Precisamos relaxar

Queridos amigos,

Um meio de semana com stress em alta e, amanhã tem mais…

Que tal relaxar um pouquinho?

Curtam estes vídeos. Alguns suaves, outros nem tanto. O importante, é que ajudam a relaxar.

O último, que me foi enviado por um apaixonado torcedor do Botafogo, porém de alma rubro-negra, pois vive em perfeita sintonia com o povo. Verdadeiro poema…

Divirtam-se, tomem susto e no final, a emoção é garantida.

Que o sábado seja rubro-negro.

 

 

 

 

 

 

Muita calma nessa hora

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Quando a derrota machuca, é mais do que comum para qualquer torcedor procurar um culpado, meio que tentando encontrar o seu Judas para nele extravasar sua decepção.

Por isso mesmo vou entender qualquer tipo de comentário que virá a seguir, mas convido os meus queridos amigos para uma reflexão não raivosa, mesmo entendendo ser solicitação difícil de ser entendida – e atendida – neste momento de sofrimento.

O jogo pode ser resumido da seguinte forma: sonolência do time no primeiro tempo e, dia de Muralha furada…

Na primeira etapa, deve ter acontecido hoje, o que aconteceu no jogo em que perdemos para o América do México. Acho que o jogo de ida, com a vitória conquistada, relaxou o time. Faltou pegada…

E, em um dia, ou melhor, em uma noite, que falta pegada, ainda por cima o goleiro falha, convenhamos que é namorar demais como azar.

Veio o segundo tempo e, não faltou luta, mas faltou gás… A parte física foi fator decisivo para que o segundo gol não tivesse saído.

Acho que hoje houve um erro estratégico na escalação de Pará, que não poderá jogar domingo por ter levado o terceiro cartão amarelo. Seria uma bela oportunidade para dar ritmo de jogo a quem vai jogar contra o São Paulo.

De resto, muito difícil criticar sem conhecimento de causa. Em tese, Mancuello deveria ter começado o jogo, mas isto é tão claro que imagino ter havido um bom motivo para Zé Ricardo não ter tomado tal decisão.

Guerrero, completamente fora de ritmo da música tocada durante toda a partida…

Enfim, não adianta mais falar sobre o jogo. O que interessa agora é pensar no Campeonato Brasileiro e manter o ânimo da tropa lá em cima.

No fundo, pelo que tenho observado nos últimos jogos, o aspecto físico é preocupante. Tomara que eu esteja equivocado…

Bola pra frente!

Dúvida cruel

fotorcreated5Hoje, estava ouvindo o programa do meu irmão de vida Washington Rodrigues, o Apolinho, quando surgiu o tema, realmente polêmico, de qual seja a medida correta a ser adotada pelo comando do futebol do Flamengo no que diz respeito a jogar paralelamente o Campeonato Brasileiro, onde é vice-líder e distante apenas um pontinho do líder, e a Copa Sul-Americana, onde tem tudo para avançar para as quartas de final, bastando um empate amanhã contra o Palestino, do Chile.

Meu amigo Washington, de quem raramente discordo, acha esta Copa Sul-Americana uma “mala” na vida do Flamengo. O raciocínio dele é o seguinte: A meta prioritária é a conquista do Campeonato Brasileiro, que o Flamengo não ganha desde 2009. A Copa Sul-Americana, tem como cereja do bolo a vaga para a próxima Libertadores da América, vaga esta que, pelo pique da remada, o Flamengo conquistará no Brasileirão, pois normalmente estará ao final da competição entre os quatro primeiros colocados. Desta forma, por que motivo sacrificar e desgastar fisicamente o time na Copa Sul-Americana, se no Campeonato Brasileiro o Flamengo pode matar dois coelhos com uma só cajadada, conquistando o hepta tão sonhado, e a vaga para a Libertadores?

Realmente o tema é polêmico. Deve o Flamengo, definir um time B para disputar o restante da Copa Sul-Americana, priorizando o Campeonato Brasileiro? A segunda alternativa é um meio de caminho, mesclando titulares e reservas a cada jogo da Copa Sul-Americana e, a terceira opção, a mais radical, encarar as duas competições com o que temos de melhor e, seja o que Deus quiser…

Agora, o que penso e, confesso, doido para ler os comentários e assim ter uma noção exata da média do pensamento rubro-negro. Vamos lá: Uma pergunta é fundamental e deve estar sendo feita pelos dirigentes: O título de Campeão da Copa Sul-Americana é importante ou, só o que vale é a vaga para a Libertadores? A resposta, vai definir o caminho a ser trilhado. Se os dirigentes entenderem que ser campeão da Copa Sul-Americana é uma conquista importante, poupar nesta competição apenas quem realmente precisa ser poupado, indo para cada jogo quem estiver bem. Se a diretoria entender que o que vale na Copa Sul-Americana é a vaga para a Libertadores, aí não há o que discutir. Time mescladíssimo na Sul-Americana e, prioridade total para a conquista do Hepta, tendo a vaga para a Libertadores como um plus em caso de conquista do Campeonato Brasileiro ou, não sendo campeão, prêmio de consolação por ser um dos quatro primeiros colocados.

