Tudo pode acontecer

Joel comemora um de seus gols contra o Botafogo (Foto: Agência Estado)

Alguma coisa me dizia para aguardar o jogo do Botafogo. O meu santo realmente é forte, pois talvez tenha sido esta vitória do Avaí sobre o clube da Estrela Solitária a maior zebra deste atual Campeonato Brasileiro.

A mesa estava posta e com talheres de prata. Vitória que guindaria o Botafogo para a terceira colocação, com direito a terminar o dia na frente do Flamengo. Não bastassem os retornos anunciados de seus dois principais jogadores, Camilo e Montillo.

O começo do jogo já anunciava a tragédia. Um gol espírita, num bate rebate e, Montillo saindo contundido. Depois disso, um belo gol do Avaí, e o Botafogo, principalmente no segundo tempo, consagrando o goleiro da terra do Guga.

Até agora, dois times demonstraram bom futebol e, mais do que justo, estejam Corinthians e Grêmio, liderando o campeonato.

A pergunta é a seguinte: até quando?

Se continuar na batida que vem até aqui e, de forma invicta, o Corinthians pode ser o campeão com três rodadas de antecipação. Mas será que vai aguentar o repuxo?

O mesmo se aplica ao Grêmio. Time bem organizado, mas que já deu uma rateada em momento decisivo. A derrota, em casa, para o Corinthians, convenhamos, foi desanimadora. E, pior ainda, pelo fato de Luan, o craque do time, além de não ter jogado nada, ainda ter perdido um pênalti.

Uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa. Da mesma forma que decepcionado fiquei com a atuação do nosso time contra o Bahia, animado estou pelo que está por vir neste Campeonato Brasileiro, onde a sensação que se tem é que tudo pode acontecer.  Por isto mesmo, minimizar os equívocos passa a ser fundamental. A começar pela escalação do time…

Agora, é novamente a Copa do Brasil e, contra um Santos com muitos problemas. Embora competições distintas, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro são competições interligadas pelo emocional. Uma boa vitória na quarta é a melhor vitamina para domingo.

Nesta véspera de encarar o Santos, vou propor aqui uma discussão tática, onde já lanço a questão que é polêmica: o treinador deve ter na cabeça o que considera ideal como concepção tática ou, escalar em função do material humano disponível?

Indo mais longe e, como exemplo: o treinador ama jogar no 4-4-2, porém, o quarto homem deste meio campo não pode jogar, e o reserva não é uma “Brastemp”. O treinador deve manter o seu esquema de jogo, mesmo sendo este reserva, que vai entrar, no máximo razoável ou, você mudaria o plano de jogo, utilizando um jogador de melhor qualidade técnica?

Indo mais longe ainda: sem Éverton, no jogo contra o Bahia, você escalaria Matheus Sávio, mantendo o 4-4-2 ou, entraria com Berrío, ou Vinicius Júnior, indo para o 4-3-3?

Por favor, comentem…

1 Comentário

  1. Kléber Leite, considerando esse blog um local de discussão, tomei a liberdade de reviver um tema do futebol nacional.
    Gosto do campeonato com pontos corridos, pela equidade e justiça.
    E gosto do mata-mata, pela emoção.
    Por isso, pensei na fórmula abaixo.

    Gostaria da sua opinião e dos demais rubro negros que visitam o site.

    Essa fórmula manteria a justiça em relação aos melhores e mais regulares times e elencos.
    Mas retomaria as emocionantes finais.
    Além disso, ficaria um campeonato mais enxuto.

    Eis a fórmula:

    20 times participam do campeonato.

    Primeira fase com 20 times e 19 rodadas (pontos corridos – todos contra todos).
    Classificam 10 times mais pontuados.

    Segunda fase com 10 times e 09 rodadas (pontos corridos – todos contra todos).
    Classificam 06 times mais pontuados.

    Terceira fase com 06 times e 05 rodadas (pontos corridos – todos contra todos).
    Classificam 02 times mais pontuados.

    Final entre esses 02 times, em 02 jogos, ida e volta, pra definir o campeão brasileiro.

    Os 04 times que sobraram depois da terceira fase farão um quadrangular.
    Os 02 melhores desse quadrangular irão pra libertadores, juntamente com o campeão e vice-campeão brasileiro.
    Os outros 02 times irão pra sul americana, juntamente com outros 06 times, conforme regra abaixo.

    Os 10 times que saíram após a primeira fase também jogarão uma segunda fase, com 09 rodadas (pontos corridos – todos contra todos).
    Os 04 últimos, após essas 09 rodadas, serão os rebaixados.
    Os 06 primeiros, após essas 09 rodadas, se juntarão com os 04 times que sobraram após a segunda fase, compondo um total 10 times.
    Esses 10 times jogarão 09 rodadas (pontos corridos – todos contra todos) – os 06 primeiros irão pra sul americana, juntamente com os 02 times que ficaram em terceiro e quarto no quadrangular acima mencionado.
    Os 04 times que sobrarem, depois dessas 09 rodadas, não acontece nada.

    São 35 jogos (rodadas) para se ter o campeão – atualmente são 38 jogos. Ou seja, campeonato mais enxuto.
    O time campeão deverá manter uma regularidade ao longo do campeonato. E disputará os jogos com os times mais regulares, ao longo de 03 fases e de uma final.
    O campeão será conhecido após 35 jogos.
    Os rebaixados serão conhecidos após 28 jogos.
    Os classificados pra libertadores serão conhecidos após 35 jogos.
    O classificados pra sul americana serão conhecidos após 35 jogos.

    Reply
    • Caro Luiz, é difícil colocar a mão no fogo por essa afirmação, mas se os Coringas mantiverem esse ritmo, com salários atrasados, técnico novato e elenco mediano, sem dúvida vai ser um torpedo na proa de Flamengo e Palmeiras (principalmente, pq eles tem um técnico campeão e renomado) SRN.

      Reply
      • Meu amigo Nino! Vou divergir…
        Não acho o time do Corinthians mediano. Além de muito bem encaixado, é um time bom.
        Cássio (já foi seleção), Fagner (é seleção), Balbuena (seleção paraguaia), Pablo (emprestado pelo Bordeaux) e Arana (seleção brasileira sub 20).
        Maycon (seleção brasileira sub 20), Camacho, Jadson (já foi seleção) e Rodriguinho (já foi convocado pelo Tite).
        Romero (seleção paraguaia) e Jô (já foi seleção).

        Evidentemente não tem um elenco de Palmeiras e Galo. Mas é um time bom.

