Brigar, pra que?

Recebi e-mail do meu irmão Radamés Lattari, que ainda não havia recebido a informação de que o Flamengo retirara a ação, que ingressou no STJD, contra o Botafogo, já que os clubes chegaram a um acordo em reunião na sede da Federação.

A torcida do Flamengo terá direito a 10% dos bilhetes, que começarão a ser vendidos amanhã.

Mesmo com o assunto já superado, acho de bom tom, em homenagem à paz, a boa convivência, ao bom humor e, ao amor pela vida, reproduzir o e-mail do Rada, que traz bela sugestão para os presidentes de Flamengo e Botafogo.


Kleber,  

Estou lendo que a diretoria do flamengo está acionando STJD devido a demora por parte do Botafogo em colocar a venda os ingressos do jogo.

Acredito que todo tipo de rivalidade sadia seja benéfica ao esporte, para promovê-lo, para alcançar melhores resultados, entre outros.

Mas acredito que nos dias de hoje, com a onda de violência que atinge o nosso estado, seja perigoso e pouco inteligente alimentarmos esta rivalidade, além de tudo, ao invés de levar famílias aos estádios, estamos ajudando a afastá-las.

Por mais que os dois presidentes sejam os torcedores mais ilustres no momento, eles não podem esquecer que são dirigentes, e como tal devem comandar e recomendar a paz a todos os demais torcedores.

Eles deviam selar a paz publicamente, apostando um almoço, quem for para a final escolhe o restaurante onde o perdedor pagaria a aposta.

Cada qual deve lutar por seus direitos, os dois juntos devem lutar por interesses comuns a seus clubes e deixar aquele que atuar melhor vencer dentro de campo.

Fica a ideia.

Abraço

Radamés Lattari

1 Comentário

  1. Caro Kleber
    A harmonia em primeiro lugar. Mas, esse presidentinho do Botafogo sempre usando de subterfúgios para sacanear o Flamengo. Cadê o respeito as garantias do torcedor? Rivalidade sim; desonestidade, não. Vamos passar por cima deles. O Rueda tem um semblante de uma pessoa séria e de caráter. Sentir uma energía muito forte.

    Reply
    • Respondendo a mim mesmo:
      Parece que esta recente “picuinha” da não disponibilização dos ingressos partiu da Gávea mesmo, senão calculemos:

      A torcida rubro negra foi compra-los no Engenhão. Não se falou em venda na Gávea.

      A patir da reunião na FFerj o Botafogo disponibilizou os ingressos, que passaram a ser vendidos na Gávea para a torcida rubro negra.

      A mim me pareceu que o CEP não os queria vender no Engenhão, ou por implicância velada, ou por fatores logísticos ou fatores de segurança.

      Como me parece que os ingressos não estavam disponíveis na Gávea, parece que houve acordo nesse sentido.

      Desgastante essa história de presidente torcedor!

      Reply
  2. Jogadores que foram ídolos para o menino do começo dos anos 60.

    Em primeiríssimo lugar, Gérson, o canhotinha de ouro; nosso cracaço mas que jamais foi rubro-negro de coração. Uma pena.

    Depois, os goleiros, Mauro, o inesquecível Dr. Marcial de Melo Castro, campeão de 1963. Bem depois o nosso recordista, Cantarele.

    Na zaga, o Jaime; não o de Almeida, mas sim o Valente. Jaime Pimenta Valente, nosso número 4 que formou a defesa central, primeiro com o Luis Carlos Freitas, depois com o Ditão e, a seguir, com o Itamar.

    Na frente o Aírton, número 9, centroavante de muitos gols . O Aírton, dito “Beleza” por excessivamente feio, na seleção do Panamericano de 1963, realizado em São Paulo, marcou recorde de gols em uma só partida. Foram 10 x 1 contra os EEUU.

    Na reserva, outro Luis Carlos, o Luis Carlos Cunha, dos aspirantes. Eu chegava mais cedo no Maraca só para assistir aos gols incessantes que ele marcava em todas as preliminares.

    E, claro, os dois laterais, a dupla Murilo e Paulo Henrique.

    Never more…

    Reply
  3. Verdadeiros “canhões” que passaram pela Gávea naqueles anos, com chutes praticamente indefensáveis:
    O Osvaldo II, o “Ponte Aérea” (pois vivia no avião para Campinas), ponta-esquerda com uma porrada na perna esquerda, terror dos goleiros, e que rivalizava em força com o santista Pepe, “Canhão da Vila” (Belmiro).
    Mas houve também, naqueles anos, mais outros dois. Primeiro, o Nélson, meio de campo adquirido junto com o Murilo ao Olaria. Depois, o Nélson foi vendido para o México e desapareceu.
    E, a seguir, o saudoso Fefeu, meia-esquerda vindo do Canto do Rio. Foi, mais tarde, vendido ao São Paulo.

