A tal intensidade

Jogadores comemoraram o gol de Vital (Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)

Vi todo jogo entre Corinthians e Vasco, na Arena Corinthians, com belo público. Confesso que fiquei impressionado pela doação de todos os jogadores que entraram em campo.

Nervos à flor da pele, com os dois times brigando contra o rebaixamento. Vendo o primeiro tempo de uma correria louca, lembrei do nosso João Saldanha, que dizia ser impossível durante 90 minutos, ficar no indo e vindo, beijando o pé e o pescoço da girafa. João, se aqui estivesse, teria ficado surpreso. O ritmo do primeiro tempo continuou no segundo, até o apito final.

Os dois times, medianos tecnicamente, compensaram com juros e correção monetária o que ficaram devendo na parte técnica, com uma intensidade que poucas vezes vi este ano.

Aí, fica no ar a dúvida. Se esta entrega fosse uma rotina, estariam na situação delicada que estão na tabela? E, por consequência, esta dúvida também reside na cabeça de qualquer rubro-negro.

Tudo bem que temos as nossas deficiências, mas longe no aspecto técnico, estamos acima da maioria esmagadora dos times que disputam a série A. Repito: Independente da infeliz experiência com um estagiário, de contratações equivocadas, não teria faltado a tal da intensidade?

Voltando ao jogo. A sorte sorriu para o Corinthians. E sorte – talvez nem tanto quanto a entrega – também é fundamental.

Que ela esteja conosco em Recife.

1 Comentário

  1. Ou bem se joga com a técnica ou bem se joga na “entrega”

    Eu só vi um único time fazer essas duas funções. Flamengo de 79 a 81. A famosa teia de aranha na marcação.

    Nem o Barcelona tinha tanta entrega.

    Reply
    • Prezado Anderson:
      Permita -me dar um pitaco no seu comentário, ok? Faço-o porque , para mim, esse assunto ” futebol anos 70 e 80″ é apaixonante. E, claro, o núcleo é o SuperMengão Campeão, nenhuma dúvida.
      Anderson, não me recordo dessa entrega toda, não, no que se refere à marcação. Tanto que o Flamengo sofria muitos gols, mas virava as partidas devido ao super talentoso elenco. O grande diferencial daquele time, no sistema defensivo, era o magnífico ANDRADE, que cobria todo mundo e, de quebra, tinha uma habilidade maravilhosa, um domínio de bola e uma saída de jogo que, no Planeta Terra, só o decantado Telê Santana não enxergava.
      Excetuando -se o Zico, a meu ver, o principal jogador do Flamengo foi Andrade.
      Abs

      Reply
  2. Kléber, o que me chamou a atenção, além dessa intensidade que nos mata de inveja, foi a constatação de que o Futebol Carioca está totalmente em baixa em relação a outros Centros, especialmente São Paulo. Começa pela tabela do Brasileirão. Alguém percebeu, por exemplo, que o Vasco pega nas últimas rodadas Corinthians, São Paulo e Palmeiras na sequência? E o Flamengo pegou Palmeiras, São Paulo, Santos e vai pegar Grêmio e Cruzeiro? Já o poderoso Palmeiras, do Presidente banido, enfrenta nada mais, nada menos do que Paraná, América MG e Vitória. Dirão os comentaristas(paulistas, claro!) que eles pegaram uma sequência pesada um pouco antes. Mas, uma reta final molezinha, para o título, G4 ou Z4, faz uma baita diferença. Será que nosso Centro de Inteligência teve acesso a essa tabela absurda antes dela sair?
    Qualquer torcedor rubro-negro normal estaria torcendo para o Corinthians hoje. Mas, à medida que o jogo foi transcorrendo, pudemos ver a parcialidade absurda do soprador de apito, que dizem os Gacibas da vida, ser um dos melhores do campeonato. Um cartão amarelo para o goleiro do Vasco com 23 minutos, três pênaltis que seriam facilmente marcados a favor do Timão(como foi o de domingo passado a favor do Palmeiras marcado com convicção pelo mesmo árbitro), sem contar a expulsão precipitada do Alberto Valentim. Torci para o Vasco empatar, confesso.
    Pobre Futebol Carioca, vai ser difícil ganhar um Brasileirão enquanto perdurar essa situação.

    Reply
  3. Assim como nosso Guru, também assisti o jogo!
    Pouco mais cedo, fiz meu bolo no histórico Beco da Cirrose (Angra dos Reis) e, cravei 1×0 Corinthians.
    A doação de ambos os times, mencionada pelo nosso Kl, com certeza se juntaria a “necessidade” do Corinthians vencer. Mas uma vez o time visitante foi operado sem anestesia…
    Num post anterior, mencionei a garra do Palmeiras em relação ao jogo contra o Santos. Após meter 2×0, sofreu o empate, e não sossegou enquanto não virou o jogo.
    Sabemos que nosso elenco é inferior as Palmeiras. Mas isso não é fato tão relevante, quando comparamos tesão.
    Até mesmo Vasco e Corinthians, com elencos bem aquém do nosso, conseguem lutar os 90 minutos por uma vitória. Sabendo que a situação de ambos é desesperadora, diferentemente da nossa, demonstram vontade, garra e determinação…
    Após tantas decepções, sobrou apenas uma das vagas para a Libertadores.
    Neste momento, a memória nos atormenta lembrando jogos contra Vasco, Ceará, Palmeiras, São Paulo, América, Botafogo… e por aí vai.
    Pior será, perder o campeonato por diferença de 3 pontos…
    Como o que é ruim ainda pode piorar, enquanto nossos candidatos insistem na desunião, ao invés de juntar os panos de bunda e já planejar 2019, li no diário Lance, que Alexandre Mattos já contratou 4 jogadores para o Palmeiras/2019.
    Só nos resta torcer para que a Sra Leila Pereira inaugure uma Crefisa no Rio e se apaixone por nós…

    Reply

Comente.