        Reply
        • Carísmo Egon, vc como sempre o nosso camisa 10, mas vejamos, o que tem o ZR nas mãos?
          – Goleiros: Muralha, Thiago, César (Não gostou? Tbm não)
          – Zagueiros: Juan, Vaz, Rhodolfo, Réver (Excelente zaga)
          – Laterais: Rodney, Pará, Trauco e Renê (Bons laterais)
          – Cabeças de área: MA, Cellar, Rômulo
          – Meias: Diego, Mancuello, ER7, Gabriel, Éverton, Conca (não há o que reclamar)
          – Pontas: Berrio e VJ (Geuvânio) (muito bom)
          – Atacantes: Guerrero, Vizeu e LD (razoável)
          Agora me diga se esse elenco não faz frente com o elenco do Palmeiras? Onde será que esta o diferencial?
          SRN.

          Reply
          • Vamos lá, meu amigo!

            Carísmo Egon, vc como sempre o nosso camisa 10, mas vejamos, o que tem o ZR nas mãos?

            – Goleiros: Muralha, Thiago, César (Não gostou? Tbm não)
            * Nenhum deles chaga aos pés do Jaílson ou Prass.

            – Zagueiros: Juan, Vaz, Rhodolfo, Réver (Excelente zaga)
            * Com a chegada do Rhodolfo e, se confirmar o que jogou contra o Bahia, vai fazer uma bela zaga com Réver. Mas Mina é muito melhor que os dois e Luan (ex Vasco) também é bom de bola

            – Laterais: Rodney, Pará, Trauco e Renê (Bons laterais)
            * Realmente existe um equilíbrio nessa posição. Afinal, Zé Roberto e Juan revezam entre o meio e a lateral.

            – Cabeças de área: MA, Cellar, Rômulo
            * Aí é covardia, meu amigo! Felipe Mello, Tche Tche, Arouca…

            – Meias: Diego, Mancuello, ER7, Gabriel, Éverton, Conca (não há o que reclamar)
            * De todos mencionados pelo amigo, fora Diego, Éverton Ribeiro e, até a página 5 o útil Éverton, o resto é baba do boi cansado. Prova disso, que Zé teve que adaptar um lateral como meia. No Palmeiras jogam por alí, Guerra, Zé Roberto e Moisés.
            Vejo derrota em relação aos volantes e, vitória nossa entre os meias. Embora Guerra tenha sido o melhor jogador da Libertadores.

            – Pontas: Berrio e VJ (Geuvânio) (muito bom)
            . Bem! Dudu sobra. Fora ele, ainda existem Róger Guedes e William Bigode. Ótimos…

            – Atacantes: Guerrero, Vizeu e LD (razoável)
            * O Palmeiras não tem um pivô como Guerrero. Mas, por outro lado, tem o artilheiro da Libertadores: Borja!

            Agora me diga se esse elenco não faz frente com o elenco do Palmeiras? Onde será que esta o diferencial?
            * SE fizer uma seleção dos TIMES (não elenco), o meu seria esse:
            Prass, Rodinei, Mina, Réver e Trauco.
            Moisés, Guerra, Diego e Éverton Ribeiro.
            Dudu e Borja.
            * Caso precise de um pivô, Guerrero é show. Mas não é referência dentro da área. Posição que acho pra lá de necessária.

            Abraço, irmão

  2. Caro Kleber, desculpe utilizar este post para falar ainda mais sobre nosso Mengão, mas acordei e vi este vídeo com mais uma bela análise do Mauro Cézar Pereira ( que é um flamenguista assíduo e não um falso rubro-negro com insinuou EBM) perfeito em cada ponto destacado. Exatamente o que acho sobre o atual Flamengo.

    Vejam amigos:
    https://youtu.be/aRbwOQSu0XQ

    Reply
  3. Kleber, me parece que a estrutura do Ze nao muda. Ele varia duas taticas na grande maioria das vezes (no inicio do jogo). Um 4-2-3-1 (que ele usou pra acomodar o Diego) e um 4-1-4-1 (que ele usava antes do Diego chegar e quando viamos o Arao aparecer bastante no ataque por ex.).
    Escolher entre M. Savio e V. Jr nao mudaria muito o esquema, mas sim a caracteristica de jogo. Como o VJR, o Fla teria mais infiltracao em velocidade e aproximacao com o Guerrero. Com o M.Savio, acho que a ideia dele (com a qual nao concordo, diga-se) era de ter mais posse e troca de passes. Mas nao se engane, o VJR teria que voltar na linha de tres meias junto com o Diego e o E. Ribeiro, mantendo o 4-2-3-1.
    Na minha modesta opiniao, o que tem travado o time nao sao os meias/atacantes, mas os volantes. M.Araujo e Arao estao muito abaixo do que podem com a bola, e como o Fla joga muito no campo do adversario, os volantes precisam ter bom passe ja que sempre enfrentamos ao menos duas linhas de quatro fechadas e a nossa linha de tres meias acaba atuando numa parte do campo que fica congestionada, quase sempre com marcacao dobrada. Os volantes precisam ter qualidade p quebrar isso com um passe. Esse p mim eh o maior prob do time do Ze. Espero que ele corrija. Grande abraco e desculpe pela falta de acentuacao.

    Reply
    • De acordo meu caríssimo Ariel, os voltantes hoje são o principal problema, mas ainda temos:
      – Um centro avante com deficiência em finalizações (dom Guerrero contabilizou 2x chances perdidas naquele tipo de penetração em diagonal chutando a gol pela direita, uma contra a Chape e outra contra o Bahia, Diego teve a mesma bola igualzinho e guardou, então, temos um problema ai sem dúvida).
      – Hoje estou convicto que tbm temos um problema no gol (Thiago ia tomando mais um frango domingo).
      – O técnico. O sistema de jogo não é um problema em si, mas sim as posturas do ZR, substituições, falta de jogadas ensaiadas, variações táticas, recuar para garantir o resultado.
      Então meu caro, tem algumas coisas erradas sim…
      SRN.

      Reply
  4. A questão é que Zé Ricardo não escala os melhores, ele tenta ficar no cargo agradando o elenco e colocando os “homens de confiança” dele como Márcio Araújo e o Flamengo indo pro buraco. O maior problema do time é o meio de campo com Márcio Araujo(péssimo jogador) e Arão que não vêm jogando nada, um goleiro e escalar Vinícius Júnior, como pode ficar no banco de reservas? Só na cabeça de Zé Ricardo. Futebol é simples, se inventar pra agradar todos do elenco como ele faz não vamos ganhar nada!

    Reply
  5. Kleber, nosso problema reside no mrio de campo. Márcio Araújo marca muito mas não tem saída de bola e com Arão em péssima fase a nossa “área pensante ” da equipe compromete a defesa e não municiado ataque . Diego e E.Ribeiro são muito bons jogadores mas não são armadores.
    Fico com a impressão que o nosso técnico desde o inicio vinha preparando a equipe para ter o Conca como maestro ou seja : pelos lados dois atacantes se comportando como auxiliares dos laterais e na frente da zaga dois marcadores ,dois cães de guarda e na frente deles estaria o Conca. Pelo pouco que vi acho que o Argentino tão cedo não terá condições plenas de jogo. A meu ver a solução será com dois volantes que sejam bons marcadores e bons na saída de bola. Todavia , constato que ali pela esquerda o Ewerton é absolutamente imprescindível.

