Ideia infeliz

(Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo)

Flamengo x Grêmio, disputa que pode se repetir no torneio Rio/Sul/Minas (Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo)

Leio, com surpresa, até porque fere o bom senso, que hoje estarão reunidos na bela cidade de Camboriú, representantes de Flamengo e Fluminense, junto com dirigentes dos clubes de Minas, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Assunto: a criação de uma competição anual, denominada Rio/Sul/Minas (ler mais aqui).

A ideia, infeliz, não me espanta. Fosse eu dirigente de qualquer clube que do Rio não fosse, seria normal e pertinente. Acontece que nasci em Vila Isabel, terra de Noel, carioca sou e rubro-negro de corpo e alma. Portanto, nada contra ninguém, contra nenhum clube, nenhum estado, apenas sendo óbvio no interesse do que me compete, que é o Flamengo, o caminho é outro. O Rio-São Paulo é o caminho natural, até porque, faz parte da história do futebol. Tem tudo para ser um enorme sucesso numa reformulação do calendário brasileiro. Arriscaria dizer que, técnica e financeiramente, será o “Pelé” do nosso calendário.

Será tão difícil entender isso?

É aí, amigo deste blog. Rio/ São Paulo ou Rio/Sul/ Minas?

1 Comentário

  1. RJ/SP seria muito melhor.
    kleber você tem alguma dica ou informações sobre quem pode ser a sombra de Paolo guerrero no fla ?
    E o Rodrigo Caetano já está atrás de um reserva para a nossa estrela?

    Reply
  2. Sr. Kléber.
    RJ/SP ! No início da temporada sempre.
    Ainda oferecia o evento para o Esporte Interativo. Vejam a Copa do Nordeste, um sucesso.

    Reply
  3. Eu prefiro RJ/SUL/MG….mais times. mais dinheiro
    Agora Kleber esse Walim e VP do Eduardo e na maior trairagem quer ser candidato….saísse primeiro para depois lançar candidatura…
    SRN

    Reply
  4. CONCORDO CONTIGO, GRANDE KLEBER!
    André mandou bem quando falou da Copa do Nordeste.
    Em São Paulo, também rola o “Campeonato do Interior”, com belo faturamento, e que este ano teve a Ponte como campeã.
    Ficaria no eixo Rio/São Paulo (viagem rápida), entre 10 clubes. 5 de cada Estado.
    Flamengo, Fluminense, Botafogo, Vasco, e o 5º colocado no Carioca.
    São Paulo, Corinthians, Santos, Palmeiras e o 5º colocado no Paulista.
    Com regulamento idêntico a Copa do Brasil.
    É só dar uma diagramada no calendário, e mandar ver…

    Acho que ninguém tem dúvida, que esta “competição” proposta, é uma resposta aos anciãos da Ferj.
    Não precisa ser tão longe, nem tão desgastante!!!!

    Reply
  5. Do ponto de vista econômico, sem dúvidas, o Rio/São Paulo seria mais rentável e atrativo,pois envolve as maiores torcidas do país e de maior apelo perante a mídia.
    Agora, do ponto de vista técnico, acho que o Rio/sul/Minas é mais atrativo para o Fla. Os times de BH há anos jogam o melhor futebol do país e os dois do RS sempre apresentam mais dificuldade para nós que os times de SP.Acho que seria uma “escola” mais interessante do ponto de vista técnico. Grêmio e Inter são as equipes que mais se assemelham aos nosso adversários Sul-americanos

    Reply
  6. Vejo essa iniciativa como o inicio do fim dos estaduais.
    É claro que o RJ/SP é muito mais atraente e rentável.
    Mas precisa-se dar o primeiro passo e nesse momento o estado de SP não cogita o fim daquele estadual.
    Mas, infelizmente, a liga de futebol presidida pelos clubes ainda está em estágio embrionário. Muita falação e nada de ação.
    Lamento pelos que dependem dos campeonatos estaduais para existirem, mas se queremos profissionalizar nosso futebol para alcançarmos força e riqueza, já estamos atrasados há décadas.
    Que esse projeto não seja apenas uma ameaça a Ferj e outras Federações. Que realmente saia do papel e engatilhe de vez a criação de uma liga de futebol independente dessa maldita CBF.

    Reply
    • Concordo com vc Helder, alguns pontos estão claros.
      – Que RJ x SP seria o filé, isso concordamos
      – Que o ex-presidente da CBF foi presidente da federação de SP, e que o atual presidente da CBF e da Fesp são do grupo do Marin, tudo de SP.
      – E que por isso a federação de SP não tem interesse no Rio x SP em detrimento do seu estadual (fora que esta em acordo com a Ferj, que em última análise as Federações são a base estrutural do sistema eleitoral da CBF)
      – Que o torneio RJ, Sul, ES é o torneio em oposição do estadual do Rio e SP, o possível.
      Assim o torneio Rio x SP fica apenas nos sonhos…politicamente, inviável.
      O Bandeira de Melo dize que não jogo o estadual da Ferj de jeito nenhum, mas se não for eleito?

