A polêmica do momento

(Reprodução da TV)

Abro espaço no nosso mundo rubro-negro pela enorme curiosidade de saber a opinião dos queridos amigos do blog sobre o que reputo como a polêmica do momento.

Um tempinho atrás, o zagueiro do São Paulo, Rodrigo Caio, levantou todo este tema, quando, através de uma confissão “ao vivo e a cores”, fez o arbitro do jogo voltar atrás e reconsiderar o que havia marcado.

Ontem, o corintiano Jô fez o gol da vitória sobre o Vasco, conduzindo a bola, no toque final, com o antebraço, para o fundo da rede. As imagens conseguiram flagrar o diálogo de Jô com um jogador do Vasco, onde fica claro que o atacante corintiano afirma que havia feito o gol com o peito. Nas entrevistas posteriores ao jogo, ele já saiu pela tangente, dizendo que não se lembrava de que parte do corpo utilizara para colocar a bola pra dentro do gol.

Hoje, no Globo, Paulo Cézar Caju, por quem tenho carinho especial, criticou a postura de Jô, afirmando que a não confissão dele ao árbitro era apenas uma sequência da falência moral que estamos assistindo no país.

Parei muito para pensar sobre o tema. A primeira dúvida é se devemos estabelecer um paralelo nas atitudes que tomamos na vida com a que ocorre dentro de um campo de futebol. Por exemplo: Se você recebe de troco uma quantia bem maior do que deveria e, verificando isso, não acusa o fato, é a mesma coisa que fazer um gol com a mão e não confessar ao árbitro?

Voltando ao jogo de ontem. Como reagiria o torcedor corintiano se, o gol da vitória tivesse sido anulado pelo fato de Jô ter confessado que usou o braço? Jô seria exaltado ou execrado? Querem saber? Acho que a postura de Jô, não acusando o fato, tem tudo a ver com as consequências que teria de assumir junto ao seu torcedor, além do fato de não ter sido desta forma que Jô foi criado no mundo do futebol.

No fundo, estamos vivendo um momento de enorme contradição entre o que, quando meninos, aprendemos, e o que se pratica nos dias de hoje. Quando criança, era inimaginável se dedurar alguém, fosse pelo que fosse e, principalmente, em caso de se tirar vantagem pessoal ao entregar alguém. A porrada comia e não era pouca.

O exemplo disso é um filme antológico, “Perfume de Mulher”, com uma interpretação divina de Al Pacino que, na telinha, era um coronel aposentado que, com a intenção de se suicidar, decide gastar todo dinheiro que economizara nos melhores prazeres da vida e, como era cego, contrata um jovem para ser o seu guia nesta procura pelo prazer e, ao mesmo tempo, despedida de vida.

O final do filme é um discurso épico do Coronel contra figuras importantes de uma universidade que incentivavam uma delação. Se o seu guia delatasse, teria sua bolsa de estudos garantida. Se não, seria expulso. Ali, o Coronel indaga se era assim mesmo que aquela universidade pretendia formar e moldar o caráter daquela juventude, que iria crescer aprendendo a ser covarde e pusilânime.

O coronel ganhou a batalha no filme, mas perdeu na vida real, pois na terra do Coronel nasceu a famosa “delação premiada”, onde virou moda dedurar em benefício próprio. Alguns juristas poderão defender a tese, afirmando que alguns criminosos foram desmascarados graças a este artifício e, é verdade. A pergunta é: Quem está com a razão, o Coronel, defensor da ética humana, ou o resultado prático no combate ao crime, custe o que custar, inclusive a derrocada da ética humana?

No futebol, lá atrás, onde havia mais humor, imperava a “boa malandragem”, onde nas mesas de botequim se ouvia com frequência um torcedor dizendo para o outro: “quero ganhar do seu time, no último minuto, com um gol de mão e, em impedimento!!!”.

E foi assim que Jô cresceu, ouvindo este tipo de coisa uma infinidade de vezes e, provavelmente como torcedor, dizendo o mesmo. Como é que uma pessoa é criada de uma forma e, se exige dela uma reação antagônica a tudo que ao longo da vida ela aprendeu?

Não acho que o mundo lá atrás era desprovido de caráter. Muito pelo contrário. Acho que os valores de antes eram muito mais assimilados do que os de hoje. Talvez, ou melhor, com certeza, havia mais retidão de caráter, de respeito, de disciplina, de amor ao próximo e à própria vida. Havia mais humor. Muito mais… Nada era levado tão a sério e futebol era paixão e prazer. Hoje, se resume à mesma paixão e a uma violência sem limites.

Fica no ar a questão: Com quem ficamos? Com o passado, inflexível na retidão de caráter no dia a dia do ser humano, e permissivo às ”malandragens” do futebol? Ou com o presente, onde a retidão de caráter no dia a dia não é tão importante desde que ajude a combater a criminalidade? Ia esquecendo: e com o futebol, obrigatoriamente, verdade pura?