Quando aqui coloco que a decisão é dos dirigentes, é por entender que compete ao treinador treinar e escalar, porém, a filosofia sempre compete ao dirigente. Saber se uma conquista de Copa Sul-Americana vale, só quem pode responder é quem tem o Flamengo na alma. Isto é missão para amador apaixonado, e não para profissionais. Se presidente, ou vice de futebol fosse, determinaria ao treinador 100% de atenção ao Campeonato Brasileiro e, confiaria na sensibilidade dele para conviver da melhor forma possível com a Copa Sul-Americana.

Amanhã tem Mengão de novo, mesmo que à meia bomba… Que maravilha!!!

 

Flamengo 2 x 1 Cruzeiro – Notas

Seguindo o que já é uma tradição por aqui, seguem abaixo as médias atribuídas pela família do blog aos jogadores que participaram da importante – e emocionante – vitória do último domingo, perante o Cruzeiro, pelo Campeonato Brasileiro.

cruzeiro-medias


Abaixo apresentamos as médias dos jogadores em todos os jogos avaliados, porém, por questões de visualização, apenas as cinco últimas partidas são mostradas. Para ver as médias de todos os jogos, basta clicar aqui e acessar a tabela completa no Google Drive (sugestão do amigo Fausto Madeira).

medias-cruzeiro


E finalizando, o gráfico com a média geral do plantel rubro-negro.

grafico-cruzeiro

Pingadinhas de segunda…feira!!!

emerson

Sheik em sua chegada.

. Hoje, tive o prazer de tomar um cafezinho com meu amigo Plínio Serpa Pinto e, relembramos o extraordinário custo/benefício que foi, à época, a contratação de Emerson Sheik, jogador que por aqui ninguém conhecia.

Naquela época a crise financeira no Flamengo era brutal e, em função disso, todos os departamentos, inclusive o de futebol, estavam proibidos de assumir qualquer gasto, por menor que fosse. Emerson teve que ser escondido no “Cheirinho do gol”, famoso campo de pelada no Recreio dos Bandeirantes, de propriedade de um notável rubro-negro que emprestou seu apelido ao referido local. Lá, Emerson recuperou a forma durante três semanas, tempo suficiente para aprovarmos um salário simbólico. O que podíamos pagar era muito pouco e, se deu certo, foi em função do jogador ter acreditado, primeiro no seu futebol, e depois, nas pessoas com quem estava tratando. Plínio contou que em Cariacica relembraram com carinho este episódio, com final feliz para todos.


622_41aaa12f-a4e0-3e8a-aa88-92c19e7922e5

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

. A moral da historinha acima é simples: às vezes, de onde menos se espera vem algo maravilhoso. E, nesta trilha, acabamos falando de Rafael Vaz, que era reserva no Vasco e chegou ao Flamengo completamente desacreditado. No caso de Emerson, por uma dessas coincidências felizes, um belo dia, soube que uma pessoa da minha total e irrestrita confiança e, adorado por todos os rubro-negros deste planeta, havia feito muitos elogios ao desconhecido Emerson em sua passagem pelo futebol japonês. Esta informação, e partindo de quem partiu, me deu coragem para brigar pela nobre causa.

Agora, com Rafael Vaz, aconteceu algo parecido. Plínio acreditou em uma pessoa de total confiança dele que, não só garantiu que Rafael Vaz iria arrebentar no Flamengo, como também foi decisivo para concluir a transação. O resumo desta ópera é que até aqui, o custo/benefício de Rafael Vaz é simplesmente espetacular. Embora o Flamengo tenha a garantia de três anos de contrato, dando uma de pitonisa do bem, estou quase apostando que muito em breve, com o maior prazer do mundo, Flavio Godinho vai chamar o zagueirão e propor uma prorrogaçãozinha contratual, mediante salário compatível com o futebol que Rafael Vaz vem apresentando. Rafael Vaz tem 28 anos. Que bela contratação! Que tiro na mosca, ou melhor, no olho da mosca…


As declarações “polêmicas” do jovem Gustavo no Twitter

. Esta é muito boa e demonstra o despreparo espiritual das pessoas envolvidas no futebol. Deu na internet, que o jovem Gustavo Rodrigues, de apenas 17 anos, foi mandado embora do Botafogo por ter comemorado, como torcedor rubro-negro, a vitória de ontem do Flamengo sobre o Cruzeiro.

