Pensando em voz alta

Quantas e quantas vezes este exercício de pensar em voz alta não deve ter acontecido com cada um de nós?

Na maioria destas situações, isto ocorre quando temos algum tipo de dúvida e/ou quando o tema que não sai da nossa mente é polêmico.

Vou no Globo.com e, pinta a notícia de que nosso doce Portuga indicou Éverton Cebolinha e que, em função disso, Benfica e Grêmio estão próximos de um acordo.

Não demora muito tempo, leio que – por indicação de Jorge Jesus – o Benfica está negociando com o Fluminense a transferência do bom lateral direito Gilberto. Aí, paro para pensar e fico me indagando: “Ué, mas o noticiário inicial não dava conta que JJ indicaria Arão, Gérson e Bruno Henrique?”

Como resposta a mim mesmo, acho natural, pertinente e inteligente a indicação de Gilberto, que é um bom jogador de 27 anos – e não é caro. Mas por que indicar Cebolinha e não Bruno Henrique ou Gabigol? Ou até os menos votados, como Michael e Vitinho?

Será que o doce Portuga, ainda encantado com o que representou para nossa torcida e, por este motivo apaixonado por ela, tem compromisso moral e sentimental de não tirar e, consequentemente, desfalcar o nosso time?

Estou pensando em voz alta, ou seja, dividindo com quem tenho absoluta afinidade e confiança, o que penso. Se acharem bobagem, não levem a sério. Deletem. Afinal, estou só pensando em voz alta…