Convenhamos. O tema é intrigante e profundo. Duas perguntas diretas:

  1. Se você fosse o Jô, confessaria ao árbitro que o gol foi com o braço?
  2. Para ter algum tipo de benefício, você delataria alguém?

 

1 Comentário

  1. Respondendo aos amigos Nino, Carloto Jr e Luis Carlos Souza Nunes sobre o post anterior:

    Carloto e Luis,vocês estão corretos sobre Diego, querem alguns exemplos de “camisas 10” que dão assistências e triangulam com os companheiros?

    Jadson – Corinthians
    Rodriguinho – Corinthians
    Moisés – Palmeiras
    Éverton Ribeiro – Flamengo
    Arrascaeta – Cruzeiro
    Douglas – Grêmio
    Guilherme – Atlético PR
    Conca – Na era Fluminense

    Já Diego é meia de condução de bola, estilo Robinho,conduz e chuta.

    Isso para mim sempre foi muito claro,os números dizem!

    Nino,não conheço a região onde ficaria o estádio,mas as vezes que passei pela Av. Brasil não vi essa quantidade de favela que vc falou,talvez em regiões mais periféricas,nos morros,mas na Avenida em si,não vi tanto. Eu já fui em Itaquera,acompanhar um primo corintiano no campeonato paulista, o lugar é longe do centro,isolado,perigoso,com marcas do PCC nas paredes, lugar decadente,infelizmente, bem diferente dos bairros centrais de SP,com tudo isso o estádio funciona super bem, por qual motivo não funcionaria numa Avenida expressa com BRT,próximo do centro econômico da cidade,próximo de aeroporto internacional,rodoviária,etc…???

    Mesmo assim não acredito em construção de estádio,infelizmente,acho que isso é para colocar pressão no governo para liberar o Maracanã, insistem em brigar por algo que jamais será nosso,um patrimônio público e deficitário!

    Parabéns ao Altlético-MG que terá sua casa!

    Reply
    • Daniel G

      Assunto terreno do propenso futuro estádio:

      Bem, eu conheço razoavelmente bem a região por passar de carro inúmeras vezes no local através de décadas, seja na Avenida Brasil (por de frente do terreno), seja na Linha Vermelha (por de trás do terreno), já tendo inclusive caminhado a pé pelas proximidades da região.

      Não bastasse isso, recorri a localização exata do terreno no Google Eart, pois algo havia me dito que provavelmente o terreno era de localização CRÍTICA em termos de segurança.

      Isto feito ficou claro para mim que meus temores e reservas tinham fundamentos, principalmente para quem já pegou engarrafamentos com assaltos e tiroteios na Linha Vermelha.

      A proximidade da mega Vila do João é ímpar…São literalmente terrenos vizinhos, separados apenas por um córrego.

      Existe tbm uma proximidade de não mais de 2k da Comunidade de Manguinhos, entretanto faltam-lhes vias de acesso direto entre essa comunidade e o terreno, mas é caminho que se pode perfeitamente ser percorrido a pé, ou por São Cristóvão ou pela saída da Linha Amarela.

      Já a comunidade da Maré é sub-sequente a Vila do João, entretanto não é uma comunidade tão grande assim.

      Existe ainda a comunidade da Barreira do Vasco, a não mais de 2km do local, e uma outra comunidade mais escondida na zona portuária de difícil acesso ao local do terreno.

      Estudos estão sendo feitos por pessoal gabaritado no assunto e é essa conclusão que os caciques da Gávea estão esperando para concluírem a compra, ou não.

      Reply
      • Amigo 90% do Rio de Janeiro tem proximidade com área de risco.
        Em outros países é normal pegar uma área pouco valorizada e levar um estádio ou algo parecido e atravez da construção levar desenvolvimento para a região,exemplo mais claro seria Barcelona onde a área em que ficou a maior concentração dos jogos olímpicos da época era a área mais perigosa,coisa que o próprio Rio de Janeiro tentou fazer com relativo sucesso na zona portuária.
        Eu sou um grande entusiasta que se aprove a construção do estádio nessa área,que é próxima a tudo,e com custo segundo especialistas excelente!!

        Reply
        • Villi, esta conduta de se generalizar é ruim para os contras e os a favor do projeto!

          O Rio de Janeiro é uma cidade de especificidades, não é preciso ser MALANDRO para se andar na cidade, mas é preciso saber ONDE SE ANDA, e COMO SE FALA.

          Isto posto, quero apenas relembrar-lhe uma não tão distante história da construção da Linha Vermelha que atravessou a Vila do João, o qual tiveram suas obras paradas, imobilizadas, atrapalhadas e coagidas pelo tráfico na região. Existiu até negociação dos COMANDOS com canais do Município em atendimento às revindicações dos comandos de tráfico!

          Seria muito inocente imaginar que o clube, caso parta para essa LOUCURA, que não vá cair REFÉM das ações dos comandos dominantes da área, nada mais natural.

          E isso não só na construção, mas tbm na operação do estádio comumente!

          Imagina que tipo de exigências o clube poderia se colocar como refém? Imagina se em dias de jogos houverem salvas de tiros de fuzis como forma de coação ao clube?

