Quem diria…

(Foto Staff Images / Flamengo)

Modéstia de lado, com todo respeito a todos os outros blogs, o nível dos nossos comentaristas, com ou sem corneta, é simplesmente espetacular. Aqui, aprendo muito, o que me dá a possibilidade de reciclar, além de me divertir sempre. Alguns companheiros, já não preciso nem ler o nome, pois conheço pelo texto e, diga-se de passagem, muitos são brilhantes.

Nos comentários após o jogo de ontem contra a Universidad Católica, ficou mais do que claro que, antes combatido, Márcio Araújo virou quase que uma unanimidade rubro-negra. Unanimidade positiva, com muitos companheiros chegando a afirmar que no atual elenco, Márcio Araújo é o único volante realmente combativo e com capacidade de saída de bola.

O lado positivo disto tudo, como no futebol a confiança é quase tudo, é que estamos assistindo à recuperação de um jogador que pode ainda ser de extrema utilidade, principalmente na disputa da Libertadores.

Outra quase unanimidade, só que pelo aspecto negativo, é Rômulo. Acho que estamos vendo os mesmos jogos e os mesmos jogadores. O problema de Rômulo, é que ele não é lá, nem cá. Não destrói e tão pouco ajuda na construção das jogadas. Pode ser que a falta de ritmo – pois andou parado um bom tempo – possa estar influenciando o desempenho ruim de Rômulo. Se é isto mesmo, só o futuro vai definir.

Ainda pelos comentários, há por parte de alguns uma preocupação com Rafael Vaz, que realmente ontem não foi bem. Particularmente, acho a nossa zaga boa. Tipo, queijo minas com goiabada. Os estilos de Réver e Vaz são diferentes e casam perfeitamente. Talvez Rafael Vaz esteja passando um pouquinho do ponto na sua própria auto análise. Aqui, neste caso, talvez seja confiança em excesso. Arriscar menos e diminuir os lançamentos, é o que aconselho.

Vou agora tocar em um ponto que reconheço ser delicado. Não concluí ainda um pensamento definitivo sobre Berrío, porém, até por uma questão de me sentir obrigado a ser sincero nesta tribuna democrática, confesso que estou com a pulga atrás da orelha. Talvez tenha eu, influenciado pelo noticiário otimista, imaginado um tamanho equivocado para o talento deste colombiano que tem cara boa, sorriso encantador, velocidade de gazela, mas que ainda me deixa meio desconfiado… Tomara que eu esteja errado e que esta confissão seja fruto da frustração pela derrota de ontem.

Agora, é sacudir a poeira e pensar no Resende, jogo marcado para sábado, em Volta Redonda, às 18h30. E, lembrar que no outro sábado, dia 25, já pegamos o Vasco.

Libertadores, só no mês que vem, onde os dois jogos em seguida, contra o Atlético Paranaense, o primeiro aqui, e o segundo lá, praticamente definirão se avançamos para as oitavas de final ou, se ficamos na fase de grupos. Ganhar, principalmente o jogo aqui em casa, será absolutamente fundamental. Qualquer outro resultado que não seja a vitória, o risco da vaca ir pro brejo será enorme.

Ainda bem que há tempo suficiente para Zé Ricardo arrumar a casa.

Difícil comentar

(Foto: Staff Images / Flamengo)

. Resultado justo? Não!

. Time foi bem escalado? Juro que, embora aqui não tenha colocado, imaginei que Zé Ricardo pudesse surpreender, com Márcio Araújo ao invés de Gabriel ou Arão. Deu certo – e muito – no primeiro tempo. A estratégia foi feliz, infelizmente, com amplo domínio, faltou o gol.

. Se Zé Ricardo foi feliz na largada, ou seja, surpreendendo e conseguindo o mais difícil, o mesmo não ocorreu na etapa final. A entrada de Berrío, no lugar de Rômulo, foi perfeita, porém, a sequência de alterações, com Gabriel no lugar de Éverton e, principalmente, a de Damião no lugar de Arão, muito ruim, desestruturando o time.

. Hoje, o nosso craque foi um desastre. Diego, além de não contribuir em nada na construção das jogadas, foi o responsável direto pelo gol que tomamos. A falta que cometeu foi totalmente sem sentido.

. A zaga, que vinha muito bem, hoje, só a metade funcionou. Réver, perfeito. Rafael Vaz, titubeante. Laterais participativos, porém, sem brilho. Meio combativo, embora, pouco criativo. Ataque pecando nas finalizações, principalmente Guerrero.

