Cada dia, pior…

Oswaldo de Oliveira em entrevista coletiva. Ao fundo, de dirigentes do clube (Foto: Ivan Raupp)

Oswaldo de Oliveira dando entrevista coletiva. Ao fundo, os dirigentes (Foto: Ivan Raupp).

De chorar o que se ouve e o que se lê, com relação aos últimos problemas rubro-negros. O treinador, como se da tumba estivesse saindo, aparece para assumir a responsabilidade pela punição aos jogadores. Ora, se estava errado, se vinha errado, o que foi feito para se mudar o curso? Por que motivo o treinador não se manifestou antes? Estava esperando o que?

Sinceramente, isto me cheira a mais uma atitude pusilânime em que, o propósito final é ficar bem com quem tem a caneta na mão. Só há um detalhe: jogador de futebol pode, na média, não ter um nível cultural dos mais elevados, mas, em contrapartida, sobra sensibilidade. Os que não estão envolvidos, lendo as declarações de Oswaldo de Oliveira, certamente perderam a confiança no treinador. E, ambiente de futebol sem confiança, é o início do fim. Hoje, com esta atitude, Oswaldo de Oliveira deu adeus aos profissionais do Flamengo. Trairagem no futebol é pecado mortal.

O noticiário também dá conta do desencontro total no comando do futebol. Flavio Godinho, ministro sem pasta, batendo de frente com Rodrigo Caetano e, sentado numa cadeira de balanço, tomando uma Coca-Cola, Gérson Biscotto, assistindo a tudo, sem nada entender. A figura de Plínio Serpa Pinto, o único entre todos com experiência na matéria, sequer mencionada é. O presidente? Ninguém sabe, ninguém viu…

Este final de ano será de amargar…

Tudo errado 2

compulsao_sexualRidículo, diria mesmo, patético, este episódio que tomou conta dos cadernos esportivos envolvendo os jogadores do Flamengo numa festinha, regada a cerveja, e claro, com mulheres à disposição…

Já vi de tudo no futebol. O primeiro caso fora do comum, foi o de um jogador do Flamengo que sofria de compulsão sexual. O nosso personagem que, diga-se de passagem, corria em todos os jogos mais do que qualquer outro companheiro, não conseguia atravessar 24 horas sem praticar o esporte…. Ficava completamente fora de controle. Naquela época, os dirigentes eram sensíveis e sabiam conviver, e entender, primeiro, o ser humano. Este jogador, de passagem longa pelo clube, teve, em função do seu curioso problema, um tratamento diferenciado, o que possibilitou seu próprio seguimento de vida profissional. Houvesse à época, ao invés do “Barão”, genial vice-presidente de futebol, um dirigente troglodita, o Flamengo não teria contado com um dos seus mais aplicados jogadores ao longo da história. As rápidas escapulidelas aconteciam, inclusive, na véspera dos jogos, durante o período de concentração. Era preciso… O tempo e um longo tratamento, patrocinado pelo Flamengo, trouxeram o nosso “jogador espada” à normalidade…

O Hotel Windsor, na Barra, já foi palco de várias tentativas de “armações”. Já houve o caso de um jogador que hospedou uma “gata” no mesmo hotel, num período de concentração. A jogada era deixar todos dormirem, sair de mansinho do quarto dele e, invadir o dela… O nosso personagem só não sabia que, fazia parte da rotina de controle do competente professor Isaias Tinoco, extraordinário e sensível profissional, checar no dia seguinte pela manhã o que as câmeras haviam captado de movimento no andar exclusivo que servia de concentração. O plano foi descoberto. Houve a tentativa por parte do competente atleta em negar o fato, pois saíra do quarto com um capuz para disfarçar, mas a tecnologia o derrotou. Na chave do apartamento fica registrado dia e hora em que o hóspede entrou e saiu do quarto. Isto foi de sexta-feira para sábado, quando a “armação” foi descoberta pela manhã. Na hora do almoço, o jogador foi chamado. Tentou negar, mas acabou se curvando às evidências, que eram pra lá de contundentes. A “gata”voltou pra casa. De sábado para domingo, nenhum problema. No domingo, Flamengo campeão. Na segunda, o nosso “craque armador” recebeu o comunicado de multa, se não estou equivocado, de 20% nos seus vencimentos, quantia esta, por lei, revertida para o sindicato dos jogadores. E a vida seguiu normal, embora, mais à frente, o nosso personagem tenha mergulhado num abismo. Mas, este é outro assunto…

