Papelão

(Foto: Staff Images)

(Foto: Staff Images)

Um jogo contra o Confiança, cuja folha salarial é de 200 mil reais, com um estádio totalmente favorável, lotado e, com esmagadora maioria de torcedores do Flamengo, era um cenário pronto, como se preparado fosse para uma noite feliz.

Não bastasse tudo isso, com 15 minutos de jogo – 15 minutos do primeiro tempo – o time da casa tem um jogador expulso. Daí para frente, ao invés de uma vitória tranquila, com pelo menos dois gols de diferença para evitar o jogo da volta, ao apito final, CONFIANÇA 1 a 0.

Mais do que ninguém, até porque tenho o tempo todo aqui alertado para o desgaste físico deste time obrigado a viajar jogo sim, jogo também, poderia atribuir o péssimo desempenho ao aspecto físico, porém isto não refletiria a verdade.

Ao time faltou vontade. Ao time faltou talento. Ao técnico, que é muito bom, hoje, faltou inspiração.

A substituição feita aos 30 minutos do segundo tempo, quando Gabriel entrou no lugar do volante Cuellar, deveria ter sido feita aos 15 minutos do primeiro tempo, quando o Confiança ficou com 10 jogadores. Substituição tardia. Treinador e time sonolentos… desatentos…

Paralelo ao que aqui coloco, registrar a falta que faz um jogador criativo do meio para a frente. Com esta falta de qualidade na criação será difícil algum jogo ser fácil.

Enfim, noite confusa para o torcedor do Flamengo, como foi para o povo brasileiro. Noite para esquecer… Papelão!!!

Quarta pra esquecer

(Foto: Staff Images)

(Foto: Staff Images)

Amigos, independentemente de qualquer crítica que possa ser feita, convenhamos, uma quarta- feira que nada tinha a ver com quem veste a alma de vermelho e preto.

Terminamos o primeiro tempo sem os nossos dois maiores investimentos. A sorte não estava do nosso lado. Paralelo a isso, as deficiências que já conhecemos.

Enfim, dizer mais, o que?

Amanhã, falamos.

Ia desejar bom sono. Como?

Vamos pensando… Amanhã, falamos…

Recordar coisas boas, é viver de novo…

Em 2005, a correria, faltando nove jogos para terminar o Campeonato Brasileiro, era para permanecer na primeira divisão. A coisa estava feia e, os matemáticos de plantão, diziam que a possibilidade do Flamengo cair era de 93%. O final do filme todos sabem e esta história já foi aqui contada. Em 2006, começou na realidade todo o trabalho que culminaria na conquista do Campeonato Brasileiro de 2009 e, que ninguém tenha dúvida, foi um início com muitas dificuldades.

Com um elenco mediano, e um time de médio para bom, que teve a virtude de, sabendo das suas limitações, jogar com inteligência, acabou chegando à final da Copa do Brasil e, contra o Vasco.

Dois detalhes jogaram a nosso favor. Primeiro, a contratação de Ney Franco, após o Flamengo ter eliminado o Ipatinga, na semifinal, quando empatamos lá (1 a 1), e vencemos no Maracanã, numa noite de muita inspiração de Renato Abreu, pelo placar de 2 a 1. Ney, que conseguiu no modesto Ipatinga ser durante dois anos consecutivos, campeão e vice-campeão mineiro, teve mais de um mês para armar o time para a final da Copa do Brasil, pois, em função da Copa do Mundo, houve uma paralização longa, entre a semifinal e a final.

Na excursão ao Norte/Nordeste, o time foi montado, e a novidade foi Renato Augusto. Ney havia relacionado 22 jogadores para a excursão. Pedi a ele que incluísse mais um, pois como sempre acompanhava o time de juniores, via no nosso garoto camisa 10 um enorme potencial. Ney topou e, o final da história todos conhecem.