    Reply
    • Prezado, esqueceu do Germano, que também tinha um chute fortíssimo com a perna direita e que jogava na ponta esquerda e também do Miranda, outro ponta esquerda que tinha uma patada na perna esquerda.
      Um abraço,

      Reply
      • Prezado Luiz Carlos,
        Não esqueci, não.
        O Germano, irmão do Fio Maravilha, do Michila e do Dudu; e o Miranda, que jogou apenas uns pouquíssimos jogos.
        Acontece que vieram antes. Não os vi jogar. Só comecei em dezembro de 1962, perdendo logo de cara de três a zero do Mané.
        SRNs

        Reply
      • Caro Sergio Vital,
        O Nelson já é falecido?! Eu não sabia. Pensava que seguia no México.
        Por gentileza, o que você quis dizer com o “vive muito mal” a respeito do velho Murilo “Pardal”? Doença? Dificuldades materiais? Porque no enterro do Carlinhos ele esteve na Gávea e pareceu-me bem; enfim, quero dizer, parecia estar normal para um senhor da idade dele.
        SRNs

        Reply
        • Artur, Nelson faleceu tem cerca de 7 anos,deixou 3 filhas e um filho do sevundo casamento. Murilo vive em Anchieta, mal financeiramente, lamentavelmente!

          Reply
  4. Nossa dupla de ataque, Henrique e Dida…
    O 9 e o 10.
    Henrique Frade era o centro-avante e o Dida o ponta-de-lança. Ídolo maior antes do advento do Galinho.
    Gostava tanto desses dois que, quando foram cedido -ao mesmo tempo- à Portuguesa de Desportos, passei a torcer pela Lusa como o meu segundo clube…

    Reply
    • Artur,
      Me emocionei com sua postagem, não por ter visto estes jogadores (nasci em 1987), mas por lembrar das histórias que meu saudoso avô me contava – sempre com olhos lacrimejando de emoção. O que ele falava do Dida, de quando ia ao Maracanã com mais de 100 mil pessoas. Belas lembranças.

      Abraço!

      Reply
      • Caro Diego S. Oliveira,
        Na finalíssima de 1963, a gente jogando pelo empate, deu em torno de 200 mil pessoas, record de público para jogos entre clubes.
        Lá no alto da arquibancada tive que ficar no ombro de meu pai para poder ver.
        Esse título foi ao goleiro Marcial que nós, rubro-negros, ficamos devendo.
        Hoje o goleiraço, já bastante idoso, ainda é médico. Só não sei se clinica na própria cidade dele, Tupaciguara, no interior de Minas, ou se já o faz na capital, em Belo Horizonte.
        Por outro lado, o Escurinho, que era o ponta do fluminen-C, e de quem o Marcial salvou -milagrosamente- um gol feito ao final do jogo, é taxista até hoje, no aeroporto do Galeão. Trabalha numa dessas duas cooperativas, Cotramo ou Copertramo.
        Abraço,
        SRNs

        Reply
      • Caro Diego S. Oliveira,
        Grato.
        É verdade, e seu Avô tinha toda a razão. Na final de 1963 chegou a dar em torno a duzentas mil pessoas.
        Não é saudosismo, mas sim realismo, pela constatação de que aqueles tempos verdadeiramente épicos não voltarão mais, sufocados que foram pela mercantilização excessiva do esporte.
        Abraço e
        SRNs

        Reply
  5. Caro Robert,algum comentário meu foi excluido.?
    Tenho respeitado o regulamento,”escreva com moderação” !!!
    ABS.
    SRN.
    ———-
    Prezado Carlos Alberto,
    Nenhum comentário seu foi excluído, mas, às vezes, o WordPress dá algum erro/bug e algum comentário pode não aparecer para minha moderação. Te peço para mandar o comentário novamente.
    Abs
    Robert Rodrigues

    Reply
  6. Admiro o Radamés e sempre achei seu pai o melhor diretor de futebol que o Flamengo teve de 1965 para cá.Discordo dessa conversa de paz em estádios, quando colocadas sobre comportamento de dirigentes; quando foi visto o presidente do Flamengo atacando a instituição Botafogo? Quando o Bandeira veio a publico brincar sobre a grandeza do Botafogo? Primeiro recados term que ser direto e o presidente do Flamengo em momento algum provocou ou provoca o presidente do Botafogo; o que houve foi uma união Rubinho, Eurico e presidente do Botafogo em prejuizo da dupla Fla e Flu. Combinavam tudo entre eles e depois colocavam em ordem do dia na federação. O Caso Arão foi depois e não vejo problema, porque ate agora em todas as instancias o jogador saiu vitorioso contra seu ex clube; O presidente do Botafogop que deve ser um sujeito do bem, pois quem dedica parte de seu tempo para cuidar voluntariamento de animais deixados na rua, não pode ser ruim, mas ele está levando para gabinetes um a discussão que só havia em bares e arquibancadas. Bandeira está de parabens por suas atitudes. É sim o melhor presidente de clubes da atualidade no país.