    Reply
  6. Kléber,qto ao Corinthians que agora segundo comentaristas é um time mortal,cirúrgico nas finalizações, time mortal no contra ataque etc.
    Se fosse comandado por Joel Santana teria esta mesmo propaganda,ou seria chamado de time covarde,retranqueiro,só faz gol no contra ataque sem imaginação …. pois é, outros tempos .
    Ps.Tomaram um vareio do Coritiba e agora do Grêmio uma hora a sorte acaba.
    Qto ao sistema só que faria diferente colocaria Ederson na esquerda e manteria Berrio na direita.E no 2° tempo entrava com Vinicius Junior.

    Reply
  7. Meu caro Kleber!
    Por essas e outras, jogando no Aterro ou no Camp Nou, 3 pontos são sempre 3 pontos…
    Pelo timaço que o Flamengo montou no basquete, posso afirmar, que se tornou meu 2º esporte.
    Cansei de ver nosso time perder jogos, por diferença de 1 ou 2 pontos.
    Foram aqueles malditos lances livres que não caíram…
    Mesmo o Corinthians jogando redondinho, também com a sorte ajudando, AINDA não acredito que a taça esteja no papo.
    Ainda não jogamos contra os dois lideres!
    Como não temos complexo de vira-latas, levo muita fé!!!

    Reply
  8. Caro Kleber , no meu ponto de vista o “atraso” do Zé Ricardo é a insistência num plano de jogo que vai muito bem com um elenco limitado, parece que a ficha não caiu .
    Pra mim é nítido que nosso treinador por insegurança é mais preocupado com o que o adversário pode fazer do que com nosso repertório.
    Esta na hora dele colocar o Flamengo pra jogar com um time que busque de fato o gol. Sacaria os 2 volantes que estão mal e tentaria com Cuerlla e Rômulo , no meio iria de Diego e Conca (ou Ederson) e na frente com Everton e Guerreiro, enfim manteria o 4 4 2 porque no meu ponto de vista assim o Diego vai brilhar. Com esse elenco não cola mais essa de abdicar do ataque pra ” marcar lateral”.
    No campeonato Brasileiro com o time completo iria de Muralha, Para, Rever, Rodolpho e Trauco, Cuerlla, Romulo, Diego e Everton Ribeiro, Geuvânio e Guerreiro.

    Reply
  9. Eu entendo que o treinador deve moldar o esquema em função do material humano que possui. Isto é, colocar o que tem de melhor em campo e adaptar o esquema.
    Obviamente não há como colocar vários atacantes, quem, em geral, possuem mais velocidade e técnica mais refinada, colocando poucos defensores. Há de ter um equilíbrio.
    A questão é que tem como achar o equilíbrio colocando jogadores que não sejam meros defensores, mas isso ainda não aconteceu com o Zé Ricardo, com o qual já perdi a paciência faz tempo.
    O futebol de hoje não permite um jogador no “estilo” Márcio Araújo, que, aliás, não me parece que tem sido tão eficiente no que era: suor total, marcação e desarme. Ele não tem acompanhado a infiltração dos homens de meio do adversário e perde muitas divididas, deixando a impressão que o corpo franzino não aguenta o tranco. Lembro logo daquele gol do SPFC, ano passado, em que achei falta, mas o cara caiu feito uma fruta podre na dividida.
    Precisamos de um goleiro experiente, também.
    Meu time seria:

    Thiago ou Muralha (ambos têm prós e contras, sendo que o menino não me passou a confiança que um goleiro tem que passar)

    Pará (marca melhor que o Rodinei e não compromete no apoio)

    Rever

    Rodolpho

    Trauco (precisa melhorar a marcação)

    Cuellar (dá opção de saída, bom passe, passes verticais, alguns bons lançamentos e viradas de jogo, incansável em campo)

    Rômulo ou Arão ou Mancuello (se o Rômulo voltar a ser o Rômulo, para mim, seria o escolhido – Arão, recuperando o futebol de 2016, é ótima opção – Mancuello é muito regular, infiltra bem e chuta bem, além de ser um bom batedor de faltas. Quase sempre regular)

    Éverton Ribeiro (chegou para ser titular indiscutível – espero que confirme)

    Diego (craque e subindo de produção)

    Berrío (ainda em adaptação, mas tem força, velocidade e explosão – para privilegiar a técnica,qualidade, toque, etc., quando Conca entrar em forma (com a palavra a preparação física, pois me parece comprometido, mas a demora está absurda) seria meu titular pela esquerda)

    Guerreiro

    O time jogaria num 4-2-3-1, principalmente quando pudermos contar com o Conca, onde teríamos um m poder de decisão e criatividade absurdos, variando para um 4-4-2, com Berrío, ou mesmo um 4-1-4-1, infiltrando o segundo volante.

    Claro que o nosso menino prodígio, Vinicius Junior, pode e deve entrar no segundo tempo (cadê as substituições no intervalo para surpreender o adversário, ZR!?), pegando o adversário já desgastado e incendiando a torcida e o jogo. Sim, para mim, por enquanto, é opção para todos os jogos, sendo um 12o jogador.

    Se puderem comentar ficaria grato, pois é complicado digitar um texto desse tamanho no tablet, no m corredor lotado da Justiça do Trabalho, aguardando os absurdos atrasos para se fazer uma audiência.

    Perdoem possíveis erros de digitação ou a terrível auto-correção.

    Abraços a todos e saudações rubro-negras!

    Reply
  10. O time do Botafogo é muito limitado tecnicamente. Quando joga, e tem feito muito,com raça e vontade , se supera e conquista bons resultados, mas se quiser ganhar apenas na camisa e nome, se complica .
    Quanto a Corinthians e Grêmio é cedo pra fazer previsões…É fato ! Antes da 13ª rodada não da pra apostar em ninguém…Mas os paulistas tem um time muito bem trienado taticamente…

    Reply
  11. 4 4 2 Kleber?
    Vejo esse time jogando em 4 3 3, 4 5 1 e suas variações 4 1 4 1 (essa eu discordo mais). Os times do Oswaldo Oliveira e do Cristóvão sim jogavam no 4 4 2 com Sheik e Guerrero na frente.
    De qualquer forma meu queridão, sinceramente, acho vã tal exercício de previsão, pois sabemos bem qual é a do ZR, então vai ver o mesmo de sempre, ou seja, 4 3 3 atacando (e suas variações) e 4 5 1 defendendo.
    Eu não sou o “Carlinhos Vidente” (que previu o Palmeiras campeão de 2017), mas não testa difícil prever a resultante da equação abaixo:
    – Flamengo com grande elenco, mas sem técnico a altura.
    – Botafogo com deficiências de elenco
    – Grêmio inconstante
    – Corinthians sem fôlego para todo campeonato (sem salários)
    Qual os Srs. acham que seja a resultante de equação? Palmeiras…
    SRN…