Mais uma vez ficou provado que não existe, em clube, o esquema tático perfeito. O que importa é aplicar o esquema em função do material humano que se dispõe. Como tínhamos as nossas limitações, Ney montou um time com três zagueiros, povoou o meio de campo, liberou os laterais e, na frente, pelo menos começando cada jogo, só Luizão.

No primeiro jogo (ver melhores momentos no vídeo acima), dia 19 de julho, o time foi: Diego; Léo Moura, Renato Silva (Obina), Fernando, Ronaldo Angelim e Juan; Jonatas, Toró, Renato Augusto e Renato Abreu (Rodrigo Arroz); Luizão.  O Vasco tinha um bom time, bem ofensivo, onde Ramon e Edílson eram os destaques. Obina entrou no início do segundo tempo, substituindo o zagueiro Renato Silva, que saiu contundido. No seu primeiro lance, Obina fez um golaço, pegando de primeira e a bola foi parar embaixo de onde a “coruja dorme”. Isto, aos 14 minutos. Três minutos depois, em lindo cruzamento de Leo Moura, Luizão, de cabeça, fez 2 a 0. Dois gaúchos apitaram os dois jogos finais: Leonardo Gaciba, o primeiro, e Carlos Eugênio Simon, o segundo. Nesta primeira decisão, a nossa diretoria prestou singela homenagem, antes do jogo, à bela bandeirinha Ana Paula Oliveira que, posteriormente abandonaria a profissão, perseguida (esta “perseguida” não é a do Ancelmo) por um covarde movimento machista.

Ney Franco, que ganhou a primeira, saiu pregando humildade, e Renato Gaúcho, treinador do Vasco, prometendo forra para a quarta-feira seguinte.

Na segunda partida (assista aos melhores momentos aqui), o time do Flamengo jogou com: Diego; Léo Moura, Renato Silva, Rodrigo Arroz, Fernando e Juan; Jonatas, Toró (Obina), Renato Abreu e Renato Augusto (Peralta); Luizão. Aos 27 do primeiro tempo, Juan, em lindo gol, fez 1 a 0 para o Flamengo, e este foi o placar final. Loucura no Maracanã. A novidade ficou por conta do vestiário, que foi aberto para a imprensa sem qualquer restrição. O Brasil inteiro viu, ao vivo e a cores, como quem veste o “Manto Sagrado” comemora título.

Desculpem se fui nostálgico. Queria dividir com vocês…

Sei lá, mas tenho uma leve intuição de que ainda vamos ter muitas alegrias neste ano. Que amanhã chegue logo… Todos ao Maraca…

 

Copa do Brasil

(Foto: CBF)

(Foto: CBF)

O sorteio, para uns, e “azareio” para outros, definiu os confrontos das oitavas de final, dias 19 e 26 de agosto, duas quartas-feiras, pela Copa do Brasil.

INTER x ITUANO
SÃO PAULO x CEARÁ
CRUZEIRO x PALMEIRAS
FLUMINENSE x PAYSANDU
GRÊMIO x CORITIBA
ATÉTICO MG x FIGUEIRENSE
CORINTHIANS x SANTOS
e……… FLAMENGO x VASCO

Algumas molezas, como para Internacional, São Paulo, Fluminense, Grêmio e Atlético Mineiro. Claro que “molezas” teóricas, já que estamos cansados de saber que em futebol tudo é possível.

Cruzeiro x Palmeiras, Corinthians x Santos, e Flamengo x Vasco, pela tradição, os jogos mais complicados, embora o momento esteja muito mais para Palmeiras, Corinthians e Flamengo. Se nos outros jogos, zebra é possível, nestes três então, apesar do momento, tudo pode acontecer.

Particularmente, adoro este tipo de competição, em que cada jogo é uma decisão. Em caso de empate, após os dois jogos, vale o gol dobrado na casa do adversário. Flamengo x Vasco, com os dois jogos no Maracanã, este critério é abolido.