. Outra coisa. Nesta competição, com arbitragens ridículas como a de hoje, a malandragem é terminar com 11. A expulsão de Berrío foi patética. Pouca inteligência… Tão importante como ser rápido, é pensar…

. Agora, é sacudir a poeira e ganhar o próximo jogo, que será contra o Atlético Paranaense, em casa.

. Sugiro segurarmos as cornetas. Continuo otimista. O duro, depois de um jogo como esse, é encontrar o sono…

Só vai dar Brasil na Libertadores

(Foto: Gazeta Press)

Acabo de ver a bela vitória do Botafogo, do Brasil, sobre o Estudiantes, da Argentina.

Embora não tenha um time brilhante, e com um elenco de razoável para bom, determinação, disciplina, força de conjunto e superação, fazem com que o torcedor alvinegro tenha o direito de torcer e de imaginar um final feliz para este sonho continental. No time argentino, o atacante colombiano Otero é o destaque absoluto. Baita jogador. E, jovem…

No Botafogo, o sistema defensivo quase perfeito. Meio pegador, com destaque para Aírton e, ataque que deu para o gasto, com direito a um golaço de voleio, o primeiro. Brilharam, Pimpão, autor do gol da vitória, e Sassá, que entrou e infernizou a defesa Argentina.

A manchete deste blog faz total sentido. Com este novo formato, indo até o final do ano, e com a maior quantidade de clubes, sendo que nesta edição são oito equipes brasileiras, as nossas chances aumentam barbaramente.

Acho bom lembrar que no início da Libertadores, apenas o campeão de cada país podia participar. Depois, campeão e vice. Até aí, era muito ruim para os grandes clubes brasileiros, onde o nosso campeonato é muito mais disputado, com pelo menos dez clubes podendo ser campeão ou vice.

Por isso, os grandes da Argentina, Paraguai e Uruguai ganharam muito mais do que os grandes brasileiros, pois participaram bem mais. Em seguida, um pequeno aumento, proporcional à importância de cada país, e agora, tudo liberado…

Com mais representantes, as nossas chances aumentam de mais. Podem me cobrar. De cada cinco disputas, no mínimo três títulos, quem sabe quatro, (para cravar) vão ficar por aqui. Quem viver, verá.

E nesta quarta-feira, que São Judas esteja em Santiago e, seja o que Deus quiser.

MEENNNNGGOOOOOO!!!!

Pingadinhas de terça…feira!!!

O garoto Manu com Mascherano.

. O pessoal do Grêmio está subindo nas tamancas e declarando guerra ao Barcelona. Emanuel Ferreira, o Manu, hoje com 11 anos, chegou do Nordeste há dois anos para um teste no Grêmio e, com nove aninhos deixou a gauchada enlouquecida. O tempo passou e, eis que o nosso Manu aparece este ano vestindo a camisa do Barcelona, com o pai tendo emprego garantido na Catalunha…

Na minha época de garoto, à primeira vista, o comentário seria de que “deram uma perna de anão” no Grêmio, porém, este tema merece uma análise mais profunda. Pela legislação atual, nenhum jogador pode assinar qualquer contrato com idade inferior a 16 anos, o que torna qualquer ligação, de qualquer menino com um clube, muito frágil.

O que meus amigos gaúchos afirmam é que o empresário de Manu (é verdade! com 11 anos, Manu já tem empresário…) convicto da genialidade do seu “cliente”, providenciou um teste no Barça. Manu encantou e, mesmo não havendo nenhum vínculo entre as partes, com o pai já devidamente empregado e recebendo em euro, Manu vai ficando por lá e, dentro de dois anos poderá ter sua ligação com o clube espanhol devidamente registrada. O Grêmio promete recorrer à FIFA, inconformado com a situação, mas como não há qualquer documento que ligue Manu ao Barça, vai ser difícil reverter o quadro, até porque, a vontade de Manu e Cia… é ficar por lá.

Vamos guardar bem este nome e acompanhar. Quem sabe estamos diante de Messi 2, a missão…


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

. Hoje, vinha ouvindo no carro a Rádio CBN e, para os nossos companheiros de latinha, Zé Ricardo vai começar o jogo desta quarta-feira com Berrío, na direita. Embora não tenha um contato estreito com o treinador, já me julgo um razoável conhecedor do que vai naquela cabecinha e, seria capaz de apostar que vamos começar o jogo com Gabriel.