          O clube tem que pensar tudo isso direitinho, e isso tudo para quê? Para levar torcedor de poder aquisitivo a aquela região?

          Francamente….

          Reply
          • O terreno é tão oportuno porque simplesmente não VALE NADA!
            Todos os empreendimentos industriais, comerciais de médio ou pequeno porte na região fecharam nestes últimos 20 anos.

            São industrias (de sabão por exemplo), concessionárias de veículos, postos de gasolina, pequenos galpões de transporte e estoque de mercadoria, Polo Cinematográfico.

            O único estabelecimento que funciona nas proximidades do terreno em escala é o Cemitério do Caju (tem isso ainda).

            A região possui literalmente uma PRAGA (violência, assaltos, saques) que dizima a viabilidade econômica no local.

          • Nino,
            Mas o fator de custo do terreno também tem que ser observado, ora. De onde vão tirar dinheiro para comprar o caríssimo terreno onde funcionou a “Terra Encantada”? Eis a questão: Viver de ilusão encantada na Barra ou buscar a realidade na Av.Brasil?

        • Mesmo estando rodeado de areas de risco existem areas piores e melhores. Alem disso, muito dificil comparar o “perigoso” da Europa com o RJ. Moro na Europa, ja fui a algumas “quebradas” aqui e nao tem nenhuma comparacao como Rio. Aqui parece jardim de infancia. Tem que se ter muita atencao com o aspecto do risco nessa regiao onde o Fla analisa construir o estadio.

          Reply
          • Amigo Ariel, o irmão ai citou a famosa recuperação da “área portuária de Barcelona”.

            Quem quer que já tenha ido a Barcelona sabe que nada naquela cidade pode ser comparado ao Rio, ou qualquer cidade da América do Sul, EM NENHUM GRAU!

            Barcelona é uma miniatura de Paris, uma cidade turística européia, praticamente uma cidade temática, praticamente um play-ground de adultos turistas (toda cidade é em prol do turista).

            Favela? Carros populares, moradias de sub-existência? Nada disso existe em Barcelona, onde os pobres lá andam de Opel Astra, Honda Civic, vão ao estádio de terno e sapatos pretos…tudo classe média européia, outro mundo.

          • Amigo já fui a algumas vezes à Europa e especificamente a Barcelona,e o que quero mostrar que é comum acontecer em outros países e relação ao ônus que é levar grandes investimentos a áreas menos valorizadas.
            Agora vcs devem estar de brincadeira querendo comparar a realidade nua e crua de cidades da Europa com o nosso Rj.
            Moro no Rio e sou um bom conhecedor na minha cidade e na MINHA OPINIÃO,trata se de uma área perfeita relacionada a deslocamento e com ótima localização no ponto de vista a proximidade a aeroportos,shopping,e centro e zona sul da cidade e melhor situado do que todos os terrenos levantados como Deodoro,Guaratiba e outros.
            Agora me diga que São Januário está bem localizado?no coração da favela e sem acesso a nada.
            E vejo como um marco na nossa história se realmente isso vier a acontecer.
            Isso é questão de minha opinião,portanto não tentem abrir um outro debate onde a questão colocada não foi essa.

          • Vili, nao acho que Sao Januario deva servir de referencia. Acredito que em termos de acesso nao seria tao ruim, concordo. Entre o aeroporto internacional e a rodoviaria, colado na Av Brasil onde dizem sera construida uma estacao de BRT em frente ao terreno do estadio. Meu ponto aqui eh tao somente seguranca. Eh um local bastante complicado. Acho que o conceito de revitalizacao de areas “degradadas” nao eh bem o caso nesta situacao. O problema aqui eh violencia nos niveis mais altos. Como disse, acho que o ponto seguranca tem que ser o principal neste momento de avaliacoes por parte do Fla (alem das obviedades de transporte, terreno, licenca ambiental, etc.). Ja passei ali varias vezes quando morava no Rio – eh bem pesado. Caso decidam pela construcao, estarei na torcida 101% pra que seja um sucesso. Abs! ps:desculpe a falta de acentuacao

  2. Grande Kleber, sem dúvidas a primeira opção! Confessaria ao árbitro com certeza!! Os jogadores precisam ajudar os árbitros e, assim, praticamente aniquilar os erros de arbitragem! Se os jogadores fossem honestos, não precisaria da tecnologia para muitos lances. Hoje, jogador toca claramente por último na bola em um lateral e levanta a mão prontamente pedindo lateral para seu time. Sou a favor da honestidade sempre, não apenas em lances capitais como esse do Jô! Vale pra TUDO na vida! Abraços e SRN