    Reply
      • Graaaaaaande Rafa!
        Raramente jogamos no 4-3-3! Poucos técnicos, e o Abel é exceção, jogam nesse esquema. Normalmente jogam no 4-4-2. E, o Flamengo, sempre esteve neste balaio.
        O grande time de 81, tinha o Lico fazendo o papel de “Éverton” e Tita fazendo o do “Gabriel”.
        Ano passado, quando no sufoco, saia Gabriel ou Éverton e, entravam Fernandinho, Sheik ou Cirino. 4-4-2 característico…
        Hoje, temos opções para as pontas, como Berrío, Vinicius Jr. ou Geuvânio.
        O candidato a banco deve ser o Éverton.
        Isso vai pirar o cabeção do Zé… kkkkkkkkkkkkkk

        Reply
  12. “A pergunta definitiva”
    Kleber, vamos lá…Se vc fosse hoje o presidente do clube ou o vice de futebol, vc promoveria AGORA mudanças na direção técnica do time?
    Se achar pertinente, quais outras alterações secundárias vc faria?
    SRN.

    Reply
    • Nino meu caro!
      Por falta de opção e matéria-prima, foi com esse 4-5-1 que chegamos em 3º lugar no Brasileiro com o mesmo numero de pontos (71) que o Santos, que chegou em 2º…
      Palmeiras (32), Atlético PR (32), Flamengo (35), Santos (35)… gols contra.
      Palmeiras (62), Atlético MG (61), Santos (59), Flamengo (52)… gols pró.
      Isso, com Gabriel de um lado, Éverton do outro…

      Reply
      • Egon, com toda razão, foi um bom trabalho do ZR em 2016, mas o fato é que esperávamos mais, afinal a bem da verdade é que ele falhou nos últimos 7 jogos do Brasileirão, sendo 3 ou 4 no Maracanã…De lá para cá o time piorou, e piorou em muito depois da eliminação da Libertadores, o time hoje não tem variação tática crível, jogadas ensaiadas, penetração, perdemos as triangulações no ataque…é o autêntico ZÉBOL. SRN.

        Reply
  13. Grande Kleber!
    “Indo mais longe ainda: sem Éverton, no jogo contra o Bahia, você escalaria Matheus Sávio, mantendo o 4-4-2 ou, entraria com Berrío, ou Vinicius Júnior, indo para o 4-3-3?”
    Grande Kleber!
    Só em casos excepcionais encasqueto com jogadores. Se eles só podem entregar aquilo, cabe ao técnico tomar as devidas providências.
    Depois das lambanças contra o San Lorenzo, fiquei meio bolado com Matheus Sávio.
    Entendi perfeitamente a intenção do Zé! Na falta da formiguinha Éverton, procurou no elenco um jogador que tivesse característica parecida.
    Fizesse pela esquerda, o papel de atacante e protetor de lateral.
    Acontece, que já tinha pela direita, uma situação parecida como o ano passado com Gabriel. Um meia que joga aberto cortando para meio.
    Não podemos negar que DEU CERTO…
    Acontece, que nosso patamar melhorou! Não precisamos mais isolar Guerrero.
    Nesse caso, NÃO entraria com Matheus Sávio! Ou Berrío ou Vinicius Jr…
    A diferença, é que chamo isso de 4-4-2, já que Éverton Ribeiro compõe o meio. Não é atacante…
    Márcio Araújo, Arão, Diego e Éverton Ribeiro. Guerrero, Berrío (Vinicius Jr.).

    Reply
    • Egon meu querido, esse 4 4 2 que vc menciona de tão irreal pode ser que vire um sofisma, tome cuidado? kkk
      Me aponte quem é esse 2 no ataque?
      Quem são estes 4 no meio?
      SRN.

      Reply
      • Pô! Mas isso é tão claro!!!! Fala sério….
        Os 2 no ataque são Guerrero, Berrío, Vinicius Jr. ou Geuvânio.
        Só escolher Guerrero e mais um…
        Os 4 do meio são Marcio Araújo, Arão, Diego e Éverton Ribeiro. Que cai pela direita mas corta sempre pro meio. Como jogava no Cruzeiro e, diferentemente do Éverton que só joga pela esquerda indo e voltando pra marcar…

        HOJE, HOJE, HOJE… temos opções pra jogar no 4-4-2 com 2 atacantes.
        Depois que dispensaram Fernandinho, Sheik e Cirino, perdemos esta opção.
        Ou Berrío ou mais nada!

        Reply
  14. Amigos, para mim é claro que o bom treinador, o treinador inteligente procura uma forma de armar o time de acordo com as peças que tem a disposição.
    O treinador inteligente não se amarra a um conceito e morre abraçado com ele.
    Parece que o nosso ZR está inflexível com seu esquema de jogo. Diego, Guerrero, ER que se adaptem.
    Oremos a São Judas.
    Saudações

    Reply
  15. Futebol e simples. Nao ha esquema bom, ha esquema possivel, devendo serem escolhidos os melhores jogadorrs. O esquema deve ser adaptado, com as devidas variações táticas imprescindíveis, as características dos jogadores. Tentar violentar caracteristica de jogador para adapta-lo a um esquema ou escolher errado o esquema priorizando jogadores mais fracos por executarem bem o esquema idealizado e sinal de desastre.

    Reply
  16. RESPONDENDO

    OTÁVIO FRANCO, amigo,
    A fórmula que você apresenta é interessante. O problema é que a CBF tem e, faz tempo, um argumento irrefutável. O campeonato Brasileiro é a única competição por pontos corridos no calendário. Todas as outras competições não contemplam o famoso “um contra todos, em turno e returno”. Estaduais, Copa do Brasil, Primeira Liga, Libertadores, Sul-Americana e Mundial. Mesmo não sendo apaixonado pelos pontos corridos, tenho que me render à tese.

    NINO, amigo,
    Já disse aqui que, ao longo do tempo, aprendi que Flamengo não pode ser início de carreira para ninguém. Portanto, não teria efetivado Zé Ricardo. Só que isso foi lá atrás. Tivemos chance de contratar ao longo de mais de um ano alguns treinadores compatíveis com o tamanho do Flamengo e, não fizemos. Agora, é outra história. Contratar, quem? Trocar o Zé Ricardo pelo Dorival Júnior? Eu não trocaria. Agora amigo, é rezar para que o nosso treinador tenha sensibilidade e coragem. De qualquer forma, o Zé Ricardo hoje, já está um pouquinho mais cascudo…
    O que não me agrada no nosso departamento de futebol é o critério adotado para contratações, privilegiando o quantitativo.
    Infelizmente, o nosso departamento de inteligência não tem correspondido ao nome…

    RAFAEL CORDEIRO
    , amigo,
    Quem disse que o 4-4-2 passou ao largo da Gávea? Pelo contrário, nas variações, durante um jogo, ele tem andado presente, sim!
    Ultimo jogo: Rodnei – Vaz – Rodholfo – Trauco —- Marcio Araújo – Arão – Diego – Matheus Sávio —- Everton Ribeiro – Guerrero. Claro que, durante o jogo, há variações, porém, a base é essa aí, 4 – 4 – 2.

