Tarde infeliz dos treinadores

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

E parece que eles combinaram. No primeiro tempo, o treinador do Atlético trabalhou para o Flamengo. No segundo, o treinador do Flamengo trabalhou para o Atlético.

O time do Atlético começou o jogo escalado de forma totalmente confusa, com o meio de campo inteiramente vulnerável, isto sem falar nas opções individuais equivocadas. No segundo tempo, tudo foi corrigido.

No Flamengo, exatamente o contrário. Time muito bem escalado, jogando um primeiro tempo quase perfeito, com Guerrero muito bem no jogo, Diego ativo e, a dupla Gabriel e Fernandinho, incansável na marcação, fechando o meio e criando um monte de jogadas pelas beiradas do campo.

O placar de 1 a 0 para o Flamengo nos 45 minutos iniciais, foi magro. A vantagem poderia ter sido maior.

Veio o segundo tempo. O treinador do Atlético mexeu no time e corrigiu seu equívoco na escalação. O nosso Zé Ricardo, em tarde infeliz, trocou Gabriel por Emerson, e Fernandinho por Alan Patrick. Um desastre!!!

Será que o Zé esqueceu do jogo contra o Corinthians? Caramba, o jogo foi domingo passado. Será difícil concluir que, apesar do esforço, Emerson não dá mais e, que Alan Patrick não foi feito para este tipo de jogo?

Entre todos os jogadores do Flamengo, tenho por Emerson um carinho especial, afinal, eu que o trouxe quando aqui ninguém o conhecia. O tempo passou. O meu carinho por ele continua igual. Diferente e, fácil perceber, é que o futebol do Emerson que nos encantou, ficou no passado. Por que insistir tanto?

Menos mal que no finalzinho, a sorte que faltou durante todo o jogo, deu o ar da graça e empatamos.

De tudo, o melhor foi Guerrero. Bela partida…

Se ainda houvesse no Rádio o programa “Bola de Fogo”, Guerrero iria para a suíte Champion e os dois treinadores iriam para a Pensão da Cremilda…

Justiça? Pra que justiça?

(Foto: André Durão)

(Foto: André Durão)

Intervalo. Fluminense 2 x Vitória 1.

O Vitória vencia o jogo, quando um jogador do Fluminense, que penetrava pela meia esquerda, foi puxado pela camisa, visivelmente fora da área. O árbitro, indo na onda do bandeira, marcou pênalti.

As reclamações por parte do time do Vitória e de seu treinador, foram contundentes, mas a marcação equivocada foi mantida.

No Fla x Flu, os tricolores pouco se importaram com o fato do gol anulado ter sido justo, pois houve realmente o impedimento. Naquele momento, justiça era algo relativo. O que interessava era o argumento que favorecesse à causa tricolor. Houve a tentativa, frustrada, de anular o jogo, com o argumento de que “fatores externos” definiram a correta marcação de impedimento.

Hoje, lance fora da área e o árbitro marcou pênalti. Como foi a favor e, a justiça é algo relativo, tudo bem… Caras de pau…

Mistério, mas não muito…

Treino do Flamengo - 27/10/2016 (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Treino do Flamengo – 27/10/2016 (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Como todos os técnicos fazem, os treinamentos do time do Flamengo foram realizados sem que a imprensa tivesse acesso, o que acho absolutamente normal. Por que dar a mínima arma para o adversário?

Este por si só é um tema polêmico, pois muita gente é de opinião que, quando o time é bom, não há nenhuma importância no adversário saber quem entra em campo. E, claro, há quem entenda que qualquer vantagem pode ser perigosa, inclusive escancarar com antecedência o time que vai jogar.

Como o nível dos times é muito parecido, fico com quem acha que não se deve dar qualquer tipo de vantagem, porém, a partir daí, a especulação é inevitável.