    Reply
  3. Sou torcedor do Flu e gostaria de ter a permissão de dar um pitaco. Acho uma hipocrisia fazer uma analogia entre “a vida dentro de uma partida de futebol”, que é uma guerra, no bom sentido, e a vida do cotidiano. Tentar correlacionar caráter de jogador dentro e fora de campo é perigoso. Dentro desse raciocínio pseudo moralista de que todo jogador deve fazer um “mea culpa” por um eventual ERRO DA ARBITRAGEM, o Nilton Santos, como muitos jogadores, seria mau caráter, já que na Copa contra a Espanha ele faz uma falta dentro da área e dá um passo a frente pra despistar o arbitro. E se um reporter perguntasse a ele, logo após o jogo sobre o lance ? E quantos jogadores honestos fora de campo não usaram da malandragem dentro de campo? A função da arbitragem é exatamente pra isso; apitar o jogo e coibir a tal malandragem. Pelo efeito cascata, então, todo torcedor que comemorar gol ilegal é mau caráter. Quanto ao lance em si, pelo movimento da cabeça, é nítido que o Jô tenta cabecear a bola, quase dentro do gol; não alcança a bola e ela toca no bíceps do atacante, que fica junto ao peito. Daí ele ter dito que nao tinha certeza se tocou no braço, já que ele visava cabecear a bola. Quanto à honestidade do Rodrigo Caio, o contexto foi totalmente diferente. Reflitam !

    Reply
  4. Caríssimo e amado KL.

    Para início de conversa estamos falando de um autêntico CAMISA 9, UM VERDADEIRO ARTILHEIRO, com pedigree e tudo, FANTÁSTICO o que o Jõ vêm fazendo este ano no Corinthians, sou fã do cara! Atenção, Jõ não é um doublê, um fake de atacante camisa 9 como um certo afamado peruano!

    Isto posto algumas considerações e isenções devem ser feitas por favor!

    Uma coisa eu aprendi como homem, que é impossível mudar a natureza de um ser humano, e a natureza do Jô é ser artilheiro, incondicionalmente, impiedosamente, BRrraaavooooOOOO!

    A mão do artilheiro em outras épocas poderia ser chamada de a MÃO DE DEUS, mas o histórico do Corinthians atualmente e seus envolvimentos políticos/econômicos estão mais para o INFERNO do que para o Céu!

    Mesmo assim, não é possível atribuir culpa ao Jô por usar o seu instinto de finalizador…sim, o movimento foi naturalmente instintivo de um grande artilheiro…..eles, por serem o que são, tem ESSA NATUREZA.

    Se erro existe, ele deve sim de fato ser imputado a NÃO VERDADE NAS DECLARAÇÕES DO JOGADOR, deveria ele ter dito: “SIM, INSTINTIVAMENTE COLOQUEI O BRAÇO NA BOLA”, “PEÇO DESCULPAS A TODOS, MAS ESSE É MEU OFÍCIO, JÁ O DO ARBITRO, VER E MARCAR IRREGULARIDADES”. Como vêem, cada macaco no seu galho.

    Sabemos perfeitamente que nem esse reconhecimento seria factível, seria o mesmo que atrair a ira da comissão de arbitragem contra o Corinthians, o que parece que vai acontecer de qualquer forma. Para ser mais profundo sobre FAIR-PLAY no futebol recorro a um mestre do assunto…DÉ O ARANHA (kkk).

    Agora, o que a Federação Paulista anda fazendo por debaixo dos panos tem que ser olhado sim, como bem disse o Euriquinho, isso sim é FALTA DE FAIR-PLAY.

    Reply
    • Nino,
      Tenho certeza absoluta que Paolo Guerrero JAMAIS faria o papelão que fez o Jô e seu gol de mão, pelo simples fato de que o peruano sequer chegaria na bola… Kkkkk

      Reply
  5. Caro Presidente, se fosse para confessar, então pq ele meteu a mão na bola? Seria mais fácil ele deixar a bola passar. Isso tudo vem de longe, uns ficaram até famosos com os gols auxiliado pela mão. Quem não lembra de Wilton do Fluminense? Num lance de mão decidiu um Fla X Flu e ficou famoso com esse lance. Quem não lembra da mão atribuída a Deus por Maradona? E o gol de Tulio contra a Argentina ? Ainda usou o mesmo bordão de Maradona e fez o Brasil vibrar. A verdade lá no fundo, é que todo mundo quer ganhar de forma legal, de forma incontestável. Mas um erro de arbitragem sempre é bem vindo a quem se beneficia. Quem não vibrou no gol de Márcio Araújo contra o Vasco ? E no Botafogo com um gol ilegal que rendeu um título brasileiro ? O nosso Dé, o Aranha, até atirando gelo na bola fez gol. Essas são algumas histórias de gols ilegais que me vieram a cabeça e fizeram a alegria de muitos torcedores. E muitos gols ilegais e decisivos continuarão acontecendo. Que atire a primeira pedra quem não vai comemorar.

    Reply
  6. Parabéns ao Atlético/MG,vai construir SUA casa, SEU alçapão, poderá aprimorar o programa de sócios torcedores, lucrar e transformar seu estádio num lugar temido para os rivais com duas muralhas de torcedores no Norte e no setor Sul,um belo estádio com as cores do time mineiro. É um bem para a vida toda de um clube.

