Mensagem carinhosa para o Anderson e, ainda, o “chororô”…

Gérson e Pelé ouvem as instruções do técnico João Saldanha (Foto: AE)

O querido companheiro Anderson, em seu comentário, coloca que nunca gostou de ser chamado de “Negão”, pois tem nome e sobrenome. Sabe Anderson, embora eu nunca tivesse chamado qualquer amigo ou conhecido de “Negão”, já vi este tipo de coisa ocorrer, sem que houvesse um mínimo de falta de respeito ou preconceito racial.

Gérson, o nosso “Canhotinha de Ouro”, João Saldanha, Carlos Alberto Torres e Oldemário Touguinhó, como tinham total intimidade com Pelé, o chamavam, e se referiam a ele, como “Negão”. Nenhum dos quatro aqui citados era racista. Muito pelo contrário. Se havia algo em comum entre eles, era a alma pura e linda.

Áureo Ameno, talento raro do rádio, e um ser humano admirável, criou no “Bola de Fogo”, o “Negão da Cremilda”. Quando criou o personagem, quis fazer com que o ouvinte imaginasse um cara enorme, fortíssimo e bem dotado… Na criação do personagem, nenhuma maldade, nenhum sentimento racista.

Estou tentando mais uma vez dizer que o mundo mudou sim, só que, para pior e, em função disso, o nosso Anderson, que é jovem, se posiciona de acordo com o que é o mundo hoje e, com quem se convive agora.  Se a tecnologia avançou, o ser humano, na sua essência, regrediu.

Querem ver como o humor era diferente? O exemplo está na nossa casa. Por que o Urubu é o símbolo do Flamengo? Pra quem não sabe, aí está o caso típico de como se fazer do limão, uma limonada. Alguns idiotas, torcedores do “arco-íris”, cantarolavam das mais variadas formas, querendo em tom pejorativo, carimbar o Flamengo como clube dos “crioulos” (assim nos chamavam). A resposta rubro-negra, de pretos, brancos, amarelos e vermelhos, foi adotar o Urubu como símbolo do clube. Ali, matamos a pau. Com humor, sensibilidade e inteligência, derrotamos e calamos os idiotas.

Em síntese, não se passa recibo. Isto é mais velho do que a bicicleta. O pessoal do Botafogo até agora não aprendeu. O chororô sobrevive graças ao próprio Botafogo. E, pelo jeito, caminha para ser eterno.

1 Comentário

  1. URUBU Rei, a majestade.

    Eles nos pixaram com o urubismo, mas como dizem, ” DEUS escreve certo por linhas tortas.”Já falei antes dessa magnifica e REAL ave o URUBU REI, possui TODAS ae cores do FLAMENGO tanto na plumagem quanto no bico e no olho, lindamente, vermelho e preto. Opostamente ao urubu comum o UEUBU REI é grande, BRANCO em detalhes pretos e vermelhos. Uma linda, PODEROSA e majestosa ave.
    Sugiro aos flamenguistas que vejam no google IMAGENS do URUBU REI. Vale muito a pena ver as semelhanças.

    Vejam os videos dos trapalhoes antes do chamado POLITICAMENTE correto o humor e a vida eram muito mais saborosos.

    ESSE URUBU é REI.

    Reply
  2. PIOR A EMENDA ………………DO QUE O SONETO.

    Nomear Gérson, João Saldanha, Carlos Alberto Torres e Oldemário Touguinhó e Áureo Ameno só piora a situação caro Kleber.

    Você e todos os que citou não fazem a menor ideia que me refiro.

    Mas……….segue o baile, caro amigo.

    E, ainda que, eu não tenha entendido…..obrigado pela “massagem” e falemos de futebol.

    Reply
    • Que tiro é esse, meu garoto?
      Nino enche minha bola e tu fura, po!!!
      Já me apelidou até de “Nórdico de Ramos” e ainda continua acompanhando esse enterro?
      Larga mão disso!!!!
      A forma é igual, meu parceiro Anderson. Entre um gole e outro esquecemos do forno…

      Reply
  3. Verdade, Kleber. Certa vez, num Fla-Flu que estávamos perdendo, jogando com um homem a mais, gritei da arquibancada para o Cirino(!), “grande contratação” daquele ano de 2015, que recebia um lançamento pela direita: “Vai Negão! Chama a responsabilidade!”. Como sou desse tempo aí que você citou, de Touguinhó, Saldanha, Sandro Moreyra, achei aquilo normal mas em seguida senti um certo desconforto ao meu redor. Logo me recolhi e pensei: Caramba! Como o mundo esta mudado, nao ofendi ninguém, só gritei como um Torcedor normal!