Pelo que ocorreu no último jogo, somando-se o fato de Éverton estar contundido, tenho a impressão de que Zé Ricardo vai começar com Gabriel e Fernandinho. Com respeito a Fernandinho, até pelo fato de outra opção não haver para o lado esquerdo, não há o que discutir. Gabriel, ao contrário, é muito contestado.

As outras duas opções seriam Cirino e Alan Patrick. Com Cirino, acredito que o meio ficaria vulnerável. Com Alan Patrick, em tese, o meio ficaria composto, porém, a fase vaga-lume do jogador realmente desanima…

Seja com Gabriel, o mais provável, ou com Patrick, creio que dê perfeitamente para fazer um jogo duro e, até ganhar.

Do time que vai começar, Diego e Rafael Vaz estão pendurados. Vaz, é zagueiro e, como tal, corre risco. Diego, como meia, basta usar a cabeça e não fazer bobagem.

O horário, estranho. Nem cinco, nem quatro. Quatro e meia! Por que será?

Na Vila, acho que a maré de sorte do Palmeiras vai acabar…

Aqui no Rio, no domingo, se ficar o Freixo pega, se correr o Bispo come…

E viva São Judas Tadeu!!!

A dor de cada um

(Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

Definitivamente, estamos diante de uma transformação nos hábitos e costumes da humanidade.

A internet virou o mundo de cabeça para baixo, onde, como que num passe de mágica, parte significativa da humanidade – acho que a maioria – ficou dependente, quase que escravo, deste fenômeno.

Confesso que fiquei assustado ao ouvir o excelente apresentador André Rizek criticar os atuais jogadores da Seleção Brasileira, pelo fato de não terem se manifestado publicamente sobre o falecimento de Carlos Alberto Torres. Rizek, fez questão de elogiar a única exceção, que foi o palmeirense Gabriel Jesus.

Tudo bem que não há como se dançar qual não seja no ritmo da música que está tocando. Reconheço ser mesmo complicado, mas há um limite para tudo nesta vida, inclusive para as “obrigações” impostas pela modernidade.

Tostão, em seu livro recente, afirmou que, no caso dele, telefone celular só serve para fazer e receber ligações, pois o restante do “cardápio” oferecido pela engenhoca, ele não domina. Tostão, não tem “Face” e, outras novidades do gênero.

Embora a maioria das pessoas não haja como o tricampeão mundial, uma quantidade razoável de seres humanos age e pensa como ele.

Portanto, não pode ser obrigação de ninguém, inclusive dos jogadores de futebol da Seleção Brasileira, postar pensamentos ou sentimentos.

O fato de Gabriel Jesus ter se manifestado merece uma pergunta. Será que a iniciativa foi realmente dele, ou de sua assessoria de imprensa?

Além do aqui colocado, há ainda o argumento definitivo de que cada um sente a dor de uma forma, inclusive em silêncio. E, há ainda quem prefira se esconder, como se a fuga amenizasse a dor.

Enfim, com todo respeito à modernidade, ninguém é obrigado a se manifestar publicamente, seja por estar feliz, seja por estar infeliz, seja para exaltar, seja para lamentar.

A cobrança soa injusta e impertinente. Rizek, apesar de ser um craque, também perde pênalti. Tem direito, como todo ser humano, falível por natureza ou, por demais influenciado pelo novo mundo da internet.

Bolão do Blog Rubro-Negro – Apostas 33ª Rodada

Marco A. Teixeira, vencedor da última rodada do Bolão.

Marco A. Teixeira, vencedor da última rodada do Bolão.

Nada como abrir o post para os palpites da 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, a 5ª de nosso bolão, com a foto do vencedor da rodada anterior, o nosso amigo Marco A. Teixeira, vestindo o Manto todo autografado. Parabéns, Marco!

Dos dez jogos, um será realizado amanhã, outro na sexta-feira, sete no sábado, e na segunda-feira teremos o fechamento da rodada com uma partida. Não teremos jogos no domingo em função do segundo turno das eleições.

Serão aceitas apostas até às 20h29 de amanhã, quinta-feira, já que a primeira partida se iniciará às 20h30 (Sport x Ponte Preta).