    Corinthians e Palmeiras gozam de grande sucesso financeiro e técnico em seus domínios,sem precisar de burocracia.

    Que o Fla siga o mesmo caminho e largue do deficitário e burocrático Maracanã, que NUNCA foi e NUNCA será do Fla,é um patrimônio público e cheio de entraves. Que o Maracanã que é do carioca,do brasileiro, fique reservado para os clássicos do Rio e para a nossa seleção!!!

    Reply
    • Daniel G.
      Isso mostra o quanto o Flamengo e o times do RJ estão atrasados. No ano passado a festa foi pela inauguração do CT, que embora seja uma enorme conquista, é algo que todos os clubes de SP, MG, SC e RS já tinham…

      Outro dia li a notícia de que o Botafogo iria comprar um CT, e na entrevista o Dirigente dizia que aquilo seria uma vantagem ao Botafogo nos campeonatos. No Flamengo o papo foi o mesmo no ano passado. Para um leigo que estivesse lendo a matéria, pareceria que o dois clubes estavam sendo pioneiros em projetos de CT…

      Infelizmente acho que o Flamengo jamais terá estádio, ficaremos sempre dependentes deste casamento falido com o FRIO NewMaracanã, que após as obras virou um estádio neutro, ninguém tem medo de jogar lá. Se o público for menor do que 25 mil então, é desolador e constrangedor jogar naquele elefantão… Isso sem falar nas questões financeiras, já que na atual configuração é um estádio extremamente deficitário.

      Reply
      • Daneil,

        O terreno que os irmãos Sales compraram e arrendaram por 50 anos com opção de compra ao Botafogo é uma imensa área recreativa, possui alguns campos de jogos de diversos tamanhos e alguma estrutura física de prédios no local, porém esta longe de ser chamado de CT, que possui equipamentos bastante específicos.

        Qto ao nosso estádio, de fato a direção do clube quer o Maracanã, mas esta com a faca e o queijo na mão para adquirir diversos terrenos a sua escolha, inclusive o caro terreno da Terra Encantada, que sofreria uma permuta fácil com o terreno do Morro da Viúva.

        Reply
  7. Kleber, o que eu acho, é q não é só o futebol q está chato, é toda sociedade, estamos vivendo uma era de muita mídia, muita informação, o tal dá rede social, principalmente através do Facebook e ZAP tá um saco, muita gente querendo destaque, muita opinião, entrando na vida alheia, expondo sua própria privacidade, misturando vários assuntos,como por exemplo o futebol com a dignidade, em ser ou não um cara honesto, enfim tá muito chato. O futebol sempre foi assim, gol de mão, impedimento, falta no goleiro, e isso sempre fez parte do futebol, aí vem a TV e mostra q não estava na banheira, tinha um outro jogador q dava condição, ou a TV mostra q a bola bateu na mão, e por aí vai. Já vi meu Flamengo perder do Fluminense com gol de mão do Wilton, dia seguinte a polêmica foi ou não foi, até hj se fala no Gol do Maurício se empurrou ou não o Leonardo, isso faz parte , por isso futebol sempre foi minha paixão, a gozação, a discussão, é isso não tem nada haver com a dignidade aqui fora, eu não tenho coragem de ficar com um troco que a menina do caixa me deu a mais, mas na minha pelada faço um gol empurrando um peladeiro e juro q não foi nada, aí começa a resenha na hr da cerveja , entende. Estava agora ouvindo o De Aranha na Rádio Globo, ele falando de lealdade no jogo, quem é o nosso De Aranha p falar isso, o cara jogou areia no olho de goleiro p fazer Gol. Enfim, futebol ficou chato por causa da TV, então acho q passe realmente p tirar dúvidas eletrônicamente e pronto,p q da não dá mais é o cara querer q o juiz e o bandeira acerte um impedimento de 10 cm e no dia seguinte chama os citados profissionais de ladrão q só rouba p Flamengo e Corinthians, tá um saco isso aí!

    Reply
  8. Caro Kleber , acho que o princípio de toda essa mudança cultural, social e ideológica principalmente aqui no Brasil é fruto de estarmos mergulhados na era do capitalismo , e aqui em nosso país essa mudança está causando uma enorme confusão . O freio das questões religiosas e éticas foi abandonado. Está todo mundo mergulhado na “racionalidade” do prazer do consumo .Como um jogador que ganha uma fortuna e é expoente de um negócio milionário vai agir de forma contrária a lógica da sua própria ascensão social ? O futebol é um belo exemplo de como as coisas ganharam em “seriedade” , o que alguns chamam de profissionalismo e perderam em magia , emoção e sensibilidade. Vivemos num país em que ser honesto é ser tolo , infelizmente esse é um processo que poderá ser equilibrado mas demorará séculos . Como dizia seu amigo Lulu…” a humanidade caminha a passos de formiga” . Nós que vivemos outra época sabemos que o futebol perdeu muito de sua essência e alma. Quanto ao Jô, tolice e até covardia crucifica-lo, ele é mais um produto do meio.

    Reply
    • Pedro meu caro!