Destes 16, sobrarão oito e, aí, a exemplo da Liga dos Campeões da Europa, novo sorteio para as quartas de final, com as datas já marcadas, dias, 23 e 30 de setembro.

PESQUISA!!!!!!!!!!!

Bom ou ruim para o Flamengo, pegar, de cara, o Vasco?

Vitória, duas retomadas e uma dor de cabeça

(Foto: Edson Lopes Jr. / Staff Images)

(Foto: Edson Lopes Jr. / Staff Images)

Vamos começar pela vitória. Importantíssima, numa competição diferente, em que a classificação foi garantida para as oitavas de final. Não é nada, não é nada, são agora oito jogos para se chegar à Libertadores e, em competições na base do mata-mata, o Flamengo, graças à sua incomparável torcida, é “Cachorro grande”, sempre.

As duas outras grandes vitórias no jogo contra o Náutico, foram, o goleiro Cesar e o atacante Marcelo Cirino. Na realidade, duas retomadas, pois o verdadeiro potencial de cada um deles, longe estava das últimas atuações. A bem da verdade, até vaiados e desacreditados foram. Particularmente, uma noite especial para mim, que sempre acreditei no potencial dos dois. Cesar, desde a “Copinha”, onde, com talento, personalidade e arrojo, foi uma autêntica muralha. De lá para cá, poucos jogos no time principal e, sempre bem. Agora, na contusão de Paulo Victor, atuações que deixaram alguns torcedores em dúvida quanto ao seu verdadeiro potencial. Eu, nunca duvidei. Hoje, num jogo encrespado, foi decisivo para a vitória. Como em futebol, confiança é tudo, ganhamos um goleiro.

A outra retomada foi Marcelo Cirino. Hoje, foi o Marcelo Cirino que brilhou no Atlético Paranaense. Jogador rápido, agudo, decisivo. No gol de Guerrero, a sua jogada mortal. Tapa na bola e, na velocidade, marcador para trás e o companheiro na cara do gol. Como em futebol, confiança é tudo, ganhamos um atacante.

E que dor de cabeça adorável… O Flamengo vai atrás de Armero e, quem apresenta as armas é um garoto de 19 aninhos, chamado Jorge que, pelo tamanho do seu futebol, deveria se chamar “Seu Jorge”!

Ia esquecendo. Emerson Sheik, parecendo um garoto.

Guerrero, dois jogos, dois gols e uma assistência maravilhosa.

Sábado, de Maraca lotado…

Carinho e sugestão

Bem, para começar o meu obrigado mais obrigado que alguém já possa ter dado, a tantos queridos amigos, amigos antigos, amigos novos, amigos da Klefer e amigos que ainda não tive o prazer de conhecer, pelas lindas e comoventes demonstrações de amor, apreço, carinho e solidariedade.

Hoje, aconteceu algo pela manhã que me marcou muito. Dudu, meu filho, teve a ideia de reunir uma enorme quantidade de amigos que trabalham na Klefer, até porque, em caso de qualquer tipo de turbulência, mesmo que seja turbulência de vida, não é justo que os seus parceiros mais próximos, os que dividem o seu dia a dia, não estejam informados e não participem deste momento. A solidariedade, a atenção e o interesse de todos, deixou claro porque é tão prazeroso estar aqui todos os dias. O sentimento que tive naquele momento foi de proteção, algo parecido com colo de mãe. Mais uma vez, a minha eterna gratidão a todos.

Passei boa parte do dia concedendo entrevistas das mais variadas, sendo que, em uma delas senti a coisa fluir de forma mais do que natural. Foi para a revista Veja, e não dá para não registrar a sensibilidade e talento do entrevistador que, quando é bom, a coisa flui.