O bom ambiente é tudo. Quando há liderança, fora e dentro do campo, tudo fica fácil, inclusive se organizar com competência os momentos de folga dos jogadores, momentos estes, em que são eles, donos absolutos dos seus próprios narizes. Não preciso aqui mencionar os jogadores que, por temperamento, opção, necessidade física ou sexual, pelas tentações, foram ou são muito ativos no aspecto social. Isto é inerente ao ser humano, e o profissional de futebol não foge à regra. O dia de folga, é sagrado. Nele, naturalmente a lei não sendo agredida, cada um tem o direito de aproveitar como bem entender. Se o que dá prazer é um churrasco em que, obrigatoriamente não possam faltar cerveja e mulheres interessantes, qual é o problema?

Este episódio me soa até como um pouco de covardia. O final do filme é convencer a opinião pública de que a campanha ridícula do Flamengo neste campeonato se deve exclusivamente à irresponsabilidade de cinco ou seis jogadores farristas que, mais preocupados estão com os momentos de lazer, do que com o comprometimento profissional. Ridículo!!! A má performance se deve a um elenco montado com total incompetência e sem nenhum critério. O ano ruim se deve à total falta de liderança, dentro e fora do campo, com gente comandando o futebol com o mesmo conhecimento de causa que o meu amigo Carlos Egon, tem de botânica.

Ora, por favor, todo este episódio é deprimente. Soma de covardia, incompetência, pusilanimidade e mau caratismo.

 

Quem é quem no Flamengo

Blog do Kleber LeiteTendo como premissa o processo democrático, abrimos espaço neste blog para os três candidatos dirimirem as principais dúvidas dos rubro-negros, sócios ou, apenas apaixonados torcedores.

Dois deles responderam, Wallim Vasconcelos e Cacau Cotta.

Eduardo Bandeira de Mello, por meio de seu vice Rafael Strauch, sugeriu ao meu fidelíssimo escudeiro, Robert Rodrigues, que buscássemos as respostas aos questionamentos no website de sua campanha, e acrescentou, dizendo que a chapa azul, diferentemente das outras – que apenas se preocupam com a eleição do final do ano – não tem tempo para responder esses questionamentos e administrar o clube simultaneamente.

Sem mais delongas, vamos ao que interessa. Vamos conhecer um pouco da forma como dois, dos três candidatos, pensam e veem, a maior paixão popular deste país.


1 – Equipe

A. Kleber Leite: Os nomes de companheiros rubro-negros mais conhecidos que, fazem parte de sua chapa e, que se disponham a ajudar no dia a dia.

cacau300Cacau Cotta:

Os nomes de companheiros rubro-negros mais conhecidos que, fazem parte de sua chapa e, que se disponham a ajudar no dia a dia.

José Pires; Luiz Mairovitich; Marcelo Faulhauber; Pedro Alberto Moreira Leite (Pity); Rafael De Pyro; Ruy Travassos; Silvio Capanema; Siro Darlan; Ubiratan Guedes; Yuri Sahione”

wallim300Wallim Vasconcellos:

“Os nomes de companheiros rubro-negros mais conhecidos que, fazem parte de sua chapa e, que se disponham a ajudar no dia a dia.

A Chapa Verde é formada por 16 dos 17 membros que lançaram a Chapa Fla Campeão do Mundo – num grande evento em agosto de 2012. Daqueles que lá estavam, apenas o Sr. Flavio Godinho acabou ficando com o Eduardo Bandeira. Além destes 16 nomes ligados ao empresariado, recebemos novos apoios importantes. Temos hoje mais de 30 grandes rubro-negros que estarão de uma forma ou de outra trabalhando com o nosso Grupo, sempre com o objetivo de fazer nosso Flamengo ainda maior. Você poderá ver a relação destes nomes em nossos comunicados semanais.