    Reply
  7. Outro dia eu falei aqui sobre a diferença de preços/conforto entre o futebol e o cinema. Volto a fazer o comparativo, pois no cinema não há esse clima bélico antes, durante e depois do espetáculo (além do que já citei sobre conforto, preço, estacionamento, ar condicionado, etc).

    No começo do namoro, eu levava minha namorada aos jogos do Figueirense. Ela sempre queria ir. Com o tempo, ela foi desistindo principalmente porque os torcedores xingavam o tempo todo e com o time em má fase brigavam entre si. Continuei a ir sozinho. Com o tempo, preferi ficar com ela e vendo pela televisão. Às vezes nem vejo.

    Nesse ano, resolvi levá-la no estadual. Ela levantou para ir ao banheiro e já a xingaram porque tapava a visão de um lance. Em seguida, torcedores começaram a brigar próximo da gente pelo simples fato de um ter esbarrado na mulher do outro e um deles não ter aceitado o pedido de desculpas.

    É por essas e outras coisas chatas que o futebol está essa várzea. É muita palhaçada, muita briga, muita discussão, violência, zero conforto, proibição até de cerveja, preços altos, etc. E ainda estamos comemorando o recorde de público de 56 mil pessoas nesse Brasileiro. Em 2008, fui ao Maracanã e tinha umas 50 mil pessoas, parecia vazio.

    Agora, o Flamengo joga num estádio remendado para 20 mil pessoas. Em São Paulo é só torcida única. O Vasco não pode jogar em casa. O Atlético-MG se fecha no Horto para 18 mil torcedores. Sinceramente, estão acabando com o nosso futebol por tantas picuinhas.

    Reply
  8. Meu prezado Kleber Leite, gostaria de tocar num assunto que custo a entender o significado dele. Você nas suas idas e vindas no meio do futebol, talvez saiba me ajudar a entender o porquê dessa idiotice.

    Sabemos que o futebol evoluiu muito ao longo dos anos e que os clubes, principalmente os grandes, passaram a ter elencos numerosos dado ao número de competições que são obrigados a participar.

    Nosso Flamengo não poderá contar com quatro de suas últimas contratações devido a não inscrição na Copa do Brasil. A minha pergunta e minha dúvida é por que diabos ainda não se alterou esse modelo de fórmula arcaica que impede os clubes de inscreverem os jogadores contratados após o inicio da competição ou a limitam a uma data retrógrada. Futebol não é espetáculo? Que diabos faz a nossa CBF ser tão atrasada que não atualiza ou moderniza essas fórmulas permitindo que nossos clubes possam inscrever seus principais jogadores após o inicio ou andar de uma competição?

    Como disse nosso amigo Henrique acima, futebol está ficando muito chato. Todos os esportes evoluíram e se modernizaram, mas insistem em manter nosso esporte maior no país em um processo moroso e anti modernismo a novas regras que deem maior dinamismo ao espetáculo.

    É inadimissível o Flamengo não poder contar com Diego Alves, Rodholfo, Geuvânio e Everton Ribeiro nesses jogos na atual fase da Copa do Brasil.

    Veja, por exemplo, que a CBF acaba de informar que só adotará o árbitro de vídeo a partir de 2019. Quanto atraso na mente desses retardados dirigentes que controlam nosso futebol. Não por acaso estamos colecionando fiascos atrás de fiascos nas competições internacionais que participamos. Por causa desses medíocres dirigentes teremos meio time a menos nos jogos decisivos daqui para frente. Isso é algo imcompreensível.

    Reply
  9. Os dirigentes deve deixar as rivalidades para dentro dos campos,quadras e as raias da lagôa Rodrigo de Freitas.Aqui fora devem se unir,para fazer frente aos problemas do esporte no RJ.,(todos),quer por desonestidade ou outras improbidades administrativas.CEP implica demais com o FLA,( reflexo caso Arão),esta situação dos ingressos,o prèvio questionamento da arbitragem dos jogos,FLAxBOTA,pela Copa do Brasil,dizendo que “sistematicamente o FLA é favorecido”,demonstram esta postura de CEP.
    Vamos decidir no gramado,Niltão ou Maraca. !!!
    SRN.