Sei que este é um jogador muito combatido, mas faço questão de afirmar que, se assim optar, Zé Ricardo estará sendo coerente pelo passado recente e, prudente, levando-se em conta as circunstâncias do jogo. Indo um pouco além, ousaria dizer que alguns jogadores evoluem com o tempo. Ficam melhores, mesmo! E, a meu conceito, este é o caso de Gabriel, a quem considero um jogador útil para compor o elenco. Como já defendo Márcio Araújo, depois dessa, estou pronto para as cornetadas. Futebol, é isso mesmo…


Gustavo Scarpa se machuca durante partida entre Fluminense X Ypiranga-RS. (Foto: Rudy Trindade)

. A diferença entre Flamengo e Fluminense, dentro das quatro linhas favorece ao Flamengo, porém, a diferença não é tão gritante. Esta distância aumenta quando fazemos a comparação entre os dois elencos. Aí, a vantagem do Flamengo é muito boa. Puxo o assunto para falar sobre a fissura no pé deste talentoso Gustavo Scarpa, que deverá parar por quatro ou cinco semanas. Em síntese, o favoritismo do Flamengo para conquistar o Campeonato Carioca, aumentou sensivelmente…


(Foto: Lúcio Adolfo)

. Coisa complicada a volta de Bruno ao futebol. Pela internet, uma enxurrada de ofensas ao goleiro e ao seu empregador. Os patrocinadores do clube certamente não foram consultados sobre a polêmica contratação e, inconformados com a possibilidade da transmissão de uma imagem negativa para as marcas, estão tirando o time de campo… É verdade que alguns torcedores foram assistir e apoiar o primeiro treino de Bruno, pelo Boa, seu novo clube.

Tudo vai depender muito da cabeça do Bruno, pois em cada jogo ele terá que ouvir, com certeza,  da torcida adversária, cobras e lagartos… A provocação será permanente, como aconteceu com Edmundo, após o acidente de automóvel na Lagoa. Neste aspecto, Edmundo foi light, matando no peito as provocações e reconstruindo, com a ajuda do tempo, a sua carreira. Não vai ser fácil para Bruno….

Parece brincadeira

(Foto: Staff Image / Flamengo)

Hoje, bati um bom papo com o diretor de futebol do Flamengo, Rodrigo Caetano, e senti nele a preocupação com o gramado para o próximo jogo do Flamengo no Maracanã.

Ontem, quando a bola rolou, comentei com meu amigo Michel Assef que o gramado estava ruim, dificultando a troca de passes, pois a bola mais parecia uma pipoca.

Claro que, para quem é mandante e tem que propor o jogo, o prejuízo técnico é enorme. O problema que assusta reside no fato de que, já hoje, o Flamengo não tem voz de comando na administração do estádio, e o piso é parte deste processo.

Pela Libertadores, o Flamengo voltará ao Maracanã contra o Atlético Paranaense no dia 12/04, portanto, se não houver interrupção no tratamento do gramado, haverá tempo mais do que suficiente para ter o problema solucionado. A ação, junto à Odebrecht e ao Governo do Estado, tem que ser feita de maneira imediata.

Poupar é preciso

O nosso próximo jogo pelo Campeonato Carioca será no próximo sábado, em Volta Redonda, contra a Portuguesa. Como pela Libertadores o Flamengo já joga na quarta-feira que vem, em Santiago do Chile, contra a Universidade Católica, o jeito é poupar todos os titulares na estreia pela Taça Rio.

A decisão é mais do que acertada, até porque, além do adversário ser difícil, a viagem para Santiago não é uma ponte aérea…

Como o elenco é numeroso e de boa qualidade, não vejo grandes problemas, e até fica interessante poder dar ritmo de jogo a quem tem ficado de fora. Decisão pra lá de correta…

Muita calma nessa hora

O vídeo acima foi uma verdadeira febre na Internet após a estreia do Flamengo na Copa Libertadores. Respeitando os mais otimistas, e os que têm a necessidade de transmitir este otimismo, prefiro a tática do ‘Mineirinho come quieto”…

Particularmente, acho que este tipo de coisa é dar arma para o adversário e criar internamente entre os jogadores uma obrigação que pode se transformar em peso insuportável. Lembram da história do “cheirinho”? Pois é…

Quarta-feira dos deuses do futebol

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Que quarta-feira foi essa?