No início de novembro iremos divulgar os nomes dos responsáveis por algumas pastas do Conselho Diretor – aqueles que ficarão no dia a dia do Clube e representarão todo o grupo de apoio. Já posso te adiantar que os nomes abaixo certamente farão parte desta Diretoria:

  • Rodolfo Landim – ex-VP de Planejamento; ex-Presidente da BR e Sócio presidente da Ouro Preto Óleo & Gás
  • Luís Eduardo Baptista – ex-VP de Marketing; Presidente da Sky
  • Rodrigo Tostes – ex-VP de Finanças; COO do Comitê Olímpico Brasileiro
  • Gustavo Oliveira – ex-VP de Comunicação; Presidente da Associação Brasileira de Agências de Propaganda, capitulo Rio
  • Alexandre Póvoa – atual VP dos Esportes Olímpicos; Sócio diretor da Canepa Asset
  • Walter D’Agostino – atual VP Geral do Flamengo; Desembargador
  • Adalberto Ribeiro – ex-Chefe de Gabinete da presidência do Flamengo; Advogado
  • Lysias Itapicuru – Presidente do Instituto de Economia do Brasil

 Já temos outros nomes acertados. Estes serão informados, como comentei, durante o mês de novembro. Sem dúvida, os associados saberão, de antemão, qual a equipe que dirigirá o Flamengo no próximo triênio, em caso de vitória da nossa Chapa Verde”.


2 – Futebol

A. Kleber Leite: Haverá um vice-presidente de futebol, com autonomia?  

cacau300Cacau Cotta: 

Sim, com total autonomia, supervisionada pelo regime presidencialista e estatutário, tendo abaixo deste um diretor executivo remunerado e um supervisor de futebol.”

wallim300Wallim Vasconcellos:

”Com certeza. Autonomia sim, mas com responsabilidade e conceito de grupo.  É importante ter em mente que o futebol é o maior patrimônio do nosso Flamengo e não pode ter suas decisões apoiadas apenas no conceito de uma pessoa. A pressão é enorme e as chances de uma decisão errada são grandes. Sendo assim, apesar do VP ser o responsável final pelas decisões, manteremos o trabalho do Comitê de Futebol, composto pelo Presidente, VP de Futebol, Finanças e Marketing. Esta estrutura dará respaldo político e técnico para as decisões a serem tomadas pelo VP de Futebol.”

 

B. Kleber Leite: O conselho gestor do futebol, continuará existindo?

cacau300Cacau Cotta:

Não. Conselho gestor não funciona nem na nossa casa. No futebol tem que saber quem comanda e de quem cobrar resultados.”

 

wallim300Wallim Vasconcellos: 

“Sim. Como disse anteriormente, o Comitê do Futebol (ou Conselho Gestor do Futebol) continuará existindo com as atribuições de discutir e aprovar o planejamento, orçamento e as metas para futebol no ano seguinte. Qualquer alteração e/ou fato relevante que não conste do planejamento será discutido pelo Comitê e implementado pelo VP de Futebol e o Diretor Executivo. Este modelo de gestão, mesmo com os erros naturais de percurso que cometemos, me ajudou muito na época em que fui VP de Futebol. Época esta onde, mesmo tendo recebido o clube com enormes problemas financeiros, estruturais e de elenco, acabamos conseguindo conquistar a Copa do Brasil, a Taça Guanabara, o Campeonato Carioca e participamos da Libertadores. Depois da minha saída, há mais de 1 ano, infelizmente nosso Flamengo não conseguiu mais nenhum título e tem sido derrotado regularmente por times que sempre foram nossos fregueses. Temos rapidamente que mudar isto.”

Leia mais

O quem é quem, fica para amanhã

c5684e44-1331-4b73-bf03-7460b596179cEmbora houvesse a intenção de que, até o meio-dia de hoje, pudéssemos publicar as respostas dos candidatos sobre as mais variadas dúvidas a respeito do futuro do Flamengo, atendendo à justa e gentil solicitação de um dos candidatos, transferimos a publicação para amanhã, na parte da tarde.

Tendo como premissa o processo democrático, nada mais justo do que dar a todos a mesma oportunidade e, para quem vai votar, poder comparar o que vai na cabeça e no coração de cada um, da forma mais transparente possível. A nossa ideia, é que, a cada assunto, num mesmo espaço estejam as respostas de cada candidato. Desta forma, será muito mais simples a leitura e, consequentemente, a possibilidade de comparação.