      “Quanto ao Jô, tolice e até covardia crucifica-lo, ele é mais um produto do meio”

      Se formos nessa linha de pensamento, então decretamos o fim do futebol.

      Futebol não é um ajuntamento necessariamente de bons moços pregando o desenvolvimento humano, seja na esfera da moral ou dos bons costumes.

      Futebol reflete parte de nossa sociedade, reflete a educação do nosso povo, para falar minimamente.

      Pelo que eu me lembre, casos de exemplos de honestidade esportiva são raros, até mesmo na Europa, até mesmo a Inglaterra, pais de pouca densidade populacional, alto poder aquisitivo e algo grau de escolaridade.

      Reply
  9. É aquela coisa, time grande geralmente é beneficiado pela arbitragem. Vejamos:

    Corinthians x Flamengo – Flamengo ajudado!
    Corinthians x Vasco – Corinthians ajudado!

    Reply
  10. Pedro Cesar, amigo,
    É isso aí! Simplesmente, perfeito!!!

    Sergio, amigo,
    Você tem razão. O futebol está ficando chato. Iria um pouquinho mais longe. Chato e hipócrita.

    Abração.

    Reply
  11. Caro Kleber e amigos, a evolução tecnológica elevou substancialmente o nível das competições e complicaram muito a vida dos árbitros de futebol. A Rede Globo, por exemplo, tem câmeras espalhadas por todos os lados do campo e num piscar de olhos já mostra se houve ou não irregularidade no lance. As vezes nem os ex-árbitros que lá comentam conseguem dizer prontamente se o lance foi irregular ou não, e na maior cara de pau dizem querer ver o replay para se posicionarem. Agora, caramba, tem os juizes lá dentro do campo essa opção? Esperar a honestidade e a sinceridade dos jogadores não é algo que os árbitros esperam, pois sabem que poucos, ou nenhum, falaria a verdade, isso, se falariam. Rodrigo Caio mostrou ser uma pessoa diferente nesse mundo, mas não podemos dizer que Jô é um mau caráter somente por ter faltado com a verdade. Isso é consequencia do meio que vivemos. O amor ao próximo quase não existe mais e logicamente isso afetou, na maioria das pessoas, a essencia de ser verdadeiro e honesto na vida. Todos passaram a achar tudo “normal”. Enganar é ser esperto, ao passo que falar a verdade é ser um otario. Os valores morais, grande Kleber, você sabe bem disso, estão falidos em nossa sociedade. Obviamente que há exceções, mas a regra é clara, como diz o bordão do Arnaldo, o mundo de hoje ignora os bons modos e a honestidade. Lembra do antigo comercial do canhotinha de ouro: leve vantagem você também, que ficou nacionalmente conhecido como Lei de Gerson? Outro exemplo fácil de citar é o que acontece a todo momento durante os jogos. O jogador é tocado e cai gritando e rolando de dor como se tivessem lhe quebrado alguma parte do corpo. Mas logo em seguida está de pé e “milagrosamente” curado. Cadê a ética aí também? A verdade é que os jogos estão cheios de malandragem e muito pouco futebol por aqui. Esse dilema ainda vai durar muito tempo. Infelizmente!

    Reply
  12. Caro Kleber, esse tema abrange aspectos mais amplos e profundos.
    Vivemos um momento em que os valores de formação do indíviduo foram destruídos. Isso abrange desde o mais simples cidadão até as mais altas esferas da sociedade, com raras exceções. Pior, é contagiosa e basta a ocasião e a oportunidade para que o sujeito, que antes defendia práticas honestas, passe para o outro lado.
    A modernidade esfacelou o tripé básico de formação da sociedade: Familia, Igreja, Escola.
    FAMILIA – Era na família que aprendíamos, às vezes a duras penas, os valores da ética, da honestidade e da retidão de princípios. Hoje, com mais de 60% dos lares desfeitos até 5 anos e/ou onde ambos os pais precisam trabalhar para prover o sustento, temos as crianças sendo “educadas” pela televisão, pela internet (onde tudo pode), ou por pessoas sem o compromisso de educar. Temos então, pais e mães com a consciência “carregada” que quando podem estar com os filhos, no pouco tempo que lhes restam, concedem-lhes tudo. Vemos então, pessoas se formando sem noção de limites que, no dia a dia, não respeitam pessoas, regras, leis e direitos alheios.
    IGREJA – ninguém é obrigado a ser ou seguir determinada religião. O credo é livre. Porém, quando éramos crianças-adolescentes, era na escola dominical, no catecismo e outras, que começávamos a formar a diferença entre o bem e o mal. Isso a igreja plantava com raízes fortes. Hoje, as crianças aprendem que o mal é bom. Brincam de matar nos games e que o bandido nunca vai ser pego, a não ser que seja preso.
    ESCOLA – a escola de antigamente, tinha função única e exclusiva de instruir o individuo, dando-lhes conhecimento sobre ciencias humanas, exatas e biológicas. Educação era tarefa da família. Hoje, isso está invertido, justamente pela ausência dos pais. Então, muitos professores se veem com a missão de disciplinar, educar e muitos acabam espancados em sala de aula por alunos que não conhecem limites nem grau de respeito ao proximo.
    Vivemos numa sociedade em que tudo pode, desde que não nos atinja. Não há limites e tudo é liberado e quem defende valores mínimos, é taxado de preconceituoso. E temos agora mais um terrível dilema: a ideologia do gênero, para o qual, coloco o link com a brilhante exposição de Alexandre Garcia sobre o tema: https://www.youtube.com/watch?v=LorbuSHGDhE
    Não creio que o Jô seja causa para debates. Ele é apenas resultado do meio que vivemos, onde pessoas furam filas, estacionam em vagas de idosos, não respeitam pedestres, não devolvem o troco que veio a mais e praticam pequenos delitos todos os dias. São essas mesmas pessoas que gritaram nas ruas “Fora Dilma”e que agora gritam “Fora Temer”. São essas mesmas pessoas que criticam as malas do Gedel e elegeram o Cabral como o algoz-mor. Mas no fundo, é uma sociedade em que todos, com raras e honrosas exceções, sofrem as consequências do fracasso dos nossos governos que, desde o império vive de golpes: nas terras, no povo e nos cofres públicos.
    A atitude do Jô não deve causar nenhum espanto. O que causou espanto foi a atitude de Rodrigo Caio.
    Abraço