      Reply
  7. Que seja Rio/Sul/Minas ou Rio/São Paulo, não sendo esse campeonato da FERJ horrível e que só traz prejuízo aos clubes. Então vamos dominar Sul/Minas.

    Reply
  8. Kleber,

    Como torcedor e administrador profissional, percebo esta situação sob outro ângulo:.
    Muitas vezes na vida, na ausência de oportunidades ótimas, devemos aproveitar as melhores oportunidades que aparecem e aguardar o momento oportuno de realizar melhorias. O pecado da inércia e as vezes é pior do que o insucesso na tentativa, ou seja aproveitar o momento e tomar uma decisão razoável, pode ser melhor do que não tomar nenhuma decisão. Vamos aos fatos:
    1 – É fato que o torneio RIO/SP tem mais tradição e eria uma oportunidade melhor e mais lucrativa para o flamengo, contudo é sabido que os clubes de SP e a Federação de SP não tem o menor interesse em reativar, neste momento, esta competição..
    2 – É fato que os clubes do SUL, MINAS e FLA e FLU possuem interesse na competição, em virtude de possuírem campeonatos regionais deficitários, e a RIO/SUL/MINAS é vista como oportunidade de auferir algum lucro e melhorar o nível técnico das equipes, tendo como parâmetro a Copa do Nordeste. Além disto é uma oportunidade de enfraquecer as federações do eixo RIO/SUL/MINAS.
    Creio que os clubes de SP estão atentos ao pleito e irão ingressar no torneio assim que a batalha com a CBF e as Federações estiver vencida. Mas isto, é somente uma especulação minha.
    Forte abraço,
    Alexandre,

    Reply
    • Meu caro Alexandre, creio que estamos no limiar de uma nova fronteira do futebol, uma 2a. revolução, como espetáculo absoluto nesse sentido, onde ele se tornará muito mais um show esportivo se desvalvulando das estruturas formais antigas. Qdo eu era criança na década de 70, aos domingos a transmissão de futebol de qualquer praça era proibida, transmissão de um clássico no Maracanã então, impensável! Naquele tempo se assistia o VT na TVE (aparentemente a única que se interessava pelo produto, que era de graça para emissora) com a transmissão do Januário de Oliveira, com o famoso: “Tai o que vc queria” ou “É disso, é disso que o povo gosta”. A transmissão de TV mudou totalmente o perfil do futebol ao longo destas décadas, o futebol hj é um produto caríssimo no mundo todo, atraindo uma gama imensa de público e patrocinadores. Me parece ai o cerne da questão, manter em evidência o apelo futebolístico para a manutenção do grande business, e convenhamos, o modelo de campeonatos estaduais ainda esta na era das cavernas, nos anos 70, por definição, inviável economicamente, pois vc faz apenas meia dúzia de jogos rentáveis, para jogar vários jogos deficitários em troca. O modelo de campeonato SUL, Rio, MG é um modelo Frankenstein, pois o correto seria a Copa Sudeste, Copa Sul e etc..mas acredito ser o modelo comercialmente viável.

      Reply
  9. O importante realmente é dar um desafogo no calendário dos grandes clubes do Brasil. Não adianta inventar, ou reeditar outra competição se o Campeonato Brasileiro (38 datas) e a Copa do Brasil( média de 8 datas), que são as principais competições dos grandes clubes, ficarem espremidos em 7 ou oito meses.
    Para ser rentável e atrativo RJ/SP ou RJ/Sul/Minas, necessita de, ao menos 6 datas para cada clube participante. Como os integrantes de tais competições devem ser indicados por índice técnico (Estatuto do Torcedor, os grandes clubes terão que disputar os estaduais também (seriam ao menos 12 datas).
    Só aí seriam ao menos 64 jogos oficiais. Conciliar essas datas todas é tarefa complicada, fora as datas FIFA. Abraços.

    Reply
  10. Rio/saopaulo com toda certeza, seria sem dúvida a champions liga do Brasil. 12 clubes no máximo. Duas chaves 6..4 primeiros se classificam…quartas, semi e final em 2jogos, seriam 11 datas, todas lucrativas, a tv teria seu mata a mata com final, estádios cheios, renda alta de tv e melhor qualidade técnica e ainda poderia disputar o regional com o sub 23 e juniores, dando oportunidades fe rodagem aos jovens. Sinceramente não sei pq acabaram com o tão tradicional rio/sp. Com relação a rio/sul minas nao sei se seria tão lucrativa…acho q não teria tão grande apelo junto a mídia…

    Reply
  11. ATÉ TU, ZICÃO!!!!!