Ainda sem muito ânimo em função dos resultados recentes do nosso time, fica a esperança de um futuro melhor e, para isso, pra começar, é importante o voto consciente. E, a melhor forma de se ter a certeza de estar votando certo, é conhecer bem cada candidato e, como cada um deles imagina o Flamengo para o próximo triênio. Amanhã, saberemos. Amanhã, conheceremos melhor cada um dos candidatos.

Resenha de mais uma derrota

(Foto: Staff Images)

(Foto: Staff Images)

. Pra começar, o placar de 1 a 0 para o Corinthians ficou de bom tamanho, diante de tudo que se viu. Um adversário infinitamente melhor, técnica e taticamente, os inúmeros gols perdidos por eles, o pênalti não marcado em Elias e, o fato do Flamengo ter jogado com 10 durante boa parte do segundo tempo.

. No gol do Corinthians, impressionante o posicionamento equivocado do zagueiro César Martins, que tentou adivinhar, ficou no meio do caminho e, acabou deixando a defesa aberta e desarrumada.

. O nosso Oswaldo de Oliveira, talvez por não saber o histórico preciso do seu elenco, de certa forma, foi responsável pelo time ter terminado o jogo com 10 jogadores. Quando Jonas tomou o primeiro cartão, estava mais do que na cara que o segundo e, consequentemente o vermelho, era questão de tempo. A substituição de Jonas, no intervalo, era óbvia.

. Alguém precisa fazer um trabalho com este Jonas. Não é possível que o descontrole emocional deste jovem jogador se repita com tanta frequência. Infelizmente, com ele em campo, o perigo de não se terminar o jogo com 11 é enorme.

. Ainda sobre Oswaldo de Oliveira. Aqui pra nós, esperar o que de modificação no comportamento do time, quando as “salvações” são: Gabriel, Canteros e Ayrton…

. Ao contrário, Tite tem no banco de reservas todo tipo de alternativa possível, desde jovens com talento, a veteranos como Edu Dracena que, no Flamengo, seria titular absoluto.

. Como mencionei Edu Dracena, não posso deixar de lembrar que, como se joga futebol hoje em dia, em que a velocidade é a maior arma ofensiva, jogar com dois zagueiros pesados e lentos é suicídio. Quem tiver oportunidade de ver novamente este jogo, vai entender o que estou dizendo. Quando se tem um zagueiro que não tenha velocidade, colocar ao lado dele um outro com as mesmas características é mais do que dar sopa para o azar. É contrariar a natureza. Qualquer semelhança sobre este tema, é mera coincidência…
 

(Foto: Staff Images)

(Foto: Staff Images)

. Hoje, Guerrero fez a sua mais participativa atuação pelo Flamengo. Marcado pela torcida adversária, teve personalidade. Não se escondeu nunca e foi a única preocupação para a defesa Corintiana.

. Emerson fez muita falta. Hoje, poderia ter ajudado muito, dividindo a responsabilidade com Guerrero. Acho que com ele em campo, o resultado poderia ter sido outro.

. O árbitro, ridículo. Além da péssima atuação, a absoluta falta de critério. Deu dois catões amarelos por reclamação, sendo um injusto, o de Elias, que reclamou com razão do absurdo pênalti não marcado. Outros dez jogadores reclamaram como Guerrero reclamou e, só o atacante do Flamengo recebeu o cartão amarelo. Renato Augusto, além de reclamar, debochou do árbitro, e ele, nem aí…

. E, por falar em Renato Augusto, como está jogando… Não bastasse estar jogando demais, é o líder e grande maestro do melhor time do campeonato, o homem de confiança de Tite.

. E o Flamengo não quis, sequer conversar com Renato Augusto, quando do seu retorno, determinou ao seu empresário, procurar no Brasil, em primeiro lugar, os dirigentes rubro-negros. Os ceguetas nem quiseram conversar…

. E o Elias? Bem, vamos deixar pra lá. Passado é passado. Agora, o que nos resta é construir o futuro.

. E, por falar em futuro, esperamos amanhã, poder publicar as respostas dos três candidatos à presidência. Pelas respostas, vamos começar a perceber como será o nosso futuro.