    Reply
  4. Alguns RN’s foram contra a atitude do VJr, indicando que o deboche era visto como uma ofensa, endossando o coro dos botafoguenses, mas o que dizer dessas palavras ditas por Montenegro, comparada com a atitude do garoto no momento do gol. Seria uma ofensa, promessa ou ameaça ?

    “O Real Madrid não empresta seu estádio para o Barcelona e, lá, isso não é visto como amoral – afirma Montenegro. – Aliás, já está na hora do Flamengo ter seu estádio próprio. É muito feio ficar mendingando pelo dos outros. Ele até tem um agora. Mas que, pelo visto, é bem vagabundo.”

    “Acho que o Flamengo deveria tomar todo cuidado com o Vinícius Júnior. Eu sei que o pessoal ficou bastante chateado com ele. Tem que ver se o Flamengo recebeu já todas as parcelas pela venda para o Real Madrid. E você sabe como é o futebol, né? Um esporte de contato.”

    Reply
    • Robson, faltou o moço aí pesquisar(não é disso que vive?) de onde vieram os recursos para construção do “seu” Estádio, pelo qual, segundo ele, estamos mendigando. Se a pesquisa for séria, ele vai apurar que o Engenhão(isso mesmo) foi construído pela Prefeitura do Rio para o Pan 2007 e que, logo após, foi “doado” para o seu clube pelo então prefeito César Maia, botafoguense declarado, por míseros R$ 36.000,00 de aluguel. E se a Ilha do Urubu é, hoje, um Estádio “vagabundo”, imagine o que era quando o clube dele mandava seus jogos em 2016 sem Alvará. Que lástima de declaração…

      Reply
    • Robson,

      O estádio João Havellange, conhecido informalmente como Engenhão é de propriedade do Município do Rio de Janeiro, construído com dinheiro dos cidadãos dessa cidade em prol de todos os torcedores de futebol.

      Acontece que foi dado ao Botafogo o direito de administrar o estádio em seu próprio benefício, o que se sub-entende em uso próprio ou em atendimento a 3os, mediante taxas a serem pagas pelos demais clubes.

      Não lí o edital, mas se ele legaliza que esse bem do Município seja impedido de uso pelos demais clubes e torcidas, o edital não só deveria ser denunciado, bem como revogado pela Justiça.

      Reply
    • Acho que ainda não está claro que o Botafogo vetou o Boavista, mandante da partida. O Flamengo não tem nada com isso. Quanto ao Montenegro, as palavras dele são de uma (desculpem o termo) imbecilidade sem tamanho. Como pode um ex-presidente de um clube como o Botafogo falar uma coisa dessa?

      Esse gol do Vinicius Jr já teria caído no esquecimento se não fosse essa reação sem sentido pelos lados de General Severiano.

      Kléber, sobre a questão do “Negão da Cremilda”, quando o Áureo Ameno criou, era outra época, um estereótipo que hoje já não vale mais. Porém, quanto ser chamado de “negão”, eu enquanto negro, não vejo nenhum problema. Tudo depende do contexto e se você aceita.

      Eu posso mandar qualquer pessoa ir para “aquele lugar” de forma carinhosa, como posso mandar “para o mesmo lugar” de forma agressiva.

      O importante é respeitamos uns aos outros como acontece aqui. Muito orgulho de fazer parte dessa “família”.

      Abs e SRN

      Reply
      • Paulo,

        O Montenegro para ser desqualificado com “imbecil” tem que melhorar muito!

        Mas concordo que é o melhor que podemos dizer sobre esse Sr., ou melhor, nos referir a ele, “um acéfalo imbecil”, o que em si próprio já o isenta de qualquer pecado, pois é acéfalo!

        No entanto é curioso que este Sr. tenha sido presidente do Ibope, o que em larga medida dá noção em que tipo de cabeças estão postas estas empresas de formação de opinião, fato!

        Reply
  5. “O caso Anderson Negão”

    kkk para começar, meu nobre irmão rubro-negro, mas já vc vai entender.

    Logo que vc vier comigo em um pagode em Bangu, mas especificamente em Padre Miguel, notadamente em uma localidade chamada Ponto Chic, ai meu irmão, vc vai notar que ser negão tem lá as suas prerrogativas meu caro.

    Afinal com já diz o poeta: “Ser Negão no Senegal, deve ser Legal”.

    Mas vou fazer mea-culpa com vc, ser negão em apartamento em bairro classe média esta obviamente fora do contexto sócio-cultural onde o negão é rei, sem xenofobia, é claro!

