudo a ver com o que acabo de colocar.

Todos sabem de que tamanho vejo o Flamengo. Seja lá para o que for, há de se pensar grande e sempre na melhor das soluções. Pensando assim, foi possível em 1995 trazer para o Flamengo o melhor jogador do mundo. Claro que, ante esta premissa, quem vier me perguntar que treinador gostaria de ver no Flamengo, certamente espera como resposta, no mínimo, Pep Guardiola… Aí é hora do “uma coisa, é uma coisa. Outra coisa, é outra coisa.”

Pelos comentários, e todos de excelente nível, noto que há uma quantidade significativa de torcedores rubro-negros incomodados com a presença de Zé Ricardo no comando do time. Uma coisa, é querer o melhor do mundo para o Flamengo. Outra coisa, é poder ter o melhor do mundo no Flamengo. Por isso mesmo, restritos estamos ao mercado interno, e a este ou aquele treinador do continente sul-americano e, no atual contexto, neste momento, não vejo nenhum nome disponível que, se dirigente fosse, me comovesse na tentativa de brigar muito por esta contratação.

Pode ser que a maioria tenha razão quando fala da inexperiência de Zé Ricardo. Posso, lá atrás, já ter concordado. Só que agora Zé Ricardo está mais maduro, mais pronto, mais confiante em si mesmo. Gosto da figura dele. Treinador de um grande clube, a meu conceito, tem a obrigação de ter um bom poder de comunicação, ter uma boa imagem, pois sendo o profissional mais assediado pela imprensa, não deixa de ser um porta-voz do clube ou, quase que uma marca, um símbolo…

Zé Ricardo me passa firmeza, como ser humano e como profissional. No que diz respeito ao seu desempenho, os números são altamente favoráveis e, é bom não esquecer que, por uma série de circunstâncias, quase que todas as contratações ocorreram sem que ele tivesse indicado.

Enfim, acho que hoje temos um treinador mais maduro, quase pronto. Como não gosto de ficar em cima do muro, achei importante colocar o que penso. Claro que, com todo respeito a quem pensa de forma diferente. A estes companheiros e amigos do blog, peço um pouquinho mais de paciência com o nosso treinador.


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

INCERTEZA

Esta palavra deve estar na cabeça de muitos rubro-negros no que diz respeito a alguns jogadores. Já disse e repito que, no cenário nacional, o Flamengo tem um bom elenco e, em função disso, duvido que tenha uma participação ruim em qualquer campeonato longo, como, por exemplo, o Campeonato Brasileiro. A certeza de título, já é outra história…

Em competições mais curtas ou eliminatórias, como Carioca, Copa do Brasil e Libertadores, o time pesa mais. Por isso mesmo começo a me questionar com relação a alguns jogadores. Mancuello é o primeiro. Afinal, que instrumento toca o argentino? Ontem, a tentativa de, numa eventualidade, ser ele o substituto de Diego, foi frustrante e preocupante. E o Berrío? Sei lá… apesar do belo gol de ontem, demonstra muito pouca intimidade com a bola, sendo a velocidade a sua única arma disponível. Muito pouco…

Tenho o pressentimento, e é puro palpite, que um ou dois garotos vão resolver o problema do Zé Ricardo. Até por uma questão de coerência com o que penso, VINÍCIUS JR, JÁ!!! Até porque, ele também precisa amadurecer, e jogador só amadurece jogando…


ESPERANÇA

Ainda não tive nenhuma informação sobre a reunião entre a Odebrecht e o Governo do Estado. Embora no momento o panorama seja nebuloso, com perspectivas remotas de um casamento Flamengo e Maracanã, confesso que não me conformo com isso.

Há quem defenda a tese de que o Flamengo deve partir para a construção do seu estádio próprio. Tudo bem, é um ponto de vista. Agora, algumas perguntas são necessárias. Em quanto tempo este estádio estará em pé, passando antes pela aquisição do terreno, criação e aprovação de projeto, e construção? A pergunta seguinte é simples: enquanto isto, vamos ficar jogando onde? Na Ilha? Tudo bem que um jogo ou outro, sim. Mas, e os jogos pra arrebentar? Oitavas, quartas, semifinal ou final de Libertadores, jogamos onde?

