Dormimos no ponto

Gustavo Scarpa (Foto: Djalma Vassão / Gazeta Press)

Claro que o que passo a colocar aqui nada mais é do que uma opinião meramente pessoal, cuja base é a nossa paixão comum. Até este momento tinha eu a quase certeza de que o nosso pessoal, na encolha, estava trabalhando a contratação de Gustavo Scarpa, um dos raros jogadores em atividade com poder de criação e, ainda jovem, pois completou recentemente 24 anos.

Com enorme frustração, li agora no Globo.com que o Palmeiras acaba de acertar um contrato de cinco anos com Scarpa. Antes que alguém diga que isto pode ser revertido, que o Fluminense pode recorrer, não há como negar que, mesmo que isto aconteça, o Palmeiras continuará tendo enorme vantagem sobre qualquer outro possível interessado, pois já há um contrato em vigor. O que pode acontecer na frente, caso o Fluminense tenha sucesso no judiciário, será um acordo entre as partes, com Scarpa cumprindo o seu contrato com o Palmeiras.

Imagino o quanto deve estar feliz o torcedor palmeirense, pois as seis contratações feitas já deixam a pista de quem deva ganhar tudo neste ano de Copa do Mundo. Além de contratar dois jogadores que desequilibram – Lucas Lima e Scarpa – o Palmeiras fez mais quatro contratações pontuais e inquestionáveis: Emerson Santos para a zaga; Weverson para o gol; Marcos Rocha e Diego Barbosa para as laterais. Caramba!!!

Claro que futebol não é ciência exata e, nem sempre as coisas funcionam como se espera, mas não há como negar que para ganhar título, o primeiro passo é o time que se coloca em campo e, o do Palmeiras – no papel – é de encantar o seu torcedor. Que inveja…

ESTRANHO, CURIOSO E INTRIGANTE

 

Manchete do Globo.com: “FLA SE APROXIMA DE ANUNCIAR COLOMBIANO INDICADO POR RUEDA”.

A matéria dá conta de que trata-se do atacante Marlos Moreno, de 21 anos, que pertence ao Manchester City, da Inglaterra, e está emprestado ao Girona, da Espanha. Marlos Moreno era do Atlético Nacional, onde jogou 39 partidas, marcando oito gols.

Na temporada 2016/2017, jogou pelo Deportivo La Coruña (assista a um lance de sua estreia no clube galego no vídeo acima). Foram 23 jogos e nenhum gol marcado. Agora, no seu novo clube, o Girona, só jogou três partidas, não tendo marcado nenhum gol.

ESTRANHO, CURIOSO E INTRIGANTE, o fato de um treinador abandonar um clube e, mesmo após a saída deste profissional, este clube dê sequencia, mesmo já tendo contratado outro treinador, ao que o que deu no pé planejou.

No meu tempo, qualquer jogador para ser contratado passava pelo crivo do treinador do momento e não o do passado. Será que Carpegiani já ouviu falar em Marlos Moreno? E, outra coisa. Confiança, responsabilidade, comprometimento e competência, não foram marcas registradas do senhor Rueda na sua triste passagem pelo Flamengo.

Segunda pergunta: você compraria um carro do Rueda?

 

Contratar para resolver

(Foto de Ricardo Cassiano / Lancepress)

No plano estadual, a diferença do Flamengo para os outros três adversários é simplesmente gigantesca.

Enquanto Vasco, Fluminense e Botafogo, brigam dia a dia para manter a dignidade, honrando seus compromissos, o Flamengo navega na paz, sem quase nenhum tipo de problema.

Embora ainda, oficialmente, não tenha contratado ninguém, pela diferença técnica, não há como negar que este Campeonato Carioca se anuncia, em tese, como o mais fácil de todos os tempos para o time de Carpegiani.


As baterias do Flamengo, segundo o noticiário, estão voltadas para a contratação de um centroavante e, Vagner Love é a bola da vez.

Acho uma boa pedida, já que no mercado as opções são curtas. Entre o clube e o jogador, tudo certo, faltando apenas o clube da outra ponta liberar Love.

A preocupação em preencher esta lacuna se deve à possível longa ausência de Guerrero. Love é boa pedida. A nove ainda é muita areia para o caminhão de Vizeu.

Respeito quem pense da necessidade de se contratar um zagueiro e dois laterais, mas se pudesse opinar nesta matéria de “engordar o bolo”, concentraria toda energia em ter Gustavo Scarpa. Com Love e Scarpa, mesmo não contratando mais ninguém, o Flamengo brigaria, na cabeça, por todos os títulos.