    Reply
  13. Caro Kleber e amigos,tanto discussão porque simplemente o árbitro de linha de fundo,o chamado “vigia”,não viu(?) o toque de antebraço do Jo.
    O cara é cego ou deixou para o juiz principal a decisão.
    Quanto ao Jo fêz o péssimo papel de “jogATOR” !
    ABS.
    SRN.

    Reply
  14. Bom dia…
    Eu não confessaria ao arbtitro, mas tambem nao mentiria nas entrevistas ao final do jogo. Falaria que a bola bateu na mão invluntariamente, e quem tem que marcar esse tipo de lance é o juiz.

    Por outro lado o Jo deveria sim ter assumido o erro no momento, pois em episódios anteriores ele se fez de bonzinho e disse que se esse lance ocorresse com ele, iria sim dizer a verdade e não foi isso que aconteceu.

    Nesse caso faltou mesmo caráter ao Atacante corintiano. E nesse momento deve estar envergonhado com o fato.

    Abraço.

    Reply
  15. Se formos pensar em construir estadio em área sem risco no Rio, devemos faze-lo em outro Rio que nao o de Janeiro. Não sou favoravel á construção de Estadio e sim de administrar o Maracanã e la fazer uma área para cobrar ingressos mais baratos. Se no Rio temos o Maracanã abandonado, por que não entregue a uma parceria Flamengo e Fluminense? Vão dizer mas todos os clubes….conversa, Maracanã precisa do Flamengo e o Flamengo precisa do Maracanã. Se daqui 30 anos for necessario um novo estadio que construam. Agora que estamos deixando de ser relapsos em nossas dividas, por que arriscar? Não há certeza que teremos um novo Bandeira na presidencia, não esqueçam nunca o que era antes dele.

    Reply
  16. Quem sugeriu um TERRENO MELHOR para nosso estádio ? Quem sugeriu sequer 1 ?

    Aproximadamente 8 meses atras eu varias vezes sugeri AQUI que comecassem a postar SUGESTOES de TERRENOS para que nossa diretoria pudesde avaliar. IGNORARAM totalmente. As crontribuiçoes geralmente se resumem em APENAS CRITICAR TUDO ?

    Quem sugeriu um terreno melhor para que agora tivesse MORAL de criticar ?

    Eu tenho o principio que só PODE criticar que faz/fez MELHOR.

    As criticas deveriam ser assim:

    “Esse terreno é RUIM pois tem OUTRO ali que se logaliza em tal LOCAL, tem tamanho TAL, CUSTA X, e tem tais VANTAGENS … “

    Reply
    • FLAD+, sugiro que quem fala do terreno do futuro estádio do Flamengo pesquise as áreas onde foram construídos os parques olímpicos de Sidney e Londres. O de Sidney era um lixão. Fizeram o parque olímpico e hoje é uma área super valorizada. O de Londres era uma favela e hoje há vários prédios, moradia da classe média.

      Reply
      • Henrique, obviamente vc não é carioca, não ora no Rio, ou nunca saiu da Zona Sul ou Barra.

        Se fosse frequentador da Zona Norte saberia muito bem que aquela área é virtualmente IRRECUPERÁVEL, por vários motivos, o principal é que não existe viabilidade econômica para projetos sociais por parte do estado/município, menos ainda, não existe VERBA para segurança no estado do Rio, com médicos, enfermeiros, policiais e professores RECEBENDO SALÁRIOS ATRASADOS!

        Ai vc me fala de Londres e Sidney cara? Não dá né?

        Reply
    • Toma um chazinho ai querido! Tá nervoso a toa, fica calmo ou então para filho!

