Neymar jogou como Neymar

(Odd Andersen / AFP)

(Odd Andersen / AFP)

Uma quarta-feira feliz para o brasileiro que gosta de futebol.

Por favor, sem essa de dizer que pegamos uma moleza. A seleção de Honduras, mesmo sem tradição, sem ser uma seleção que imponha respeito, fez o que pôde, inclusive abusando da violência. O árbitro ainda esperou muito até premiar o primeiro hondurenho com o cartão amarelo.

A nossa seleção jamais se intimidou. O jogador brasileiro tomava a pancada, passava cuspe e ia pro jogo. Claro que o gol mais rápido na história do futebol nas olimpíadas ajudou, mas o que realmente se viu foi um time muito bem arrumado, com os atacantes, sempre que necessário, compondo o meio e com isso, garantindo a posse de bola e, consequentemente, o predomínio do jogo. Nestes 6 a 0, destaque absoluto para Neymar, que foi arco e flecha. Jogou, simplesmente, demais…

Impressionante também, o espírito de “camaleão” de Renato Augusto que, nesta seleção, joga de volante, ante a filosofia do nosso treinador de ter em campo, independente de posição, os melhores jogadores. Renato Augusto já jogou de ponta de lança, de meia, de volante e até centroavante já foi. Lá atrás, o velho lobo Zagalo já havia adotado tal estratégia na extraordinária seleção de 70, onde cabeça de área virou zagueiro, meio campo virou falso ponta esquerda, e ponta de lança virou centroavante. No fundo, podemos dizer que esta opção é uma homenagem e um reconhecimento ao talento.

O lado psicológico também aparenta estar bem trabalhado. Todos os jogadores me pareceram com o mesmo objetivo: determinados, disciplinados taticamente e, jogando com alegria.

Vi pela TV um bom pedaço do jogo da Alemanha e a impressão foi muito boa. A vitória por 2 a 0 foi pra lá de justa. O domínio alemão sobre os africanos foi incontestável.

A final de sábado entre Brasil e Alemanha deve ser sensacional, com um clima de revanche na cabeça de todo brasileiro, muito embora, o que esteja em jogo seja o ouro olímpico, e não uma forra do maior mico da história do nosso futebol. Aliás, isto já deve estar sendo trabalhado na cabeça dos nossos jogadores, pois goleada não pode ser um objetivo.

A goleada, é uma consequência do jogo bem jogado por parte de uma equipe e, do dia desastrado do outro time.

Enfim, estamos aí. Vai ser um jogão. Esse, é o tipo do jogo imperdível. Vou chegar com duas horas de antecedência…

1 Comentário

  1. Caro Presidente Kleber ,
    Se você fosse o Presidente não iria tentar uma média com nosso craque Neymar , como aquela camisa do Mengão numero 10 com o nome dele , e quem sabe patrocinar uma grande faixa na arquibancada com o nome dele é do Mengão ?
    Sei que agora não dá , mas já é a hora de fazer esta aproximação para quem sabe daqui uns 5 anos ele vem né ?
    SRN
    David

    Reply
  2. Caro Kléber e amigos! Dificilmente não seremos campeões! Esse time deu liga, deu sinfonia, deu farol de luz e faro para o gol. Esse time se ajustou na defesa, deu conjunto e deu confiança! Além de tudo isso, teremos um estádio inteiro incentivando e dando alma ao time. Que sejamos responsáveis e o ouro brilhará no nosso peito! SRN

    Reply
  3. Não acho que o Neymar tenha feito tanta diferença não Kleber, ele foi mais um dos beneficiados pela mudança tática e entrada no time de: Wallace e Luan. Neymar n tem jogado o futebol de se encher os olhos não, faz seu papel de capitão e pouco contribui tecnicamente (Lançamentos ou faltas). O destaque ao meu ver da seleção até aqui é o Luan do Grêmio, excelente Meia-atacante. Desde que entrou vem jogando mt e já marcou 3x ao meu ver é disparado melhor que Neymar nessa seleção. E olha que defendo mt o Neymar, mas n posso ser contra as obviedades das atuações.