Quem de mansinho está se arrumando é o São Paulo que, segundo dizem, está mais perto de Scarpa, depois de ter feito contratações boas e pontuais.


Ontem, vi o jogo da Copinha. O nosso time me pareceu fraco no setor ofensivo. Mais uma vez, o quarto zagueiro – número 4 – e o capitão do time, volante, número 5, foram os destaques. Levam muito jeito…

Tomara que o time cresça nesta fase de mata-mata. Ontem, os meninos não foram egoístas… Acho que alguém deve ter dado uma dura que veio em boa hora…


Deixo no ar a seguinte pergunta: se você pudesse contratar somente dois jogadores para o Flamengo, quais seriam?

Água na boca

Pode ser que alguns companheiros não tenham o meu hábito de ler todos os comentários. Por isso e, também para os que leem os comentários, mas por um motivo ou outro, possa ter passado desapercebido, repito um trecho do comentário do companheiro IVAN RENATO e, o vídeo por ele enviado, do centroavante Omar Al Somah que, é de dar água na boca….


“Em um desses finais de semana de eliminatórias assistindo um jogo entre Austrália e Síria vi um jogador diferenciado entre os pernas de pau. Me surpreendeu a idade dele para tamanha frieza e categoria, apenas 27 anos mas se posicionava como um atacante experiente e chamava a responsabilidade sempre, em faltas e lances perigosos.

Descobri que o jogador de 1.92m, atacante, é o artilheiro da primeira liga Árabe (que sei não é lá grandes coisas, mas convenhamos o Brasil não está tão acima tecnicamente) inclusive o rapaz é comparada ao Imbrahimovic e é tido como herói da Síria por ter quase colocado seu país na copa 18.

Deixo um vídeo do rapaz que é um ponto fora da curva mas já há interesse de times das Itália e Turquia sobre ele.”


Impressionante, não? Caramba, 28 anos, 1.92m, com essa agilidade e habilidade, realmente chama atenção…

Claro que não vai faltar o comentário de que trata-se de um vídeo de melhores momentos. Pode até ser, mas que dá vontade de pesquisar, lá isso dá…

Fiz o que me competia, enviando para quem de direito no Flamengo.

Sonhar, não custa nada. Pesquisar, custa pouco…

Emerson Sheik é um pouco disso. Ninguém por aqui sabia quem ele era. Pesquisamos e chegamos a tomar conhecimento de um comentário do nosso Zico, de que Emerson o havia impressionado em um determinado jogo no Japão. A partir daí, corremos atrás e, a corrida não foi em vão…

Por que não checar?

Diego Alves e o nosso tiroteio

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Que seja bem-vindo Diego Alves e que dê paz ao número 1 do Manto Sagrado.

Para os pessimistas, que vivem com a pulga atrás da orelha e desconfiam de tudo e, neste caso específico, argumentam que o Flamengo só repatriou o goleiro pelo fato dele não estar bem por lá, contra-argumento com uma pergunta bem simples: como repatriar alguém que esteja bem na Europa?

Óbvio que, se estivesse ele tinindo, lá ficaria. Fundamental é que esteja bem fisicamente, pois com 32 anos ainda pode queimar muita lenha por aqui. O mais importante é que, tecnicamente, é inquestionável. A motivação de uma nova etapa de vida, a vontade de disputar a próxima Copa do Mundo, e o calor da nossa torcida, serão combustíveis suficientes para cabeça e alma do nosso novo reforço. Jogador brasileiro, repatriado, arrebentando lá fora, só sei de um. E, nem preciso falar…

No Brasil, dois goleiros me chamam a atenção. Um está no Corinthians, e outro no Santos. Aliás, acho que na próxima convocação de Tite os dois estarão na lista. Agora, que já jogaram mais de sete partidas pelo Campeonato Brasileiro, por este motivo, ficam inviáveis. Lá atrás teria sido possível, principalmente Cássio, que estava infeliz e com o Corinthians precisando vender. Qualquer um dos dois seria solução para quase dez anos. De qualquer forma, ante as circunstâncias, tardia, mas excelente a contratação de Diego Alves. Como dizia minha avó Corina, “antes tarde do que nunca”.