    Abração a todos.

    Reply
  17. Caro Kleber,
    Assim como alguns amigos acima citaram, não vejo o Flamengo jogando no (4-4-2), vejo no 4-5-1 (Cuellar e MA8, jogando) e 4-1-4-1 (MA8 e Arão).
    Mas em ambos os casos, os meias (Diego e agora E. Ribeiro), precisam voltar para iniciar a jogada, pois o MA8 só toca pro lado, e o Arão inseguro se esconde atrás da marcação adversária. No meu ponto de vista, temos elenco, mas o nosso treinador está limitado, amarrado na formação, além de não substituir os volantes que deveriam estar fazendo a saída de bola. Elenco nós temos, tem que saber usar. Quanto ao Corinthians, creio que vão tropeçar ainda no campeonato, da pra chegar. Só que infelizmente duvido muito que conseguiremos alcança-los, pois o Fla vai tropeçar bem mais, pois o Zé não está sabendo usar as peças que tem. Discordando ainda de alguns amigos que citaram acima, vejo nosso elenco frente a frente com o Palmeiras e Atlético Mineiro, superior ao do Corinthians.

    Reply
  18. No domingo li que o Flamengo conquistou uma vitória constrangedora contra o Bahia. Constrangedor foi o Botafogo perder em casa para o lanterna.

    Kleber, ainda bem que o Flamengo não fechou com o Montillo como noticiaste no começo do ano. Já é a quarta ou quinta lesão dele em 2017.

    Sobre o Grêmio, cairá de produção porque vai privilegiar as copas (do Brasil e Libertadores), usando o time reserva no Campeonato Brasileiro. Renato Gaúcho já adiantou isso. Se o Corinthians mantiver essa fase, aí nem o Real Madrid alcança.

    Já quanto ao Flamengo, usaria amanhã um time misto. Pouparia Diego, Guerrero, Arão e Rodinei. É a vez de rodar o elenco com Conca, Ederson, Cuellar, Mancuello e cia. Em relação ao time titular, pode começar no 4-2-3-1, mas com o tempo vai ficar no 4-1-4-1 ou 4-4-2 já que o Everton Ribeiro mostrou que não ficará preso na direita.

    Reply
  19. Kleber,
    No caso específico do Flamengo, incluiria os melhores jogadores e mudaria o sistema para 4-3-3.
    A manutenção do sistema tático só funciona se este estiver muito bem treinado. Não é o caso do Flamengo.
    Agora, se essa pergunta for em relação ao Corinthians, não há dúvida de que lá funciona. No jogo contra o Grêmio foi um exemplo. Entrou Paulo Roberto e o time não se alterou…
    Mas no Corinthians o técnico é outro!

    Reply
  20. Desculpem amigos,o sistema de jogo passa a ser irrelevante.Nenhum vai funcionar se individualmente cada jogador,não estiver no melhor da sua condição tecnica e física.Nada será executado com perfeição.A saber,primeiro combate na perda da bola no ataque,recomposição do sistema defensivo,quem volta ?,marca a quem ?,retomada dos rebotes,tanto na retaguarda,meio de campo e ataque.
    Saída para frente com passes verticais e agudos com exatidão.Rapidez nas ações.Quem hoje no Fla executa estas funções…?Arão,Maraujo,Trauco(avenida),Diego não tem a quem passar rápido,logo sofre marcação do adversário,que não raro joga fechado,apostando no êrro costumeiro da nossa saída de bola e a imprecisa troca de passes no meio de campo.Parece tudo teoria.Mas peço que observem.
    SRN.

    Reply
  21. Prezados,
    Considerando ser outra competição, tentaria realizar algumas mudanças no time, principalmente com a saída dos jogadores que estão em péssima fase técnica: M.Araújo e W.Arão. Também retornaria com o Pará, que embora tenha qualidade semelhante ao do Rhodney, tem muito mais eficiência nos cruzamentos.

    Tiago; Pará, Réver e Juan, Trauco; Cuellar, Rodolfo, Diego; Cirino colombiano, Everton e Tuta Peruano.

    Reply
  22. Meu prezado Diego!
    Mesmo que quisesse jogar com 3 zagueiros (Rever, Juan e Rhodolfo), não daria. Rhodolfo não está inscrito na CB…

    Reply
  23. kleber,

    essa invenção de M. SAVIO na ponta esquerda foi ridícula, tao quanto a insistência dele apenas em uma forma de jogar. Embora venha de trabalhos ruins mas o MARCELO OLIVEIRA foi quem fez melhor o everton ribeiro jogar, e convenhamos que o nosso time é melhor no papel do que aquele cruzeiro. Precisamos de um treinador mais ousado com as peças que temos e não um treinador preso ao ano passado.
    Me pergunto o que o RONALDO faz no elenco do Flamengo, porque o garoto nunca tem uma chance no time principal, meu deus Marcio é realmente intocável a esse ponto?? Por que Arão ganhou nova chance com as boas atuações de CUELLAR, o colombiano tem saída de bola qualificada, inclusive esse é um grande problema do nosso time é justamente essa transição em velocidade. O time parece um arame liso que não machuca ninguem, apenas cerca o adversario. Me parece que o elenco nas maos de Ze já deu o que tinha que dar, precisamos de uma nova filosofia, aquela do nosso hino VENCER VENCER VENCER. Volto a repetir aqui Ze Ricardo tem mais medo de perder do que vontade de ganhar.

    SRN.

    Reply
  24. desculpa se for muito fora do foco do post, mas alguma noticia sobre contratação de um goleiro top? Como comentado por KL aqui, se contrata muito e mal. E gasta. Nao tem uns milhões de dolares para um goleiro? Basicamente nao há time campeao sem goleiro casca grossa: Tafarel, Zetti, Sao Marcos, Vitor(Atletico-mg), Prass, Veloso, Zé Carlos, Ceni, Fabio(cruzeiro). Precisam de mais exemplos? Isso que nao citei um goleiro gringo sequer, tipo Buffon. GOLEIRO TOP JÁ ! Para o bem geral da Nação!