Confesso que, pra começar, foi o dia de maior superação na história do futebol. O que fez o Barcelona, jamais havia visto em nenhum gibi do futebol. Entrar precisando fazer 4 a 0, e assim mesmo tendo que decidir nos pênaltis era missão quase impossível. Quase…

O futebol é o mais apaixonante esporte do mundo, exatamente pelo fato de ninguém ter a garantia de nada, por maior que seja a vantagem ou a suposta superioridade. O futebol é mágico…

Dos 42 aos 50 minutos do segundo tempo, precisando, o Barça fez três gols, sendo o da classificação, no último minuto. Neymar, decisivo. Vitória épica!!! 6 a 1 improvável, mas o futebol permite isso, principalmente quando há talento. Que vitória do Barça!!! Que loucura!!!

Na sequência, no Maraca, só deu Mengão. Estreia na Libertadores para ninguém colocar defeito. Primeiro tempo morno. Segundo, alucinante. E, 4 a 0 foi pouco…

Festa linda, proporcionada por esta incomparável torcida.

A zaga, perfeita. Este Rafael Vaz, que alguns criticam, show… Laterais participativos. Meio de campo confuso no primeiro tempo e solto no segundo. Diego, Éverton e Arão, ditando o jogo. Berrío, uma alegria. “Fio Maravilha” colombiano… E, Guerrero, dando uma mão de obra descomunal para a defesa argentina. Até Gabriel brilhou…

Repito o que já disse mil vezes aqui: o Flamengo tem elenco para brigar por qualquer título no nosso continente. Além disso, tem a mais louca e apaixonada torcida do mundo.

Que quarta-feira…. Para quem ama o futebol, que sonho…

Difícil vai ser dormir. Também, depois de tudo, de tanta emoção, dormir pra que?

Está chegando a hora

Treino da equipe hoje, no Maracanã, palco da disputa de amanhã (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo).

. Para não quebrar o clima bagunçado e para não deixar de dar susto no torcedor, o noticiário da tarde desta terça-feira anunciava a possibilidade do jogo entre Flamengo e San Lorenzo ser adiado. A briga do dia foi a má vontade de quem administra o Maracanã em permitir uma última vistoria por parte do órgão competente. Ainda bem que prevaleceu o bom senso e, o jogo está confirmado.

. Felizmente a perda do título da Taça Guanabara para o Fluminense não influenciou na vontade do torcedor rubro-negro em ver o seu time estrear na Libertadores. Ainda bem que o jogo está marcado para às 21h45, pois se fosse mais cedo, com o trânsito caótico, muita gente iria entrar no estádio para ver o segundo tempo…

. Meu querido amigo Joca, que tanto já trabalhou pelo Flamengo, e sempre com alegria e brilhantismo, enviou mensagem de preocupação com o nosso time. O que mais me chamou a atenção foi o fato de ele frisar que, ao contrário dos maiores times europeus que só contratam goleiros gigantes, o nosso tem somente 1,84m. Alertei o meu querido amigo para o fato de poder ser bem pior, pois se Muralha tiver qualquer dor de barriga, quem assume a camisa 1 na Copa Libertadores?

. Não tenho informação sobre o time que vai começar o jogo amanhã. Se me coubesse escalar, iria de Berrío, pela direita e, colocaria Márcio Araújo no lugar de Rômulo. Como Zé Ricardo vem repetindo o mesmo time, com Mancuello e Rômulo, não é incoerente que ele opte pela repetição. Tomara que eu esteja errado e, o time que entrar nos encante com uma bela atuação

Aliás, este é um bom tema. O fato de, como torcedor, entender o que seja melhor para o Flamengo, diferente do que pensa o treinador, jamais vai me tirar a alegria de torcer pelo time que venha a entrar em campo. Tenho notado ultimamente, alguns torcedores amigos, mais apegados às suas convicções do que pelo prazer de torcer, seja lá o time que venha a ser escalado. A birra é o estopim da vaia…

. Portanto, apoiar desde o primeiro segundo, é absolutamente fundamental. A cizânia interna é a maior arma que podemos oferecer ao adversário. É remar contra…  É pouco inteligente…

. Li uma matéria em que o nosso goleiro Muralha rebate com veemência o jornal argentino Olé que, analisando o Fla-Flu, considerou a defesa rubro-negra, frouxa, fraca… Aí, o nosso camisa 1 afirmou que os argentinos vão ver no jogo quem é frouxo…

Acho bom lembrar que o jogo é jogado. Quem entra com outro tipo de pensamento, como o de ser mais macho, acaba fazendo bobagem. A grande malandragem num jogo pegado é terminar com 11. E, não esquecer nunca que a arbitragem na América do Sul nunca nos foi favorável. Como dizia João Havelange: “Nós falamos. ELLOS HABLAN”!!! Portanto, raivinha de lado e, vamos jogar bola…

. Neste grupo, realmente intrincado, não preciso dizer o quão é fundamental ganhar este jogo, até porque, é em casa.