    Até porque ser rico de etnia européia não é sinônimo de felicidade, como podem atestar os moradores do referido bairro da zona oeste.

    Ser negão é legal Brother!

    Reply
  6. “O caso Fuego en la mierda”, ou como preferirem, “Bosta-fogo”.

    Recorrendo ao meu (não raro) lado “xula”, imaginem os Sr. em que pressão deve ter saído essa merda incandescente? E o estado do “orifício escuso” em que ela saiu?

    A resposta é óbvia! Estão todos mal por lá, muito mal.

    Recentes declarações do CEP já colocavam o Botafogo ao mesmo nível (ou superior) de rancor do Vasco.

    Como não considero rancor uma doença física nem psíquica, mas sim uma doença da alma, somos levando com paciência as declarações destes pobres coitados rancorosos.

    Mas ao ameaçar a integridade física de um jogador, em tempos modernos, com internet e toda mídia instantânea, vimos que além de doença da alma, os botafoguenses estão no campo da doença da mente, pois isso tem nome!

    Reply
  7. Os apelidos marcaram época, uns gostavam outros não…Mas imagine se o Rei do futebol fosse apenas o Edson ? Ou o nosso Rei fosse apenas Arthur? Ou se Mané fosse apenas Manuel? Seria meio chato , não?
    Imagino como seria os dias de hoje com jogadores tipo Dé, Junior Baiano, Romário, Tulio, Edilson,R.Gaúcho, Éder,Edmundo,etc…
    Respeito a opinião de todos. Mas,Infelizmente, digo que não só o futebol vive um momento “nutella” e de extremo “mimis”, como toda sociedade. Estamos numa época de muitos direitos e pouco deveres. Estamos criando uma sociedade hipócrita e claro, isso afeta o futebol também…
    Ousadia sempre foi uma das características do futebol, mas querem acabar com isso…Enquanto fora de campo, seguem as pancadarias nos estádios e dirigentes afundando clubes em dividas e a seleção levando 7×1…
    Apenas para levantar polêmicas, assistindo ao jogo do Vasquim, confirmei que Z.Ricardo, mesmo num time sem investimentos e salários atrasados, vai se firmando como grande treinador, provando que no Flamengo o problema era mesmo o inútil R.Caetano…E, por fim, temos que admitir até o Pikachu é melhor que o Pará….
    Fora R.Caetano !!

    Reply
  8. Daqui a pouco não poderemos sorrir pois será uma ofensa a quem não tem dente…
    A ofensa é muito mais interpretação de quem ouve do que intenção de quem fala.
    Pra quem não concorda:
    Talvez eu não esteja certo no SEU ponto de vista, desculpe…
    Essa não foi MINHA intenção.

    Reply
  9. Paulo Henrique e Adriano Rocha, companheiros,
    Caramba, quanta sensibilidade… adorei ler o que as almas de vocês ditaram…
    Anderson, querido,
    Desculpe se não entendi a sua mensagem. E, tenha a certeza de que não entendi mesmo. De qualquer forma faço questão de registrar que, concordando ou discordando – e nem é o caso agora – adoro conviver com você.
    Você me soa autêntico, sincero. E, isto é o que importa.
    Fortíssimo abraço a todos.

    Reply
  10. Nem tudo são flores: João Saldanha, Gérson, Tôrres, Toguinhó e muitos outros chamavam o Pelé de negão, nada demais. Mas é certo que nos últimos anos, a questão racismo foi muito bem atacada pelos MOVIMENTOS NEGROS….Tempos em o Senhor Samuel Correa de triste memória, na Patrulha da Cidade chamava qualquer negro de “chiclete de onça” ou mesmo dava uma enfase maior quando citava ” um criouuuloooooooo!!!” em suas bobajadas no programa sensacionalista. O mundo nunca foi e nunca será a maravilha criada na imaginação de alguns, o racismo é uma evidencia no Brasil.

    Reply
    • Lemos,

      O racismo no Rio de Janeiro para cima no Brasil não é um fato papável! É uma realidade, mas que não deve ser levada tão a sério, pq de fato, não muda a vida de ninguém.

      Obviamente se um afro-descendente resolvesse assistir a uma semana de ópera de Richad Wagner no Bayreuth Festival (Alemanha), ir morar na África do Sul ou ir a uma reunião da ku klux klan (EUA) a questão seria bem mais papável.