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

O nosso tiroteio não é do da Linha Amarela ou da Avenida Brasil. O “tiroteio” a que me refiro, é o nosso, o rubro-negro, em que parte da torcida quer a cabeça de Zé Ricardo, enquanto que há também muita gente que o defenda. Basta ler os comentários do blog para que se tenha uma ideia clara do que estou aqui colocando. Como não sou de ficar em cima do muro, não vejo como oportuna e até justa, a substituição, neste momento, do nosso treinador. Pra começar, a palavra está pessimamente colocada. Zé Ricardo, e qualquer outro profissional em atividade no Brasil, pode ser chamado de técnico, jamais de treinador. O motivo é simples. Treinador é quem comanda os treinamentos e, neste calendário maluco em que se joga, sistematicamente, duas vezes por semana, treinar quando?

Muitos reclamam do excesso de bolas alçadas na área, da falta de triangulações e outras coisas mais. Só que isto só pode ser corrigido, idealizado e depurado, nos treinos. Pergunta: Alguém pode me dizer quando foi realizado o último treino coletivo? E o último treino tático? E, estas perguntas valem para qualquer clube. Enfim, a tarefa de quem precisa arrumar um time, ante as circunstâncias atuais, é dura, quase impossível. A saída é ir se ajeitando nos jogos e, desta forma, a solução jamais será a curto prazo.

Já invadimos o segundo semestre e estamos disputando o Campeonato Brasileiro, a Copa do Brasil e a Copa Sul-Americana, com um elenco que teve um pouco do dedo do atual treinador. Se vier alguém, neste momento, estará totalmente fora de sintonia com o grupo e sem tempo para implantar o seu método de trabalho.

Acho que a diretoria deve seguir com Zé Ricardo, sempre avaliando e, ao final destes quatro meses que restam ou, perto disso, definir que maestro comandará a banda em 2018. Aí, se houver uma mudança, o escolhido, seja ele quem for, terá tempo para montar o que vier a julgar como ideal, além de ter na pré-temporada o tempo mínimo necessário para TREINAR O TIME…

Além de tudo já exposto, ainda há mais uma pergunta: neste momento, tirar Zé Ricardo para colocar quem?

Geuvânio vale uma conversa?

Geuvânio (Foto: Reprodução)

Há certas coisas na vida e, consequentemente no futebol, em que se procura o caminho mais difícil, mais problemático, quando um simples telefonema poderia tornar tudo mais simples e, sem qualquer stress.

Este é o caso que envolve o atacante Geuvânio, praticamente contratado pelo Flamengo e, com o Santos ameaçando recorrer à Fifa, pois na transferência do jogador para o clube chinês foi colocado no contrato entre as partes a preferência para o Santos, em caso de retorno do jogador para o futebol brasileiro. E, para piorar, o Santos tem interesse em ter Geuvânio de volta. Resumo da ópera: problema criado e de solução imprevisível.

Paralelo a tudo aqui colocado, aparece o depoimento do presidente do Santos, Modesto Roma, gente boa, que tive o prazer de conhecer recentemente, dando conta de que gosta muito do presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, e que estranha não ter sido procurado por ele, já que a relação entre os dois é a melhor possível.

Como diria minha avó Corina, “um razoável acordo é muito melhor do que uma boa briga”. Fica a sugestão.

O início do sonho

(Foto: Divulgação)

Qualquer torcedor apaixonado sonha com um super time e, com a chegada de Éverton Ribeiro, o retorno de Diego e o momento mágico de Vinícius Júnior, não dá para não começar a montar um time que, se Papai do Céu ajudar, pode vir a ser um papão de títulos. E, reparem que não citei Conca, até porque, pelas imagens que vi do jogo treino, acho que o argentino vai demorar um pouquinho a estar em forma.

Sei que no sistema defensivo ainda temos situações polêmicas, como no gol e na zaga de área, pelo lado esquerdo. Pelo que diariamente lemos aqui no blog, Muralha e Rafael Vaz, embora particularmente não veja como jogadores problemáticos, passam bem longe da unanimidade. Ainda no sistema defensivo, os dois jogadores que, no momento, escalaria como volantes titulares também têm sido muito criticados. De qualquer forma, para o time ofensivo que tenho na cabeça, seria impossível jogar sem Márcio Araújo e Willian Arão.

O melhor está por vir e, não tenho nenhuma dúvida de que, muito em breve, vamos ter um quarteto ofensivo dos sonhos, composto por Diego, Éverton Ribeiro, Vinícius Júnior e Guerrero.

Quando este time entrar em campo, ou melhor, quando este quarteto ofensivo for escalado, estará sendo decretado o fim do pesadelo do peruano Guerrero que, invariavelmente joga isolado no ataque, tendo que bater o corner e, fazer o gol de cabeça.

