Agradecimentos, sequência do desabafo, camisa nova e decisão em Brasília

Clipboard02Como não poderia deixar de ser, começo com um enorme MUITO OBRIGADO, por tantas mensagens carinhosas e estimulantes, através do blog, e-mails e telefonemas. Definitivamente, a paixão que nos une conseguiu algo difícil nos dias de hoje, qual seja, debater com respeito e educação e, em muitíssimas vezes, também com carinho. O nome disso é afinidade. Se escudo houvesse para este blog, seria um coração rubro-negro repousando em mãos que afagam e confortam. Mais uma vez, MUITO OBRIGADO A TODOS.

A sequência do desabafo nasce nos comentários. O HÉLDER, por exemplo, fala sobre o fato de se criticar sem conhecimento de causa. E, não tenho nenhuma dúvida de que a maioria absoluta dos rubro-negros desconhece a matéria. Grande parte imagina que esta relação com o Consórcio tenha iniciado na minha gestão. Errado! Dos seis milhões sobre o qual falamos, oitocentos mil diziam respeito a uma dívida contraída na gestão anterior, já por conta do negócio com o Consorcio. Este é o início do erro quando se diz que Edmundo custou seis milhões. Como já informei, do total de seis milhões, oitocentos mil reais diziam respeito a um empréstimo feito pelo Consórcio ao Flamengo, na gestão anterior à minha.

O companheiro DIEGO NUNES fala em se abrir aqui, espaço para quem esteve envolvido neste tema. O espaço não só está aberto, como me coloco à disposição para debater o tema, seja com quem for e onde for. Que estejam presentes os presidentes, desde Luiz Augusto Veloso até Eduardo Bandeira de Mello e, se tiver peito, o que não acredito, o presidente do Consórcio, Sr. José Isaac Perez. Se o presidente Eduardo Bandeira de Mello tiver interesse em promover este debate, estou confirmando a minha presença.

O companheiro LEANDRO, muito gentil, porém se equivocando nos títulos conquistados por Romário, que não foi campeão só em 96, no Campeonato Carioca. Romário, quando a Taça Guanabara era uma conquista importante, ganhou duas, em 95 e 96, sendo que em 95, na final contra o Botafogo, quando ganhamos por 3 a 2, fez os três gols do Flamengo. E, bom não esquecer, foi campeão continental na conquista da SuperCopa Libertadores, competição que contou com 17 clubes campeões das Américas, dentre eles Boca, River, São Paulo, Grêmio…

O companheiro ANDERSON fala e elenca temas importantes para debatermos. A ideia é boa. Temos falado em vários dos assuntos por ele mencionados, porém, de passagem. Se todos estiverem de acordo, podemos debater profundamente, tema a tema, um dia por semana. A relação o Anderson já fez. Terça- feira, seria um bom dia?

O companheiro LUIZ CARLOS comenta que a última camisa lançada pela Adidas é horrorosa, e indaga quem aprova este tipo de coisa no Flamengo. Luiz Carlos, quem aprova é o Conselho Deliberativo, muito embora, o clube, antes da apresentação ao Conselho Deliberativo, interaja com a fábrica de material esportivo.

Estava respondendo ao Luiz Carlos e me veio a ideia de, em cada camisa nova, a Adidas apresentar três opções, e todos os sócios participariam votando democraticamente para eleger uma delas. Isto daria um belo movimento. E, nada impede que, mesmo após haver a escolha por parte dos sócios, seja obrigatória a aprovação do Conselho Deliberativo. Tipo do assunto que quem é Flamengo vai fazer questão de participar. Acho que daria um belo caldo…

Lamentar a falta de diálogo e sensibilidade dos que comandam o nosso futebol. Todos os jogos deveriam ter sido antecipados para este sábado. O Brasil inteiro neste domingo, só pensa naquilo… Hoje, ouvindo a Rádio CBN, tive certeza da correção desta crítica. A CBN, amanhã, vai transmitir os jogos de futebol… PELA INTERNET!!!

No rádio, Verde e Amarelo x Vermelho, batalha que será travada em Brasília.

E, amanhã, seja o que Deus quiser…

Um domingo especial a todos. Emoção, não vai faltar…

1 Comentário

  1. Caro KL, como vemos, a ignorância é a mãe de todas as desgraças..Em minha opinião vc deveria ter abordado o assunto em pelo menos 4 oportunidades: A 1a. oportunidade foi logo no fim do ano passado, qdo o assunto voltou a baila em nível mais público. A 2a oportunidade em que deveria ter se posicionado foi logo em que as negociações para fim do processo começaram. A 3a. oportunidade foi justamente essa que vc fez, e 4a oportunidade em um momento futuro próximo. Muitos o acusam de “presidente blogueiro”, seja lá como for, vc tem um blog, então, pq não usa-lo? O assunto cresceu com a crença que foucinho de porto fosse tomada! Mas até por questões meritórias suas, os fatos que vc revelou agora, pelas negociações em curso, talvez antes, não pudessem ser reveladas. Saudações rubro negras.