Não discuto a construção do estádio próprio. Discuto, a vida do Flamengo não parar enquanto este estádio não for construído. Respeito e admiro o presidente Eduardo Bandeira de Mello e toda sua impecável diretoria, mas há de se pensar este tema com mais prudência e pragmatismo do que com emoção.

Hoje, embora o Maracanã dependa basicamente do Flamengo, também somos dependentes dele. Amanhã, pode ser outra história. Hoje, mesmo tendo que “engolir sapo”, sem o Maraca, não dá…

Domingo de lambanças

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Francamente, e sem medo de errar, foram os piores 45 minutos iniciais desta temporada. Parecia um filme de horror, onde, excetuando-se Márcio Araújo e Rafael Vaz, o time irritou.

No segundo tempo, uma jogada isolada mudou o jogo. Para mim, Luiz Fabiano escorregou e, por isso, houve a falta. Na reclamação pelo cartão amarelo, Luiz Fabiano exagerou e acabou expulso. Não houve agressão do jogador ao árbitro.

A partir daí, o panorama mudou. O Vasco sentiu, e o Flamengo reagiu. Arão, que não estava bem, fez o do empate. Berrío, um horror até então, acabou marcando um belo gol.

Éverton, apagado no primeiro tempo, ligou o motor no segundo. No finalzinho, a mancada do árbitro, inventando um pênalti e, o gol do empate aconteceu.

Alguns jogadores importantes ficaram devendo hoje. Mancuello, pelo que jogou, deixou claro que não é a melhor opção para ocupar o lugar de Diego.


Maracanã

Mudando de assunto, duas informações:

Amanhã, haverá uma reunião onde a Odebrecht comunicará ao Governo do Estado sua decisão quanto ao futuro do Maracanã. Pelo jeito, irá comunicar o possível acordo com a Lagardère.

A segunda informação é uma confirmação. Com a Lagardère, o Flamengo dará adeus ao Maracanã.

Esta segunda-feira promete…

Ia esquecendo: VINÍCIUS JR, JÁ!!!

N, P, M.

(Foto: Pedro Martins / MoWa Press)

No nosso vocabulário comercial, há o MPM (Meta Por Mérito) porém, aqui, o NPM quer dizer: Neymar, Paulinho e Maracanã, as letras iniciais dos nossos protagonistas deste post.

A goleada da Seleção Brasileira, contra o Uruguai, no Estádio Centenário, foi importante e consagradora.

O que Neymar jogou, poucos gibis registram atuação igual. Um primeiro tempo primoroso, perfeito… E no segundo, um gol que podemos – sem medo – colocar como uma obra de arte. Arriscaria dizer que foi esta a melhor atuação de Neymar. Não só pelo que ele jogou, como pela dificuldade do jogo. O nosso melhor jogador amadurece a cada cinco minutos…

E Paulinho, hein? O que dizer de um jogador que faz três gols, pela Seleção, na casa do Uruguai? Que personalidade. Que jogador…

O único ponto negativo da Seleção foi a quantidade de bolas aéreas que perdemos para os uruguaios. Pelo alto, o perigo foi permanente… Vitória, ESPETACULAR!!!

MARACANÃ

Mudando de assunto. Pelo que venho sendo informado – e por tudo que hoje foi noticiado – a francesa Lagardère vai assumir o Maracanã por 30 anos. O Flamengo, que estava colado em outra empresa, distribuiu nota oficial, dando conta de que, com a Lagardère não joga no Maraca.

O problema é que as empresas parceiras do Flamengo desistiram da briga e deixaram o terreno livre para a empresa francesa.

Será que não está faltando alguém que faça este meio de campo e, junte as partes?

Enfim, vamos aguardar o que vai acontecer nesta sexta-feira.

Bom senso, é preciso… Flamengo e Maracanã, foram feitos um para o outro…

Missão cumprida

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

E, melhor do que a sensação do dever cumprido, após a boa vitória pelo placar de 3 a 0 sobre o Bangu, foi a firmeza do time e o apoio inteligente da torcida.

Este jogo reflete tudo aquilo que quase todos nós neste blog enfatizamos. O elenco do Flamengo é bom.

