O “X” da questão

Inúmeras vezes aqui no blog, quando julgava ter definido opinião sobre algum tema, lá vinha algum argumento nos comentários que me obrigava a repensar o que havia concluído e, até, modificar o pensamento.
Hoje, lendo o comentário do querido Anderson Santos, concluí ser importante rediscutir o tema.
Seguinte: Não só no post, como na maioria dos comentários, nosso treinador “absorveu” a responsabilidade maior pelos dois pontos tão lamentados por todos. Nosso Anderson, utilizando terminologia jornalística – mote -, protestou, argumentando que o fato principal do jogo havia sido as decisões estapafúrdias do árbitro, anulando o gol legítimo de Michael, além de não ter assinalado um pênalti em Vitinho.

Para puxar a discussão, proponho deixar de lado o lance do pênalti, pois é interpretativo e, para ser sincero, não tenho tanta certeza.
Em contrapartida, não há discussão quanto ao erro grosseiro de arbitragem não confirmando o gol que mudaria por completo o panorama do jogo. Claro que, perdendo, a postura do Cuiabá não seria a mesma, o que abriria espaços para uma provável vitória tranquila do Flamengo.

Realmente, este ponto é muito forte, o que conduz o erro de arbitragem para um patamar muito acima do que analisamos ainda no calor do inconformismo pelos dois pontinhos preciosos que foram para o vinagre.
Portanto, de minha parte, reconsidero. O erro de arbitragem foi superior a tudo do que vimos de equívocos do nosso treinador e de alguns jogadores.

O problema é que, quem tem o sonho de ser campeão de tudo tem a obrigação de reduzir a zero ou, próximo disso, as decisões equivocadas.
Deveríamos ter começado o jogo com Gustavo Henrique no lugar de Bruno Viana, isto sem falar nas alterações incorretas. No fundo, reduzir os equívocos é como fazer um seguro para as surpresas ruins, como a anulação de um gol legítimo.

Em síntese, concordo. O erro absurdo de arbitragem deveria ter sido, pelo menos de minha parte, o mote do jogo, pois nada foi tão importante.
O título do post deveria ter sido: “Erro grosseiro de arbitragem prejudicou o sonho do tri-inédito”. O subtítulo: “Domingo de pouca inspiração rubro-negra. Dentro e fora do campo…

Que estejamos inspirados para esta quarta-feira. Não se pode dar sopa para o azar…