Que São Judas esteja conosco e, que seja o que Deus quiser.

MEENNNNGGOOOOOO!!!!

Cornetas e cornetadas

(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Qual a diferença? Simples.

As cornetas soam como sinal de alerta, têm o otimismo como alicerce e o objetivo único de um futuro feliz.

As cornetadas, ao contrário, bailam de acordo com os resultados e, quando negativos, são válvulas de escape do inconformismo e do péssimo humor.

Faço esta introdução para sugerir aos queridos companheiros e amigos deste blog, profunda reflexão sobre o jogo de ontem e, em função disso, dos inevitáveis comentários. As cornetas são pontuais. São sopradas em função de um lance ou, de um jogo.

Todos que fazem parte deste blog são testemunhas de que considero este elenco do Flamengo de bom nível e, que o nosso treinador tem demonstrado coerência na maioria esmagadora dos jogos, escalando e substituindo. Portanto, quando pontualmente, em função de um jogo, critico a postura do meio campo pouco combativo e a isto atribuo a ausência do melhor ladrão de bola do elenco, que é Márcio Araújo, estou apenas soprando a corneta da preocupação, em função do que vem aí pela frente na Libertadores.

Da mesma forma, achei que no intervalo este defeito poderia ter sido corrigido, bem como, o Cirino colombiano ter entrado no lugar de Mancuello. Ah, ia esquecendo. Estranhei na escalação para a cobrança dos pênaltis o treinador ter preterido atacantes em favor de dois zagueiros e, aí confesso que escorreguei, cornetei, pois isto é absolutamente relativo, e a escalação para as cobranças vai muito mais pelo momento emocional do jogador, do que pela posição em que ele atua.

Agora, vamos às cornetadas. Estas normalmente acontecem pelo inconformismo do insucesso, normalmente imediatamente após os jogos, quando a decepção compromete qualquer conclusão mais equilibrada. Quando disse que, para este time, Márcio Araújo é mais útil do que Rômulo, não afirmei que o ex-jogador do Vasco é um perna de pau. Ao contrário, o considero um bom jogador, porém, não tão combativo quanto Márcio Araújo. Ao contrário, houve quem dissesse que Márcio Araújo não sabe jogar bola. Aí já é cornetada… até porque, está muito longe da verdade.

As cornetadas foram além, como as críticas contundentes ao zagueiro Rafael Vaz, fato que considero injusto. Houve até quem aqui comentasse que, antes da zaga ser composta por Rever e Rafael Vaz, ali residia o calcanhar de Aquiles do time. Pura verdade…

Enfim, nas cornetadas sobrou também para: Muralha, Pará, Trauco, Arão, Gabriel, Berrío e, até para Diego…

Continuo achando que temos um bom elenco, com um time quase formado. Não está pronto, pois duvido que alguém garanta ser Mancuello a melhor opção para jogar pela direita, bem como ser Rômulo o jogador que dê consistência e garanta o sistema defensivo.

No mais, que outra dúvida pode haver? Alguém pode comentar que o treinador não é suficientemente experiente, o que é verdade. Mas, aí pergunto principalmente para quem pensa assim: seria sensato, coerente, trocar o treinador neste momento? E, vou adiante: para colocar quem, se os bons estão empregados e o bom que não está (Cuca), não quer saber de treinar time nenhum este ano?

Resumo da ópera: Embora não tenhamos a seleção húngara de 54, temos um bom elenco e um time que, dependendo de um detalhe aqui, outro ali, pode brigar por qualquer título. Claro que, para isto acontecer, há de estar presente, fora e dentro das quatro linhas, a tal da competência, acompanhada por madame sorte…

Este jogo de depois de amanhã pela Libertadores, contra o San Lorenzo, da Argentina, é um bom teste para que tenhamos a noção de por onde anda “dona competência”, e se este time tem poder de superação. E, que “madame sorte” troque o tricolor pelo rubro-negro…