      Reply
  11. Na minha opinião a sociedade evoluiu sim. Cresci, em casa mesmo, ouvindo frases do tipo “tinha que ser preto”, “tinha que ser viado”, “homem não entrega homem”… Não condeno meu pai nem as pessoas do tempo dele. Mas a coisa evoluiu sim e meu filho, que hoje tem apenas 8 meses, jamais ouvirá tais palavras da minha boca, e sabe porquê: coisa errada branco e preto faz, homo ou hétero faz. Agora o principal passou despercebido: “delator de execrado virou premiado”. Se antigamente se achava normal ver coisas erradas mas tinha que ficar quieto porque “homem não entrega homem”, hoje isto não cola mais, sem falso moralismo, mas não podemos mais aceitar coisas erradas e termos que ficar quietos. Isso é conivência. Homem de verdade defende o correto, o justo e é este valor que passarei ao meu filho. Outra frase antiga: “Homem que é homem não separa briga, chega dando voadora”. Mentira: Homem que é homem separa a briga e, se teu amigo estava errado, depois chama ele no canto e mostra pra ele que não deve ser feito. Agora, concordo que as coisas estão muito exageradas. Eu posso chamar o cara de “negão” sim, desde que eu sabia que ele não se importa e/ou se autointitule assim. Posso chamar de “viado” sim, desde que ele se autointitule assim. O assovio não ofende se for feito sem constrangimento. Mas esses exageros do “nada pode” é herança da extrema esquerda que tomou conta do país nos últimos anos…

    Reply
  12. Lemos, companheiro,
    No seu texto, você separou, talvez até sem querer, as pessoas de boa e de má índole. Quem discrimina, boa alma não tem.Neste tipo de gente, este espaço é ocupado, tomado, pelo ódio.
    Da mesma forma que não há como negar que o racismo no Brasil exista, também é flagrante a quantidade de pessoas que abominam esta estupidez. E, graças a Deus, este lado, o normal, cresce em progressão geométrica.
    Forte abraço.

    Reply
  13. Nino.pior que muda sim, ser achincalhado, descriminado no trabalho, ganhar muito menos que os brancos pelo mesmo serviço muda e muito. Já trabalhei com intermediação de mão de obra, na ocasião ouvi muito, “só não pode ser negro…” para determinados empregos….Muda e como muda…!!!

    Reply
    • Lemos,

      Ai nesse caso Lemos a discriminação ocorre em maior intensidade devido ao trabalho executado.

      Eu trabalho com engenharia, de fato a cor da pele não interfere em nada nesse seguimento. Interferir interfere, mas as diferenças são mais sutis.

      O que eu quero dizer, é que negro, nordestino, mulher, homossexual ou qualquer etnia ou gênero que não pertença a cútis branca, européia, masculina e heterossexual sofrem menos discriminação desde que estejam preparados profissionalmente.

      Reply
  14. Prezado Kléber,
    Acho muito sério o que saiu ontem no Globo e acho que o jurídico do Flamengo deveria ser acionado. Como eu não tenho nenhum contato na Gávea estou lhe escrevendo.
    https://oglobo.globo.com/esportes/montenegro-apoia-veto-ao-fla-alerta-sobre-vinicius-jr-futebol-contato-22402005
    Nesta reportagem/entrevista o ex-presidente do Botafogo Montenegro faz graves ameaças ao Flamengo e a Vinícius Jr. do tipo:
    ” Como acho que o Flamengo deveria tomar todo cuidado com o Vinícius Júnior. Eu sei que o pessoal ficou bastante chateado com ele. Tem que ver se o Flamengo recebeu já todas as parcelas pela venda para o Real Madrid. E você sabe como é o futebol, né? Um esporte de contato.”
    Abraços!

    Reply
  15. Paulo Assis, companheiro,
    Alto lá! Faz bastante tempo, mas jamais no meu tempo de criança ouvi de meus pais estas barbaridades mencionadas por você, como ” tinha que ser preto” e ” tinha que ser viado”. Que fique bem claro que este tipo de pensando está ligado ao caráter de cada um,e não ao período em que estas pessoas viveram. Antes, como hoje,há pessoas preconceituosas, desprovidas de bons sentimentos.
    Portanto, isto não é absolutamente uma exclusividade do passado.
    Quanto a ultima colocação – ” homem não entrega homem”, eu sugeriria que fosse mais amplo, até porque, como nada discrimino na vida, a mulher também entra nessa. E neste ponto, discordamos. O ser humano deve assumir os seus atos e atitudes.Errou, que pague. Delatar, para tirar proveito próprio, para ter vantagem, a meu conceito, é atitude de quem não tem caráter.
    E isto, nada tem a ver com conduda ilibada, que não é favor e sim, obrigação de cada cidadão.
    Forte abraço.