    Reply
  4. Caro Kleber , realmente o Neymar não tem o perfil ideal de líder , mas dai querem colocá-lo na cruz é covardia da mídia . Primeiramente temos que entender que o time foi montado agora e queiram ou não precisamos entender o comportamento dessa nova geração , inclusive será um exercício maravilhoso pra evoluirmos e convivermos melhor com nossos filhos e netos!!!! Grande abraço

    Reply
  5. VESTIBULAR para técnico, já !!!

    FLAMENGO abre inscriçoes para VAGAS de técnico das categorias de base. Já imaginaram isso ? POR QUE NãO ?

    Por que não dar oportunidades para NOVOS TALENTOS ? Por que não sairmos do lugar comum que instituiu que técnico é EX-JOGADOR ?

    Por que ?

    Por que ñ criar um ENEM para ser TéCNICO das categorias de “base”, com um METODOLOGIA ? Por que manter as escolha EMPíRICAS ?

    É duro ver MESTRES em ESTRATéGIAS TATICAS serem condenados a apenas assistir da arquibancada as LAMBANçAS dos INDICADOS.

    Reply
  6. Para ser bem crítico sobre nós mesmos, esse time no papel é até falta de “fair play” em relação ao time alemão, que diga-se de passagem, só tem jogadores olímpicos, ou seja, até os 23a.
    Outro fato é que o jogo contra Honduras, em que pese ser uma semi-final, não é parâmetro para afirmarmos que esta seleção esteja jogando bem. O jogo contra Colômbia achamos um gol de falta contra um time técnico que abdicou de jogar futebol em prol do anti-jogo.
    No 1o. atentado contra as Torres World Trade Center nos anos 90, nós comentamos: “Se fosse um atentado feito por alemães e não por árabes, as torres teriam caído naquela época”.
    Pois bem, será a mesma fórmula de jogo que o Brasil tem tantas dificuldade, entretanto com o pragmatismo e eficiência alemã. Não acredito que seja um jogo “Forte Apache”, com índios atacando em massa o forte.
    Como futebol é futebol (que o digam o 7×1), vamos ver!

    Reply
    • “1o. Atentado ao World Trade Center”
      Só para fazer justiça aos árabes, se fosse um atentado feito por brasileiros, igualmente fracassaria, pois resolveriam comprar as dinamites em cima da hora para super-faturar, além de óbvias e esperadas falhas de projeto, tão comuns na nossa cultura.
      E é esse justamente o quadro minha gente, uma seleção brasileira sem projeto, ou com projetos interrompidos ou reiniciados em cima da hora, contra a metodologia alemã. Veremos…

      Reply
  7. FlaD+, é simples. O futebol é prático e não teórico. O grande conhecimento teórico não significa vitória, pois o treinador não joga. O futebol é mágico porque é o único esporte em que um time muito fraco pode vencer o muito forte. Pode ficar 89 minutos sofrendo pressão, tomando bolas na trave e no último minuto vencer.

    No Brasil, há dois ou três técnicos apenas com certificado da Fifa: Milton Mendes e Vinícius Eutrópio. Querias eles no Flamengo?

    Reply
    • Bem dito ” o Futebol é” eu substituiria por “o futebol tem sido “. As pessoas tem feito o futebol se dirigido por INDICAÇãO e ñ por competencia.

      Não falo de “certificados” falo de HABILIDADE ESTRATEGICA E TéCNICA.

      Reply
    • Kkkkk boa Henrique, isso prova que precisamos de renovação de treinadores. Ora vc olha e vê o que prefere custando 1 Mill mês, ora vê um custando 300 Mil para baixo que n quer. Isso faz os clubes olharem para a base/comissão técnica e puxarem um profissional para ser treinador.

      Reply

Comente.