    Reply
  25. O Henrique o Arão tinha que ser poupado dos próximos 10 jogos, e o Araújo podia ser poupado até o fim do ano, pelo menos o Arão já ta barrado pra amanhã, mas o grande amor do Zé Panela continua numa boa

    Reply
  26. Discordo de você Kléber Leite na resposta ao Nino, Zé Ricardo fez por merecer perder o cargo de treinador do Flamengo, não podemos cruzar os dedos e torcer, isso não! O jorginho é melhor treinador do que ele e muitos outros são melhores do que Zé Ricardo. Se Zé Ricardo for demitido do Flamengo, diga-me qual time grande vai treinar?
    Continua escalando mal o time, não perdemos pro Bahia porque eles tiveram um jogador expulso.
    A paixão dele pelo futebol de Márcio Araújo beira o ridícula.

    Reply
  27. Caro Kleber e amigos!
    Vou começar pela escalação do jogo contra o Bahia. O que me preocupa num jogador como Mateus Sávio é a sua sensação de cansaço logo no inicio de jogo. Se o Mateus entrou para marcar o lateral direito, a escalação foi errada. E muito errada. Se o medo fosse o lado direito do Bahia, eu colocaria até mesmo Renê e adiantaria o Trauco pelo lado esquerdo. Acredito que essa regra clara do ZR transformar “ponta” em marcador de lateral é o que mais tem causado dúvidas no seu trabalho. Eu observo no Flamengo, o quanto o Everton por exemplo retorna com a bola do ataque para o lateral e às vezes para o volante. Ele quase não dribla. Eu percebo que se combate muito o Márcio Araújo que toca de lado, porém percebo que muita coisa ainda não se define no time dentro de campo, além desses dois fatos. Podemos citar isolamento do Guerrero, distancia do cabeça de área para o ataque, por vezes laterais presos e escassez de chutes a gol. Muitas vezes o Diego recua, recua e recua, a ponto de fazer faltas próximo a linha de fundo. Eu entendo hoje que aquele miolo pensante do Flamengo pelo meio ainda é muito duvidoso, às vezes nervoso, sem controle e com uma mega capacidade de errar passes. Vamos acreditar que com o Everton Ribeiro, Geuvânio e o próprio Rodholfo, o time fique mais consistente. Será muito importante o ZR arranjar outro manual de boas regras pra se jogar partidas de futebol.
    No caso do Corinthians e Grêmio, eu fico com uma clara sensação no caso do primeiro, que parece que o Tite não saiu. O time joga no estilo dele, compacto, com uma enorme vontade de desarmar o adversário, com muito foco e muita disciplina e a famosa intensidade que o Tite tanto fala. O Grêmio hoje se aproxima dessas características e por isso está muito próximo do líder. O Grêmio com um pouco mais de ousadia poderia ter vencido o jogo no domingo, a questão, foi se desarmar da forte marcação recebida e ainda, teve no Cássio um inimigo e no Marcelo, seu goleiro, outro inimigo. O Marcelo falhou no gol na minha opinião. O placar deu no que deu. Não poderia ser outro. Um futebol de resultados e jogado por uma bola.
    A outra questão que ajuda o Corinthians é o medo que vai se colocando nos adversários. A liderança impõe respeito a partir de uma determinada folga na tabela e nas vitórias de combate direto (tipo domingo). Lógico que os dois primeiros não tem o melhor elenco, talvez tenham a melhor aplicação tática e o principal: FOCO, VONTADE, GANA DE VENCER, APLICAÇÃO TÁTICA e times bem definidos. Aproveito aqui e faço elogio ao Renato Gaúcho. Melhorou muito, está mais consciente e menos soberbo.
    Quanto ao esquema tático de 4 4 2 ou 4 3 3, entendo que o melhor esquema ainda é escalar o melhor time. Lá dentro, nem sempre o técnico manda. Em time fraco, ele precisa mostrar que manda.
    SRN

    Reply
  28. Pergunto : Falta gana,vontade de vencer ou há uma incapacidade tecnica e principalmnete física? Os jogadores jogam pelo ZR ?

    SRN.

    Reply
    • Caro Carlos!
      Se não tiver a definição de um time, certamente os problemas serão maiores. Não falta Gana e nem vontade, porém, vejo alguns times mais felizes nestas características. O time do Flamengo é muito bom, falta somente a famosa liga

      Um grande abraço!

      Reply
  29. Meu caro Kleber, todas as coisas são possíveis. Você pergunta:

    1.O treinador deve ter na cabeça o que considera ideal como concepção tática ou, escalar em função do material humano disponível?

    – Zé Ricardo já deixou claro que estuda os adversários antes de enfrentá-los, certo. Assim, seu primeiro pensamento é tático e só o mudaria se lhe faltasse o elemento humano caracteristico. Ele apenas esquece que o adversário também o estuda e por isso nem sempre as coisas funcionam como ele pensava.

    2. O treinador ama jogar no 4-4-2, porém, o quarto homem deste meio campo não pode jogar, e o reserva não é uma “Brastemp”. O treinador deve manter o seu esquema de jogo, mesmo sendo este reserva, que vai entrar, no máximo razoável ou, você mudaria o plano de jogo, utilizando um jogador de melhor qualidade técnica?

    – Na nossa cabeça o talento sempre supera qualquer esquema. O drible é a arma que qualquer tecnico, por melhor que seja, não pode prever e armar sua equipe para dele se defender. Uma jogada de talento quebra qualquer esquema. Não vejo isso sendo muito utilizado no Flamengo de forma mais objetiva embora tenhamos bons talentos no time. Eu sempre me pergunto por que os treinadores não orientam os laterais após chegarem a linha de fundo, quando possivel claro, a rolarem a bola para trás ao invés de cruzarem pois ali podem colocar-se até dois ou mais jogadores para receberem essa bola limpa e de frente para o gol e normalmente quando isso acontece é quase fatal para o adversário. É claro que o time tem que ter um mínimo de organização tática senão viraria um bando dentro de campo.

    3. Indo mais longe ainda: sem Éverton, no jogo contra o Bahia, você escalaria Matheus Sávio, mantendo o 4-4-2 ou, entraria com Berrío, ou Vinicius Júnior, indo para o 4-3-3?

    – Que devemos valorizar nossos garotos da base é algo indiscutivel, mas naquele momento Zé Ricardo fez uma escolha muito infeliz, mas que deixou claro para nós como ele é um técnico preso às suas convicções e tem um enorme medo de ousar e mudar para algo diferente do que normalmente treina.

    Portanto, a meu ver, ele,vai usar mais de um esquema, mas sempre o vejo buscando mais proteger a defesa do que municiar o ataque. Talvez por isso vemos nosso Flamengo jogar de uma forma engessada, muito parecida independente de quem entra ou começa jogando. Ele não está sabendo utilizar os talentos que tem em mãos. Ontem até um jogador do Santos, numa entrevista, afirmou isso. Não é só nós que enxergamos mais potencial nesse time, até os adversários já perceberam que nosso treinador ainda não conseguiu encaixar nosso time.