    Reply
  2. Promessa é dívida e, portanto, vamos pagá-la. O assunto é pesquisa sobre maiores torcidas no Brasil. Entre várias, escolhi a do Ibope por causa do maior período coberto. Como a última foi em 2014, acrescentei, por minha conta, a mais recente, efetuada pela Paraná Pesquisas e, há pouco, divulgada no site globo.com. Não é o ideal, pois são critérios diferentes, mas, pelo menos fica mais atualizada.


    Pelo gráfico, observa-se o que eu já temia, em relação ao Flamengo. Queda de 18,1%, em 2004, para 16,20%, em 2014, segundo o Ibope, ou, 16,50%, em 2016, de acordo com a Paraná Pesquisas. Enquanto isto, a do Corinthians permaneceu no patamar, entre 13,20%, em 2004, e, 13,60%, em 2016. A do São Paulo, 3ª colocada, foi a que mais oscilou, atingindo o pico de 8,70%, em 2010, e atingindo 6,80%, em 2014, pelo Ibope, ou 7,90%, em 2016, pela Paraná Pesquisas. A conclusão óbvia, é que, de acordo com estes números, estamos perdendo terreno para os coirmãos de São Paulo. Também pudera, no período observado, tivemos as seguintes classificações no Brasileirão:

    O Flamengo tem sido assíduo em classificações com dois dígitos, fato que ocorreu apenas uma vez com o São Paulo e, no Corinthians, 4, sendo uma vez rebaixado. É fato que a formação de torcida tem um certo gap entre gerações. Por exemplo, o fator Zico, entre 1974 e 1987, trouxe inúmeros novos torcedores para o Flamengo, a partir de 1990, até poucos anos depois. A partir daí, tivemos a época Romário, com origens vascaínas, que também trouxe algum prestígio para o rubro-negro. Isto, graças ao nosso Presidente Kleber Leite, que sempre pensou grande, apesar de várias facções que pensam diferente. Enfim, estamos à deriva em termos de futebol há algum tempo. Esta nova diretoria, que a princípio trouxe novas esperanças, continua pagando as dívidas, equilibrando as finanças do Clube e prometendo que daqui a alguns anos voltaremos a ter possibilidade de exercemos liderança no cenário nacional. Eu, até acredito, mas confesso estar preocupado com a nossa performance nos últimos 4 anos, quando nossa melhor colocação foi a de 10º colocado. Fora este panorama, destaque-se que todos em São Paulo, fora outras regiões, têm seu estádio, sua casa própria, enquanto nosso Flamengo continua acreditando no coelhinho de páscoa, no papai noel, com aquela velha história ultrapassada de que o Maraca é nosso. Pergunto, até quando vamos adotar esta postura? A razão de ser do Flamengo, sua pujança, sua grandeza, deve-se ao futebol. Enquanto formos medíocres neste aspecto, não vejo futuro para o Clube. Vamos continuar perdendo terreno e utilizando o fraco argumento de que a culpa é de gerações passadas, das quais herdamos dívidas? Já pararam para pensar que herdamos um Flamengo campeão de terra e mar, um Flamengo, o mais querido, várias vezes tri campeão carioca, 6 vezes campeão brasileiro, campeão do mundo. Até quando? Já passou da hora de estancar a sangria e voltarmos para onde tudo começou. Épocas de glória, de crescimento, de disputar para vencer, e não somente para competir, de investir na nossa razão de ser, qual seja, o futebol. Neste quesito, que é o que interessa, continuamos devendo, e muito, apesar da diminuição do nosso passivo. SRN

    Reply
    • É Yvan, mas enquanto não nos livrarmos dessas dividas fantasmas do passado não teremos condições de fazer planejamentos eficazes. Sou a favor desse sacrificio agora e assim começarmos a enxergar um futuro mais consciente do que devemos e podemos fazer. Uma coisa é vc iniciar o ano sabendo que vai ganhar X e gastar Y, outra coisa é você iniciar sabendo que vai ganhar e gastar X por ano. Alguém teria que fazer o que o presidente Bandeira está fazendo. Se começarmos a montar times campeões não tenho dúvidas que esse gráfico voltará a apontar para cima.
      Abraços.

      Reply
      • Grande Helder, que assim seja, amém. Só acho que já passamos do “timing” de montar times vencedores e de investirmos em nossa “casa própria”. Estamos atrasados e ficando para trás, ainda olhando pelo retrovisor. SRN

        Reply
    • Caro Yvan Bayardino……….Post irretocável.

      Agora na minha humilde opinião, pautada nos exemplos que temos de Corinthians e Palmeiras, tudo isso passa pela construção de um estádio. Ou se for o caso na permuta de um estádio que no caso seria o Maracanã.

      Veja o exemplo do São Paulo.

      Se eu não me engano o São Paulo tem o maior estádio particular.

      Mas o seu ex-presidente afirmou com todas as letras que o estádio é velho, feio e decadente.