Virose mental

(Imagem: Reprodução SporTV)

(Imagem: Reprodução SporTV)

As minhas últimas 24 horas foram de amargar. Imaginei que pudesse ter sido vítima de uma moqueca capixaba, com os ingredientes pescados em local poluído e contaminado. Dr. Spitzz, grande rubro-negro, garante que fui vítima de uma virose e, com o seu veredito, salvou a imagem do restaurante.

Mesmo ainda baleado, não posso deixar de registrar o meu desapontamento com o treinador Oswaldo de Oliveira. Leio que, decidiu ele pela barração de Samir, e a consequente entrada de Wallace, sendo então a zaga para o jogo contra o Corinthians composta por César Martins e Wallace. Com Samir, no banco.

Conclusão: Esta virose, que está atacando todo mundo, resolveu se alojar na cabeça do nosso treinador.

Virose, mental…

Reforços

Diego Souza, Dedé, Arão e Pikachu. Bons reforços?

Diego Souza, Dedé, Arão e Pikachu. Bons reforços?

O noticiário dá conta de que os atuais dirigentes do Flamengo tentam as contratações de Diego Souza, Dedé, Arão e Pikachu. Como opto sempre pela ação, até por uma questão de coerência, não posso deixar de elogiar a iniciativa de se tentar melhorar o nível do elenco para 2016.

O problema maior, na minha opinião, reside no fato de estarmos procurando jogadores de nível médio, sem que o comando esteja definido para o ano que vem. Se neste momento estivéssemos concentrando esforços em contratar jogadores inquestionáveis, tudo bem. Não precisamos saber quem será o treinador a partir de janeiro para, por exemplo, tentar contratar o Lucas Lima, o Elias, o Renato Augusto ou o David Luiz. Claro que, qualquer treinador ficaria feliz com qualquer um destes reforços.

Infelizmente, o mesmo não se aplica aos jogadores anunciados como possíveis reforços, pois há controvérsias com respeito à eficiência deles. Enfim, mesmo sem respeitar a cartilha do bom senso, está se tentando alguma coisa. Até para orientação da nossa turma diretiva, proponho aqui que, os meus amigos e companheiros do Blog, como reforços para o Flamengo, deem notas de 0 a 10, para cada um deles:

DIEGO SOUZA: Nota…
DEDÉ: Nota…
ARÃO: Nota…
PIKACHU: Nota…

Estou curioso. Não vou começar para não haver aqui qualquer tipo de influência, até porque, o mais importante não é a minha opinião, e sim, a média de todas as opiniões.

Vamos Lá?

Pedido justo

O trio Elias, Gil e Renato Augusto, que com Cássio, virará um quarteto na Seleção Brasileira (Foto: Divulgação).

O trio Elias, Gil e Renato Augusto, que com Cássio, virará um quarteto na Seleção Brasileira (Foto: Divulgação).

O Corinthians, que luta pelo campeonato e, pelo jeito, já levou, reivindica junto à CBF, que seu jogo contra o Vasco mude de data, embora o regulamento da competição não permita.

Com quatro jogadores convocados para a Seleção Brasileira – Cássio, Gil, Elias e Renato Augusto – o clube paulista quer transferir o seu jogo contra o Vasco, do dia 18, uma quarta-feira, para o dia 19, quinta.

Isto, pelo fato da Seleção jogar, pelas eliminatórias, dia 17, contra o Peru, em Salvador. Com todo respeito, este regulamento é injusto. Nenhum clube pode ser penalizado por ceder quatro jogadores para a Seleção Brasileira. Isto seria o cúmulo dos absurdos. Aliás, esta convocação demonstra com clareza a superioridade do time do Corinthians. Caramba, os quatro jogadores convocados não pertencem ao Real Madrid, ou ao Barcelona, e sim, a um clube brasileiro, o que não deixa de ser um grande feito.

O Santos também já se arvora em, seguindo o Corinthians, passar o seu jogo contra o Flamengo do dia 18, para o dia 19. Vale lembrar que o Santos teve dois jogadores convocados, Lucas Lima e Ricardo Oliveira. Não tão justo como o caso do Corinthians, mas também justo.