Exatamente às 10h52, enviei uma mensagem de texto para o presidente Marco Polo Del Nero, sugerindo que a CBF contrate duas empresas independentes para uma auditoria e análise do contrato relativo à Copa do Brasil, pois é necessário que seja de domínio público se este contrato, corresponde ou não, à realidade do mercado. Exatamente às 11h32, Marco Polo me respondeu, afirmando que esta providência já está sendo tomada. Ótimo, na medida em que, para nós da Klefer, fica a certeza de que, de forma clara e independente, todos tomarão conhecimento tratar-se de uma relação justa, absolutamente dentro da realidade do mercado.

Aguardemos, pois. Quando a relação é justa, não há espaço para falcatruas.

O jogo

Foto: Staff Images

Foto: Staff Images

Primeiro tempo, de doer. No segundo, brilhou a estrela de Paulinho. Estrela tão brilhante que comoveu até o goleiro adversário…

O placar de 2 x 0 classifica o Flamengo para a próxima etapa da Copa do Brasil e anima a galera para o jogo contra o Vasco. Aliás, o papo que rolava durante o jogo era só sobre o encontro de domingo.

Resumo da ópera: Everton e Paulinho, já!!!

Boite e burrice

No Maraca. Assustado com tanta falta de respeito e incompetência. Falta de respeito com torcedores e jogadores. Incrível que só um terço da iluminação seja usada no Maracanã. Será que ninguém, seja lá de que clube for, vai enquadrar o idiota que determinou esta aberração?

A incompetência é da dupla Flamengo/Maracanã. Como é possível, em 2015, ninguém entender a força da comunicação? Não há um único torcedor na parte frontal às câmeras de TV.

Ruim para a imagem do Flamengo, ruim para o futebol brasileiro. O que custava acomodar o público que está atrás do gol, neste precioso e decisivo lugar.

Quanta incompetência…

Tragédia anunciada

Foto: Staff Images

Foto: Staff Images

Planejamento, nota zero. Tudo errado, desde o jogo de domingo passado, pelo Campeonato Brasileiro, quando os jogadores importantes deveriam ter sido poupados, até hoje, com a escalação de uma zaga lenta, e Samir no banco… De doer…  As alterações foram de matar. Elton… Dizer mais o que…

Ia concluir dizendo que Vanderlei é o responsável por tirar o Flamengo do pesadelo do rebaixamento no Campeonato Brasileiro, da mesma forma que é o responsável pela eliminação na Copa do Brasil. Ia errando. O mérito de tirar o Flamengo do sufoco no Brasileiro foi só dele. A ridícula eliminação da Copa do Brasil, ele divide com os dirigentes e “profissionais” que foram contemplativos e omissos, ante decisões absurdas como a de não poupar os principais jogadores no jogo contra a Chapecoense. O castigo veio a cavalo… Montado por um galo.

Tragédia anunciada…

Seja o que Deus quiser

Foto: Staff Images

Foto: Staff Images

Joguinho complicado este de hoje. Complicado e curioso. Pelo que li e ouvi, embora a vantagem do Flamengo seja considerável, há um temor maior por parte da torcida do Flamengo do que por parte da torcida do Atlético. O fato do jogo ser no Mineirão, a absoluta necessidade de vitória que se encaixe no regulamento, o recente jogo contra o Corinthians e os desfalques no time do Flamengo, são motivos para fazer a torcida do Galo cantar alto… No lado rubro-negro, o fato de, mesmo com vantagem, decidir fora de casa e, principalmente, pelos desfalques, faz com que a turma esteja preparada para torcer como nunca, mas colocando as barbas de molho… A grande vantagem do Flamengo, sem dúvida, foi o placar no Maracanã. Tipo do jogo esquisito em que o Atlético pode colocar 3 x 0, mas se tomar um gol no finalzinho, babau…

Na Vila, o pau também vai comer. A vantagem do Cruzeiro no primeiro jogo foi muito pequena, e um jogo na Vila é muito mais difícil que um no Mineirão. Imprevisível.

Agora, é torcer para o tempo passar rápido, sentar em frente à telinha às dez da noite, e seja o que Deus quiser…