    “Gosto muito do Bandeira. É uma pessoa do bem, mas o grupo que me convidou e conversou comigo desde o início foi o do Wallim e do Landim. Não foi apenas o BAP. Estarei fora do Rio de Janeiro em dezembro e não votarei. Mas o meu apoio é ao grupo que começou esse movimento. É o grupo original e vejo como uma questão de filosofia”, afirmou Zico.”

    http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2015/07/24/zico-elogia-bandeira-mas-revela-apoio-a-wallim-em-eleicao-do-flamengo.htm

    Com um cabo eleitoral desses, vai trincar na junta…
    SE Bandeira não fizer o dever de casa direitinho, vai ficar esquisito.

    Pense grande Sr. Bandeira! Você já ouviu falar em Alexandre, o médio???

    Reply
    • Acho que o Zico se precipitou. Sua opinião é quase uma ordem no Flamengo. Concordo com ele que a raiz da chapa deveria ser mantida, mas desprestigiaram o Bandeira de Melo que está fazendo um belo trabalho, convenhamos. Poderiam perfeitamente deixá-lo no comando na parte executiva e outros poderiam trabalhar o marketing e o futebol. Mas a sede pelo poder está falando mais alto. Isso ainda vai acabar com o Flamengo.

      Reply
  12. O atacante Fred, do Fluminense, falou com todas as letras: ‘O estadual tem que acabar. Vamos jogar o Rio-São Paulo’.
    E um dos fatores da decadência dos outrora charmosos campeonatos estaduais se prova com a inoperância deles até em centros do Brasil em que os clubes não conseguem alcance nacional, ou seja, pelo menos ali os estaduais deveriam ter sobrevida. Pois não é isso que acontece, tanto que foi pensada a criação de copas regionais: a Copa Verde (região Norte) e a Copa Nordeste (região Nordeste).
    Essas competições permitem, inclusive, que os clubes vislumbrarem um alcance internacional antes mesmo da nacionalização, pois o campeão de ambos os torneios ganham vaga na Copa Sul-Americana. Muitos desses clubes não figuram nas competições nacionais do país, como a Copa do Brasil e o Brasileirão).
    Apesar da conotação política para agradar as federações dessas localidades, a ideia é boa para manter esses clubes disputando competições importantes, revelando jogadores e permitindo pessoas do mercado de futebol mais tempo empregadas. Porém, os clubes de menor investimento do Sudeste não tem o direito de que seja criado uma Copa Sudeste (Minas, Rio, São Paulo e Espírito Santo), os do Sul terem uma Copa Sul (Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul), além de uma Copa Centro–Oeste pros times de Goiás e Brasília?
    Eles também querem galgar o seu espaço no cenário internacional. Até porque a vaga brasileira para disputar a Copa Sul–Americana tem critérios confusos. Todos os clubes da série A do ano anterior, menos os rebaixados, praticamente tem vaga assegurada na competição, caso não disputem as oitavas de final da copa do Brasil. Com isso, não ser eliminado em uma fase ainda precária da Copa do Brasil pode não causar tanta crise aos clubes. Até os clubes da Série B do nacional podem ter a oportunidade de disputarem essa competição continental, pois se as seis vagas não forem preenchidas por clubes da elite, quem aparece atrás na fila são os quatro primeiros colocados da Segundona.
    Uma proposta colocada para ser refletida e debatida aqui, para propiciar um melhor desenvolvimento dos clubes de menor investimento seria: teríamos 5 copas regionais (Sul, Sudeste, Centro–Oeste, Norte e Nordeste) e que não exclui a participação dos clubes grandes dessas regiões(porém busca-se nessa proposta dar uma sobrevida e garantia de disputar competições melhores aos clubes de menor investimento, caso haja um possível fim dos estaduais). O campeão de cada uma delas teria vaga na Sul-Americana (portanto, 5 brasileiros se classificariam dessa forma). Do total de 8 vagas que são destinadas aos clubes brasileiros sobrariam 3 vagas. Essas poderiam ser dos melhores colocados da Série A subsequentes aos que estariam na Libertadores (os clubes brasileiros que disputam a Libertadores não disputam a Sul-Americana).

    Reply
  13. Caro Kléber! Os dois podem ser bons para se formar base de um time mais competitivo para o campeonato brasileiro! Ja tivemos Rio/SP e a democracia das decisões daquilo que financeiramente for melhor devemos respeitar! O que me desagrada em SP é capacidade de bairrismo da imprensa local! Talvez não seja tão infeliz a ideia do torneio sul/minas! O Flamengo esta apresentando uma nova filosofia de administração e toda e qualquer tentativa de melhorar receitas e acima de tudo o time em campo, deve ser vista como interessante! Agora participar para passar vergonha, convenhamos, não compensa sob qualquer ótica! De toda forma querido Kléber,você tem o filling de quem comandou essa máquina poderosa! Eu voto na coluna do meio! Saudaçoes a todos os amigos

    Reply
  14. Prezados, bom dia. Sou totalmente a favor do Rio X São Paulo. É um campeonato que serve de paramento técnico e financeiramente seria ótimo para os Clubes.

    Reply

Comente.