Camisa 1

Jefferson defendendo pênalti de Messi (Foto: Reuters)

Jefferson defende pênalti de Messi (Foto: Reuters)

No dia em que barrou Jefferson para a partida contra a Venezuela, ao que tudo indica, por ter o goleiro – em lance discutível – falhado no primeiro gol do Chile, Dunga foi criticado aqui neste blog (ler aqui). Agora, para um jogo pra lá de complicado, contra a Argentina, em Buenos Aires, o treinador da seleção convocou três goleiros: Alison, Jefferson e Cássio.

Na hora da escalação será uma boa oportunidade para que tentemos entender a cabeça do treinador. Será que manterá Alison ou, pelo fato do jogo ser encrespado, preferirá a experiência e a regularidade de Jefferson? Cássio, embora particularmente eu goste muito, nem por fora acho que corre. Será banco, com certeza.

Romário e Paulo Cesar Caju, espinafraram Dunga por ter barrado Jefferson que, segundo Paulo Cézar Caju, errou na postura, pois deveria, ao saber da barração, ter pedido dispensa da Seleção. Romário, pegou também pesado, criticando Dunga, seu ex-companheiro de Seleção.

Bom tema, não? Duas perguntas:

  1. Quem tem razão, Dunga, ou Romário e Paulo Cézar?
  2. A quem você entregaria a camisa 1 da Seleção no jogo contra a Argentina?

Bom, com bom! Ruim, com ruim…

Zico, sempre um grande "parceiro" de pelada.

Zico, sempre um grande “parceiro” de pelada.

Um dos melhores campos de pelada do Rio de Janeiro, foi o Alcidão, no Recreio dos Bandeirantes. Por lá passaram gênios da bola, muita gente boa de bola e muita gente ruim de bola.

Os dois maiores gênios que desfilaram no Alcidão foram Gérson, o “Canhotinha de Ouro” e, Zico, o nosso Rei. Muita gente boa de bola, também. Orlando Lelé, Miguel, Dé, Antunes, Edu, entre os jogadores e, alguns outros, também, bons de bola, só que nunca foram profissionais.

Havia, como sempre, os medianos e, claro, os pernas de pau. O responsável pela organização das peladas era o Murilo, meio campista talentoso, de jogo cadenciado e, um líder natural. Como tal, competia a ele, dividir os times. Aí, sempre, “o bicho pegava”, pois como todos queriam ganhar, estar no melhor time era meio caminho andado.

Gérson, o nosso canhota, já foi vítima de tremenda gozação. Num sábado à tarde, chuvoso, Murilo só conseguiu armar dois times, só que, na distribuição das camisas, colocou todos os bons do mesmo lado e do outro, Gerson e todos os pernas de pau. O “Canhota” irado, criou a maior confusão, pois, para ele, qualquer pelada era final de Copa do Mundo. Ele queria ganhar sempre. Claro que a brincadeira foi descoberta e foi feita uma nova divisão.

Houve o caso de tremenda discussão em que ninguém estava satisfeito no time em que fora escalado. Como havia muita gente, com quatro times formados, Ovídio, o Tio Vivi, decretou: “Bom com bom. Ruim, com ruim…” E, como se profecia fosse, tivemos dois jogos. Time Bom x Time Bom e, Time Ruim x Time Ruim. Nada mais justo. Nada mais simples.

No Alcidão, vivi grandes momentos de peladeiro. O melhor de todos, um jogo entre a seleção do Alcidão, com Dé, Orlando Lelé, Miguel e outros craques não conhecidos, contra a família Antunes, “reforçada” por mim e pelo Velho Apolo. Ganhamos o jogo por 5 a 3 e, neste jogo, a minha mais gloriosa passagem como peladeiro. Roubei uma bola no meio, toquei para o Galo, que devolveu na frente. Driblei o zagueiro, toquei novamente para o Galo e, corri livre para receber. Zico, preferiu chutar no gol e o goleiro pegou. Quando voltávamos para recompor a meiuca, ouvi dele: “Desculpe, foi mal!” Que troféu!!!

Ah, ia esquecendo. Outro que jogava e, muito bem, era o nosso presidente eterno, Francisco Horta. Era do ramo…