    Reply
  30. Talvez o texto abaixo do Fernando Calazans ajude a explicar o tal “algo no ar que não está legal”, conforme comentou o Presidente no post anterior:

    Bons tempos
    Alguém por aí sabe me dizer qual é o time titular do Flamengo? Não creio. Um a um, do goleiro ao ata¬cante mais avançado, duvido que alguém acerte o nome dos 11. Tenho mesmo a impressão de que nem o técnico Zé Ricardo faria a proeza de responder a essa pergunta.
    A impressão não significa necessariamente uma crítica ou uma oposição ao treinador. Há outros técnicos bem conceituados pelo mundo afora que alternam jogadores conforme as partidas e suas necessidades. A começar pelo Pep Guardiola.
    Mas é verdade também que esses treinadores, em grande maioria, têm um time principal, preferido, armado em suas cabeças. Isso, eu ainda não sei se o Zé Ricardo tem. Porque é impressionante como o time muda de jogo para jogo — e até como ele mu¬da no mesmo jogo, com variados substitutos entrando em variadas posições e funções. Conforme reportagem aqui na editoria de esportes, o Flamengo de Zé Ricardo não repete uma escalação desde março, contra o San Lorenzo, na Copa Libertadores. São três meses. Ao todo, 32 jogadores foram utilizados como titulares nesta temporada. Não duvidem que seja um recorde mundial.
    No caso, Zé Ricardo parece estar pecando por exagero. Será por isso que, como tanto se discute e se repete, o time do Flamengo ainda não tem uma… identidade?
    O time oscila em tudo. Seja nas atuações individuais, seja no plano coletivo. Curiosamente — e aí está este Campeonato Brasileiro em que tudo oscila, à exceção do Corinthians —, o Flamengo obteve sua melhor colocação até agora (terceiro lugar), exatamente depois de uma atuação medíocre, na vitória de 1 a 0 contra o Bahia, mesmo jogando com um homem a mais desde a metade do primeiro tempo.
    Por tudo isso, desperta mais curiosidade a escalação do time que enfrentará logo mais o Santos, no primeiro jogo das quartas de final da Copa do Brasil. Ao que parece, Cuéllar voltará à posição de titular, no lugar de Willian Arão, que, verdade seja dita, parece ter se esquecido dos tempos em que, mesmo sendo volante, se infiltrava pela área do adversário até para fazer gol. Bons tempos. •

    Reply
  31. Só uma coisa

    Nosso futebol está numa posição surreal nesse Brasileiro.
    Muito mediodre o que tem sido apresentado em campo e pior ainda o comandante com sua “meritocracia”.

    Reply
  32. Kleber,
    Nem sei se aqui é o melhor lugar para fazer essa pergunta. É uma dúvida que eu tenho.

    Em 2006 você era o vice de futebol naquele brilhante da Copa do Brasil, mas até hoje não entendi aquela demissão do treinador Waldemar Lemos e a troca pelo Ney Franco. O time, pelo menos na Copa do Brasil, vinha encaixando, tinhamos goleado o Atlético-MG no Macaracanã e tudo mais. Fomos campeões, eu sei, mas se o trabalho seguisse talvez não tivessemos colhido mais?

    O que realmente motivou a demissão do Waldemar?

    Um abraço e volte para o Flamengo, porque Bandeira de vice de futebol não dá, não sabe nada!

    Reply
  33. ………………..Brasil: Um país de hipócritas.

    Durante essa semana, venho acompanhando vário sites e veículos de comunicação mostrando o descontentamento por parte das torcidas organizadas do Flamengo, em relação ao preço dos ingressos.

    Quero aqui levar em discussão e tentar entender de fato, toda essa celeuma que vem correndo parte nos bastidores e parte nas redes sociais.
    O primeiro ponto em questão para essa celeuma, vem do atual momento em que a diretoria do Flamengo opta por jogar no Ilha da Nação ao invés de jogar no Maracanã.

    Será que o público em geral sabe realmente quais os motivos para essa opção e principalmente quais as consequências dessa opção? E antes de qualquer linha minha para tentar explicar o que de fato ocorre, também há um descontentamento meu, em não ver toda a diretoria, ou ao menos parte dessa diretoria, vindo a público de forma efetiva e contar de uma vez por todas todo esse imbróglio.

    Como eu já fui apelidado carinhosamente aqui de “O Matemático”, claro que o primeiro quesito vem dessa relação financeira. Todo o desenrolar dessa celeuma é sem sombra de dúvidas, o empoderamento financeiro que o Flamengo alveja ter para o futuro.

    Quando o Flamengo joga atualmente no Maracanã a concessionária atual cobra verdadeiro mar de dinheiro para abrir as dependências do estádio. Já pagamos quantias que vão de quatrocentos e cinquenta mil a um milhão trezentos e setenta mil.

    Mas se alguém fizer uma pesquisa rápida vai ver e perceber que quatrocentos e cinquenta mil é o dobro cobrado por exemplo, pela diretoria do São Paulo, pelo Morumbi para jogos e eventos em suas dependências.
    Pois bem. A primeira pergunta que está entalada na minha garganta é:

    Será que as pessoas não entendem ou fazem questão de não entender que NÃO É MAIS POSSÍVEL que o Flamengo ou qualquer outro clube alimente esse monstro chamado Odebrecht que hoje habita as dependências, corredores, escritórios e principalmente os cofres do Maracanã e que tem seus braços e tentáculos de corrupção agarrados e acertados com toda a capilaridade estatal?

    Porque o Flamengo ou qualquer outro clube ou instituição, sendo do seguimento do esporte ou não, tem que estar, seja de que forma for, atrelado ou amarrado a uma empresa corrupta e suja como a Odebrecht?

    Toda a Lógica dessa celeuma diz que não. Mas a hipocrisia grita alto dizendo que sim. E a hipocrisia é fingir que nada acontece, que o processo de aluguel dentro do Maracanã acontece e segue as mil maravilhas, brigar pelas redes sociais e tentar fazer com que o Flamengo jogue no Maracanã onde teoricamente o ingresso é mais barato para o público em geral.

    Amigos, por favor abram os olhos. Amor por conveniência não é bom na vida e nem no esporte. Qualquer um tem o direito de discordar da forma e dos métodos adotados pela diretoria do Flamengo para todas essas questões, mas o faça, sabendo de fato tudo que circunda ao redor, para aí sim, tirar suas conclusões e formar suas opiniões e assim possa trazer outras opções melhores que as atuais.

    Será que alguém acha salutar uma renda de R$ 3.242.130,00 onde o total de despesas para jogar no Maracanã foi de R$ 2.160.226,85?
    Ou seja, 66,62% da renda foi literalmente afogada em despesas no jogo Final do Estadual entre Flamengo e Fluminense.
    Não entendeu ainda? Pois bem.

