Viajando nos comentários

(Foto: Gilvan de Souza, Rodrigo Branco / Flamengo)

Vou começar levantando a bola sobre uma observação feita pelo jovem, talentoso e grande rubro-negro HENRIQUE, que, de uma certa forma, afirma que o treinador não é fraco.

Henrique, amigo e doçura de pessoa, o treinador é fraco sim, para o tamanho do Flamengo. Meu Deus do Céu, será que não se consegue entender que cada um de nós tem o seu limite de competência e o limite do nosso treinador (?) está um bilhão de quilômetros de distância da necessidade do Flamengo?

A não contratação de um TREINADOR, de um LÍDER, além de comprometer um terço dos jogos que compõem este Campeonato Brasileiro, inibe a possibilidade de um melhor aproveitamento do período de paralisação, quando em função da Copa do Mundo, quem tiver competência pode ir se arrumando melhor e, quem sabe, estar em outro estágio quando do reinício do campeonato.

Juro que não consigo entender esta estratégia. Parece elaborada pelo arco-íris…


O nosso DIEGO S. OLIVEIRA, traz dois temas muito bons. O primeiro, também já havia ouvido algo a respeito, dá conta de que Diego está jogando de segundo volante em função de ser o local onde Tite poderia levá-lo para ter uma vaga entre os jogadores que irão para a Copa. Não quero aqui discutir se Tite tem ou não razão se Diego só pode na “amarelinha” ter vaga nesta função. Isto é uma coisa.

A outra coisa é o interesse do Flamengo e, sobre isto, não há nenhuma dúvida de que Diego armando mais próximo à área e, portanto, também em condições de chegar próximo ao gol adversário, funciona bem melhor. Tomara que isto não seja verdade, pois seria o fim da picada o Flamengo se curvar aos interesses de qualquer um, inclusive aos da Seleção.

O nosso DIEGO toca em um outro assunto, com uma pergunta de quem sabe das coisas: “Cadê o Vitor Gabriel?” Diego, amigo, penso igualzinho. Vitor Gabriel, no Flamengo, só perde para Guerrero.


O amigo PAULO CESAR FERNANDES indaga se o governador Luiz Fernando Pezão, realmente, assinou a liberação para a construção de um estádio na Gávea, com capacidade para 45 mil pessoas.

Como também já havia lido e comemorado a bela notícia, mantive contato com o nosso governador e, infelizmente, a notícia não corresponde. O que assinou ele foi a liberação para a construção da Arena, que irá atender aos esportes olímpicos, além da construção de um restaurante voltado para a Lagoa.


Os temas dos amigos IGUARACY DE SOUZA e FERNANDO ARAGÃO, embora distintos, tem tudo a ver.

IGUARACY indaga se convidado fosse eu para ajudar no futebol, se aceitaria. FERNANDO cita o caso Éderson e, transcreve no seu comentário o post em que dou conhecimento ao pessoal do futebol do Flamengo, baseado em uma informação seguríssima, de que poderia ser uma contratação complicada, pelos problemas físicos do jogador.

Vamos começar – e terminar – por aí. Se os dirigentes atuais, ao menos, escutassem e avaliassem, hoje o Flamengo não teria o prejuízo que teve e, continua tendo, pagando a um jogador que não joga. Se, ao menos, escutassem e avaliassem as observações feitas por quem, como único interesse seja o sucesso e a grandeza do clube, quem sabe o balanço do futebol, que hoje não é bom, pudesse ser bem melhor…


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

A DESPEDIDA DE JÚLIO CÉSAR

Sobre Júlio César, a quem amo, admiro, respeito e sou grato, vou falar amanhã. O que quero discutir aqui é o timing, o momento, a oportunidade, para esta despedida festiva.

Deixo algumas perguntas no ar:

  • O momento é propício?
  • A torcida está em sintonia fina com o time, para um momento que requer cumplicidade?
  • A competição – Campeonato Brasileiro – foi definida de forma a atender os interesses do clube, nesta despedida festiva?
  • E por último. Vale a pena correr este risco, com três pontos em disputa?

 

Voltar para Kleber Leite