Bebeto de Freitas

(Foto: Bruno Cantini/ Atlético-MG)

Na semana passada, jantava com meu amigo Luiz Guilherme Barbosa em um restaurante na Lagoa, quando chegava, acompanhado de sua mulher, meu querido amigo Bebeto de Freitas.

Após longo e afetuoso abraço, retrato da nossa amizade, do respeito mútuo e da saudade, o futebol foi o tema e, em meio ao papo polêmico, brinquei, dizendo que não deveríamos ir para o voto, pois como sempre, o Flamengo seria maioria. E, também, como sempre, lá se foi Bebeto resmungando e dizendo para quem quisesse ouvir que, torcer pelo Flamengo era falta de imaginação…

Hoje, no mesmo restaurante, almoçando com o nosso pessoal da Klefer, e com o meu afilhado Roger Flores, recebi a triste notícia do falecimento do meu amigo Bebeto.

Caramba, estive com ele aqui, poucos dias atrás… foi o que me veio à mente e a inevitável conclusão de que a vida é um fiapo.

Bebeto foi um ser humano cuja principal virtude foi nunca abrir mão e, lutar pelas suas convicções. Não era para a maioria das pessoas uma seda no trato, mas colocava no colo os amigos de verdade.

No esporte, um baita triplo vencedor, como atleta, treinador e dirigente. Foi campeão em tudo, graças ao seu talento, disciplina, carisma e liderança.

Certa vez, decidimos levar um Flamengo e Botafogo, partida válida pelo Campeonato Brasileiro, para Fortaleza. Um sucesso! Colocamos 105 mil pessoas no estádio e, louco ele ficava quando eu dizia que eram 100 mil rubro-negros, 4 mil curiosos e mil botafoguenses…

Neste dia, saímos do estádio às três da madrugada. Percebemos que estávamos sendo enrolados na arrecadação e, juntos, partimos para a briga. E, a cada berro que dávamos, chegava um saco de dinheiro…

Época fantástica, em que a rivalidade era só dentro do campo. Fora dele, amor, carinho, respeito e camaradagem.

Lá se foi um dos grandes do esporte brasileiro. Se lá em cima houver reencontros, desse não abro mão.

Até um dia, Bebeto, querido amigo.

1 Comentário

  1. Eis um Brasileiro acima do bem e do mal.
    Sempre admirei o profissionalismo e o amor que ele nutria pelo esporte.
    Como é ruim ver pessoas que respeitamos e amamos indo embora.
    Fica um vazio inexplorável.

    Reply
  2. Grande figura realmente. O vilei brasileiro deve 1 capitulo de sua historia a ele.Sinto apenas que ele poderia ter sido melhor aproveitado, haja vista a sua competencia e lisura. RIP.

    Reply
  3. Por razões óbvias, sempre admire muito o Bebeto. Antes dele assumir a presidência, cansei de vê-lo no Maraca, esmurrando as arquibas de cimento, a cada gol perdido pelo Botafogo.

    Tinha o hábito de colocar o coração à frente da razão, chegando a criar situações estranhas, como a origem do famigerado (para nós alvinegros) chororô. Mas isso porque, muito mais que dirigente, era torcedor.

    Pegou um Botafogo destroçado em 2003 e, não só conseguiu um estádio para o clube, quanto colocou a casa em ordem, retornando à primeira divisão quando apenas dois clubes subiam – e no esquema do mata-mata. Esse foi um de seus maiores desafios, e agradeço por ter cumprido essa missão.

    Em nome de todos os alvinegros, nesse espaço rubro-negro – e com todo o respeito – peço que orem por essa lenda do esporte nacional.

    Ele merece.

    Reply
  4. Conheci Bebeto de Freitas no ano de 1999 por um amigo em comum, que por sinal, infelizmente também nos deixou precocemente.

    Bebeto era um homem sempre muito educado,solícito e de um bom papo ímpar.

    Sentei saudades.

    Reply
  5. Caro Kleber e amigos!
    Lamento profundamente!
    Que ele seja recebido no céu com todas as honras e glórias do que aqui ele plantou de bem e de alegrias.
    Abraços a família!

    Reply
  6. Presida, como ser capaz de ser tão doce com as palavras, principalmente em momentos tão tristes. Isso só pode ser um dom, melhor para as pessoas que tem o prazer da sua amizade. Não é à toa que temos um espaco absolutamente democrático e principalmente respeito. Se você quer o reencontro, quem sou eu pra desejar conhecê-lo, ainda que em outro plano ?

    Reply
  7. Foi uma importante figura no cenário do esporte Brasileiro.
    Tanto no voleibol quando no futebol.

    Mas o problema é sempre que vejo a foto do Bebeto, me vem em mente o episódio do chororô.
    Apesar das gozações aquilo mostrou o quanto ele amava o Botafogo.

    Descanse em paz Bebeto.

    Reply

Comente.