    Reply
      • Anderson,

        Rapaz vc não assume essa história de negão, então eu vou assumir para vc.

        Acho que vc pegou algum vírus eurasiano difundido pelo PT, que milita cansativamente nesta questão de gênero, etnia, direitos humanos e desarmamentismo.

        Podem me chamar de Nino Negão daqui para frente…

        Fico lisonjeado…

        Reply
    • Kleber, não é exclusividade do passado mas vejo que este tipo de comentário diminuiu bastante, portanto na minha opinião neste ponto a sociedade evoluiu (não completamente é claro, pois infelizmente isso é utopia). Meu avô falava que goleiro negro não prestava e nem por isso o achava sem caráter. Apenas um pensamento de quem nasceu em 1920 e viu no Maracanã a falha do Barbosa. Hoje não se ouve este tipo de comentário.
      Sobre o outro ponto, se a pessoa está delatando crimes que participou, ela entregando os ‘ex-parças’ ou não, ela já não tem caráter, pois como já dito, ela cometeu crime para benefício próprio. Então para mim está no mesmo tamanho.
      Mas esta é apenas minha opinião.
      Forte abraço e, falando de futebol, que venha logo o jogo contra o River!

      Reply
  16. Kleber, que parabenizá-lo pelo belo belíssimo texto. No post relativo a esse assunto eu coloquei o seguinte:

    “Kleber, quero me solidarizar com você. O munda lá atrás, realmente, era bem, era muito melhor. Essa bosta do Politicamente Correto, já deu.
    Perguntem ao Pelé se ele se importava de ser chamado de Negão?
    Convivi e ainda convivo com várias pessoas Afro Descendentes (tá bom assim?) que as vezes eram chamadas carinhosamente de negão e nunca se sentiram menosprezadas.
    Lembra do bordão do grande Tião Macalé (que era negro): “Que crioula difícil”!”
    Um abraço.

    Reply
    • Luiz,

      Acontece que as celebridades não estão expostas a vala comum da discriminação étnica, moral, filosófica, cultural, acadêmica, econômica.

      As celebridades tem seus próprios padrões, se importando menos com estes aspectos e mais com quem vc realmente é, sua competência no que faz e no que é capaz de fazer.

      Outras mentes….

      Reply
  17. Belíssima análise e crônica, caro Kleber.
    Faria apenas uma correção.
    O termo “urubu” era como as torcidas adversárias se referiam à torcida do Flamengo.
    Em todos os clássicos, o canto era “urubu, urubu, torcida urubu”.
    No final dos anos 60, torcedores adversários costumavam provocar os fãs do Flamengo com gritos de “urubu” nos estádios. O que era um apelido criado para ser algo ofensivo se tornou símbolo do clube mais popular do país há 40 anos, no lugar do Popeye. E os responsáveis diretos por essa mudança foram quatro jovens amigos, fanáticos pelo Rubro-Negro carioca, que em 1969 tiveram uma idéia aparentemente estranha: levar um urubu para o Maracanã e soltá-lo em um clássico.
    Era o dia 1º de junho de 1969.
    Com o ‘convidado’ escondido em uma bandeira do Flamengo, os jovens entraram sem problemas no Maracanã. O objetivo era soltá-lo, com uma bandeira rubro-negra amarrada nas patas, quando os times entrassem em campo. Mas como houve atraso das equipes e o urubu estava agitado com os morteiros e bicando as pessoas, o lançamento foi antecipado.
    Já no campo, ele deu uma descaída, mas depois abriu bem as asas e deu uma volta em frente à torcida do Flamengo, que começou a gritar “é urubu, é urubu, é urubu”. E quando ele passou em frente aos botafoguenses, com a bandeira tremulando, eles ficaram calados, sem reação. Ele pousou no meio do campo, e a torcida do Flamengo gritava ainda mais, incorporando o símbolo.
    Coincidência ou não, o Fla venceu a partida por 2 a 1, quebrando um jejum de quatro anos sem triunfos sobre o Botafogo. O que ajudou a reforçar o urubu como mascote do clube. E o animal foi personagem dos jornais no dia seguinte.
    – Urubu pousou na sorte do Botafogo – estampou o diário “Última Hora”, com fotos do ‘invasor’ no gramado.
    O cartunista Henfil também ajudou a consolidar o símbolo, tornando-o representante do clube da Gávea em tirinhas publicadas no “Jornal dos Sports”.

    Reply

Comente.