Atenção, uma “novidade” importante: só será aceita uma aposta por IP. Para quem não sabe o que é IP (Internet Protocol), basta clicar nesse link e se informar.

Lembrem-se:

  • Placar correto: 12 pontos.
  • Acertar o vencedor ou empate (sem placar correto): 5 pontos.

Seguem as partidas, e mais abaixo um “gabarito” para ser copiado e colado (e que, para facilitar a apuração dos resultados, deve ser utilizado sem alterações /abreviações e/ou inserção de símbolos, números e afins).

Sport x Ponte Preta – QUI 27/10/2016 – ILHA DO RETIRO – 20:30
Fluminense x Vitória – SEX 28/10/2016 – MARACANÃ – 19:30
Corinthians x Chapecoense – SAB 29/10/2016 – ARENA CORINTHIANS – 16:30
Atlético-MG x Flamengo – SAB 29/10/2016 – MINEIRÃO – 16:30
Atlético-PR x Cruzeiro – SAB 29/10/2016 – ARENA DA BAIXADA – 16:30
Botafogo x Coritiba – SAB 29/10/2016 – LUSO-BRASILEIRO – 18:30
Internacional x Santa Cruz – SAB 29/10/2016 – BEIRA-RIO – 18:30
Santos x Palmeiras – SAB 29/10/2016 – VILA BELMIRO – 19:30
Figueirense x Grêmio – SAB 29/10/2016 – ORLANDO SCARPELLI – 19:30
América-MG x São Paulo – SEG 31/10/2016 – INDEPENDÊNCIA – 20:00


Botafogo x Coritiba
Fluminense x Vitória
Corinthians x Chapecoense
Santos x Palmeiras
Atlético MG x Flamengo
Internacional x Santa Cruz
Atlético PR x Cruzeiro
Figueirense x Grêmio
América x São Paulo
Sport x Ponte Preta

Bolão do Blog Rubro-Negro – Resultados 32ª rodada

E já temos mais um vencedor do Bolão do Blog Rubro-Negro!

Com 63 pontos possíveis num total de 108 (a partida Santa Cruz 0 x 1 Botafogo não foi considerada), nosso amigo Helder Reis, cuja presença é sempre constante nos comentários do Blog, vai levar a camisa Rubro-Negra autografada!

Helder, que teve um aproveitamento de 58%, acertou quatro placares exatos (4 x 12 = 48) e três resultados (3 x 5 = 15). As apostas dele podem ser vistas aqui.  Em segundo lugar ficou Rock Gomes, que marcou 58 pontos, seguido de Toninho Barros e Mario Paranhos, ambos com 53 pontos. Para checar suas apostas, basta clicar em seus nomes.

Helder, ficamos aguardando você nos enviar seus dados, como o tamanho de sua camisa – se P, M, G ou GG -, bem como o número e o nome que serão impressos nas costas, além de telefone e endereço. Pode enviar essas informações pelo formulário de contato do Blog, ou mesmo por comentário, que os dados serão anotados e o mesmo não será publicado.

Na classificação geral, o líder é Fabio Silva, com 192 pontos, seguido de Raphael Moraes e Marco A. Teixeira, ambos com 188. A classificação completa dessa e das outras rodadas, bem como a geral, podem ser vistas por meio deste link, em planilha localizada no Google Drive. Qualquer discordância nos resultados, favor comentar neste post, que faremos a revisão.

Valeu, CARLÃO!!!

580f756c3a6b3
Carlos Alberto Torres, o capitão do tri, era para os mais íntimos, simplesmente, Carlão.

Tive o privilégio de passear na vida do Capitão do Tri e do Carlão. A primeira convivência foi profissional. Ele, indo para a Copa do Mundo do México, e eu, repórter da Rádio Tupi.