Sem alguns titulares, em função das convocações das seleções de Brasil e Peru, o time mandou muito bem, principalmente no segundo tempo.

Quando achei que os laterais estavam tímidos, o da esquerda arrisca de longe e faz o primeiro gol. Daí em diante era tentar adivinhar o placar. Sem dúvida, 3 a 0 foi um placar perfeito.

A média das atuações, muito boa. Na realidade, ninguém decepcionou. Não entendi em alguns lances, poucos torcedores vaiando Rafael Vaz toda vez que o zagueiro tocava na bola. Atitude pouco inteligente… e, injusta, pois Rafael fez um bom jogo. Aí residiu o único “passe errado” da torcida.

Márcio Araújo entrou como titular e foi o destaque do time. Saiu aplaudido. Merecidamente. Acho que readquiriu a condição de titular.

Do meio para frente, muita disposição e, criatividade apenas razoável.

Enfim, vaga garantida na próxima etapa do campeonato.

Domingo, o problema é só do Vasco.

 

Quando há talento e a cabeça é boa, o resto é resto…

( Fernando Maia/AGÊNCIA O GLOBO)

Em primeiro lugar, agradecer aos queridos companheiros deste espetacular GLOBOESPORTE.COM, que rolaram a bola para um mundo de gente, bola esta levantada aqui no blog, em que o tema central foi o aproveitamento imediato de Vinícius Junior entre os profissionais do Flamengo.

Ontem, citei a opinião de Telê que, em síntese, ignora a idade, desde que haja, primeiro, talento além da conta e, claro, que a cabeça seja boa.

O exemplo que mencionei ontem foi o de Júlio César. Hoje, até por uma questão de justiça e, até mesmo para demonstrar coerência nas minhas opiniões, atitudes e decisões, cito mais um caso e, de coração, na esperança de que as cabeças pensantes do futebol do Flamengo se entusiasmem com estas lembranças e puxem Vinicius Jr definitivamente para a categoria profissional.

O exemplo de hoje vai entrar em campo amanhã, vestindo a camisa número oito da Seleção Brasileira.

Não faz muito tempo, era hábito nos campeonatos estaduais as preliminares serem o mesmo jogo, só que pela categoria de juniores e, como vice-presidente de futebol, adquiri o hábito de ir sistematicamente mais cedo a todos os estádios para ver nossa garotada jogando a preliminar. Lembro, como se fosse hoje, de um domingo em Friburgo. O que mais me impressionou, de tudo que vi nos dois jogos, foi o número 10 do Flamengo, do time de juniores.

A partir daquele dia mais ainda me interessei em acompanhar os jogos da meninada e, a cada dia, mais forte ficava em mim a certeza de que Renato Augusto daria um grande jogador.

Como acredito na eficácia do relacionamento humano, procurei me aprofundar na relação e, encontrei um menino de ouro, bom de bola, de cabeça e de alma.

Em 2006, Deus sabe como, pois vivíamos num mar de dificuldades, nos classificamos para a final da Copa do Brasil e, contra o Vasco.

Houve uma interrupção entre a semifinal e a final. A Copa do Mundo nos deu tempo de armar o time com um novo treinador. Ney Franco fora contratado e, sua primeira missão era uma excursão ao nordeste. Na sala do professor Isaias Tinoco, perguntei ao Ney, ainda pouco familiarizado com o elenco, quantos e quais jogadores ele levaria. Ele me disse que pensava em viajar com 20 jogadores e me mostrou a relação. Com toda delicadeza do mundo, sugeri que ele levasse os 20 e mais um. Um menino.

Ney concordou, e lá se foi o menino Renato Augusto para a tal excursão, de onde voltou titular. Foi campeão da Copa do Brasil, e amanhã, onze anos depois, entra em campo com a amarelinha…

Como Júlio César, Renato Augusto também sempre foi diferenciado, muito acima da média. Exceção, pelo talento…

O filme, em vermelho e preto está de novo no telão, e hoje, o protagonista, o ator principal, tem só 16 aninhos, mas futebol de gente grande e, cabecinha boa.

VINÍCIUS JR, JÁ!!!!