      Respondendo a sua pergunta:
      – Terreno na Avenida Brasil é opção fake, é jogada de estratégia, que atende tanto ao projeto Maracanã quanto ao terreno viável, que é o de propriedade da Cirena na Barra da Tijua, ex-Terra encantada.

      Ficou calminho algora? Tá nervoso a toa.

      Reply
      • Nino,
        De onde o Flamengo vai tirar dinheiro para comprar o terreno da Terra Encantada? Embora não tenha conhecimento do mercado imobiliário, certamente o do ex-parque deve valer bem mais do que o dobro do terreno da Av.Brasil…

        Reply
        • Falei mais que o dobro?
          Na Av. Brasil o terreno havia sido avaliado pelo judiciário pelo valor de R$ 157 milhões, endo certo que não houvera lances no Leilão… Diante disso, entendem que o valor da venda direta ao Flamengo será bastante inferior…

          Por sua vez, o terreno da Terra Encantada, segundo o Globo: “O cenário de crise, no entanto, atrapalhou os planos das empresas Queiroz Galvão e Cyrela, que há três anos desembolsaram cerca R$ 1,5 BILHÃO pelo terreno…” Só o terreno é mais caro do que a superfaturada obra do Maracanã!

          https://oglobo.globo.com/rio/parque-terra-encantada-demolido-mas-futuro-do-terreno-ainda-incerto-19054387#ixzz4t9z0A91w
          stest “

          Reply
          • Diego, se vc estiver saindo de uma Ponte Aérea entre o Rio e SP vai sobrevoar a área litorânea da Zona Oeste toda, Barra e Recreio. Então, vc vai ficar abismado com a qde imensas áreas ainda verde disponíveis no local.

            Na própria Avenida Ayrton Senna, onde se situa o terreno do Terra encantada existem pelo monos umas 4 opções de terreno disponíveis.

        • De fato Diego, o Terreno Terra Encantada foi comprado a três anos por 1.5bi pela Construtora.

          O que torna o projeto no local virtualmente inviável! Concordo.

          Principalmente pelo fato que o clube orça a construção do atual estádio em cerca de 450mi.

          Mas ressalto que existem outros terrenos, tanto na Barra da Tijuca como de melhor localização (mais seguro) na própria Avenida Brasil.

          Sou taxativo, construir estádio ao lado da Vila do João não dá!

          Reply
          • Nino,
            Pelas notícias, dos 42 terrenos apenas 4 foram os “finalistas”. Dentre eles, um na Barra… Talvez o da Av. brasil tenha sido o mais fácil de atuar como “blefe” contra o Estado do RJ e a situação Maracanã, pelo fato de o proprietário estar em processo de falência.

            Saberemos isso só no ano que vem…

  17. SUGESTOES de terrenos MELHOR ainda podem ser feitas. O FLA ainda não comprou o terreno e ainda está PROCURANDO opçoes MELHORES, caso apareçam. SE APARECEREM !!

    Quem conhece um TERRENO melhor ? ONDE ?
    QUANTO CUSTA ?

    Será que milhoes de FLAMENGUISTAS não conseguem achar um TERRENO ?

    Vamos ajudar o URUBU REI a encontrar um local para seu ninho.

    ACORDA NAçãO RUBRO NEGRA!!! A alvorada chegou. Não estão ouvindo o gigante chamar ?
    ACORDDDAAAAAA NAçãO !!!!!!!

    Reply
  18. Sugestão,claro passível de análise.
    GASÔMETRO-RJ
    Àrea:119 mil metros quadrados.
    Localização:Av Francisco Bicalho,São Cristovaõ.
    Perto da Rodoviaria.Porto Maravilha.Av.Brasil.Viadutos.Pça.da Bandeira.Acessos zonas Norte,Sul,Centro.
    Pode ser uma idéia para verifcação.
    ABS.
    SRN.

    Reply
  19. Prezados,
    No direito penal, em exato nos estudos da criminologia e sociologia do crime, existe a denominada dinâmica emocional do desvio, que observa dinâmica emocional e cultural que o envolve o fato criminoso…

    O Jô estava jogando no estádio do Corinthians, com grande presença de público. A partida estava no segundo tempo, ainda 0 x 0. Em um rápido lance, o gol e o “desvio”…

    A dinâmica emocional do gol do Jô é muito distante do lance do Rodrigo Caio (uma falta na defesa, em lance sem qualquer risco ou influência no resultado – única repercussão foi um cartão amarelo anulado).

    Naquela hora o Jô agiu como 99,99% das pessoa reagiriam, com base estritamente nas emoções irracionais…

    Reply
  20. Caro Kleber, esse problema surgiu com o jogador dos gambás, porque na epoca com o jogador dos bambis ele jogador dos gambás,falou demais e besteiras para o elogiar o jogador dos bambis,deveria ficar de boca fechada, pois futebol virou negocio e nogociatas, portanto quanto menos falar é melhor, pois todo telhado é possivel receber pedradas, os gambas sempre ganharam na mão grande.

    Reply

Comente.