    Reply
  10. “Ao Radamés”

    Meu ilustre Radamés Lattari, primeiramente parabéns pela sua iniciativa, a qual foi acolhida justamente pelo blog.

    O que vc prega é a lógica e racionalidade. Entretanto em se tratando de Flamengo e Botafogo estamos vendo que de lógica e racionalidade nada existe.

    Agora vc olha a fisionomia do CEP quando se refere ao EBM ou ao Flamengo, uma fisionomia extremamente enraivecida, rancorosa, revanchista, o que esperar disso?

    Ai vc olha o EBM absolutamente transtornado, descaracterizado, batendo boca com a nossa própria torcida, fazendo gestos e tudo mais! O que esperar disso?

    Esta circulando na internet uma certa carta enviada pelo Wallin ao Rueda. Tem ressonância sim, principalmente porque tem terreno fértil para prosperar.

    Reply
  11. Kleber,achei inoportuna a carta que a oposição do FLA. enviou ao Rueda,principalmente porque tece críticas à situação.O novo tecnico já tem problemas demais para tratar,e ainda vai se envolver com política do clube.Pra quê mais tumulto ? Inquietação !Burburinho !
    Bola fora do Wallim e sua turma !
    Sou apenas um torcedor,desde 1953,não tenho nenhum compromisso com chapas ou posições politícas do clube.Mas,não é hora para politicagem.
    ABS.
    SRN.

    Reply
    • Carlos meu caro, muito sinceramente falando, inoportuna eu acho ser a direção do futebol do Flamengo neste ano!

      É claro que o Rueda não vai nem se mobilizar pela carta, a carta é afinal um palanque político para o Wallin, que diga-se de passagem, melhor hora não haveria para se colocar como candidato em 2018.

      Qto ao Rueda, ele foi contratado para trabalhar durante 1 ano preparando o time para os últimos 6 meses da administração EBM.

      Há que se esperar que ele ao menos conquiste uma vaga para a Libertadores do ano que vem para tanto.

      Se o o EBM for bem sucedido neste plano, talvez eleja algum de seus indicados, mas quem?

      Reply
  12. Prezado Nino,insisto não é hora para se tratar da sucessão de cargos no FLA.A eleição é em 2018.Até lá tem muito tempo.O foco tem que ser o futebol do FLA.TODOS devem ajudar,propondo união,participação,criticas,sim,as construtivas.Apoiar sempre.Se não puder aplaudir,que se mantenha o silêncio respeitoso.
    O MENGÃO do qual estamos falando é um só !!! O alvo da paixão é o mesmo.
    Sou FLAMENGO desde 1953.Era do Dida.O Zico daquela época.Sempre torci pelo MENGO,mais forte nos gramados,nas quadras(basquete,vôlei),piscinas(polo aquatico),regatas,(Lagôa),e até atletismo,(Jose Teles da Conceição,Sebastião Mendes,etc).Acho que assim é que deve ser.
    ABS.
    SRN.

    Reply
    • Carlos meu caro, política é uma questão de consenso e momento. Eu disse uma certa vez, presidente de clube de futebol é um gerenciador de expectativas futuras, de sonhos, neste quesito deixamos de sonhar para viver uma realidade de “necessidades”, não a necessidade financeira, mas a esportiva.

      Mal comparando é como uma bela mulher casasse com um homem rico, o qual não a faz feliz.

      Reply
  13. Quem não vai querer administrar esse FLA pós smurfs e Bandeira ? Queria ver quem queria administrar aquele rombo de 750 mi ? Tratar o peixe ninguém quer, mas comer o peixinho assado eim,não falta candidato.
    O futebol brasileiro caminha para um estreitamento cada vez maior das perspectivas.

    Reply
  14. Eu colocaria esse time para FATURAR $$$$ no Brasileiro mandando johos fora.
    Todos sabemos que nossas chances de título se esgotaram. Sendo assim eu começaria a MANDAR jogos fora para GANHAR DINHEIRO já que o título já foi. Pelo menos poderiamos vencer financeiramente.
    A diretoria fez o sacrificio de manter os jogos no Rio para POUOAR os JOGADORES e eles NÃO CORRESPONDERAM o desempenho despencou em ritmo de time rebaixado.
    Coloquem esse time para RENDER $$$$ ao FLAMENGO.

    Reply
  15. Havia esquecido que ELES haviam criado essa proibição para barrar o CRESCIMENTO do faturamento do FLA. Obviamente atras de uma bela desculpa de manter a competitividade.

    Reply

Comente.