Convivência pra lá de agradável numa época em que a relação repórter/jogador era muito mais próxima, infinitamente mais descontraída, mais humana.  Uma das minhas melhores matérias, em meio à conquista do tri campeonato mundial, foi com o nosso capitão, no hotel Plaza, hoje Windsor, em Copacabana. Maior sucesso…

Como rubro negro, Carlos Alberto Torres, não só honrou o Manto Sagrado, jogando de zagueiro de área, como foi Campeão Brasileiro em 1983, como treinador. Mais do que óbvio que, esta passagem pelo Flamengo nos aproximou muito mais, pois passamos a conviver diariamente.

Carlão teve uma participação enorme no nascimento da Klefer, em 1983. Era ele, uma das 10 personalidades do futebol que, diariamente, via Embratel, abasteciam as mais variadas paixões, do Oiapoque ao Chuí, num grande abraço nacional, através do rádio esportivo. Querem saber em que time de comentaristas jogava o nosso “Capitão”? João Saldanha, Zico, Sócrates, Falcão, Carlos Alberto Parreira, Jorge Curi, Armando Marques, Raul Plassmann, Gerson e …Carlos Alberto Torres.

Que time, hein? Nem a Rede Globo, conseguiu juntar no mesmo momento, tantas feras…

Tive o privilégio de apresentar este caminho novo para o nosso capitão do Tri. Carlão encarou e, como tudo que fez na vida, venceu. A sua última vitória foi ontem no programa “Redação SporTV”, comandado pelo competente André Rizek.

O time do céu já tem novo capitão, até porque, sem desmerecer ninguém que já tenha ido ou, quem por aqui ainda está, nunca houve nenhum igual. Nem parecido…

Descanse em paz, Carlão. Missão cumprida. Muitíssimo bem cumprida. Como ser humano, como chefe de família e como amigo. Como profissional, bem, aí já é covardia…

Quanta honra em ter com você convivido, ter sido seu amigo e chamar você de Carlão…

Obrigado, querido amigo.

Deixando claro

No post de ontem, “Mensagem Sincera” pelos comentários, acredito que dois pontos não devem ter ficado muito claros.

O primeiro, diz respeito a acreditar nesta diretoria. Acredito e, em todos os sentidos. No propósito, na correção, na ética, no saber fazer e no talento. Preciso dizer mais? A colocação do companheiro Anderson, de que confio desconfiando, com todo respeito, foi profundamente infeliz. Confio e, muito! Apenas me reservo o direito sagrado de comentar, com o único intuito de colaborar.

Companheiro, tenho 67 anos e, desde os 17, vivo dentro de um campo de futebol. Já vi muitas coisas e, como sou uma pessoa normal, pelas inúmeras experiências vividas, tenho uma noção aproximada do que funciona e como funciona no mundo da bola.

Não preguei aqui que o presidente e o vice de futebol devem interferir nas decisões do treinador. O que afirmei, e reafirmo, é que o presidente, ou o vice de futebol, tem o direito e a obrigação de estimular o debate quando qualquer decisão do treinador, ou de quem quer que seja, deixe alguma dúvida no ar.

Domingo, por exemplo. Que mal haveria uma discussão ser provocada quanto à escalação do time do Flamengo? Há quanto tempo Sheik e Mancuello não começavam um jogo? Que mal há em se debater um tema que não se consegue digerir com facilidade?

O dirigente responsável pelo futebol pode e deve quer saber de tudo, SIM!!!  E, no que não concordar, ou achar estranho, promover o debate. Isto não é interferência. Isto é prática democrática…

Claro que a decisão, a palavra final, é do treinador. Porém, com o tema amplamente debatido. Agindo assim, tendo o diálogo como parte integrante do dia a dia, as possibilidades de erro serão minimizadas e, consequentemente, os resultados serão melhores.

Os verbos dialogar e interferir não podem ser confundidos. O diálogo possibilita através de ampla discussão a depuração do tema e, em consequência, uma decisão mais convicta.

Propor uma discussão só pode ser considerada interferência, por quem se acha dono da verdade e, embora muitos ainda não tenham entendido, a verdade não tem dono.