      Me parece que a receita do bolo não é difícil de concretizar e de entender.

      Pegando os números do seu post, dá para afirmar categoricamente que se o clube não tiver uma média “esportiva competitiva ” não agrega torcedores.

      Mas nos dias de hoje acredito eu que essa receita de bolo passa pelos seguintes foros.

      1 – Ter um estádio. Se for o Maracanã ótimo. Caso contrário um que atenda as expectativas de até 40 mil pessoas.

      2 – Com esse estádio, traçar um modelo de sócio torcedor que contemple a fidelidade do torcedor, e que seja no mínimo nos moldes de Palmeiras e Corinthians.

      3 – Montar um dispositivo legal e ou jurídico, que seja perfeito e inviolável, dentro e com a participação efetiva do Conselho Deliberativo, para que a receita gerada pelo programa de sócio torcedor tenha que ser aplicada INTEGRALMENTE no FUTEBOL.

      Assim podemos ficar um pouco mai seguros que um louco não faça loucuras com esse dinheiro no futuro.

      4 – Criar prêmios diretos e efetivos junto ao programa de sócio torcedor, nos moldes das Cias Aéreas. Por exemplo:

      Tantos jogos assistidos geram tantos pontos, e com esses pontos acumulados. Tantas mensalidades geram tantos pontos, e com esses pontos acumulados, o sócio torcedor por exemplo de Manaus, pode vir assistir ao jogo no Maracanã com tudo pago.( nesse caso ainda que alguns afirmem que isso não gera receita direta ao clube, e eu concordo, gera por outro lado inúmeros benefícios midiáticos.

      5 – Definir estrategicamente quantos jogos vão rodar o Brasil durante a temporada. Há que se fazer um mapeamento onde se possam cruzar dados capazes de informar de onde vem a maior receita de sócio torcedor dos estados fora do rio de janeiro e fazer com que esses jogos fora do rio possam privilegiar esses estados.

      Creio eu que sem isso, não vai.

      Mas, eu tenho que concordar, que não é para rodar nos moldes dessa temporada. Essa temporada, não serve de argumento para isso. O é excepcional. Me refiro a montar uma estrutura capaz de fornecer os dados e com isso saber onde e como jogar.

      SRN#ABÇ

      Reply
      • Grande Anderson, eu só levantei a bola. Você encaçapou de “sem pulo”. Golaço! Também acho que é por aí, mas, na minha humilde opinião, é assunto para ontem! SRN e grande abraço.

        Reply
  3. Grande Kleber e amigos,
    Primeiro, gostaria de destacar a coragem do nosso ex-presidente. Como sabemos, não é comum que dirigentes tenham um canal tão aberto com o torcedor.
    O que vejo como mais importante nas histórias, nas falas, nas notícias, enfim em tudo, é não fugir à responsabilidade. E isso me parece que o Kleber não o fez.
    Houve muitos erros e acertos, como ainda há e continuarão existindo, porém a responsabilidade que cada um assume é que diferencia as pessoas.
    Segundo, realmente seria ótimo poder discutirmos profundamente alguns temas, e as terças seriam ótimas!!!
    Sempre bom destacar que o espaço aqui deste blog, tem se mostrado muito democrático e educado. Isso aumenta muito o grau das discussões, ou melhor das opiniões.
    Terceiro, se realmente a idéia de lançamentos de novos uniformes pudessem ser votados pelos sócios (torcedores) e posterior pelo deliberativo, acredito que traria o benefício da escolha e também do marketing. Afinal, haveria grande divulgação.
    No mais, que o nosso mengão hoje se classifique… quero muito voltar ao maraca!!!
    SRN

    Reply
  4. Isso mesmo Kleber, além de explicar o ocorrido para os desentendidos, você se colocou a disposição para qualquer esclarecimento.
    Flamengo é Flamengo pelo futebol e o que falta para EBM é arriscar um pouco mais no futebol.
    Creio que muito pela falta de um Kleber Leite no futebol.
    O que você fez quando trouxe Romario em 95, seria como se o Flamengo trouxesse Neymar ( apesar de Romario ter sido campeão do mundo e eleito melhor jogador do mundo em 94 ).
    Quero dizer que a torcida sim abraça o time quando a diretoria faz por onde.
    Sou totalmente a favor dessa diretoria, até hoje compro esse discurso de austeridade financeira, mas está acabando essa paciência.
    E peço que não se faça injustiça ao Kleber e mais uma vez dizer que estamos contigo.
    Um forte abraço e SRN

    Reply
  5. Sr. Kleber, belo agradecimento. Acreditamos e sabemos de tudo que aconteceu. Não vi nenhum outro envolvida procurar um jornalista para passar a sua versão, mandar uma carta para algum blog. Parabéns pela coragem e toda educação nesse momento do seu nome vir a tona e ser perseguido por alguns jornalistas pelas redes sociais.
    Abs de Natal

    Reply

Comente.