Meu Deus, João Saldanha deve estar irado no céu pela insensibilidade dos dirigentes alvinegros e, pelo fato do Botafogo perder um jogador por ser torcedor de outro clube. Se estes dirigentes tivessem nascido antes, quem sabe Garrincha, que era rubro-negro, jamais teria consagrado a camisa 7 do Botafogo. Que bola fora… Que papelão… Que ridículo…

Tomara que os dirigentes do Flamengo tenham tomado conhecimento do caso e chamem Gustavo Rodrigues para unir o útil ao agradável… E, tomara que ele seja muito bom de bola… Se isto acontecer, estes dirigentes do Botafogo vão ter que se mudar para a Sibéria…


. Hoje foi noticiado que a diretoria do Flamengo retomou na convivência com os jogadores, o famoso “bicho”, e que a premiação é paga após cada jogo, ainda no vestiário. Não sei de quem foi a ideia, mas não posso deixar de aplaudir. Claro que, os almofadinhas que nunca conviveram no mundo do futebol – e por isso chamo de “almofadinhas da bola” – vão criticar dizendo que é um retrocesso, que o jogador já ganha o suficiente, que o “bicho” é o troglodita no mundo da bola, que é imoral, que é irresponsável, y otras cositas más… (em espanhol fica melhor, mais autêntico…)

Pode parecer bobagem, mas o “bicho”por uma vitória, pago ainda no vestiário, agrega e, ajuda a criar o espírito de vitória. Diria, sem medo de errar, tratar-se de uma doce e quase infantil cumplicidade entre diretoria e jogadores. Funciona. E, como funciona…


. Amigos e companheiros: Até amanhã, ao meio dia, o nosso matemático Robert Rodrigues, de cabeça inchada pelo seu Botafogo, estará aguardando as notas dos nossos meninos no jogo de ontem contra o Cruzeiro. Egon, amigo, cadê você?

 

Sorte de Campeão

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Sinceramente, não sei por onde começar. Tentando ordenar as ideias, ainda sob forte emoção, acho mais fácil ir pingando o que me ficou na cabeça.

. Um primeiro tempo com o Flamengo tendo amplo domínio do jogo, embora não tenha sido contundente. Isto explica o 0 a 0.

. Um segundo tempo atípico, onde perdemos no aspecto físico, mas acabamos ganhando o jogo.

. Márcio Araújo, sempre questionado, fazia uma ótima partida e, era o “anjo da guarda” dos zagueiros. Arão, em contrapartida, fazia um jogo pouco criativo na armação e, hoje, pouco combativo. Acho que deveria ter saído o Arão. A defesa ficou muito exposta e, não perdemos o jogo graças a três santos: São Judas, São Muralha e São Ábila…

. Pará recebeu o cartão amarelo e, em dois lances seguintes poderia ter recebido o segundo cartão que, consequentemente, resultaria no vermelho. Já no primeiro lance pedi a Deus para que ele fosse substituído. Não foi e, em função de já ter o cartão amarelo, evitou o choque, tirando nitidamente o corpo para evitar a trombada. e daí pintou o gol do Cruzeiro.

. O nosso primeiro gol foi um prêmio a um Guerrero combativo e querendo jogo. Tudo bem que o fator sorte ajudou no lance, quando após o chute a bola desviou no jogador do Cruzeiro, mas não há nenhuma dúvida de que Guerrero tenha feito por merecer. Cavou a jogada do gol e, fez um belo jogo.

. E o Muralha, hein? Virou paredão!!!

. Rafael Vaz continua jogando muito. De todos os jogadores contratados, com certeza, se pesquisa fosse feita antes dele começar a jogar, seria o campeão da desconfiança. A grande vantagem é que ele sabe jogar, é técnico. E, quando um zagueiro que é técnico, tem personalidade e suporta o peso do Manto, aí meu amigo, daqui a pouco é amarelinha…

. Com que disposição entrou o Fernandinho. Impressionante!!!

. E o toque do Mancuello no gol da virada… Mancuello, quase havia marcado no lance anterior. Jogador agudo, decisivo…

Desculpem a desordem, mas a emoção acaba tomando conta. Caramba, que loucura…

E a perseguição continua implacável.

Com raça, com talento, com o sopro da mais incrível torcida do planeta e, com sorte. Sorte de campeão!!!

Fico por aqui. Agora, vou tomar a minha “papinha” que, acalmará a alma.

Deixo vocês com a bem-humorada mensagem do nosso competente e vibrante vice de futebol, Flávio Godinho.