Os que, hoje, criticam Guerrero vão perceber que, por melhor que seja um atacante, jogar sozinho é quase impossível.

E, com Conca em forma, e Éverton, as alternativas para contusões ou cartões serão de muita qualidade. Enfim, acho que já podemos começar a sonhar…

Reforços

Éverton Ribeiro atuando pela Seleção.

Este talvez seja o tema predileto de qualquer torcedor, pois envolve paixão e, mesmo que a dita cuja não seja tão acentuada, como dizia Vovó Corina, “Pai é pai, mãe é mãe, mas novidade é novidade…”.

A simples viagem do diretor de futebol Rodrigo Caetano, já sinaliza que Éverton Ribeiro está no papo…

Não é nenhum gênio, mas inegavelmente pode ajudar muito. Dos outros jogadores mencionados, amaria ver Júlio César, que vi nascer, encerrar sua carreira no Flamengo.

Outro que me anima é Sassá. Aliás, acho que ele tem a cara do Flamengo e, como temos enorme deficiência no ataque, por que não?

Sem ser pessimista, neste momento, temos apenas dois atacantes qualificados. Guerrero e Vinícius Júnior. E, antes que alguém pondere que Vinicius é muito garoto, que pode sentir o peso da responsabilidade, lembro que estou me referindo à qualidade. Apenas isso, embora tenha comigo que, quando o raro talento existe, a idade jamais será problema. Ainda assim, somando-se, necessidade e qualidade, Sassá seria muito bem-vindo, até porque, passaríamos a ter três jogadores bons para duas vagas. Como o campeonato é longo, perfeito…

O problema, é que para ter Sassá agora, o Botafogo, obrigatoriamente, terá que fazer parte do processo, concordando. Apesar das desavenças últimas, por que não dialogar? Quem sabe um troca-troca?

O incrível para mim é o mistério de como duas belíssimas figuras humanas como Carlos Eduardo e Eduardo Bandeira de Mello viverem se bicando. Deveriam, pelas doces almas, viver se abraçando.
Por que não começar agora a reparar este absurdo desencontro?

Todo cuidado é pouco

O zagueiro Rhodolfo atuando pelo Besiktas

Em meio à desclassificação da Copa Libertadores, e do início de uma análise profunda sobre os motivos que levaram o Flamengo a este resultado inesperado, surge a notícia de que o zagueiro Rhodolfo pode ser contratado.

Se há uma conclusão que, arriscaria dizer ser quase que uma unanimidade, é a de que este departamento de inteligência, responsável por avalizar as contratações feitas pelo clube, vem pisando feio na bola, indicando algumas aberrações que custaram um bom dinheiro.

Como dar seguimento a esta negociação – se verdade for – se este departamento está sob suspeita de profunda incompetência?

Sugiro ao nosso presidente Eduardo Bandeira de Mello que, dê tempo ao tempo. Que suspenda qualquer tipo de contratação até que fique apurado por qual motivo o departamento de futebol vem contratando tão mal.

Com o intuito de estar bem informado e de poder ajudar de alguma forma, localizei uma pessoa da minha total e irrestrita confiança que acompanhou a carreira de Rhodolfo. Reproduzo aqui a mensagem que recebi, em resposta à minha consulta sobre o referido jogador:


– “Teve uma carreira de altos e baixos, no início foi bem no Atlético Paranaense, não repetiu no São Paulo, no Grêmio iniciou bem, depois decaiu de produção, depois que foi vendido perdi contato, mas teve algumas lesões sérias, precisam ter muito cuidado no exame médico”.


Como todos podem observar, não é tão simples. Rhodolfo é mais um enorme ponto de interrogação. Pergunto: A esta altura do campeonato, depois de muitas bolas fora, vale a pena correr este risco?

Previsão realista

(Foto: Buda Mendes/Getty Images)

Sem medo de errar, com toda convicção possível, afirmo aqui, neste dia 16 de maio que, com Conca e Diego ou, mesmo só com um dos dois, e se mais um ATACANTE aparecer para ajudar o solitário e competente Guerrero, o Flamengo vai brigar pelo título de campeão brasileiro.

Internamente, a única chance para o ataque repousa no jovem Vinicius Júnior, caso consiga ele se firmar, jogando nos profissionais 80% do que jogava na base, problema muito bem resolvido. Caso contrário, só contratando.

Éverton Ribeiro, se vier e estiver bem, pode ajudar.