    Essas foram as despesas que me chamaram a atenção nesse jogo.
    1 – Custo Infraestrutura do Estádio = R$ 95.209,02
    2 – Aluguel do Estádio – R$ 627.386,00
    3 – Alugue de Grades – R$ 38.006,00
    4 – Contas de Consumo – R$ 160.000,00
    5 – Custo Operacional do Estádio – R$ 452.556,24

    Ou seja: Para Flamengo e Fluminense disputarem a final do Estadual, foram gastos só no Maracanã R$ 1.373.157,26. Cada um dos times foi para casa com R$ 522.018,27

    ISSO É SURREAL. ISSO É SUJO. ISSO É DESUMANO.

    Torcida Jovem, Urubuzada, e toda e qualquer torcida, de todo e qualquer clube, deveriam estar protestando contra a concessionário do Maracanã. É a concessionária que está enchendo seus cofres de dinheiro e o torcedor não percebe o quanto está sendo lesado, uma vez que no Maracanã isso consegue ser diluído quando se tem um público pagante de 68.165 pessoas para pagar a conta.

    Hoje, para sair do Maracanã com a certeza de um lucro mínimo, ou praticamente zerar as contas entre receitas e despesas, é preciso ter um público de 53.000 pessoas.

    PELO AMOR DE DEUS! ACORDEM!

    Quer dizer que: Os cofres do Flamengo podem e devem ser sangrados para que o torcedor que se diz apaixonado até morrer possa estar no Maracanã para o seu prazer, custe o que custar?

    VAMOS PARAR DE HIPOCRISIA. VAMOS COLOCAR A CABEÇA PARA PENSAR.

    Se está sangrando nos cofres do Flamengo, no bolso do torcedor ou em ambos os casos como é o atual momento, é nítido que o modelo atual do Maracanã não nos serve.

    ……………E O OUTRO LADO DA MOEDA? ILHA DA NAÇÃO:

    Foram jogados até agora na Ilha da Nação dois jogos. Contra Ponte Preta e Chapecoense.

    Contra a Ponte Preta, foram 13.981 pagantes e uma renda BRUTA de R$803.992,00 – RENDA LÍQUIDA DE R$ 246.197,00

    Contra a Chapecoense, foram 14.632 pagantes e uma renda BRUTA de R$ 834.628,00
    RENDA LÍQUIDA DE R$ 323.811,00.

    …………..E O QUE DE FATO ESSES NÚMEROS SIGNIFICAM?

    Faça as contas rápido e você vai entender de forma pragmática o que ocorre.

    Quando no borderô da Final entre Flamengo e Fluminense o resultado financeiro para ambos os clubes foi de 522.000,00 e o resultado financeiro do Borderô do jogo entre a Chapecoense foi de R$ 323.811,00

    Isso significa dizer que o Flamengo corre risco mínimo jogando na Ilha da Nação para um público bem menor, e por uma diferença financeira pouco menor que R$ 200.00,00.

    Ou seja. No Maracanã o Flamengo coloca 68 mil pessoas e vai para casa com 522 mil. Na ilha coloca 14mil pessoas e vai para casa com 323.000,00.

    ……………QUEM É QUE ESTÁ ROUBANDO QUEM? PENSEM!

    Você que está lendo esse post não é obrigado a concordar comigo e nem com os métodos apresentados pela diretoria. ESSE É UM DIREITO SEU. Mas não há como argumentar contra os números dos borderôs.

    …………QUAL É A GRANDE VANTAGEM DE JOGAR NA ILHA DA NAÇÃO?

    1 – Financeiro. Ainda que aparentemente a renda oriunda da bilheteria, seja menor que a do Maracanã em quase 200 mil reais, há também a renda oriunda dos bares, produtos licenciados e placas estáticas.

    2 – Técnico – Até agora, foram 100% de aproveitamento técnico dentro da Ilha.

    Foram 2 jogos. 7 gols a favor e 1 gol contra. Muito cedo para montar qualquer retrospecto. Mas já o é positivo.

    Portanto amigo, não caia na hipocrisia de gritar aos quatro cantos do mundo que você é Flamengo até morrer, desde que não mexe nos seus bolsos. Você tem todo o direito de protestar quando por acaso sentir-se lesado. Mas mire para a instituição certa. Não caia na tentação de pedir Diego Alves, Tardeli, esse ou aquele jogador, se você se recusa a pagar 1 real a mais na bilheteria por isso. Ou de gritar que os ingressos são caros, sem entender porque.

    Se você não pode ajudar mais do que já faz, ótimo. Isso não o faz mais e nem menos Rubro Negro. Somos 40 milhões de torcedores e só agora chegamos a 100 mil sócios torcedores. Nem todos podem contribuir. Isso todos sabem. Mas entenda de uma vez por todas porque os ingressos na Ilha do Urubu, hoje, custam em média 12 reais mais caro que no Maracanã. Isso não significa que isso não possa ser revisto e equalizado a qualquer momento.

    Eu também como a grande maioria dos torcedores, tenho o meu limite financeiro para ajudar ao clube que eu amo. Além desse limite também fica pesado para minhas despesas.

    Você RUBRO NEGRO, não pode e não deve deixar se enganar por essa massa de má informações vindas de pessoas e veículos de comunicação e que não nos ajuda em nada.

    Jogar na Ilha do Urubu custa 12 reais mais caro porque temos um público menor para diluir as despesas. Simples assim. Não é e nunca foi um devaneio da diretoria.

    ABÇ#SRN

    Reply
    • Só mais um detalhe.

      Hoje, dia 28 de Junho, o vice presidente de marketing, estará presente no programa Expediente Futebol no canal Fox Sports.

      Boa oportunidade de fazer qualquer questionamento sobre esse assunto.

      Reply
    • Muito bom Anderson, nosso Matemático.
      Contra fatos não há argumentos.
      Isso só fortalece a ideia de que a única saída é a construção de um estádio próprio. Esse negócio de estádio estadual ou municipal já é coisa do passado. Os quatro grandes de São Paulo já tem sua casa e tinham o bom e barato Pacaembu. Os clubes do Rio carecem de estádio particular. Nem o Botafogo pode se considerar como tendo estádio já que é o Nilton Santos é público e sempre será agente passivo na relação com o estado. Se precisarem vem a ordem: desocupe, por favor. Se a casa é sua, terá que pagar muito bem para que aluguemos. Brutal diferença.

      Reply
  34. Anderson brilhante o seu comentário,principalmente quando aborda a relação preço dos ingressos x capacidade da Ilha do Urubu.Importante quando comentou a questão do socio torcedor.Na realidade socio patrocinador.Sim quantos dos mais de 40 milhões de torcedores
    não teriam a possibilidade econômica-financeira de pagar R$ 29,90 por mês,(150,200 ou 250 mil adeptos),menos de R$ 1,00 por dia.
    SRN.

    Reply

Comente.