Flamengo 1 x 0 Palestino – Notas

Queridos amigos, seguem abaixo as médias das notas atribuídas por vocês ao time rubro-negro no confronto contra o Palestino, pela Copa Sul-Americana, na última quarta-feira, 21/09.

palestino1


E como é de praxe, abaixo vão as médias das últimas cinco partidas avaliadas, mais a média geral – que também tem um gráfico para melhor apreciação de vocês.

palestino-3

 

notas-medias3

 

Missão cumprida

(Foto: Claudio Reyes / AFP)

(Foto: Claudio Reyes / AFP)

Aliás, missão bem cumprida…

Com toda sinceridade, fiquei até certo ponto surpreso com o time do Palestino. Para um clube que tem um orçamento trinta e cinco vezes menor do que o nosso, convenhamos que foi além do que se poderia esperar.

O Flamengo fez o que lhe competia fazer. Não vou aqui comentar o time escalado, até porque é o Zé Ricardo que está com a mão na massa e, mais do que ninguém, sabe quem precisa ser poupado e, quem está em ponto de bala.

Claro que, um time que não está habituado a jogar junto sofre a falta de entrosamento, mas mesmo com este problema óbvio, o conjunto até que não comprometeu.

No plano individual, ninguém foi mal. Como no futebol confiança é quase tudo, não dá para deixar de notar o quanto a convocação fez bem para o nosso goleiro. Muralha, foi perfeito.

Sistema defensivo que surpreendeu pelo entrosamento, com destaque individual para Rafael Vaz. No meio, enquanto teve fôlego, Alan Patrick ditou o ritmo do time.

Guerrero voltou bem. Cirino entrou muitíssimo bem e, melhor do que ele, só Emerson, que decidiu o jogo. E, melhor do que Emerson, o técnico Zé Ricardo, que acertou tudo, escalando bem, enxergando bem e, substituindo melhor ainda.

Dever fora de casa muito bem feito. Nota 10.

 


Não esqueçam de dar as notas aos jogadores que participaram da partida. Segue abaixo o time para facilitar.

Alex Muralha
Rodinei
Juan
Rafael Vaz
Jorge
Márcio Araújo
Cuéllar
Alan Patrick
(Chiquinho)
Mancuello
(Emerson)
Fernandinho
(Marcelo Cirino)
Paolo Guerrero
– Zé Ricardo

MARACA-FLA ou FLA-MARACA?

20140405171556_561Brincadeira à parte, feliz da vida conto para vocês que nesta manhã estive com meu amigo Paulo Marinho que, ao lado de Roberto Medina, desenvolve junto com o Flamengo o projeto de viabilização do Maracanã.

Não posso falar muito, porém, faço questão de afirmar que encantado fiquei com tudo que ouvi. Primeiro, por ter a certeza de que o Flamengo está correndo de mãos dadas com os parceiros certos e, mais feliz ainda de ouvir sobre a retidão, seriedade, disciplina e competência, com que o pessoal do Flamengo vem desenvolvendo o tema.

Pelo que conversamos, ainda haverá este ano a necessidade da relação do poder público com os clubes, com o Maracanã sendo cedido jogo a jogo. O novo formato, em função do resultado da licitação, segundo os otimistas de carteirinha, deverá começar no final do mês de janeiro.

Duvido que, com as cabeças que estão tocando esta gigantesca empreitada, o resultado não seja altamente positivo para todos. O Maracanã, no projeto que ainda não saiu da forma, mas está quase pronto, além de ser a casa do Flamengo para os jogos de gala, será também, quem sabe, a mais importante praça de entretenimento para o povo do Rio de Janeiro e, uma das principais atrações turísticas no dia a dia da cidade.

Até Papai Noel, a partir de 2017, estará repaginado, chegando nesta sua nova etapa de vida vestido de vermelho e… preto!!!

Fiori Giulioti, foi um genial narrador paulista que, ao empunhar pela primeira vez o microfone para a transmissão de um jogo, dizia: “Abre-se a cortina para mais um espetáculo de futebol, torcida brasileira…”

Aqui, e agora, pelo que estamos presenciando com enorme alegria, caberia dizer: “Abre-se a cortina de um novo mundo para o mais querido do Brasil, torcida brasileira…”

 

 

Flamengo 2 x 0 Figueirense – Notas

Queridos amigos, seguem abaixo as notas da partida Flamengo 2 x 0 Figueirense, realizada no último domingo, 18/09/16, pelo Campeonato Brasileiro.flafigueira


Para o acompanhamento da evolução e desempenho de cada jogador nas últimas partidas, apresentamos também as notas médias dos últimos quatro jogos, bem como uma média geral de cada um e o respectivo gráfico.

 

medias-5graficoc

Para visualizar as chances de título atribuídas pelo matemático Tristão Garcia em seu site Infobola, basta clicar aqui.